Tipos de cloud computing: entenda as diferenças e os benefícios

A computação na nuvem é a tecnologia do momento. Mas, afinal, quais são os motivos para tamanho sucesso? A verdade é que o recurso revolucionou o setor de TI e trouxe diversos benefícios ao universo empresarial.

No entanto, mesmo já sendo uma realidade no mercado brasileiro, muitos gestores não a conhecem bem. Pensando nisso, preparamos este post. Continue a leitura para conhecer os tipos de cloud computing e tudo o que sua empresa tem a ganhar com esse investimento!

A cloud computing transforma empresas

Tecnologia e crescimento empresarial são conceitos que caminham lado a lado. Atualmente, operar sem um bom sistema de gestão (ERP) é uma tarefa complexa e pode prejudicar bastante o funcionamento do negócio.

Nesse cenário, a cloud computing exerce um papel de protagonista. Aliás, o próprio processo de transformação digital deve muito a essa tecnologia.

Há alguns anos, era preciso investir tempo e recursos na contratação de servidores, licenças e mão de obra qualificada em TI. No entanto, a computação em nuvem mudou o mercado e se mostra muito mais eficiente e vantajosa.

O sucesso é tanto que, atualmente, podemos afirmar que a terceirização do armazenamento de dados e do desenvolvimento de soluções tecnológicas deixou de ser um mero diferencial para se transformar em uma decisão estratégica para qualquer empresa — seja qual for seu porte ou sua área de atuação.

Vale destacar que, graças a essa tecnologia, as organizações passaram a ver os dados como instrumentos cruciais, o que aumentou a competitividade e proporcionou ao consumidor produtos e serviços de alta qualidade.

Os tipos de cloud computing

Ficou claro que essas soluções são fundamentais para o desenvolvimento de um negócio. No entanto, esse é um mercado amplo e requer dos gestores um entendimento maior sobre os tipos de nuvem existentes.

Para tornar essa tarefa menos complicada, preparamos um breve resumo sobre eles. Confira!

Nuvem Pública

A Nuvem Pública é fornecida por um provedor que se responsabiliza pela hospedagem, manutenção, gestão e segurança dos dados de seus clientes.

A sua principal característica é o compartilhamento do servidor, o que reduz significativamente seus custos. Com isso, o usuário se preocupa apenas em pagar pelas aplicações que precisar — softwares ou hardwares.

Diante disso, podemos dizer que o modelo é indicado para empresas que buscam se modernizar sem comprometerem seu orçamento.

Nuvem Privada

A Nuvem Privada, como o nome sugere, tem funções semelhantes à pública, mas é construída por provedores especializados ou por uma equipe interna, para ser exclusiva de uma empresa.

Em resumo, não há o compartilhamento e divisão de custos com usuários externos. Essa característica faz com que ela seja escolhida por médias e grandes organizações, especialmente as que trabalham com transações financeiras e precisam reforçar a proteção de seus dados.

Nuvem Híbrida

A Nuvem Híbrida é uma junção das anteriores. Nesse caso, a empresa pode contar com uma nuvem privada para informações mais estratégicas e sigilosas e outra pública para dados e processos comuns.

Os modelos de serviços em nuvem

Além da classificação apresentada acima, é preciso conhecer três tipos de serviços em nuvem, que podem atender tanto às necessidades mais simples quanto às mais complexas e específicas.

Esses conceitos fazem parte do cotidiano de quem atua no setor de TI, mas devem ser compreendidos por qualquer gestor e empresário. Acompanhe!

Softwares como serviço (SaaS)

Os Softwares como Serviço (SaaS) são recursos hospedados na nuvem que podem ser acessados pelo usuário por meio de um computador, smartphone e outros dispositivos, como Smartwatch e Smart TV.

De acordo com um estudo da IDC, tal modelo é responsável por 68% da receita mundial de serviços de nuvem pública e, até 2022, poderá faturar US$ 163 bilhões.

Trata-se de um serviço muito vantajoso e capaz de promover a escalabilidade empresarial, já que o serviço pode ser acessado por qualquer pessoa, independentemente do local em que esteja.

Mas isso não é tudo! Podemos ainda destacar algumas vantagens interessantes, como:

  • redução de custos — a empresa contrata apenas aquilo que precisa;
  • redução da infraestrutura de TI — o funcionamento não depende de hardwares e infraestrutura interna;
  • alta disponibilidade;
  • mais mobilidade para os colaboradores;
  • atualizações menos burocráticas e demoradas;
  • facilidade de personalização.

Plataforma como serviço (PaaS)

A Plataforma como Serviço (PaaS) pode ser resumida como um ambiente de desenvolvimento localizado na nuvem capaz de entregar recursos que agilizam a criação e o gerenciamento de sistemas.

Isso significa que, além do software, essa plataforma gerencia e armazena as aplicações do sistema. Com isso, o usuário não precisa se preocupar com a infraestrutura necessária para desenvolver um sistema, como servidores, sistemas operacionais e rede.

Por outro lado, a empresa responsável pelo fornecimento do serviço deve entregar a infraestrutura e o ambiente necessários para um desenvolvimento eficiente.

Lembrando que é possível contar com o modelo público — a equipe pode trabalhar em qualquer lugar — ou com o privado — a equipe só tem acesso ao serviço em um ambiente específico.

Diante disso, podemos identificar alguns benefícios interessantes nesse modelo de nuvem:

  • menos tempo para implementação da plataforma;
  • redução de custos para o desenvolvimento de sistemas;
  • menos gastos com infraestrutura;
  • adaptação às necessidades da empresa;
  • possibilidade de focar em seu core business.

Infraestrutura como serviço (IaaS)

A Infraestrutura como Serviço (IaaS) é um serviço de computação em nuvem no qual o usuário contrata a infraestrutura necessária para armazenar as suas aplicações.

Observe que o cliente não precisa se preocupar com servidores e rede, mas é o responsável pela seleção, instalação e configuração dos recursos necessários para que o sistema opere adequadamente.

Essa característica exige que a empresa contratante providencie sistemas operacionais, softwares de armazenamento de dados, servidores, backups e recursos de segurança, por exemplo.

Muitas empresas estão avaliando a possibilidade de migrar seus dados e suas aplicações para esse tipo de infraestrutura. Isso acontece graças aos seus benefícios, dos quais podemos citar:

  • otimização de custos;
  • aumento da performance das aplicações;
  • flexibilidade;
  • agilidade para implementar mudanças e corrigir falhas;
  • maior segurança dos dados.

Conseguiu entender as características e as diferenças dos tipos de cloud computing? Conforme mencionado, essa tecnologia está em alta e cada vez mais empresas apostam nos serviços em nuvem para hospedar e armazenar seus sistemas e dados. Por isso, é essencial que você domine o assunto e tenha condições de tomar uma decisão vantajosa para o seu negócio.

Gostou deste artigo? Que tal aprender um pouco mais sobre o tema? Conheça os 7 desafios de cloud computing para as empresas brasileiras!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *