Biblioteca

Leia em 10 minutos

Marketplaces são a chave para vendas mobile

14/11/17 - por TOTVS
Esse conteúdo ajudou 0 profissionais
compartilhe:

Apontado pelos especialistas como a nova fronteira do varejo eletrônico, o m-commerce (ou mobile commerce, o varejo eletrônico por meio de plataformas móveis, como smartphones) conquista cada vez mais os consumidores mais jovens. E os marketplaces são uma chave fundamental para cativar essa nova geração de clientes móveis, acostumados a realizar compras rápidas, em qualquer lugar e à qualquer hora.

 

Vejamos como isso acontece.

As últimas pesquisas indicam que as vendas mobile vêm crescendo aceleradamente. Segundo o Pulso do Consumidor On-Line, realizado pela UPS nos Estados Unidos, com 5 mil consumidores, mostra que 48% deles realizaram compras com seus smartphones este ano. Contra 44% em 2016, e 41% em 2015.

 

Trata-se de uma mudança geracional. Entre os consumidores da Geração do Milênio, nascidos a partir dos anos 1990, o percentual médio de usuários do m-commerce foi de 29% contra apenas 10% nas demais faixas etárias.

Enquanto isso, no Brasil, 24,6% dos pedidos realizados no comércio eletrônico durante o primeiro semestre de 2017 foram feitos por meio de celular, segundo levantamento da consultoria EBit. O número representa uma alta de 40% em relação ao mesmo período de 2016.

 

O crescimento das vendas mobile não é por acaso. Segundo o IBGE, o celular se consolidou como principal meio de acesso à internet no Brasil. Enquanto o acesso por microcomputador caia de 76,6% em 2014 para 70,1% em 2015, o percentual de usuários que acessa a internet pelo smarphone subiu de 80,4% para 92,1% no mesmo período.

 

Taxa de Conversão

O potencial do m-commerce, como se vê, é enorme. Antes, no entanto, é preciso vencer algumas barreiras. A principal delas, a baixa taxa de conversão nas vendas on-line por meio de smartphones. Nos Estados Unidos, maior mercado global do varejo eletrônico, o percentual de conversão nessa plataforma era de apenas 1,3% contra 4% no acesso por desktop, em 2016, de acordo com a consultoria Monetate.

O segredo para superar essa barreira, no entanto, pode estar nos marketplaces, portais de comércio eletrônico que agregam centenas de lojas virtuais. O mais famoso deles é a Amazon, líder do varejo eletrônico nos Estados Unidos e maior empresa de varejo do mundo. No Brasil, empresas que operam com esse modelo, como Americanas.com, Submarino, Magazine Luiza e Extra.com, entre outros, lideram as vendas concentrando mais da metade do faturamento do setor.

E ao que tudo indica, a liderança dos marketplaces deve se estender pela nova fronteira do m-commerce. É que esses verdadeiros shoppings virtuais vêm se mostrando uma excelente ferramenta para atrair os jovens consumidores mais assíduos – justamente os mais propensos a usar a nova plataforma.

Segundo o Pulso do Consumidor On-Line 2017, da UPS, 97% dos consumidores que realizaram mais de sete compras on-line, em um período de três meses, fecharam negócio em um marketplace.  O número representa uma alta significativa em relação aos já impressionantes 85% registrados no levantamento de 2016.

 

Por que comprar no marketplace

Entre os fatores que levam os consumidores mobile a preferir a compra nos marketplaces, 65% deles apontaram os preços mais baixos, estimulados pela competição entre as lojas e entre os portais. E 55% indicaram que fretes grátis ou com desconto pesaram na decisão de compra.

Os marketplaces também vêm ganhando mais espaço como fonte para pesquisa de compras, segundo o levantamento da UPS. Entre os entrevistados, 29% disseram que pretendem pesquisar mais sobre os produtos dentro dos portais em suas próximas compras. E 30% disseram que pretendem aumentar suas compras em marketplaces no próximo ano.

Esses números levam a conclusões importantes:

- Os marketplaces se consolidam como a principal porta de entrada para os consumidores no varejo virtual, ao oferecer melhores preços, mais variedade de produtos e facilidade de comparação. O que tornará esse canal cada vez mais importante para os varejistas nos próximos anos.

- O peso da plataforma mobile tende a crescer fortemente nos próximos anos, à medida que a Geração do Milênio expande sua influência na economia.

- Para conquistar o consumidor jovem, que dá preferência cada vez mais ao mobile, os varejistas precisam melhorar a qualidade da experiência do cliente nessa plataforma (seja em acesso web ou por app). Essa experiência, em geral, ainda é pobre e a taxa de conversão, baixa.

- O marketplace será fundamental para atrair o consumidor mobile para sua loja.

- Quem não fizer isso, corre o risco de perder uma geração inteira de clientes para a concorrência nos próximos anos.

 

TOTVS Sales Hub

Essa transformação no comportamento do consumidor, portanto, vai exigir que os varejistas adaptem suas operações virtuais tanto no ambiente móvel quando no marketplace. Para isso, serão necessários investimentos em integradores de marketplace, soluções que permitam operar simultaneamente em diferentes portais, gerenciando preços, estoques, ofertas, pedidos e acessos pelas mais diferentes plataformas, com trocas de dados confiáveis entre a empresa e o marketplace.

Soluções como o TOTVS Sales Hub, que integram todos os dados do ERP da sua empresa com a operação da loja virtual em uma plataforma simples, eficiente e flexível, são capazes de aumentar em até três vezes o faturamento de uma loja virtual dentro do marketplace. Com elas, além de impulsionar seu e-commerce, você abre as portas do seu negócio para as vendas mobile e o futuro do varejo.

 

Documento

Download PDF Imprimir

Esse conteúdo ajudou

Sim Não

Entenda como o marketplace impulsiona a cadeia de suprimentos

7 dicas para melhorar a gestão da sua empresa e aumentar a produtividade

Produtos relacionados