cadeia de valor

Como fazer o mapeamento da cadeia de valor

Equipe TOTVS | GESTÃO DE NEGÓCIOS | 18 dezembro, 2019

Um produto passa por muitos processos antes de chegar até o consumidor final. Não se trata apenas de transformar a matéria-prima em outra coisa, e sim de saber agregar valor em cada uma das etapas desse processo. É a isso que damos o nome de cadeia de valor.

Neste artigo, abordaremos melhor o assunto e falaremos de sua importância para o mercado, seu negócio e seus consumidores.

O que significa cadeia de valor?

Michael Eugene Porter, um professor de Harvard, foi o criador desse conceito, que pode ser apresentado em um fluxograma das etapas essenciais, para a agregação de valor ao produto final de uma empresa. A maneira como a cadeia é organizada, pode afetar os custos e os lucros da companhia.

A cadeia de valor de Porter, como também é conhecida, é um modelo de estruturação das atividades desenvolvidas pelas empresas. Esse modelo tem como objetivo atingir a máxima qualidade do serviço e/ou produto, até chegar ao consumidor final. 

Por que implementar esse conceito?

Com o mapeamento adequado da cadeia de valor, é possível adquirir vantagem competitiva. E a  organização apropriada de certos elementos, pode proporcionar mais qualidade para o consumidor final por um custo menor.

Exibindo cada passo relevante do fluxo de trabalho e avaliando como ele agrega valor ao consumidor, você pode analisar a rede de valor como um todo. Assim, é possível ter uma visão mais clara de onde é preciso fazer mudanças para melhorar o processo .

Elementos da cadeia de valor

Para ilustrar melhor como o modelo de cadeia de valor funciona, podemos analisar os elementos que a compõem. Michael Porter definiu uma cadeia de atividades que são comuns nas empresas. Com isso, fez uma divisão entre atividades primárias e atividades de suporte. Entenda:

Logística de entrada

A logística de entrada está entre as atividades primárias e é relacionada a processos como recebimento, controle de inventário e marcação de transporte. Aqui, o que mais gera valor é a relação com os fornecedores.

Operações

Maquinário embalagens, montagem, manutenção de máquinas, testes e outros processos, são parte das operações. A criação de valor está na transformação de matéria-prima no produto final e na automação industrial.

Logística de saída

São classificadas como logística de saída, atividades como entrega de produto, sistema de recolha, armazenamento, distribuição etc. Elas também estão inclusas nas atividades primárias.

Comercial

É através do marketing de vendas que os consumidores finais são atraídos a comprar os produtos. Por isso, esta etapa é de extrema importância para a cadeia de valor de uma empresa.

Serviço

Em serviço, estamos falando de todo o suporte durante e após a compra concretizada. Além é claro, da instalação, reparos e todas as outras atividades feitas que complementam esta etapa. 

Infraestrutura

Atividades como gestão geral, administrativa, legal, financeira, contabilística, entre outras, fazem parte da infraestrutura. São importantes sistemas que ajudam a empresa manter as suas operações diárias.

Recursos humanos

O gerenciamento dos recursos humanos produz grande valor para a organização quando se utilizam as boas práticas de RH. As atividades variam desde recrutamento e treinamentos até compensação de funcionários.

Desenvolvimento tecnológico

O desenvolvimento tecnológico faz parte do setor de apoio e atua para manter as atividades funcionando conforme os padrões. Aqui é onde ocorre a investigação e desenvolvimento (I&D), automação de processos de produção, design, entre outras áreas. 

Compras

O setor de compras é responsável por adquirir os materiais necessários para o desenvolvimento dos trabalhos. Seu valor está na negociação com os fornecedores e na procura por máquinas de qualidade com um bom preço.

Como aplicar a cadeia de valor

A análise da cadeia de valor permite que a necessidade de melhorias em alguns setores, seja identificada. Para entender melhor sua aplicação, veja as dicas a seguir.

Subatividades primárias

O primeiro passo do mapeamento da cadeia de valor é identificar as subatividades de cada atividade primária. Assim, é possível determinar quais delas geram valor. Existem as atividade diretas (criam valor próprio), indiretas (permitem que as diretas funcionem perfeitamente), e atividades de garantia de qualidade (asseguram que ambas atividades sigam padrões). 

Subatividades de apoio

Aqui é preciso identificar as subatividades para cada atividade de apoio. Um exemplo disso, é analisar como o RH pode criar valor na área de logística de entrada, operações,  etc. Deve-se identificar também as atividades que geram valor para a infraestrutura do seu negócio.

Conexões

O próximo passo é conseguir encontrar conexões entre todas as atividades de valor que foram identificadas no processo. Essas ligações são parte importante no aumento da vantagem competitiva.

Melhorias

Após identificar as conexões e as subatividades, é chegada a hora de fazer as melhorias. Isso exigirá muitas mudanças, como a implementação de um software de gestão, mas também será essencial para aprimorar os processos internos e gerar ainda mais valor.

Como uma solução tecnológica pode ajudar

O mapeamento da cadeia de valor pode ser um processo trabalhoso, e um sistema de gestão empresarial pode ser de grande ajuda. É uma solução que se adequa às necessidades da sua empresa, além de auxiliar na gestão e organização. Essa tecnologia também permite o controle total das atividades administrativas/financeiras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *