Frete morto: entenda o que é, por que ocorre e como fazer o cálculo corretamente

Equipe TOTVS | 19 fevereiro, 2024

Frete morto é o termo usado para descrever a capacidade de transporte não utilizada em um veículo, seja por falta de carga ou por ineficiência na roteirização. 

Ou seja, é o transporte de cargas vazias ou com baixa ocupação, que gera custos e desperdícios para as empresas, aumenta os custos operacionais e reduz a rentabilidade dos serviços.

Quer saber mais sobre ele? Neste artigo, separamos as principais informações sobre o assunto. Por isso, continue lendo e confira!

O que é frete morto?

Também conhecido como deadfreight é quando uma transportadora é contratada e o contratante não embarca nenhuma mercadoria ou ela na sua totalidade. Ele é o valor do frete menos as despesas de carga e descarga.

O frete morto é uma situação em que o caminhão fica parado sem carga, gerando prejuízo para o motorista e para a empresa. Também representa um custo para os armadores e operadores de navios, pois significa que eles não estão aproveitando todo o potencial de seus ativos.

Imagine em um transporte marítimo, se um navio tem capacidade para transportar 100 toneladas de carga, mas só está levando 80 toneladas, ele tem 20 toneladas de frete morto.

Ou quando um caminhão leva uma carga de um lugar para outro, mas volta vazio, ele está gerando frete morto.

Isso significa que o caminhão poderia transportar outra carga e gerar mais receita, mas em vez disso gasta mais combustível, tempo e dinheiro sem retorno.

Principais razões para que ocorra o frete morto

O frete morto pode ser causado por vários fatores, como:

  • falta de demanda;
  • restrições de peso ou volume;
  • falta de planejamento;
  • sazonalidade;
  • regulamentações ambientais;
  • concorrências desleais que prejudicam o mercado;
  • problemas mecânicos;
  • políticas comerciais. 

Além disso, ele pode ter impactos negativos no meio ambiente, pois aumenta o consumo de combustível e as emissões de gases poluentes por unidade de carga transportada. Também é prejudicial para os transportadores, pois reduz a sua lucratividade e eficiência.

É sobre isso que explicaremos no próximo tópico.

Os impactos do frete morto para a logística

Você sabia que o modal rodoviário tem a maior participação no setor de transporte, com 61,1% das cargas, seguido do ferroviário com 20,7% e aquaviário com 13,6%? Esses dados são da Confederação Nacional de Transporte (CNT).

Com isso, podemos imaginar como o frete é algo que está presente em todos os modais de transporte e deve ser priorizado durante as rotas.

O frete morto tem impactos ambientais negativos, pois contribui para a emissão de gases poluentes e o consumo desnecessário de combustível. 

Para evitar ou minimizá-lo, as empresas de logística devem:

  • planejar melhor suas rotas;
  • otimizar o uso do espaço nos veículos;
  • fazer o monitoramento da frota e da carga durante o percurso;
  • fazer a conferência da mercadoria antes e depois do transporte;
  • analisar o perfil de todos os envolvidos no transporte da mercadoria;
  • buscar parcerias com outras empresas para compartilhar cargas e utilizar soluções tecnológicas que facilitem a gestão e o monitoramento das operações.

Quais são os direitos do armador nessas situações?

O armador é a pessoa que contrata o transporte marítimo de mercadorias ou passageiros, sendo responsável pela gestão e operação do navio.

Ele tem direito de receber o valor do frete correspondente à carga que deixou de ser transportada, como se tivesse sido efetivamente embarcada. Esse direito visa compensar o prejuízo que o armador teve por não poder aproveitar toda a capacidade do navio.

Assim, o armador tem direito a receber o frete pelo serviço prestado, reter a carga em caso de inadimplência do afretador e exigir indenização por avarias, perdas causadas ao navio ou à carga.

Além disso, ele exerce o direito de limitação de responsabilidade em caso de acidentes marítimos.

Cláusulas que devem constar em um contrato de frete morto

Você já sabe que o frete morto pode causar prejuízos para a sua empresa, não é mesmo? Mas isso pode ser evitado quando a empresa analisa o perfil de todos os envolvidos no processo de transporte e elabora um bom contrato de frete.

Confira as cláusulas que um contrato deve conter:

  • objeto do contrato;
  • exclusividade;
  • região que será feito o atendimento do prestador de serviço;
  • obrigações do tomador;
  • obrigações da prestadora;
  • carga e descarga, como responsável pela conferência e descarga das mercadorias;
  • horários definidos para cada tarefa;
  • preço acordado entre as partes;
  • condições de pagamento;
  • reajustes, como no preço do combustível, por exemplo;
  • custos de transporte, como pedágios, despesas com carga e descarga;
  • seguro de carga, do veículo e do motorista;
  • multa, caso alguma cláusula não seja cumprida;
  • definir a rescisão de contrato para todos os envolvidos;
  • foro que define uma cidade para as questões judiciais.

Como calcular o frete morto

O cálculo do frete morto é feito subtraindo o peso que foi carregado no veículo da capacidade de carregamento dele. Além disso, depende exclusivamente das características do material a ser transportado.

Assim, os valores positivos são o ganho de frete e causam perda para a empresa. Enquanto os valores negativos representam que houve carregamento em excesso de mercadoria à capacidade do veículo, mas não ocasionam o frete morto.

Quem deve pagar por esse frete?

A responsabilidade do pagamento do frete é do comprador que tem responsabilidade com a carga assim que ela é despachada.

Ou seja, quando a mercadoria é transferida, todos os seus custos e risco de danos são transferidos para ele até o momento da entrega.

Suíte Logística da TOTVS

Agora que você sabe tudo sobre o frete morto, que tal conhecer um conjunto de soluções que podem evitar que ele aconteça ou minimizar os seus impactos?

Estamos falando das soluções Suíte Logística da TOTVS que possuem as ferramentas necessárias para todas as suas operações logísticas.

As suas soluções componentes são:

  • TOTVS Agendamento: planeja as operações logística e faz o rastreamento dos processos, com registro de chegada e saída dos veículos;
  • TOTVS YMS: organiza o fluxo operacional, as operações de carga e descarga, e faz o acompanhamento de toda a operação em tempo real;
  • TOTVS Checklist: para organizar tarefas, processos e vistorias;
  • TOTVS WMS SaaS: auxilia a gestão do armazém e controla os processos de movimentação de materiais;
  • TOTVS Coleta e Entrega: permite o rastreamento das entregas em tempo real.

Facilite as operações logísticas da sua empresa com as soluções Suíte Logística da TOTVS!

Conclusão

Neste conteúdo, você entendeu o que é frete morto, quando ele ocorre e quais os impactos que ele pode trazer para o setor de logística.

Também explicamos como fazer o seu cálculo e de quem é a responsabilidade pelo seu pagamento.

Para facilitar ainda mais as operações logísticas, recomendamos a utilização de soluções que possam trazer mais agilidade, segurança e monitoramento de todos os processos, como o Suíte Logística da TOTVS.

Aproveite e aprenda mais com os conteúdos em nosso blog. Recomendamos a leitura do nosso artigo sobre logística empresarial!

Artigos Relacionados

Deixe aqui seu comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Usamos cookies para fornecer os recursos e serviços oferecidos em nosso site para melhorar a experência do usuário. Ao continuar navegando neste site, você concorda com o uso destes cookies. Leia nossa Política de Cookies para saber mais.