Economia da recorrência: por que esse modelo está transformando a forma como as empresas atuam?

Você já ouviu falar em economia da recorrência? O seu conceito não é atual, mas o seu nome passou a ser usado há pouco tempo, pois várias empresas estão adotando esse método de venda por assinatura. Esse modelo de oferta de serviços é bastante útil, principalmente quando o assunto são vendas de soluções tecnológicas.

Com ele, ter acesso a diversos itens se torna muito mais simples, e o usuário fica inclinado a adquirir novas ferramentas. De forma simples, essa metodologia é um tipo de venda periódica automática de algum produto ou serviço.

Para saber mais sobre o assunto, acompanhe este post e saiba como esse modelo tem transformado a maneira de atuação das empresas.

Afinal, o que é a economia da recorrência?

A economia da recorrência é um modelo de negócios que é direcionado na oferta de acesso a mercadorias e serviços prestados mensalmente por meio de um método de assinaturas. A Netflix, por exemplo, utiliza esse sistema e foi uma das responsáveis por quase extinguir o mercado de locação de filmes.

Isso ajuda a entender o impacto e a relevância que esse tipo de negócio apresenta para os futuros mercados. Contudo, é preciso destacar que a economia da recorrência vai bem além do consumo de filmes, séries e músicas. Atualmente, há diversas empresas de vários segmentos que estão investindo nessa área, adaptando os seus serviços e itens à modalidade de pagamento recorrente.

Isso quer dizer que as alternativas são inúmeras para os empreendedores que tenham interesse nesse mercado. Qualquer relacionamento comercial em que há um serviço prestado ou uma mercadoria disponibilizada com renovação periódica está apto para fazer o uso desse sistema.

Sendo assim, a perspectiva é que esse método de pagamento recorrente seja um futuro representante nas relações comerciais, visto que, atualmente, a era da sustentabilidade promove mais valor para as pessoas e menos valor para as coisas.

A principal ideia desse sistema precisa ser entendida pelas empresas levando em conta a avaliação e a viabilidade de inseri-lo em suas realidades — uma vez que ele representa o futuro para muitos tipos de empresas.

Nessa linha, a economia da recorrência é voltada para determinadas regras que precisam ser seguidas a fim de manter a sustentabilidade do modelo de negócios. Entre elas, pode-se apontar:

  • comodidade;
  • simplicidade tanto na adesão quanto no cancelamento;
  • transparência na relação;
  • sistema de preços baseado no consumo;
  • uso de serviços/itens com direito de acesso, e não com direito de propriedade. ​

Quais são as vantagens desse modelo de negócios?

As organizações que optam pelo sistema de assinaturas para ter acesso a bens e serviços experimentam uma série de benefícios. Como exemplo, pode-se elencar a previsibilidade da receita. Por se tratar de um consumo recorrente, é viável supor quanto o negócio vai faturar nos próximos meses e, fundamentado nisso, planejar onde aplicar o capital.

Outra vantagem é a redução do custo de aquisição de potenciais consumidores. Assim que um cliente se torna assinante, ele começa a fazer parte da pasta da empresa. Além disso, o fluxo de caixa também fica mais estável.

Os compradores também se beneficiam bastante, já que a economia da recorrência permite o acesso a itens sempre atualizados, oferece conforto, transparência, praticidade, comodidade, processos menos burocráticos e segurança. Enfim, o negócio que trabalha sob esse método consegue criar um relacionamento bem melhor com os clientes e disponibiliza outras mercadorias e serviços, ampliando assim o valor do ticket médio.

Como a economia da recorrência está transformando as empresas?

Diversas empresas já surgem direcionadas no modelo de venda recorrente. Outras, que estão há mais tempo no mercado, buscam se adaptar à nova maneira de fazer negócios. Iniciando pelas mais recentes, quando a temática é serviços por assinatura, a Netflix é sempre lembrada como um dos principais modelos.

Ela é responsável por fazer vendas de acesso mensal para pessoas que desejam conteúdos voltados para filmes e séries. Ou seja, com esse tipo de serviço, não é mais preciso investir em DVDs que ocuparão espaço nas casas; você pode se entreter com vários conteúdos desde que tenha acesso à Internet.

O mercado literário também tem se direcionado para essa nova tendência. Aqui pode-se citar a TAG, que trabalha com planos de assinatura para os amantes de livros. Nesse caso, o interessado assina o serviço e, mensalmente, ele recebe em casa um título em uma edição única.

Antigamente, a Microsoft comercializava os seus programas por meio de um CD com o software para instalar no computador. Nos dias de hoje, ela pratica a venda de SaaS (Software as a Service). Ou seja, para usar os seus produtos, é necessário pagar por uma licença periódica. A Adobe também se direcionou nessa mesma perspectiva e, desde 2012, ela vende o acesso a suas ferramentas por meio de assinaturas.

Como migrar o negócio para o modelo da economia da recorrência?

Para as empresas que desejam mudar o seu negócio para esse novo modelo, é preciso, antes de qualquer coisa, colocar em prática um mapeamento. Você deve compreender as particularidades e características da sua empresa e analisar quais são as necessidades do mercado consumidor em que os seus itens e serviços estão inseridos.

É preciso ter em mente que a sua mercadoria ou serviço deve apresentar uma demanda. O seu negócio necessita estar preparado para fornecer um serviço de qualidade aos usuários. Como o sistema de contratação e cancelamento é bem simples, o consumidor deve estar em primeiro lugar, e o atendimento é um grande diferencial para promover a fidelização.

Migrar uma empresa para um modelo de economia recorrente é bastante benéfico. O gestor tem relatórios financeiros mais estáveis, previsibilidade de receita e escalabilidade. A mudança deve considerar, notadamente, a estrutura da organização para receber esse tipo de serviço.

Ou seja, é preciso ter uma rotina preestabelecida e também utilizar plataformas de gestão eficientes para estabelecer todo esse processo. Esses sistemas permitem otimizar o controle, além de promover uma gestão segura dos dados e dos serviços prestados ao usuário. Isso também garante maior segurança na cobrança, na emissão de relatórios e na organização das informações.

Enfim, a economia da recorrência veio para ficar e você deve se adequar a esse novo conceito de negócios. Esse é o reflexo das alterações atuais de consumo da sociedade. Tanto as novas empresas como aquelas que já se encontram solidificadas no mercado devem se adaptar a essa nova realidade.

E aí, gostou deste post? Então, entenda agora como são baseados os negócios que voltados para modelos de assinatura!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *