rest

Arquitetura REST: Saiba o que é e seus diferenciais

Equipe TOTVS | DEVELOPERS | 23 março, 2020

No universo da programação, o RESTRepresentational State Transfer — tem o objetivo de definir características fundamentais para o desenvolvimento de aplicações Web, que só funciona da maneira como conhecemos graças a essas práticas.

Os benefícios mais conhecidos dessa prática são a facilidade de execução, o alto aproveitamento da infraestrutura web e um formato de aprendizado descomplicado. Pensando nisso, preparamos este artigo para te ajudar a entender um pouco melhor sobre o conceito. Continue a leitura para saber mais!

O que é REST?

A sigla REST, em português, significa “Transferência de Estado Representacional”. Concebido como uma abstração da arquitetura da web, trata-se de um conjunto de princípios e definições necessários para a criação de um projeto com interfaces bem definidas.

A utilização da arquitetura REST, portanto, permite a comunicação entre aplicações. Ao abrir o navegador, ele estabelece uma conexão TCP/IP com o servidor de destino e envia uma requisição GET HTTP, com o endereço buscado.

O servidor, então, interpreta a requisição, retornando com uma resposta HTTP ao navegador. Essa resposta pode ser completa, com representações em formato HTML, ou apresentar erro, afirmando que o recurso solicitado não foi encontrado.

Esse processo é repetido diversas vezes em um período de navegação. Cada nova URL aberta ou formulário submetido refaz as etapas que descrevemos. Dessa forma, esses elementos permitem a criação de aplicações web, desenhando a forma como navegamos na internet.

Os Web Services que adotam REST são mais leves e perfeitos na busca da metodologia ágil. Outro diferencial é a flexibilidade, sendo possível escolher o formato que melhor se encaixa para as mensagens do sistema. Os mais utilizados, além do texto puro, são Json e XML, dependendo da necessidade de cada momento.

Nova call to action

REST e RESTful são a mesma coisa?

Agora que você já conheceu um pouco mais sobre o REST, está na hora de entender o que é RESTful. Embora possam gerar certa confusão, os dois termos revelam o mesmo propósito. Sendo assim, podemos dizer que sistemas que utilizam determinações REST são chamados de RESTful.

  • REST: representa um apanhado de princípios de arquitetura,
  • RESTful: representa a condição de um sistema específico em aplicar os conceitos de REST.

Diferenças entre SOAP e REST

Enquanto o REST é mais simples de entender e bastante acessível, existe uma lacuna em relação a padrões, sendo considerado e visto mais como uma abordagem de arquitetura.

O SOAP, por sua vez, está estabelecido no mercado, com protocolos bem estruturados e um conjunto de regras bem estabelecidas. Ao contrário do REST, que utiliza o HTTP/HTTPS, nesse protocolo as requisições são enviadas por qualquer meio de transporte disponível, incluindo SMTP e JMS (Java Messaging Service).

  • Baseado em XML, o SOAP age de três maneiras, por meio de um envelope:
  • Definindo o conteúdo da mensagem e informando como processá-la;
  • Determinando um conjunto de regras de codificação para os tipos de dados,
  • Acertando o layout para os procedimentos de chamadas e respostas.

Esse envelope é enviado, por exemplo, pelo HTTP/HTTPS. É executada, então, uma RPC (Remote Procedure Call), retornando com informações do documento XML formatado.

Essa abordagem pode ser considerada um tanto prolixa e com análises ligeiramente mais demoradas. Ambas as tecnologias, porém, são viáveis para os desenvolvedores web. Por atenderem à diversas exigências da programação, SOAP e REST podem, inclusive, trabalhar em parceria.

Relação entre HTTP e REST

O HTTP (HyperText Transfer Protocol) é o caminho mais conhecido nas transferências de dados. A maioria das APIs RESTful utilizam o HTTP como protocolo de comunicação oficial, uma vez que apresenta uma interface de operações padronizadas.

O HTTP permite criar, atualizar, pesquisar, executar e remover operações, atuando sob determinados recursos. Apresenta também um apanhado de respostas, guiando os clientes (navegadores ou APIs) nas suas ações diante de resposta específicas.

Boas práticas para o REST

Ao lidar com o restful Web services, o esperado é que, ao construir aplicações, o usuário conte com um sistema que explora a arquitetura da Web em seu benefício. Entre as ações fundamentais que você deve se ater dentro dessa rotina, podemos citar:

  • Determinar um identificador para todas as coisas;
  • Vincular e dar interação as coisas;
  • Usar métodos que possuam um padrão;
  • Definir recursos com representações variadas,
  • Dar prioridade a uma comunicação sem estado.

Mesmo que muitas aplicações web não obedeçam às convenções de métodos e respostas, é de suma importância, sempre que possível, programar utilizando-as da forma mais adequada possível.

Saiba mais sobre desenvolvimento!

Você sabia que a TOTVS utiliza a arquitetura REST em suas aplicações? Nesse conteúdo, apresentamos esse conceito, abordando suas definições, particularidades e vantagens. Com as constantes mudanças e avanços da tecnologia, é essencial manter-se atualizado e informado sobre as melhores práticas desse universo.

Se você gostou deste artigo, se interessa pelo assunto e quer saber mais sobre o universo de inovação e desenvolvimento, pode conferir agora o nosso post sobre open source. Não deixe de acompanhar o blog da TOTVS e assinar a newsletter, para receber novidades diretamente no seu e-mail.

Nova call to action

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *