Realidade aumentada: conheça as aplicações para varejistas de moda

Realidade aumentada: conheça as aplicações para varejistas de moda

Equipe TOTVS | GESTÃO VAREJISTA | 06 dezembro, 2018

A cada ano, ficam mais evidentes os efeitos da jornada digital pela qual passa a sociedade. Conceitos inovadores que, no passado, pareciam distantes e de aplicação restrita, hoje já fazem parte da rotina das pessoas e das estratégias de negócios de muitas empresas.

Nesse contexto de mudanças e inovação, a realidade aumentada (RA) desponta como um grande exemplo que pode ser visto como um verdadeiro movimento de inserção de novas tecnologias e recursos nas atividades do varejo e que tem como objetivo atrair e melhorar ainda mais a experiência do consumidor.

Como veremos adiante, o segmento do varejo, mais especificamente o nicho de moda, tem apostado na utilização da realidade aumentada em diversos pontos de interação com cliente. Essa tecnologia tem viabilizado novas formas de apresentação de produtos, novas maneiras de personalizar o atendimento e, ainda, de dinamizar atividades essenciais, como a prova de uma peça de roupa.

A seguir, preparamos um artigo completo para apresentar melhor a realidade aumentada e mostrar como essa tecnologia está sendo aplicada no contexto do varejo de moda. Acompanhe!

O que é realidade aumentada?

A realidade aumentada pode ser entendida como uma ferramenta voltada para melhorar a percepção do mundo real a partir de inclusão de informações, sons e imagens recriadas em plataformas virtuais.

Em outras palavras, essa tecnologia mescla o mundo real com mundo virtual — esse último recriado por câmeras, softwares, aplicativos e outros recursos. A ideia, então, é criar uma perspectiva melhorada de lugares, ambientes e objetos reais, por exemplo, captados por câmeras, somando a eles uma série de dados e informações adicionais visualizáveis em plataformas virtuais, como smartphones, computadores, telas etc.

Como funciona a realidade aumentada?

Apesar de surpreendente, o funcionamento da tecnologia de realidade aumentada é bem simples. Na prática, o que existe é um hardware, que deverá realizar a captação da imagem e, em seguida, o processamento e a demonstração do resultado.

Trabalhando em conjunto com um software, as imagens reais captadas por esse hardware são mescladas a informações virtuais, que podem ser textos, sons, ícones ou qualquer item visual.

Em resumo, pode-se dizer que a tecnologia opera a partir destes itens:

  • um hardware: a câmera que capta as imagens do mundo real;
  • uma unidade de processamento: responsável por realizar o processamento da imagem e, em conjunto com o software, a emulação de dados e informações virtuais nos pontos certos da imagem real;
  • uma tela: a qual possibilitará a visualização do resultado, que é a junção entre o real e o virtual.

Vale mencionar que o software, parte lógica da RA, é desenvolvido para reconhecer padrões dentro das imagens captadas e, a partir do uso de algoritmos e complexos cálculos, interpretar cada detalhe dos elementos reais para então criar os elementos virtuais, gerando assim um conjunto único em que real e virtual se confundem aos olhos do usuário.

Realidade aumentada x Realidade virtual

Quando se fala em RA, uma dúvida/confusão bastante comum é entendê-la como sinônimo de realidade virtual. Embora esses sejam conceitos relativamente semelhantes, é preciso deixar claro que se tratam de tecnologias distintas, com características e aplicações diferentes.

Assim, enquanto a realidade aumentada trabalha com a junção de elementos reais e virtuais em uma plataforma de visualização, a realidade virtual trabalha apenas com elementos virtuais, criados por computadores, placas gráficas e modernos sistemas de computação gráfica.

Desse modo, o que há na realidade virtual é um mundo modelado em 3D, muitas vezes criado para ser extremamente fiel ao mundo real, a exemplo do que se vê nos games da atualidade. Por outro lado, a realidade aumentada, como o nome já indica, é o aumento da percepção da realidade a partir da junção de elementos virtuais aos elementos reais capturados por câmeras.

Qual é o impacto da realidade aumentada na experiência do cliente?

Um dos grandes benefícios da RA no mercado empresarial está relacionado à experiência do usuário. Para se ter uma noção mais precisa, segundo dados da pesquisa da Goldman Sachs, estima-se que o setor de realidade aumentada na experiência do cliente apresentará um crescimento vertiginoso, atingindo números na casa dos US$ 80 bilhões até 2025.

Hoje, a realidade aumentada tem um grande potencial para transformar a forma como as empresas se relacionam com seus clientes, especialmente no varejo de moda, segmento em que essa relação é ainda mais essencial.

Assim sendo, as empresas que saírem na frente nessa corrida certamente terão um diferencial valioso a seu favor, podendo surpreender e envolver ainda mais o seu público com os seguintes atributos:

  • conexão emocional: a RA possibilita uma maior imersão dos clientes ao interagir com ofertas e produtos, valendo-se da tecnologia para ter acesso a informações mais completas e ricas, indo além das simples fotos e descrições;
  • reforço do apelo visual: no nicho de moda, o apelo visual é um ponto de grande valia para o usuário. Na maior parte das vezes, uma imagem vale mais do que muitas palavras e descrições. Nesse contexto, a RA garante ainda mais competitividade ao negócio, permitindo ao usuário novas maneiras de visualizar, provar e entender a proposta do produto;
  • experiências mais ricas: nesse quesito, a RA dá ao cliente mais possibilidades de imaginar o produto, podendo, por exemplo, testar peças de roupas, fazer combinações. Isso certamente enriquece a experiência.

Quais são as aplicações da realidade virtual para a moda?

Agora que você já entendeu um pouco melhor os diferenciais da realidade aumentada no contexto empresarial, vale mencionar algumas das principais aplicações desse conceito no segmento da moda. Vejamos!

Espelho digital

Grandes marcas de vestuário, a exemplo da Timberland, já utilizam a RA para permitir que os seus clientes experimentem os seus produtos de maneira mais conveniente. Em frente a uma tela, o usuário pode visualizar a sua imagem com as peças de roupa da marca, tendo total liberdade para fazer combinações e trocar, sem ter que se preocupar com a experiência do provador.

VR Commerce

A empresa americana Trillenium está desenvolvendo um aplicativo que permite ao usuário andar por lojas totalmente virtuais, visualizando produtos em tamanho real e interagindo com o ambiente de maneira inovadora.

Esse tipo de proposta é, sem dúvida, uma das grandes possibilidades oferecidas pela RA. A partir dela, por exemplo, lojistas poderão compor ambientes virtualizados com mais facilidade, trocar coleções, expor produtos e permitir que o usuário tenha uma experiência única ao interagir com a sua marca.

Prateleira infinita

Outro recurso interessante e possível pela RA no varejo de moda é a exposição de produtos por meio de telas em lojas. Nessa aplicação, a realidade aumentada seria utilizada para simular prateleiras em lojas físicas, nas quais o usuário pode navegar pelos produtos de maneira interativa e fácil, analisando as suas características sob diferentes ângulos.

A grande vantagem desse recurso é a economia de espaço, já que, com ele, é possível recriar uma “prateleira infinita”, na qual inúmeras peças podem ser visualizadas em um mesmo ponto da loja.

Por fim, como vimos, a realidade aumentada está cada dia mais próxima das empresas e das pessoas. No segmento da moda, especialmente, essa tecnologia vem ganhando contornos ainda mais relevantes, tornando a experiência dos consumidores mais rica, interativa e precisa, o que certamente se converte em números para as empresas.

Então, gostou deste artigo? Tem interesse em aprender mais sobre a tecnologia no varejo? Aproveite agora para ler o nosso post sobre esse tema!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *