cross-docking

Principais vantagens em adotar o sistema cross docking

Equipe TOTVS | GESTÃO PARA O ATACADISTA DISTRIBUIDOR | 18 fevereiro, 2020

Uma entrega ágil é capaz de aumentar a satisfação do seu cliente. Contudo, para otimizar o seu sistema de transporte e elevar a rapidez dos envios de produtos, é preciso buscar uma metodologia ou estratégia logística que propicie isso. Nesse caso, o sistema cross docking pode ser a solução.

Quando implantado da maneira adequada, é possível acelerar processos de distribuição de mercadorias. Esse sistema também permite gerar economia e simplificar a gestão de boa parte de sua cadeia de suprimentos (supply chain). Para mostrar os benefícios desse modelo logístico, separamos um pequeno guia com as principais características e benefícios.

O que é cross docking?

Para entender melhor o que é cross docking, podemos traduzir o termo de forma livre, que significa “cruzando as docas”. O sistema recebe essa denominação por conta de sua origem. Ela advém do sistema empregado por navios em galpões, nos quais desembarcavam mercadorias que eram transportadas por meio de esteiras automatizadas para automóveis organizados por destino e região.

Se trata de um modelo logístico em que não é preciso contar com grandes espaços para estoque. Isso porque, no instante em que o cliente faz um pedido de um item com a empresa, essa solicitação é repassada para o seu fornecedor. O mesmo se encarrega de mandar o produto para um centro de distribuição (CD), do qual é despachado diretamente para o consumidor.

Dessa forma, a operação de cross docking acaba sendo útil para toda a cadeia de suprimentos que atuam como intermediários, e que não contam com locais amplos para armazenagem de bens. Afinal, quando os produtos chegam, eles já saem para entrega, pois já foram vendidos.

Normalmente, assim que o fornecedor descarrega os itens, os funcionários do centro de distribuição já os organizam nos veículos de entrega. Como esses produtos não se tornam estoque da empresa, são considerados parte do inventário dela.

Quais são os principais aspectos?

O cross docking apresenta algumas características importantes, como pouco período total de permanência do produto com a empresa e despacho imediato. Além da possibilidade de um sistema ágil para troca, uma vez que o item que será substituído também não fica parado em um estoque.

O produto chega nas empresas de cross docking e já é enviado ao fornecedor para troca, ou pode ser mandado diretamente pelo cliente. Contudo, é preciso uma boa gestão nesse processo, já que a mercadoria nem sempre passa pelas mãos da organização. Também existem formas diferentes desse sistema, como:

  • Movimentação híbrida ou consolidada: aqui, as mercadorias são recebidas e separadas em dois grupos. Um é enviado ao cliente final, enquanto outro pode ser mandado ao estoque para, por exemplo, ser agrupado a outros itens a fim de vender produtos em kits ou completar pedidos de vários objetos diferentes;
  • Movimentação contínua: as mercadorias são recebidas e encaminhadas o mais rápido possível. É o modo convencional de cross docking, que procura evitar o acúmulo de bens no almoxarifado,
  • Movimento de distribuição: produtos são recebidos e divididos para distribuição por meio de cargas Full Truck Load (FTL) para os clientes. Geralmente, é empregado em negócios business to business (B2B).

Diferença entre transit point e crossdocking

Por serem ambos sistemas de distribuição em que a mercadoria é expedida de centros de distribuição diretamente para o cliente, podem surgir algumas dúvidas sobre a diferença entre cross docking e transit point. Veja a seguir as particularidades de cada um desses sistemas:

Transit point

O transit point é caracterizado por não manter um estoque, pois os produtos já possuem destinos definidos. Os clientes pré-alocam os itens para que sejam imediatamente expedidos para a entrega local. Possui um baixo custo de manutenção já que se trata de uma estrutura simples, com gerenciamento facilitado.

Cross docking

Já o cross docking funciona envolvendo diversos fornecedores e atendendo clientes comuns. É geralmente utilizado pelas cadeias de varejo. Os paletes são identificados por código de barra e há definições sobre origem e destino de cada produto.

Principais vantagens desse sistema

Assim como todas as coisas, existem vantagens e desvantagens do cross docking. Neste artigo, falaremos sobre como esse sistema pode beneficiar seu negócio:

Redução de custos com estoque

Esse sistema reduz a necessidade de armazenar produtos em um almoxarifado, gerando economia de valores que seriam investidos em operacionalização, manutenção e higienização desse setor. Os gastos logísticos são consideráveis, e reduzir custos de estocagem pode gerar grandes economias e até ajudar no lucro da empresa.

Isso porque os itens não são guardados no armazém da empresa, pois são destinados aos clientes após chegarem do fornecedor e serem checados. Portanto, diminui-se ou até elimina-se o custo de armazenagem ou de estocagem. Por esse motivo, é muito vantajoso adotar o cross docking no e-commerce.

Maior agilidade na movimentação de mercadorias

Dá para solicitar o envio de produtos de todos os fornecedores para um centro de distribuição. Assim, as encomendas podem ser agrupadas para que sejam distribuídas em um bairro ou local específico.

Dessa forma, a frota sai do CD com carga completa (Full Truck Load), além de ter as suas rotas de entrega aprimoradas. Toda supply chain da organização pode se tornar mais ágil com isso, além de o cliente receber os seus itens mais rapidamente.

Sem falta de mercadoria

Outra vantagem é a redução ou até eliminação de problemas com falta de mercadoria para entregar ao cliente. Como o produto só é encomendado após o pedido do consumidor, então a empresa dependerá diretamente do fornecedor que, muitas vezes, é quem produz a mercadoria.

Como implantar nas empresas?

Para esse sistema dar certo, é importante ter eficiência na sincronização de pedidos recebidos e solicitações feitas aos fornecedores, bem como no fluxo das mercadorias e das informações trocadas com os seus parceiros. Veja algumas dicas essenciais:

Invista em um sistema de gerenciamento

É indicado contar com um sistema de gerenciamento com um módulo logístico. Essa solução possibilita coordenar e estruturar os dados desses processos. Esse software ajuda a registrar informações sobre quando as cargas serão recebidas, qual é o destino delas, qual é o número de pacotes etc.

Isso auxilia no bom planejamento das operações. Esse sistema de gestão também agrupa e sintetiza as informações entre os vários setores do cross docking, como o departamento de compras e o de transporte.

Treine sua equipe

É fundamental treinar a equipe para conseguir lidar com as demandas. Afinal, a implantação do cross docking pode alterar profundamente o funcionamento da cadeia de suprimentos. Deste modo podem exigir competências e habilidades diferentes das necessárias atualmente de seu quadro de colaboradores.

Invista em um centro de distribuição

Como visto acima, o CD é importante para que o sistema funcione. Afinal, esse é o lugar em que os produtos chegarão dos fornecedores para serem reorganizados e enviados aos clientes. Para isso, é possível procurar um parceiro que possa disponibilizar um CD ou um espaço dele.

Inclusive, dá para buscar uma transportadora especializada que tenha um centro de distribuição. Nesse caso, verifique se ela trabalha com cross docking, de modo a ter a expertise necessária para lidar com esse sistema.

Esse tipo de experiência pode ser vantajosa para o seu negócio. E para entender mais sobre o melhor tipo de distribuição para sua empresa, leia nosso artigo.

Nova call to action

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *