Edutainment: O que é, princípios e como aplicar nas empresas

Equipe TOTVS | GESTÃO DE NEGÓCIOS | 21 maio, 2021

Conforme o mercado, as indústrias e a tecnologia avançam, obter e transformar conhecimento se torna ainda mais urgente. O edutainment pode ajudar nesse processo.

Você já ouviu falar nesse termo ou sabe do que se trata?

O edutainment é uma abordagem inovadora para a educação e para a aprendizagem, aplicável em qualquer nível de ensino.

A proposta anda de mãos dadas com outros avanços, como a Transformação Digital e a Indústria 4.0.

Além disso, o edutainment encaixa-se perfeitamente em uma realidade como a atual — da Era da Informação.

Deixe-nos te perguntar: você consegue procurar tudo hoje em dia, certo? Basta uma pesquisa rápida no Google ou Youtube.

Afinal, é um comportamento comum que  qualquer pessoa com acesso à Internet faz diariamente.

Mas você tem certeza que consegue absorver todo esse conhecimento, de forma que realmente agregue valor?

Há tanta informação valiosa, mas tantos estímulos nos cercando, que é difícil aprender da forma certa.

E o edutainment, é a forma certa de se aprender? Não é a única, é claro, mas é uma abordagem extremamente eficiente para concretizar o aprendizado.

Esse é um assunto de interesse geral: empresas, profissionais de RH, edtechs e instituições de ensino. Todos podem ganhar com o edutainment.

Por isso, desenvolvemos este guia completo sobre edutainment. Que tal aprender mais sobre esse assunto? É só seguir na leitura!

O que é edutainment?

Edutainment refere-se a um tipo de educação que traz elementos de entretenimento. É fortemente calcada em tecnologias e produtos digitais capazes de tornar a educação mais atraente para estudantes de todas as idades.

No entanto, não se trata apenas de formato, como você ainda vai aprender.

De acordo com dicionário Cambridge, edutainment pode ser definido como:

“é o processo de entreter as pessoas ao mesmo tempo em que você está ensinando algo a elas, e os produtos, como programas de televisão ou software, que fazem isso.”

Como você pôde perceber, o próprio termo é uma mistura direta dos conceitos de educação (education) e entretenimento (entertainment).

No Brasil, apesar de novo, a abordagem já foi traduzida e algumas pessoas referem-se a ela como edutretenimento.

Já no mundo, conforme relatório da Mordor Intelligence sobre o assunto, há uma taxa estimada de crescimento desse segmento de cerca de 17% ao ano até 2025.

O edutainment depende da aplicação da tecnologia no processo de aprendizagem, de modo que crie uma jornada divertida de educação.

Por isso, podemos encarar o edutainment como a confluência de dois fatores:

  • O entretenimento como linguagem, um meio para promover o aprendizado.
  • A educação como o objetivo principal.

O edutainment é uma metodologia muito associada à “brincadeira”, pois justamente busca tirar a seriedade e o pragmatismo do ato de aprender.

Na verdade, a inovação busca complementar o momento de estudo, tornando-o mais prazeroso, divertido e interativo.

E veja bem: esse é um objetivo de várias pessoas.

Dados do site Oberlo comprovam: 72% das pessoas preferem aprender sobre os produtos ou serviços de uma empresa por meio de vídeo em vez de texto.

Claro, essa é uma métrica paralela à educação, mas mostra o quão abertos os usuários estão à ideia de trocar o convencional por algo novo e mais dinâmico, concorda?

Porém, como diferenciar o entretenimento do edutainment?

Tudo depende do conteúdo educativo — como e por quem foi criado, seguindo quais metodologias, apresentado em quais formatos e canais, se segue os princípios do edutainment, etc.

Até aqui, o edutainment parece um modelo bastante adequado para a educação de crianças, certo?

É verdade: serve muito bem como uma forma de revolucionar a educação já na base, criando uma cultura de aprendizagem ativa.

No entanto, a abordagem serve muito bem para a educação superior e especialmente corporativa.

O edutainment, nesse universo, pode ser encarado como um irmão mais novo da gamificação.

Um avanço, mas atrelado à práticas de storytelling que buscam tocar o interlocutor de uma forma diferente do tradicional, enriquecendo sua experiência.

Como surgiu o edutainment?

O edutainment se espalhou pelo mundo apenas agora, no fim da segunda década do século XXI. Sua origem, infelizmente, não ficou gravada na história.

Nesse caso, falamos do termo “edutainment”. O conceito em si já é utilizado há algum tempo — até mesmo há alguns séculos.

Ou seja, o ato de unir educação com entretenimento, com objetivo de tornar o processo mais leve e marcante.

Uma das pessoas mais célebres a alavancarem a ideia, no entanto, pode te surpreender (ou não, se você conhecer a sua história): Walt Disney!

O cineasta, animador e empresário utilizou o termo “edutainment” para definir seu mais recente projeto, em 1954, “True-Life Adventures”.

Tratava-se de uma série de curta-metragens com uma proposta mais educativa.

Porém, o edutainment tem uma veia bastante flexível, com a própria educação em si — que pode se dar de diversas formas.

Algumas fontes relacionam a popularização do termo a um movimento dos anos 1980, onde algumas empresas tentaram emplacar o desenvolvimento de jogos educativos.

Hoje em dia, o edutainment é tanto uma abordagem como uma filosofia de estudos — livre para ser explorada e utilizada em favor da educação.

Como funciona o edutainment?

O edutainment funciona de múltiplas formas, essa é a boa notícia para você que busca implementá-la em seu ambiente corporativo ou estudantil.

Uma plataforma de streaming, um software de aprendizagem, um jogo que estimula o aprendizado, um web app, são várias as opções.

Qualquer coisa que compartilhar valores de entretenimento e educação pode ser enquadrado no espectro do edutainment.

As ferramentas de edutainment podem utilizar de várias metodologias, como o storytelling ou o apelo de uma animação, a fim de vender o valor de entretenimento do produto. 

Além disso, vale ressaltar: o edutainment existe tanto dentro, como fora da sala de aula.

A vantagem desse modelo é que, muito embora seja muito transgressor e construtivo, ele abraça outros tipos de conteúdos, até mesmo os mais passivos.

Ou seja, existe uma solução educativa para todos os gostos.

Entre os exemplos de conteúdos passivos de edutainment, podemos mencionar:

  • Livros de ficção com temas educacionais;
  • Música e canções que ajudam as pessoas a aprender;
  • Programas de rádio e podcasts projetados para educar os ouvintes;
  • Filmes e programas de TV com personagens divertidos que ensinam os espectadores.

Agora, que tal conhecer alguns exemplos de conteúdos de aprendizagem ativa e que podem ser encontrados em um ambiente de edutainment? Veja só:

  • Videogames desenvolvidos para educar os jogadores;
  • Software que permite aos usuários realizar exercícios de aprendizagem;
  • Sites educacionais com elementos interativos, como imagens clicáveis ​​e animações;
  • Testes que fornecem metas e recompensas conforme os usuários progridem em cada nível.

O edutainment pode ser usado para ensinar quase todos os tópicos, incluindo matemática, linguagem, história, geografia e ciências.

Pode também ser o método por trás da aprendizagem corporativa, focando tanto em temas mais técnicos e operacionais (tutoriais), como em questões de liderança e tomada de decisão.

Desse modo, ao criar um ambiente de aprendizagem divertido, o edutainment pode tornar a educação mais fácil e agradável.

totvs rh

Quais são os princípios do edutainment? 

Mas afinal, você já sabe como olhar para um conteúdo e reconhecê-lo como parte da abordagem edutainment? Exatamente, essa é uma das partes mais complexas dessa metodologia.

O edutainment parte do princípio que a aprendizagem deveria ser mais divertida, calcada no entretenimento.

Percebe que o intuito vai muito além do formato? Por isso, não dá para apontar para um tipo ou outro de conteúdo educacional e afirmar que é ou não é edutainment.

Porém, o que é possível é destrinchá-lo em busca de seus princípios.

Lá em cima abordamos isso: os princípios como indicadores do edutainment. Você sabe quais são eles e como podem ser descritos? Explicamos abaixo:

Envolvimento

Sim, o edutainment pode se fazer valer de conteúdos passivos (onde o estudante é o telespectador e coadjuvante). No entanto, cada vez mais, essa noção é deixada de lado.

Por isso, se você busca identificar um conteúdo edutainment hoje em dia, busque pelo princípio de envolvimento.

O aluno ou usuário deve fazer parte do processo de aprendizagem — tanto absorvendo o conteúdo, como interagindo e realizando ações incentivadas por ele, seu formato e proposta.

Imersão

Aqui, buscamos explorar um princípio mais relacionado ao bom entretenimento: a imersão no conteúdo.

Como um bom filme no cinema, o conteúdo edutainment deve cativar, evocar emoções, estimular a mente de outro jeito do que no clássico “decoreba”.

É uma característica essencial para que os usuários ou alunos possam mergulhar no conteúdo, minimizando o impacto das distrações e potencializando o engajamento.

Interação

Engajamento, interação, compartilhamento de experiências. O edutainment proporciona um ambiente de trocas, de enriquecimento intelectual que se favorece das interações em grupo.

É uma forma de criar pontes emocionais, fortalecer e desenvolver soft skills e facilitar o estabelecimento de conexões entre os colegas e participantes do conteúdo.

Diversão

Por fim, se falamos de entretenimento, é preciso que o ensino seja divertido.

Não falamos necessariamente de tornar a aula uma brincadeira e usar brinquedos (muito embora possa ser um dos métodos, especialmente na educação infantil).

O aspecto de diversão pode ser uma tentativa de tornar a sessão e o conteúdo educacional mais leves, em elementos que passem uma sensação de bem-estar.

Como o edutainment é aplicado nas empresas?

O mundo corporativo pode ser definido por uma série de palavras, mas “complexo” talvez seja a melhor delas.

E a cada dia que passa, com as novas exigências — Transformação Digital de um lado, Consumidor moderno de outro — essa afirmação se torna ainda mais real.

Mas vai muito além, alguns passos antes mesmo de pensar diretamente no consumidor ou na sua plataforma de venda. Como é a experiência do seu colaborador? Como está o nível de engajamento dele? O quão agregadora está sendo a empresa para o funcionário?

Veja bem:

Uma startup pode passar meses tentando explicar os benefícios de seu produto, sem fechar um negócio.

Um líder de um setor pode passar mais de um ano tentando convencer sua equipe e seus superiores de que suas ideias inovadoras devem ser ouvidas.

Ou seja, é preciso investir em educação de modo que enriqueça o potencial dos profissionais para que o resultado disso seja um relacionamento mais sólido com o cliente.

Mas por que escolher o edutainment em detrimento de uma educação profissional tradicional?

Bom, por uma série de motivos, mas especialmente porque o edutainment proporciona uma nova forma de entregar conteúdos e compartilhar conhecimentos. Neste modelo, os profissionais são capazes de explorar suas soft skills e human skills de maneira dinâmica e adequada ao seu perfil de aprendizado. 

Esses modelos colaborativos vem ganhando a atenção das instituições e das empresas e angariando cada vez mais receita.

O motivo disso é simples: eles funcionam!

Para você ter noção, um levantamento da Holon IQ previu ainda em 2020 que, em 5 anos, o mercado global de educação e treinamento poderia atingir um valor de US$ 7,3 bilhões.

No entanto, algo que empresas e mesmo instituições de ensino ainda apresentam é o medo de inovar.

Nisso, acabam perdendo espaço para as soluções colaborativas desenvolvidas por edtechs e empresas de tecnologia.

Entre as oportunidades que o modelo edutainment oferece ao mercado corporativo, podemos citar alguns:

Criação de conteúdo por profissionais e professores

Os professores e mesmo profissionais do mercado poderão alavancar ainda mais seus conhecimentos por meio de materiais curtos e de tamanho reduzido, como podcasts educacionais.

Está aí também um tema que vale se aprofundar e explorar um pouco mais.

Na Era da Informação, diante de abordagens como o edutainment, fica claro que a linha que separa a educação do entretenimento fica cada vez mais mais tênue.

Afinal, já se sabe que a melhor forma de aprender é aquela que exige uma participação ativa do aluno. Aprender exige certa dose de emoção e energia.

No entanto, nem tudo cabe ao aluno. O professor (ou tutor, mentor ou especialista) deve abraçar isso: ser inspirador, divertido e com personalidade autêntica.

Só assim eles estabelecerão conexões emocionais com os alunos. Alavancados pela tecnologia, os professores poderão não apenas ser efetivos ao lecionar suas especialidades, mas transcendê-las.

Serão profissionais por trás de marcas pessoais distintas.

Os professores, na era do edutainment, tendem a ser mais simples, prolíficos e cromáticos.

Personalização

Pense no seguinte cenário: ao explicar um conceito, um professor usa uma analogia, metáfora ou imagem para descrevê-lo. Até aí tudo normal — mas pouco intuitivo.

Agora, o que aconteceria se os alunos recebessem automaticamente um conteúdo específico relevante para eles, relacionado com esse gatilho da explicação do professor?

O professor está usando uma analogia com o cinema, mas o usuário gosta mais de games? A tecnologia poderá trocar a analogia visual por algo mais relacionado, como um exemplo de videogame.

A mesma explicação, mas perspectivas diferentes.

Potencial de ser uma marca de edutainment

Uma terceira oportunidade para as empresas é de criarem e distribuírem seus próprios conteúdos em uma abordagem edutainment.

Ou seja, trazendo narrativa, storytelling, conteúdo cultural, rostos conhecidos, produção, CGI — bom, o céu é o limite.

É uma forma de promover o lifelong learning, seja para os próprios profissionais como para a comunidade de usuários, clientes e parceiros comerciais.

Trata-se de uma tendência ainda tímida, mas que vai ganhar força, especialmente pela servitização das empresas — que vão passar a focar na prestação de serviços em vez de produtos acabados.

Quais são as vantagens de investir em metodologias edutainment?

Nunca foi tão fácil aprender como hoje. Mas também nunca foi tão difícil manter o foco, afinal, no ambiente online você precisa prender a atenção do funcionário e competir com redes sociais, sites, entre outras coisas. Percebe como o objetivo conflita com o obstáculo? Aprender é um desafio — e o edutainment facilita o processo e melhora o resultado final.

Infelizmente, ainda não existem métricas concretas sobre a eficiência do edutainment, mas os estudos complementares podem servir de base.

Base para quê? Bom, primeiro, entender que uma educação ativa, moderna e tecnológica pode ser a saída para o gap de aprendizagem que existe no Brasil.

O modelo educacional deve refletir as mudanças e evoluções que vemos na sociedade. Afinal, tudo se transformou tão rápido, porque a educação deve se manter a mesma?

Foi uma constatação do The State of Technology in Education Report de 2020/21.

De acordo com o estudo, 86% dos educadores afirmam que gostariam que a tecnologia fizesse parte do dia a dia estudantil — em qualquer nível.

No report, ainda podemos encontrar outros dados bastante interessantes:

  • Para 9 de 10 educadores, o ensino tradicional vai se mesclar com a tecnologia no futuro próximo;
  • O nível de confiança no potencial de crescimento do uso de tecnologias para a frente da sala de aula cresceu de 11% para 36% em 4 anos;

Claro, esses são dados calcados na área das edtechs — porém, possuem relação estreita com o que propõe o edutainment.

A única diferença é que nesta abordagem, o entretenimento é essencial.

Agora, colocando esses fatores na mesa e analisando friamente, quais as vantagens de investir em edutainment?

Aqui, queremos mencionar especificamente os benefícios da abordagem aplicada à educação corporativa, com investimento das empresas. Veja só:

Motivação para os colaboradores

Um ensino que preza pela diversão, além do aprendizado, tem um potencial maior de motivar os funcionários.

Treinamentos muito técnicos, parados e pragmáticos podem ser vistos como pontos baixos no dia a dia dos colaboradores — momentos indesejados.

E essa nunca deve ser a sensação de alguém prestes a aprender.

Por isso, o edutainment ajuda a dinamizar o dia a dia de trabalho, sendo um momento diferenciado na rotina do colaborador — onde a diversão e o aprendizado técnico, teórico e prático se misturam.

Além disso, é possível promover atividades em grupo, que facilitam e promovem o engajamento e dão um ar de leveza, especialmente diante de atividades específicas.

Desenvolvimento de novas habilidades

Uma das principais vantagens do edutainment é a liberdade que a abordagem dá aos educadores responsáveis.

No contexto corporativo, é algo que abre espaço para trabalhar o desenvolvimento de novas habilidades de forma contextualizada, a partir de simulações interativas, leves, mas que ainda exigem responsabilidade!

Essas habilidades podem ser tanto comportamentais como ensinar mesmo o colaborador a mexer em dada ferramenta. 

Ampliação da aprendizagem

É mais fácil e prático aprender com o edutainment em detrimento de metodologias de ensino tradicionais.

Isso permite uma taxa de aproveitamento maior dos temas explorados.

Enquanto conteúdos tradicionais são mais travados, burocráticos e estáticos, o edutainment oferece uma dinâmica refrescante para o estudo — seja entre o aluno e o conteúdo, como entre o aluno e o professor.

E uma relação renovada também traz ótimos frutos!

Como aplicar o edutainment em uma empresa?

O edutainment não possui um manual, por isso o ideal é buscar pelas possibilidades e, a partir dos conceitos que você leu aqui, criar sua estratégia.

Há várias soluções que podem se encaixar nas suas demandas — afinal, elas são únicas e merecem ferramentas, abordagens e soluções específicas.

Para o gestor ou líder de uma empresa, o edutainment pode ser um complemento à educação corporativa tradicional. Uma forma de tornar o ambiente mais leve, cativar os colaboradores e apresentar uma forma diferente de ensino aos funcionários.

Nesse ponto, uma solução específica pode ajudar: uma plataforma de apoio ao desenvolvimento de soft skills!

Já ouviu falar desse tipo de tecnologia? Então conheça o Desenvolvimento e Engajamento by BLAST! da TOTVS!

Desenvolvimento e Engajamento by BLAST

O Desenvolvimento e Engajamento by BLAST! possibilita que as empresas unam os conceitos de lifelong learning e edutainment na educação corporativa.

Trata-se de um web app voltado para o aprendizado, que permite que seus profissionais evoluam habilidades comportamentais a partir de uma série de conteúdos exclusivos.

São vídeos, cursos online, lives, podcasts, pesquisas, apresentações de especialistas, entre muitos outros!

Trata-se de uma tecnologia para desenvolver as soft skills dos seus colaboradores e potencializar seu aprendizado, inclusive com mais agilidade.

Tudo isso resulta em melhores resultados para a empresa e para a criação de uma cultura de inovação no ambiente de trabalho!

Conheça mais sobre a plataforma Desenvolvimento e Engajamento by BLAST! e experimente grátis por 15 dias!

 Desenvolvimento e engajamento by blast

Conclusão

O edutainment é um sinal de que, embora o mercado e as indústrias evoluam, nada muda a necessidade do ser humano de aprender.

Diante de uma realidade corporativa como a atual, em que a competitividade do mercado está cada vez maior, o edutainment surge como uma solução para promover uma aprendizagem ativa, dinâmica, tecnológica e divertida.

Para uma empresa, é essencial compreender a importância dessa abordagem e implementá-la o quanto antes em seu processo de educação corporativa.

Gostou de aprender tudo sobre o edutainment neste guia completo? Então siga lendo os conteúdos do nosso blog!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Usamos cookies para fornecer os recursos e serviços oferecidos em nosso site para melhorar a experência do usuário. Ao continuar navegando neste site, você concorda com o uso destes cookies. Leia nossa Política de Cookies para saber mais.