Listamos 7 formas para aumentar a produtividade na indústria. Confira!

Aumentar a produtividade na indústria é um dos objetivos mais buscados por donos, diretores e gestores do segmento. Para alcançar esse propósito, é necessário não só otimizar o fluxo de trabalho na linha de fabricação, como também adotar as melhores práticas na gestão da cadeia de suprimentos, das compras e das finanças da área.

Dessa forma, será possível manter um crescimento da capacidade produtiva de forma equilibrada. Aliás, no panorama nacional, vale destacar que a indústria brasileira tem registrado aumento da produtividade. De acordo com a CNI, em 2016 o crescimento foi de 1,7% e, em 2017, chegou a 4,5%.

Esse tipo de expansão é obtida por uma soma de esforços dentro do parque fabril, envolvendo desde a mudança de comportamento de trabalhadores e da empresa até o investimento em tecnologia.

Além disso, há várias práticas que podem ajudar a aumentar a produtividade na indústria. Separamos 7 das principais a seguir. Não deixe de conferi-las!

1. Revisar o fluxo de trabalho existente

Uma das formas de otimizar a produção é revisar todo o fluxo de trabalho existente, desde o momento em que as matérias-primas chegam à empresa até quando o produto pronto é enviado ao cliente.

Afinal, sem entender como os seus processos funcionam, dificilmente saberá o que precisa aprimorar para aumentar a produtividade. Para tanto, observe os seguintes elementos em cada fluxo:

  • fator humano: questione se os seus colaboradores têm as habilidades necessárias para as funções que executam. Também avalie se trabalham nas atividades mais adequadas às suas capacidades. Verifique se objetivos e metas da empresa são claramente entendidos por eles e se são realistas pois, quando não, podem frustrar e desmotivar os funcionários;
  • tecnologia: é importante checar se o maquinário se encontra em bom estado de conservação. Além disso, analise se ele se tornou obsoleto ou se ainda atende às demandas atuais. Verifique se os equipamentos permitem mudanças na produção e se possibilitam incrementos que gerem diferenciais aos produtos. Considere também o uso de um sistema de gestão, para integrar e agilizar os fluxos de trabalho;
  • procedimentos e atividades: é necessário entender os inputs e outputs (entradas e saídas) de mercadorias, de informações e de outros fatores envolvidos na produção. É preciso mapear os processos para descobrir pontos fortes/fracos e gargalos.

Ao levantar essas informações, você saberá quais fatores devem ser trabalhados para conquistar uma produtividade cada vez maior.

2. Atualizar processos

Ainda em relação aos processos, lembre-se de estabelecer planos de ação para trocar, consertar ou eliminar os fluxos ineficientes. Nesse caso, identifique quais áreas precisam desse tipo de ajuste e procure o apoio dos profissionais desses setores para corrigir as deficiências.

É importante contar com os colaboradores mais experientes, que vivem essas rotinas diariamente, pois podem ter ideias de melhorias. Ao conceder a eles a oportunidade de exporem as suas soluções e de serem ouvidos pela empresa, você terá chances de aprimorar a gestão dos processos industriais.

3. Investir em automação e em tecnologia de gestão

A automação tecnológica, obtida tanto por meio de equipamentos quanto por softwares, é capaz de elevar a eficiência dos processos industriais.

Também diminui custos e possibilita que os trabalhadores deixem atividades manuais e repetitivas para se dedicaram a tarefas de maior valor agregado. Além do mais, ela pode contribuir com melhorias pontuais. Veja exemplos:

  • softwares de gerenciamento, que tenham o recurso de agendamento de manutenção, reduzem perdas decorrentes de paradas na linha de produção. Também facilitam o agendamento de reparos programados;
  • sistemas de monitoramento do fluxo de trabalho, integrados a sensores, permitem identificar falhas e quebras em tempo real para que sejam solucionadas rapidamente;
  • ao substituir atividades manuais e repetitivas, um sistema consegue diminuir o tempo de execução, aprimorar a eficiência e aumentar a confiabilidade dos procedimentos realizados;
  • um sistema de Enterprise Resource Planning (ERP), com módulo de gestão da produção, melhora a realização de processos gerenciais do setor. Também fornece indicadores de performance que ajudam o gestor a medir resultados e, a partir dele, decidir o que fazer para aumentar a produtividade e a eficiência dos fluxos de trabalho;
  • um ERP ainda contribui com a gestão de estoque, facilitando o controle das mercadorias que saem e entram no almoxarifado. Isso colabora para a elevação da produtividade de vários setores, como de compras, de vendas e do próprio estoque.

Nova call to action

4. Utilizar a metodologia lean manufacturing

Lean manufacturing, ou manufatura enxuta, é um conceito que envolve práticas e técnicas que visam à eliminação de desperdícios. Seu intuito é assegurar o bom aproveitamento de recursos partindo de uma abordagem sistemática, que também objetiva a melhoria contínua.

O foco dessa metodologia está nos fluxos de valor completos, enxergando os processos da empresa de forma integrada. Além disso, ela busca reduzir 8 tipos de desperdícios:

  • superprodução: produção em excesso gera gastos desnecessários com a armazenagem de produtos que não são absorvidos pelo mercado;
  • excesso de estoques: os gastos maiores com conservação de estoques encalhados prejudicam a produtividade da empresa, já que oneram a cadeia logística. Também aumentam as chances de perdas, extravios e obsolência, o que gera prejuízos e reduz os resultados do negócio;
  • gastos desnecessários no transporte: a produtividade nas entregas fica comprometida quando não há bom planejamento de rotas, não se aproveita adequadamente os espaços nos veículos de transporte e não há uma boa comunicação entre sede e filiais;
  • tempo de espera entre uma etapa e outra: o tempo que maquinários e funcionários ficam ociosos, esperando a conclusão de fases anteriores da linha de produção para poderem trabalhar, afeta a produtividade. É preciso reduzir essas pausas;
  • excesso de processamento: é necessário entender o que é essencial a um produto e o que é excesso em seu processamento. Às vezes, algumas fases na linha de fabricação e determinados adicionais à mercadoria podem ser eliminados sem prejudicar o propósito/uso do produto final;
  • porcentagem de defeitos: uma indústria enxuta tende a diminuir os defeitos nos produtos, pois a produção passa a ser melhor controlada e organizada, sem excessos. Além disso, contando apenas com processos essenciais, o controle se torna melhor;
  • movimentação desnecessária de pessoal: lean manufacturing envolve mapear e organizar a movimentação das equipes na linha de produção, para que não percam tempo com idas e vindas desnecessárias entre equipamentos, estoques e setores;
  • habilidades subutilizadas: o último desperdício a ser reduzido é o da subutilização das competências dos funcionários. Uma empresa eficiente precisa mapear os talentos dos colaboradores para que sejam bem aproveitados nos processos mais adequados a eles.

5. Identificar e eliminar gargalos

É preciso mapear todo o ciclo de vida do seu produto para identificar cada gargalo que compromete a produtividade da fábrica. Ele pode ser encontrado em:

  • um equipamento que não consegue acompanhar o volume de produção dos demais;
  • uma etapa extra que atrasa as demais;
  • um processo burocrático que requer uma autorização especial que quase sempre demora, interrompendo o fluxo de produtos ou informações;
  • um processo de entrega de um insumo que costuma atrasar ou chegar depois das demais matérias-primas etc.

Após identificar os gargalos, avalie os custos que eles geram para a produção. É necessário dimensionar se realmente vale a pena investir valores altos para resolvê-los ou se os seus impactos negativos não justificam isso, sendo pequenos ou irrelevantes no momento.

6. Reduzir a taxa de desperdício e de rejeição de produtos

Uma produção alta nem sempre vem acompanhada de uma boa produtividade se os índices de rejeição de produtos, de defeitos e de desperdício forem elevados. Isso porque os gastos com consertos, retrabalhos e remanufatura tendem a elevar os custos da produção, além de aumentar o tempo até que as mercadorias estejam prontas para comercialização.

Consequentemente, a eficiência do setor de produção e da própria indústria fica comprometida. Para evitar isso, é fundamental investir em tecnologias e em práticas de excelência para diminuir essas taxas.

7. Treinar os funcionários

Uma das formas mais eficientes de aumentar a produtividade da empresa é capacitando os seus colaboradores por meio de treinamentos frequentes, alinhados às principais práticas de excelência do mercado. Isso inclui diferentes tipos de aprendizado, como:

  • de novas tecnologias, o que garante que os colaboradores operem adequadamente equipamentos modernos, tirando o máximo de proveito deles;
  • de procedimentos de segurança, pois acidentes podem pausar processos e ainda ocasionar o afastamento de funcionários eficientes;
  • de políticas e comportamentos positivos para a interação com colegas. Se todos conhecerem as regras dentro da empresa e as suas normas contra práticas consideradas inadequadas, o ambiente tende a se tornar mais favorável ao trabalho.

As dicas acima colaboram para aumentar a produtividade da indústria, porém é preciso montar um bom planejamento para colocá-las em prática.

Muitas também poderão requerer uma reformulação dos processos da empresa, levando inclusive a modificações em sua cultura interna. Será preciso se preparar para gerir os riscos e as oportunidades que essas ações geram.

Agora que você já sabe como é possível elevar a produtividade em uma indústria, que tal descobrir como melhorar a gestão de seus processos produtivos?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *