Confinamento de gado: Como funciona essa técnica?

Equipe TOTVS | GESTÃO AGRÍCOLA | 04 novembro, 2020

Você sabe o que é o confinamento de gado? Trata-se de uma técnica aplicada na gestão agropecuária, visando o desenvolvimento e a engorda de animais, tornando-os preparados para o abate.

Para que o confinamento de gado seja um sucesso, no entanto, é preciso estar atento a detalhes referentes à estadia, infraestrutura e manejo. Se você quer entender mais sobre este tema, continue com a leitura do artigo!

O que é o confinamento de gado?

Ao contrário da criação de gado em currais e piquetes, o confinamento de boi organiza o gado em cochos, oferecendo alimentação e água de maneira equilibrada e controlada, criando melhores animais para o corte.

O confinamento de gado de corte permite que o criador esteja envolvido de perto em todas as etapas, desde o nascimento até o abate. A nutrição traz condições de engorda específicas, com o objetivo de perda mínima de peso e desgaste do animal.

O confinamento geralmente é mais utilizado na fase final de engorda. A técnica, porém, também pode ser aplicada em bezerros recém desmamados, garrotes e vacas leiteiras, antes e depois dos partos, com cuidados específicos para o animal e preservação dos pastos, uma vez que o período de seca diminui a qualidade da grama.

Benefícios do confinamento de gado

O boi de confinamento consegue crescer mais rapidamente do que aquele criado em pasto aberto, e com maior qualidade na alimentação e controle de doenças, por exemplo. 

O confinamento pode ser usado para fins distintos. Desde um ajudante para processos de cria, recria e engorda, também é amplamente empregado na viabilização de compra e venda de gado em períodos de safra e entressafra, ou na reutilização de resíduos agroindustriais. Entre os principais benefícios da metodologia, podemos citar:

  • Pastos preservados, principalmente em épocas de seca;
  • Nova utilização para áreas ao ar livre, como o cultivo de culturas agrícolas;
  • Ciclo de abate antecipado, aumentando a produtividade;
  • Animais mais bem desenvolvidos, padronizados e com boas capas de gordura;
  • Adubo orgânico produzido e tratado no próprio confinamento, ideal para plantações;
  • Melhor controle fitossanitário, reduzindo doenças e mortalidade,
  • Insumos bem aproveitados e maior retorno sobre investimento (ROI).

Nova call to action

Como fazer um confinamento eficaz?

Para que a estratégia de confinamento se mostre efetiva, o criador deve pensar na fonte de alimentação dos seus animais, que não pode sofrer interrupções e, de preferência, ser produzida pela própria fazenda.

É interessante também contar com uma análise de mercado para garantir que o valor pago pela arroba do boi seja superior aos custos investidos na engorda dos animais. Trazer técnicos especializados para o processo também é fundamental.

A infraestrutura de confinamento também deve ser planejada cuidadosamente, pensada para diminuir o estresse do gado. Acesso a fontes hídricas é fundamental, tanto para consumo animal quanto para limpeza do espaço, porém longe de rios e córregos naturais, visando a preservação dos recursos ambientais. Outros detalhes essenciais para o sucesso dessa prática são:

  • Espaço reservado para a vacinação dos animais;
  • Centro de manejo, com balança e aparador;
  • Curral com cochos apropriados para a engorda,
  • Espaço para preparar e estocar rações.

Tipos de confinamento de gado

Seguindo as dicas passadas até aqui, é importante lembrar que, para que toda sua produção seja otimizada, a modalidade correta de engorda deve ser colocada em prática. Qual escolher? Confira a seguir os tipos de confinamento.

  • Confinamento aberto: nessa modalidade, o gado tem acesso a um cocho com comida e água. Apenas o cocho de sal permanece coberto.
  • Confinamento parcialmente coberto: a cobertura parcial é semelhante ao confinamento aberto, porém traz uma área mais confortável para o abrigo dos animais, em momentos de muito sol ou chuva, próxima área em que a ração fica disponível;
  • Confinamento fechado: o espaço fechado comporta um animal a cada três ou cinco metros quadrados. Com o diferencial de controle de temperatura artificial, possui custo mais elevado;
  • Tie Stall: trata-se de uma modalidade especial para gado leiteiro, onde as vacas em período de lactação permanecem nas cocheiras, se alimentando. Na ordenha, ficam livres para circular pelo pasto,
  • Free Stall: nesse sistema, também voltado para vacas leiteiras, os animais têm baias individuais, mas permanecem a maior parte do tempo soltos.

Otimize sua gestão agropecuária

Neste conteúdo, falamos sobre o que é confinamento de gado, seus tipos e as vantagens trazidas por essa técnica. Também citamos algumas dicas para otimizar essa etapa da gestão agropecuária.

A TOTVS acredita no Brasil que faz. Como a maior empresa de tecnologia do país, nossos sistemas comportam operações agrícolas que vão desde negócios familiares até grandes organizações, com sistemas e softwares pensados para atender os objetivos de cada empresa.
Se você gostou deste conteúdo, conheça pontos interessantes da nutrição animal. Não se esqueça de também continuar acompanhando nosso blog e assinar a newsletter, para não perder nenhuma novidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Usamos cookies para fornecer os recursos e serviços oferecidos em nosso site para melhorar a experência do usuário. Ao continuar navegando neste site, você concorda com o uso destes cookies. Leia nossa Política de Cookies para saber mais.