Indústria 4.0: afinal, você sabe realmente o significado?

Apesar de não soar como algo recente, o termo indústria 4.0 ainda se mostra bastante desconhecido aqui no Brasil. Segundo dados de 2018, apresentados pela Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), menos de 2% das organizações do país estão verdadeiramente inseridas nesse conceito, o qual tem capacidade para movimentar US$ 15 trilhões nos próximos 15 anos, também de acordo com a ABDI.

Diante desses números, fica claro que, no Brasil, ainda há muito a se amadurecer nas empresas quando o assunto é a aderência ao conceito da indústria 4.0. Para o futuro, no entanto, espera-se que essa tendência ganhe força, alinhando-se ao cenário de países em que a indústria está mais associada à tecnologia e à inovação.

Dada a grande dimensão e importância da indústria 4.0, preparamos este post para esclarecer a você os verdadeiros contornos desse termo. Então, se você deseja saber mais a respeito, basta seguir com a leitura!

O conceito por trás da Indústria 4.0

Em linhas bem pontuais, podemos entender a indústria 4.0 como um novo paradigma de produção desenvolvido nas empresas, resultado da quarta revolução industrial, a qual trouxe como marca um significativo avanço na relação entre homem e máquina.

A indústria 4.0 é, hoje, o que impulsiona uma série de avanços no processo produtivo, trazendo um aspecto mais elaborado em relação ao uso da tecnologia, elevando o ideal de automatização para um patamar bem acima do que a indústria está habituada.

Em razão da sua íntima relação com atributos como conectividade, inteligência artificial, data science, big data, IoT, machine learning e tantos outros, a indústria 4.0 efetiva um fenômeno bastante amplo dentro das organizações, transformando a maneira como máquinas se comunicam e utilizam as informações para otimizar o processo de produção, tornando-o mais econômico, ágil e autônomo.

New call-to-action

O cenário da indústria 4.0 no Brasil hoje

Como mencionado, esse movimento de modernização da indústria ainda está em um estágio inicial no Brasil. As empresas, em grande parte, permanecem associadas aos tradicionais modelos de produção, pouco sofisticados e dependentes de processos manuais e intervenções humanas.

Contudo, uma pesquisa da Fiesp indica que o grau de conhecimento das empresas com foco industrial sobre o conceito de indústria 4.0 está em uma crescente. Muitos gestores já enxergam esse movimento como uma oportunidade, e não como risco.

Ou seja, a tendência é que a indústria 4.0 se inclua de maneira gradual nas empresas, conforme elas sentem a necessidade de inovar e, principalmente, sentem que estão preparadas para investir nesse campo.

Segundo especialistas da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), a aderência à indústria 4.0 deverá acontecer de maneira gradual: em 10 anos, estima-se que 15% das empresas do setor de manufatura já tenham esse conceito inserido em suas atividades.

Os principais números da indústria 4.0 no Brasil

Os principais números da indústria 4.0 no Brasil

As características e desafios dessas empresas

A dimensão da indústria 4.0 é bem grande. Hoje, esse termo já está associado a uma série de outras tecnologias, fomentando um ambiente pautado em uma inovação constantemente maior dentro da indústria.

Diferentes características da indústria 4.0 formam subsídios mais do que suficientes para se afirmar que, no futuro, as suas vantagens e aplicações estarão presentes em uma quantidade muito maior de negócios, transformando significativamente o mercado.

A utilização de linhas de produção mais elaboradas, a comunicação ativa e a possibilidade de gerenciamento mais aprofundado, por exemplo, trarão mais performance aos processos ao minimizar a ocorrência de erros, desperdício de insumos e principalmente de tempo — ativo cada dia mais valioso para as empresas.

No mesmo sentido, a capacidade de trabalhar ainda mais apoiada em dados e informações do mercado ajudarão a indústria a acompanhar as mudanças nos hábitos de consumo e nas demandas dos consumidores, seja em B2B ou B2C.

Todavia, como qualquer processo evolutivo, mudanças são necessárias e os desafios são inerentes a esse fenômeno. Logo, a indústria 4.0 também sofrerá com alguns percalços ao longo da sua jornada de implementação na cultura e na realidade prática das empresas.

A título de exemplo, a grande utilização e a necessidade de se trabalhar em plataformas digitais e parques de TI poderão expor as empresas a riscos ainda maiores de invasão de dados e quebra de segurança da informação, o que causaria danos consideráveis.

Outro desafio a ser superado, sobretudo no Brasil, é o custo da inovação. Como é sabido, inovar por aqui custa mais caro que em outros países. Isso acaba por pesar no orçamento das companhias e atrasar um pouco os avanços.

Porém, vale destacar que apesar desse cenário, as empresas podem trazer os avanços da indústria 4.0 para os seus processos de maneira gradual e estratégica, a partir de um bom planejamento.

Além disso, deve-se mencionar também que à medida que o conceito se fortalece e a tecnologia se aprimora, a tendência é que tudo que se relaciona a ele fique mais acessível.

Por fim, é de suma importância destacar o impacto da indústria 4.0 na geração e manutenção de postos de trabalho. Isso porque estamos falando de um fenômeno que, em essência, atua com a automação da operação das empresas, tema que repercute diretamente na oferta de empregos.

O fato é que as mudanças proporcionadas pela crescente inovação exigirão um capital humano mais qualificado, mais apto a lidar com automação e preparado para agir de maneira mais estratégica e menos operacional.

As principais tecnologias que permitem esse cenário

Feitas todas essas considerações, é preciso mostrar também um pouco da indústria 4.0 na prática, isto é, como esse conceito tem se materializado no interior das fábricas e quais inovações têm contribuído para o seu funcionamento. Vejamos:

IoT

Certamente uma das tendências mais importantes para a disseminação da indústria 4.0, a internet das coisas é, hoje, o que viabiliza grande parte da automação do chão das fábricas. Por meio de sistemas, sensores e recursos de comunicação, a IoT permite a gestores e líderes acompanhar os processos de forma profunda, avaliando o desempenho em cada etapa e em tempo real.

Cloud Computing

A computação em nuvem teve um crescimento assustador nos últimos anos. A aplicação desse conceito nas organizações atingiu um patamar extremamente elevado, otimizando os custos com infraestrutura de TI, comunicação e armazenamento de dados.

Atualmente, a cloud computing garante um aspecto mais virtualizado às empresas, dando mais mobilidade, escalabilidade e segurança aos processos.

Big Data e Analytics

Em razão do crescente volume de dados produzidos pelas companhias e da importância deles para a condução dos negócios, big data e analytics se tornaram termos comuns dentro da dinâmica da indústria 4.0.

Em um modelo focado em resultados e otimizações, nada é perdido. Cada dado, estruturado ou não, tem a capacidade de gerar algo produtivo para as empresas, a partir do uso de ferramentas robustas de análises, as quais são capazes de coletar, armazenar e estruturar um volume descomunal de informações e gerar insights valiosos para os tomadores de decisão.

Cobots

Essa tecnologia é baseada em robôs colaborativos, os quais atuam em conjunto com os recursos humanos, auxiliando-os em tarefas manuais e que não são totalmente automatizadas.

Por exemplo, já foi apresentado uma ferramenta desse tipo que se acoplava ao braço de um humano como um exoesqueleto pneumático, conectando os movimentos sensitivos humanos à precisão e agilidade do robô.

Digital Twin

O gêmeo digital, como também é conhecido, é uma tecnologia capaz de gerar simulações virtuais em projetos das mais variadas espécies, desde um carro até uma complexa turbina de avião.

O propósito dessa ferramenta é simular, de forma precisa e econômica, o passo a passo de todo o processo, verificando a viabilidade, a ocorrência de falhas, as fragilidades e todos os aspectos informativos que um protótipo físico poderia fornecer aos projetistas. A partir dela, é possível testar o produto de forma digital, sem que isso implique gastos e um grande aparato técnico.

Por fim, como vimos, a indústria 4.0 aos poucos vem se tornando uma realidade por aqui. Tudo indica que, em um futuro próximo, esse movimento se tornará ainda mais presente na rotina dos negócios, promovendo otimizações jamais vistas até então.

Agora que você já conhece um pouco mais sobre o tema, não deixe de compartilhar este artigo nas suas redes sociais e contribuir para o aprendizado de outras pessoas. Compartilhe!

Quer saber mais sobre o principal evento de tecnologia e negócios da TOTVS? Serão mais de 250 palestras e workshops diversos entre os dias 25 e 26 de junho em São Paulo.

Garanta já o seu ingresso!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *