Entenda como a era da Fintech dá lugar para a TechFin

Você já ouviu falar de fintech, certo? E de techfin? O mercado financeiro está se reinventando a fim de atrair novos usuários para os seus serviços, principalmente entre os mais jovens, e tornar o cotidiano bancário mais fácil para clientes e empresas.

As startups focadas no mercado financeiro, conhecidas como fintechs, ganharam espaço nos últimos anos, desde o cliente que executa tarefas básicas, como verificação de saldo bancário, até a gestão financeira de grandes empresas.

Como principal ponto entre os dois modelos, está a origem da organização subjacente.

Enquanto a fintech investe em valorização da experiência do usuário em serviços bancários, apostando na tecnologia como solução, as techfins fazem referência a uma empresa de tecnologia que oferece soluções financeiras para negócios que desejam modernizar sua operação na área.

Ambos os negócios se mostram como oportunidade no setor financeiro, oferecendo a possibilidade de um banco online, em que equipes especializadas em negócios financeiros ficam disponíveis para atender usuários e, de outro lado, a abertura de obter empréstimos e financiamento via aplicativo de celular, com equipes externas a bancos.

Fintech x Techfin: qual a diferença?

A melhor forma de compreender a diferença entre fintech e techfin é visualizar as áreas de atuação de cada um dos negócios.

Techfin

As techfins propõem modernização para empresas que desejam impulsionar negócios, facilitar transações bancárias e conquistar clientes que valorizam praticidade. Isso, apostando em tecnologia em negócios financeiros.

Esses negócios não são, necessariamente, prestadores de serviços para bancos. A proposta vai muito além e busca facilitar rotinas bancárias de qualquer empresa, como diferentes segmentos de comércio, educação, hospitalidade, saúde, etc.

Atualmente, grande parte dos serviços financeiros são disparados ou sustentados por um software de gestão. Nesses casos, a melhor solução é associar o seu negócio a uma techfin que ofereça uma plataforma de ERP.

Fintech

As fintechs também possuem diferentes frentes de atuação, oferecendo soluções focadas em determinados setores, como empresas de cobrança e conciliação de vendas com cartões, por exemplo, tornando as negociações integradas, passíveis de serem realizadas de forma mobile ou associadas às demais rotinas administrativas.

A proposta é preencher lacunas que bancos tradicionais não oferecem, partindo para soluções não tradicionais.

Tendências no mercado financeiro: colaboração

Se, em um momento inicial, techfins e fintechs soaram como concorrentes, a realidade é outra. Cada um com sua expertise, os negócios tendem a conquistar o mercado de forma colaborativa.

A ideia se baseia na capacidade da união de forças entre as soluções a fim de educar consumidores em um modelo de inovação. Aqui, as fintechs brasileiras entram com agilidade, velocidade de ajuste, perspectiva centrada no consumidor e infraestrutura projetada para transações digitais.

Já as vantagens que as instituições financeiras carregam é o forte reconhecimento de marca, alta margem de escala, variedade de produtos financeiros, confiança e contato estabelecidos com seus clientes.

Conforme dados da World Fintech Report 2018, produzidos por CapGemini, LinkedIn e Efma, a maior parte dos cases de sucesso de empresas de tecnologia entre as fintechs, estão as que resolvem problemas de alto nível de atrito ou questões que recebem mau atendimento. Além disso, vale destacar o foco em funções estreitas.

Enquanto isso, bancos conseguem se manter com uma base de clientes fiéis e bolsos profundos, embora possua muitos sistemas legados e estejam buscando avançar em tecnologia financeira.

Techfin na prática: como funciona?

O modo de operação de uma techfin é associado aos demais produtos da marca. Um caso para exemplificação é o da TOTVS associado ao ERP. Atualmente, em torno de um terço da folha de pagamento de grandes empresas nacionais são feitas por um sistema TOTVS.

Assim, uma sugestão de automatização de processos é realizar parcerias com seguros e empréstimos, uma vez que as informações já estão alocadas na base de dados.

Outra possibilidade diz respeito a cobranças e financiamento de capital de giro com fornecedores. Com os dados dentro do sistema de ERP, essa ponte fica mais fácil.

A automatização pode atuar em atividades que possuem fluxo mensal. Como exemplo, imaginemos uma escola que emita boletos todo mês. Segundo a análise de dados TOTVS, pelo menos 66% das escolas oferecem um Portal do Aluno. Assim, a proposta é que seja disponibilizado um método de pagamento dentro da própria plataforma.

Vantagens de contratar os serviços de uma techfin

Cada vez mais, o sucesso das empresas está associado à coleta de dados de uso dos usuários e, posteriormente, à análise dessas informações. O objetivo é desenvolver a capacidade de personalização, aprendizagem rápida com insights, proporcionar envolvimento digital em real time e, assim, expandir ofertas de acordo com a demanda.

Empresas que atuam em outras frentes de automação já estão envolvidas no mercado de tecnologia. Questões como talento digital, bases de clientes e experiência do usuário proporcionam proximidade com marcas corporativas de interesse do seu negócio.

A tendência aponta aumento da integração e da busca por soluções que associam os valores de fintechs e techfin à medida que o público se acostuma com esse tipo de serviço.

Pioneirismo, inovação e tecnologia: TOTVS!

A capacidade de se adaptar às novas tecnologias é fundamental e entender a disponibilidade de produtos desenvolvidos por techfins são formas de aproximar o cliente e transformar a percepção sobre finanças. Acompanhe o blog da TOTVS sobre as novidades deste mercado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *