Técnicas alternativas de controle fitossanitário

Equipe TOTVS | GESTÃO AGRÍCOLA | 18 setembro, 2020

O controle fitossanitário é essencial para que as plantações e as lavouras possam prosperar sem a interferência de pragas agrícolas. Entretanto, é preciso que o produtor encontre maneiras de fazer o controle de pragas, doenças e inços de forma eficiente e segura. 

Por isso, neste artigo falaremos mais sobre o que é controle fitossanitário e quais métodos podem ser utilizados para a defesa contra pragas. Continue a leitura e entenda mais sobre o assunto.

O que é controle fitossanitário?

O controle, ou a defesa fitossanitária, são os métodos utilizados para evitar a propagação de pragas e doenças nas plantações. Esse controle pode ser feito de diversas formas, inclusive com o uso de agrotóxicos. 

Entretanto, cada vez mais se discute fazer o controle fitossanitário por meio de formas alternativas, ou seja, que não prejudiquem o meio ambiente e não representem risco à saúde dos seres humanos.

O ideal é que, antes do uso de agrotóxicos, sejam utilizados métodos de controle biológico. Apenas nos casos em que essa alternativa não der certo no controle de pragas e doenças, é que o controle deve ser feito por meio de defensivos agrícolas.

Como fazer o controle fitossanitário?

Para que seja possível definir as medidas necessárias para a proteção sanitária vegetal, primeiramente, é preciso identificar os agentes que estão causando os problemas na plantação ou lavoura. 

Também é necessário identificar alternativas, para que seja possível diminuir o uso de defensivos no controle de pragas. As técnicas integradas de controle podem ser mais eficientes e menos nocivas para o meio ambiente. Por isso, separamos a seguir algumas dicas sobre como fazer um bom controle de pragas:

Rotação de culturas

Um dos métodos utilizados para evitar o aumento de pragas e doenças é a rotação de culturas. Isso porque, ao optar pela monocultura — que consiste em produzir sempre no mesmo local —, a ocorrência desses problemas pode aumentar consideravelmente.

Com esse sistema agrícola, o produtor planeja a alternância dos tipos de vegetais que serão cultivados naquele terreno. Essa técnica também pode ajudar a preservar boas condições bioquímicas do solo. Por isso, pode ser uma ótima alternativa para diminuir o uso de agrotóxicos na plantação.

Feromônios

Também é possível utilizar feromônios para fazer o controle fitossanitário. Trata-se de um agente natural utilizado por esses organismos como uma forma de comunicação com diversos insetos da mesma espécie. Para comprovar sua eficiência, a Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) promoveu pesquisas com percevejos machos.

O feromônio desses machos foi extraído e depois fabricado em laboratório. Depois, foram espalhados dispositivos que liberavam esse feromônio em armadilhas para atrair as fêmeas. Com isso, foi possível fazer o controle dessa praga de forma segura para os alimentos e para o meio ambiente.

Controle biológico

Já no controle biológico são utilizados os inimigos naturais dos insetos, fungos ou outras pragas, para, assim, fazer o controle fitossanitário. É uma forma eficaz e que não deixa nenhum resíduo na lavoura, além de não fazer mal à saúde ou ao meio ambiente.

Além disso, com essa técnica, o produtor pode postergar a aplicação de defensivos, pois é possível atingir uma boa proporcionalidade entre a quantidade de insetos benéficos e as pragas. 

Nova call to action

A tecnologia no controle fitossanitário

Segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o Brasil utiliza 19% dos agrotóxicos produzidos no mundo. Apenas o uso de defensivos agrícolas no controle de pragas pode ser prejudicial tanto para a saúde dos consumidores quanto para o meio ambiente. 

Além disso, pode não ser tão eficaz quanto o uso integrado de técnicas e tecnologias voltadas para o agronegócio. Por esse motivo, em 1960, a comunidade científica criou técnicas para o Manejo Integrado de Pragas (MIP). 

Por meio de estudos detalhados sobre controle biológico e demais formas alternativas, é possível monitorar o solo e analisar as pragas existentes. Com isso, utilizam-se diversas técnicas com a finalidade de manter a população de pragas sob controle.

O uso da tecnologia como forma alternativa no controle de pragas também pode ser muito eficiente. Isso porque os sistemas de gestão para o agronegócio possuem diversas funcionalidades que visam o desenvolvimento das plantações e lavouras. 

Com esse software, é possível automatizar processos, elevar a produção e ainda fazer todo o controle agronômico e fitossanitário. A tecnologia permite também  registrar armadilhas instaladas e insetos capturados, identificando o nível de infestação e por onde os insetos estão invadindo a plantação.

Tendo em vista todas essas vantagens, é possível entender que o uso da tecnologia no agronegócio pode tornar a plantação mais produtiva. E, para saber mais sobre as demais funcionalidades e benefícios do sistema de gestão, confira nosso outro artigo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Usamos cookies para fornecer os recursos e serviços oferecidos em nosso site para melhorar a experência do usuário. Ao continuar navegando neste site, você concorda com o uso destes cookies. Leia nossa Política de Cookies para saber mais.