É possível tornar as demonstrações financeiras mais eficazes?

No contexto da gestão empresarial, as demonstrações financeiras figuram como um instrumento poderoso para garantir a longevidade do negócio. Mais do que permitir uma condução transparente dos processos internos, as demonstrações ajudam a controlar os custos, antever riscos e a otimizar a tomada de decisão.

Por esse motivo, é fundamental que gestores e líderes tenham plena consciência não só da importância desse expediente, mas principalmente saibam como torná-lo mais eficaz e condizente com os objetivos da companhia.

Por isso, pensando em ajudar, preparamos este post para mostrar a você como fazer das demonstrações financeiras um elemento estruturante para os objetivos e resultados da sua empresa. Acompanhe!

Importância das demonstrações financeiras

Se for possível resumir a relevância das demonstrações financeiras em um único termo, talvez o mais indicado seria “visibilidade”.

As demonstrações dessa natureza têm como objetivo garantir às equipes financeiras, ao gestor, ao diretor e aos demais membros com poder de decisão o total conhecimento sobre as finanças do negócio, projetando um cenário global mais real.

Essa visibilidade é, sem dúvida, um elemento-chave para a tomada de decisão, visto que fornece um suporte fático mais rígido sobre diferentes aspectos da companhia, garantindo que nenhuma informação financeira seja desconsiderada ou mal interpretada na hora de decidir.

Por meio de expedientes próprios, análises e relatórios técnicos, as demonstrações financeiras trazem uma noção qualitativa e quantitativa dos resultados da empresa. Com base nisso, é possível conhecer melhor a sua realidade sob diferentes enfoques, tais como:

  • a composição do seu caixa;
  • as suas projeções;
  • as entradas e saídas de capital;
  • o retorno sobre investimentos etc.

Além disso, as demonstrações financeiras são importantes também para as decisões de investidores em potencial, já que esse tipo de indivíduo precisa de uma noção ampliada da empresa na qual pretende investir, até para que tenha mais segurança para aplicar recursos e avaliar o retorno.

Principais tipos de demonstrações financeiras

O termo demonstrações financeiras pode ser entendido como um gênero do qual derivam algumas espécies de relatórios, cada um com a sua metodologia e abordagem. São eles os responsáveis por materializar a noção de visibilidade sobre os números financeiros da organização.

A seguir, listamos os principais tipos de demonstrações para que você entenda melhor. Confira!

Balanço patrimonial

O balanço patrimonial é a modalidade de demonstração financeira voltada à indicação, quantitativa e qualitativa, em determinado período de avaliação, da posição patrimonial e financeira da empresa.

Para isso, as contas são classificadas de acordo com os elementos do patrimônio e são agrupadas de uma forma que se tenha total visibilidade e conhecimento da situação financeira da companhia.

O balanço patrimonial, em regra, é constituído pelos seguintes elementos:

  • ativos: engloba os bens, os direitos e as aplicações de domínio da empresa, os quais geram algum tipo de retorno econômico;
  • passivos: é o numerário relativo às obrigações firmadas pela organização perante terceiros, como empréstimos e dívidas de outras naturezas;
  • patrimônio líquido: é a diferença positiva resultante da subtração do passivo sobre o ativo.

Fluxo de caixa

A demonstração de fluxo de caixa (DFC) é também uma das rotinas contábeis mais importantes no contexto das empresas. É a partir dela que gestores têm conhecimento sobre todas as entradas e saídas de capital no caixa da companhia ao longo de todo o ano.

De modo geral, a DFC fornecerá uma visão objetiva da viabilidade operacional de curto prazo da empresa a partir de, por exemplo, sua capacidade arcar com as dívidas.

Assim, caso o negócio não esteja se comportando de maneira satisfatória, não gerando caixa necessário para honrar as suas obrigações, é imprescindível que essa realidade fique evidenciada na demonstração de fluxo de caixa.

Demonstração do Resultado do Exercício (DRE)

Apesar de ser bastante semelhante ao balanço patrimonial, em termos de dados utilizados e proposta, a DRE resume as suas informações ao período de um ano, o chamado ano contábil.

Nesse sentido, a Demonstração do Resultado do Exercício é uma espécie de demonstração financeira que tem como objetivo sistematizar informações dessa natureza para formar o resultado líquido do período avaliado, isto é, o lucro ou prejuízo obtido pela operação da empresa.

A formação desse resultado se dá a partir da definição de todas as receitas do negócio, assim como os seus custos (fixos e variáveis) e despesas de acordo com o Regime de Competência adotado.

Apesar de a obrigatoriedade de formulação e apresentação desse documento ser anual, em muitos casos, a DRE é gerada mensalmente para fins gerenciais e administrativos, servindo de apoio para a análise dos resultados por parte dos responsáveis pela condução da empresa.

Como torná-las mais eficazes

Como vimos, as demonstrações financeiras são típicos exemplos de expedientes burocráticos e técnicos. Por esse motivo, realizá-las com precisão e coerência não é uma tarefa tão simples quanto parece.

No entanto, hoje, a tecnologia é a grande aliada das empresas quando o assunto é gestão contábil e financeira. Para se ter ideia, muitos dos cálculos, das avaliações e dos relatórios já são assumidos por softwares de gestão, que detém funcionalidades de extrema valia para a condução otimizada, transparente e simplificada das finanças do negócio.

A automação, nesse contexto, é uma ferramenta que agrega bastante aos resultados da companhia, visto que os softwares já antecipam grande parte das tarefas, seja coletando informações, seja sistematizando-as de forma a facilitar posteriores leituras e composição dos relatórios contábeis.

Além disso, as ferramentas com esse escopo auxiliam a empresa a partir das seguintes características:

  • consolidação dos dados em um único sistema: um ERP, por exemplo, garante uma maior integração às informações da companhia, centralizando o acesso em um repositório único, mais organizado e apto a fornecer o que os gestores necessitam;
  • projeções mais realistas e aprofundadas: a grande capacidade de processamento e análise dos softwares dá um suporte gerencial altamente rígido para a empresa, reduzindo riscos financeiros, perdas e prejuízos, por exemplo, pela falta de previsibilidade de receitas, despesas e custos. Com o software, tudo isso é controlado ativamente em tempo integral;
  • automatização dos processos: como citado, os softwares garantem mais eficiência na hora de coletar, armazenar, integrar e gerir informações oriundas dos mais diferentes setores dentro do negócio. Essa automação garante fluxos de trabalho mais consistentes, ágeis e menos suscetíveis a erros e gargalos nas operações.

Por fim, como foi possível perceber, as demonstrações financeiras são de suma importância para a gestão de uma empresa. Além de atender às exigências impostas pela lei, esse tipo de rotina fortalece a saúde financeira do negócio, ao fornecer indicadores precisos e uma noção profunda de tudo que acontece em determinado período.

Vale destacar, ainda, o papel da tecnologia nesse cenário, visto que as capacidades e funcionalidades dos softwares de gestão são cada dia mais robustas, o que torna a coleta dos dados uma tarefa muito mais dinâmica, orgânica e produtiva.

Então, gostou de aprender um pouco mais sobre as demonstrações financeiras? Restou alguma dúvida ou quer compartilhar as suas impressões conosco? Sinta-se à vontade para deixar o seu comentário abaixo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *