7 maneiras eficientes de melhorar a segurança no chão de fábrica

Apesar de o cenário atual ser mais positivo do que comparado ao passado, ainda hoje os acidentes de trabalho são eventos relativamente comuns na indústria. Tal fato reforça a ideia de que a segurança no chão de fábrica é uma demanda latente nas empresas e precisa ser priorizada.

Para se ter uma perspectiva mais precisa, segundo dados do Observatório Digital de Saúde e Segurança do Trabalho, do Ministério Público do Trabalho, de 2012 até 2017 foram registrados mais 3.879.755 acidentes de trabalho no Brasil. Número esse que demonstra o quão importante é para as empresas dedicar esforços e adotar medidas para minimizar os riscos envolvidos em suas atividades.

Sabendo da relevância desse tema, preparamos este post listando 7 maneiras eficientes para aumentar a segurança dos trabalhadores na indústria. Acompanhe!

1. Automatização de processos

No contexto da segurança do trabalho, a automatização de processos é fator primordial. Isso porque, em razão dos constantes avanços tecnológicos, cada vez mais as máquinas e os sistemas automatizados assumem a execução de atividades perigosas e se encarregam de agir autonomamente caso algum risco seja identificado.

Nesse sentido, tarefas repetitivas e que representavam algum tipo de risco à integridade do profissional hoje dão lugar a máquinas automatizadas e robôs — a exemplo do que se vê na indústria automobilística, em que braços mecânicos se encarregam do manuseio de peças pesadas e soldagem.

Além disso, a automação também reforça a segurança no chão de fábrica quando se trabalha com múltiplos sensores e softwares em conjunto com o maquinário, permitindo que equipamentos sejam preventivamente desligados caso um funcionário ultrapasse uma área ou não utilize as proteções necessárias.

2. Sinalização adequada

Outro ponto que merece destaque na promoção da segurança em fábricas é a utilização da sinalização adequada. Existem sinais e símbolos cuja padronização é de nível global, sendo utilizadas como mecanismo de orientação e alerta sobre os mais variados riscos envolvidos dentro do ambiente de uma indústria.

A sinalização, sem dúvida, materializa a essência da prevenção dos acidentes, servindo de barreira psicológica para que profissionais, em momento algum, negligenciem os perigos a que estão submetidos dentro de determinados ambientes.

Vale lembrar, ainda, que a sinalização adequada segue uma legislação e fiscalização rigorosa, sendo que o descumprimento, além de sanções e multas, pode inviabilizar a continuidade das atividades da empresa em razão da não emissão dos alvarás necessários.

3. Programas de segurança

Implantar políticas de segurança na indústria também é exemplo de medida necessária para melhorar esse quesito nas operações. Apesar da sua grande importância, muitas empresas ainda não dão o devido valor para essa ação, o que acaba por dar margem à diferentes riscos.

Nesse sentido, o desenvolvimento de programas de segurança deve partir de cima para baixo, ou seja, as lideranças precisam criar e estimular uma política de segurança, investindo, orientando e prevenindo tanto quanto possível a ocorrência de acidentes.

Um caso bastante conhecido e que ilustra a importância da política de segurança para os resultados da empresa é o da Alcoa — uma das maiores companhias do ramo de metal do mundo. A empresa reduziu significativamente a quantidade de acidentes em suas instalações a partir de uma mudança de postura para lidar com os riscos, formulando um ambiente rígido em que cada falha deveria ser reportada o mais rápido possível para ser solucionada.

4. Treinamentos

Funcionários experientes e bem treinados para a execução de suas atividades, de maneira geral, também podem melhorar a segurança no chão de fábrica. Por esse motivo, a empresa não só pode como deve investir em qualificação e treinamentos constantes, com o objetivo de preparar os recursos humanos para lidar com os riscos.

A relação entre qualificação e segurança é bastante direta: se os empregados são mais bem orientados, seguem uma política de segurança rígida e detêm o conhecimento necessário para agir em determinadas situações, a consequência direta é a redução na quantidade de acidentes e o fortalecimento da cultura de segurança no ambiente.

4 dicas para melhorar a segurança no chão de fábrica

5. Uso de robôs

Como citado, a automação é fator de grande relevância para a segurança na indústria. Nesse ponto, a utilização de robôs em diferentes pontos da produção é um dos maiores exemplos de como essa automação pode ser aplicada para melhorar o cenário.

Hoje, o que se percebe é que cada vez mais trabalhos repetitivos, insalubres e perigosos são executados por robôs, o que diminui bastante os riscos de acidentes, por exemplo, em atividades que exigem o manuseio de itens pesados, contato com elementos químicos, manipulação de materiais em altas temperaturas etc.

Nesse ponto, destaca-se também a utilização dos exoesqueletos — estruturas externas acopladas ao corpo do funcionário — na indústria. Essa tecnologia tem como objetivo trazer mais conforto, precisão e segurança na execução de tarefas repetitivas, ou que exigem longos períodos em uma mesma posição. Com isso, aumenta-se o bem-estar dos colaboradores e a produtividade.

Sendo assim, investir nesse tipo de inovação, sem dúvida, tem sido a opção de muitas indústrias, não só para melhorar a segurança das suas atividades, mas também para otimizar a produção, reduzir custos e aproveitar de maneira mais estratégica o capital humano.

6. Criação de checklists

Embora pareça uma ação simples para muitos, a utilização de listas de conferência ainda é um recurso bastante eficiente na hora de prevenir riscos.

Existem diferentes maneiras de se utilizar checklists na indústria. Por exemplo, o funcionário pode se valer desse expediente para seguir à risca determinados protocolos, diminuindo a probabilidade que não execute determinada ação por esquecimento ou negligência.

Do mesmo modo, gestores e líderes podem usar checklists para avaliar os processos, não deixando que nenhum ponto essencial passe despercebido, podendo gerar algum risco futuro. Apesar de já existirem métodos mais modernos, as listas ainda têm uma aplicação positiva e podem agregar ainda mais segurança quando utilizadas em conjunto com a tecnologia.

7. IoT

Por fim, é importante destacar a contribuição que a IoT tem dado no cenário da indústria moderna. Quando se trata de segurança, esse conceito inovador vem permitindo a formulação de ambientes mais interativos, inteligentes e conectados. Assim, diferentes máquinas, equipamentos e ferramentas utilizadas na indústria estão conectadas e trocando informações em tempo integral.

Como reflexo disso, tem-se a possibilidade de que os próprios equipamentos interfiram na segurança do trabalho, avaliando situações de risco por meio de sensores, e emitindo alertas de segurança aos gestores.

Não bastasse isso, soluções de gestão empresarial, como o software ERP, em conjunto com a IoT e Inteligência Artificial, garantem uma maior interoperabilidade no chão da fábrica, o que permite, por exemplo, que medidas emergenciais sejam tomadas rapidamente, já que os gestores têm acesso amplo a todo o inventário da indústria, podendo receber notificações de acidentes e/ou de riscos pelos próprios dispositivos, otimizando a prevenção de perigos e a minimização dos danos.

Por fim, melhorar a segurança no chão de fábrica, como vimos, é uma tarefa bastante ampla, a qual abarca uma série de ações. Desde medidas mais simples, ligadas à própria cultura e política da empresa, até investimentos maiores em equipamentos modernos, tecnologias e maquinário podem ser aplicadas para o reforço da segurança do ambiente. Dessa forma, o ideal é que a organização faça tudo aquilo que está ao seu alcance para proteger os seus funcionários.

Então, gostou deste artigo? Quer manter-se informado sobre esse e outros assuntos relacionados à indústria? Assine a nossa newsletter e receba os melhores conteúdos em primeira mão!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *