RAMI 4.0: O que é e como se comporta na indústria?

Equipe TOTVS | 10 dezembro, 2020

O RAMI 4.0 se trata de um modelo voltado a aplicações de soluções de conectividade, com o objetivo de construir um sistema digital e que atue na cadeia produtiva industrial.

Na busca pela Indústria 4.0, as inovações da tecnologia devem seguir uma padronização em seus planejamentos, aplicação e no seguimento de regras. Se você quer entender melhor esse conceito e saber como ele se relaciona com a manufatura, continue com a leitura do artigo e descubra.

O que é RAMI 4.0?

O RAMI 4.0 é, basicamente, um modelo de arquitetura aplicado para soluções de conectividade na indústria que atuam diretamente na cadeia de produção, do início ao fim da operação.

As empresas que querem modernizar seus processos e se aproximar da Indústria 4.0 precisam de um direcionamento e orientação nessa transição, e isso passa por alguns questionamentos, como:

  • A compreensão da conexão vertical de informações da fábrica, trazendo padronização na gestão;
  • A compreensão da conexão horizontal de um processo produtivo, com todos os dados referentes às etapas da operação disponíveis em um sistema, ajudando em tomadas de decisões,
  • Assimilação das regras que devem ser seguidas dentro da realidade da empresa e do mercado em determinado momento, norteando os projetos.

Um modelo de referência é essencial para a padronização da implementação de um novo projeto na indústria. Entre suas principais características, podemos afirmar que são objetos de padronização na linguagem dos processos e ajudam a  definir outros elementos dentro da arquitetura de um projeto.

Também podem ser utilizados como protótipos em um desenvolvimento, para que validações afirmativas possam ser entregues antes de uma produção em larga escala. Na manufatura avançada, esse é um diferencial importante.

Como é constituído o RAMI 4.0?

O RAMI 4.0 — Reference Architectural Model for Industrie 4.0, ou simplesmente Referência de Arquitetura Orientada a Serviços — se estabelece praticamente como um guia para a ambientação à Indústria 4.0.

Ele é dividido em três áreas de aplicação, cobrindo todas as etapas da cadeia produtiva, provendo uma ordem entre os processos e controlando o ciclo de vida de uma operação industrial. Mas quais são essas áreas?

Hierarquia

Nessa etapa é definido o modelo de conexão interna de todos os agentes que compõem a produção, desde pessoas até dados e equipamentos, proporcionando uma comunicação clara e eficiente entre todos os atores desse quadro.

A hierarquia possui características flexíveis e interoperáveis, distribuída pelos vários setores e etapas de um processo produtivo, em que o objetivo final não é colocado como a maior das metas, mas sim mais uma parte de toda a cadeia.

Arquitetura

A arquitetura fica responsável por verticalizar o fluxo de dados do processo produtivo industrial, bem como as interfaces que serão utilizadas na operação pelos colaboradores e gestores.

Fica a cargo da arquitetura transcrever dados físicos para informações inteligíveis e racionais, levantando os dados necessários para a eficiência da produção e relacionando os dispositivos, máquinas e pessoas de acordo com suas funções.

Ciclo de vida

O ciclo de vida da fabricação de determinado produto passa pela sua idealização e se estende até fases de pesquisa, desenvolvimento, testes, validação, produção e finalização. São pontos essenciais para garantir a produtividade e o sucesso da operação.

Projetos de sistemas, portanto, atuam em simulações, criações de protótipos, atualizações de tecnologias, criação de manuais, determinação de guia de uso, lote do produto e sua garantia, bem como a assistência técnica.

Nova call to action

Benefícios do RAMI 4.0

O maior objetivo do RAMI 4.0 é proporcionar a conectividade dos sistemas presentes na indústria. Seu funcionamento é dividido em células de produção, que atuam  de maneira flexível e descentralizada.

Com a padronização dentro dos sistemas conectados, porém, é possível contar com uma ampla visão sobre o controle e gerenciamento da operação, com dados sobre produtos e proveniente de diversas fontes, como a localização e o rastreamento de insumos no armazém e o transporte de mercadorias finalizadas aos clientes.

Um dos maiores benefícios é a rapidez com que uma informação sobre certo material se coloca, e como sua aplicação pode ser conduzida sob diversos ângulos e aspectos, seja na gestão de planejamentos, fases de testes ou despache de um lote. Entre outras vantagens observadas, podemos citar:

  • Segurança de dados e privacidade a respeito de fórmulas e processos;
  • Combinação de diversos componentes da tecnologia da informação e transformação digital,
  • Divisão de etapas de produção, com a comunicação ágil e simples entre setores.

Aprimore os processos industriais

Neste conteúdo, explicamos o que é RAMI 4.0. Falamos sobre seu conceito, qual seu papel nas empresas de manufatura e como orienta a transição para um novo cenário da indústria. Abordamos também como esse projeto é composto e quais seus principais benefícios.

A TOTVS acredita no potencial do Brasil que faz. Consolidada como a maior empresa de tecnologia do país, nossos sistemas e softwares atendem mais de 12 segmentos de negócios, se encaixando nas necessidades de organizações de pequeno, médio e grande porte.

Se você gostou deste conteúdo e quer se aprofundar no tema, veja agora como a sua indústria pode crescer com a implementação de um ERP completo. Não se esqueça de continuar acompanhando o blog da TOTVS e assinar a newsletter para não perder nenhuma novidade.

Artigos Relacionados

Deixe aqui seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Usamos cookies para fornecer os recursos e serviços oferecidos em nosso site para melhorar a experência do usuário. Ao continuar navegando neste site, você concorda com o uso destes cookies. Leia nossa Política de Cookies para saber mais.