Quais são os principais indicadores de produção industrial e como acompanhá-los?

Equipe TOTVS | MANUFATURA | agosto 24, 2018

Adotar uma gestão pautada em métricas de desempenho pode beneficiar a tomada de decisão em uma empresa e, consequentemente, melhorar a sua gestão. O mesmo vale para setores e equipes que aplicam esse tipo de gerenciamento, com especial destaque à área produtiva. Isso porque o uso de indicadores de produção industrial é capaz de otimizar o controle de processos e as rotinas de trabalho nesse departamento, tornando-as mais eficientes.

Para tanto, é preciso estabelecer Key Performance Indicators (KPIs), ou Indicadores-chave de Desempenho, que norteiem os fluxos de trabalho. Eles precisam ser alinhados ao segmento, às especificidades e às exigências da organização para que gerem melhores resultados. Se quiser entender mais sobre a importância deles, continue lendo!

O que são os indicadores de desempenho?

Indicadores de performance envolvem percentuais, taxas, índices etc. utilizados para medir, qualitativa e quantitativamente, os resultados de processos, de equipes e da própria empresa. Eles apontam se o desempenho desses elementos está de acordo com o esperado, isto é, se objetivos, metas e níveis de qualidade estão sendo atingidos.

O que são os indicadores de produtividade do setor industrial?

Indicadores no setor industrial contribuem para a medição de performance, eficiência e eficácia das operações fabris, gerando dados e informações estratégicas. Isso também envolve mensurar o tempo de seus processos, uma vez que esse recurso é essencial para o bom funcionamento de uma indústria.

Como esses indicadores favorecem a tomada de decisões?

Os indicadores de produção servem para mensurar os níveis de qualidade nas etapas da linha de fabricação. Também contribuem para a redução de custos e para o aumento do desempenho, uma vez que podem ser usados para a descoberta de gargalos, ineficiências, desperdícios e outros fatores que comprometem a produtividade.

Inclusive, por intermédio deles, dá para identificar o nível de aproveitamento de recursos em relação aos resultados gerados — dentro de um intervalo de tempo, como uma hora. Aplicá-los ainda melhora o entendimento sobre as operações de um negócio, já que eles permitem quantificar o desempenho.

Também possibilitam mapear pontos fracos e pontos fortes na operação e no gerenciamento do setor de produção. Por meio deles, é possível entender o desempenho e a produtividade não só do setor de produção, como de cada colaborador, máquina e equipe.

Quais são esses indicadores?

Cada indústria necessita de indicadores específicos, podendo trabalhar com os mais relevantes para a sua operação. Isso significa, até mesmo, desenvolver métricas próprias. A fim de facilitar a compreensão delas, separamos algumas das principais adiante:

Número de produtos produzidos

Esse indicador mensura o número de produtos fabricados em um período específico. Pode ser empregado de forma mais restrita, por exemplo, para descobrir a produtividade de um setor, funcionário ou turno de trabalho em um intervalo de tempo.

Produtividade homem/hora

Esse é semelhante ao anterior. Ele pode ser aplicado medindo-se a quantidade de itens produzidos por colaborador em uma hora. Em indústrias automatizadas, pode-se mensurar a produtividade dos funcionários que controlam os equipamentos ou de trabalhadores administrativos.

Mean Time To Repair (MTTR)

O Tempo Médio Para Reparo calcula a média de tempo gasto para a execução de um conserto depois de ocorrida uma falha. Basicamente, ele mensura o tempo dispendido em uma intervenção. Em geral, essa métrica está ligada à área de manutenção dos equipamentos.

Tempo de inatividade

É uma métrica usada para descobrir o tempo em que os equipamentos ficam inativos, sem produzir. Ela é importante para saber se a empresa está perdendo dinheiro por causa de sucessivas interrupções devido a falhas ou se o investimento feito em um equipamento foi desnecessário.

O resultado pode servir de base para decisões em relação a novas aquisições. Por exemplo, se o indicador está elevado, pode-se verificar se isso não é decorrente de muitas quebras. Nesse caso, talvez seja melhor adquirir uma nova máquina.

Por outro lado, se o tempo de inatividade alto é decorrente de o equipamento ficar desligado porque não precisa produzir, então não é necessário comprar mais um.

Mean Time Between Failures (MTBF)

O Tempo Médio Entre Falhas indica a média de tempo entre uma falha e outra. É útil para saber, por exemplo, se os equipamentos estão quebrando muito. Isso poderá significar que a produção está exigindo muito deles, que há desgaste avançado ou que está na hora de renovar o maquinário.

Horas trabalhadas na produção

Essa métrica permite entender a quantidade de horas necessárias para a realização de atividades em determinado período (um dia, uma semana, um mês etc.) na produção. O resultado dessa métrica possibilita descobrir se o gasto de horas está além do esperado, o que pode indicar ineficiências e pontos a melhorar.

Nível de utilização da capacidade instalada

É importante saber se as instalações físicas e o maquinário da indústria estão sendo aproveitados plenamente. Por exemplo, se ela pode fabricar 3 mil produtos ao mês e está produzindo só 2 mil, então significa que há capacidade ociosa. Isso pode ocorrer devido a uma queda na demanda ou ao mal aproveitamento de seus potenciais.

Caberá aos gestores tomarem providências para evitar gastos desnecessários com manutenção e potencializar a produção até atingir a capacidade plena.

Número de lotes rejeitados

Se a quantidade de lotes de produtos com defeitos, perdidos ou com qualidade/quantidade inferior ao padrão estiver elevada, talvez seja hora de fazer uma análise mais completa do parque fabril em busca das causas disso. Caso contrário, a empresa perderá dinheiro.

Que informações/dados eles oferecem?

Um bom KPI costuma refletir os objetivos do negócio, além de ter caráter estratégico. Ele entrega dados confiáveis, que podem ser medidos e que são de fácil compreensão.

Seus dados ajudam os gestores a melhorarem a condução da empresa, pois servem para diagnosticar a situação de processos, equipes, setores etc. Sendo assim, indicadores oferecem informações valiosas que podem demonstrar pontos fracos e fortes, ajudando os líderes a encontrarem soluções para gargalos e contribuindo para que tomem boas decisões.

De que forma os indicadores industriais beneficiam a indústria?

Eles favorecem, principalmente, o processo de gerenciamento de rotinas em uma indústria. Afinal, entregam informações valiosas sobre os resultados de processos, equipes e colaboradores. Isso permite identificar quais são os funcionários mais competentes e eficientes, quais equipes têm melhor sinergia, que máquinas necessitam de ajustes ou precisam ser trocadas etc.

Bons indicadores de produção industrial abrangem o que a empresa gostaria de considerar para melhorar a sua atuação. Portanto, é essencial alinhar os objetivos do negócio às métricas adotadas, para que sejam efetivamente úteis. Para isso, é possível criar e administrar os seus próprios KPIs, o que pode ser feito conforme um passo a passo:

  • dê um nome a um indicador;
  • estabeleça o seu propósito;
  • defina de quanto em quanto tempo ele precisará ser calculado;
  • aponte quem serão os responsáveis por coletar os dados usados nele;
  • estabeleça como será feita a fórmula do KPI e se o resultado será avaliado como porcentagem, número, estatística etc.;
  • defina o seu intervalo de validade;
  • enumere todas as variáveis possíveis que permitem a realização do cálculo;
  • indique onde elas serão coletadas e quando serão usadas no indicador;
  • escolha o responsável por monitorar e gerenciar esse KPI.

Além disso, é importante contar com sistemas tecnológicos, como ERPs, que aprimoram o gerenciamento e a aplicação de indicadores de produção industrial. Isso porque, por meio de bancos de dados, relatórios, históricos etc., eles servem de repositório para informações usadas na constituição dos KPIs. Aliás, alguns programas executam os cálculos de indicadores e entregam resultados mais precisos e confiáveis aos gestores.

Agora que você já sabe para que servem os indicadores de produção industrial, assine a nossa newsletter para receber mais dicas de conteúdos sobre indústria, tecnologia e ERP! Dessa forma, você poderá se atualizar ainda mais sobre as melhores práticas em gestão empresarial!

Comentarios

  1. Newton Magalhães

    Muito bom. Continuem.

    1. alan

      Muito obrigado Newton! Ficamos felizes em saber que gostou, continuaremos ainda mais motivados agora. 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *