Entenda, de uma vez por todas, por que a produção lean é tão vantajosa

Entenda, de uma vez por todas, por que a produção lean é tão vantajosa

Equipe TOTVS | GESTÃO INDUSTRIAL | 25 outubro, 2018

A produção enxuta (em inglês, Lean Manufacturing) é uma metodologia de gestão que tem como objetivo principal a otimização do desempenho fabril. Isso significa produzir o máximo possível com a menor quantidade de recursos, no menor tempo, com o menor custo. No entanto, é natural ter algumas dúvidas ao lidar com o assunto.

Afinal, a produção lean vale mesmo a pena? Quais são os benefícios que ela gera? Como ela lida com os obstáculos da rotina industrial?

O grande sucesso da produção lean está na sua capacidade de reduzir desperdícios. Neste artigo, mostraremos de que forma ela promove mudanças na indústria para solucionar problemas do setor. Confira!

Superprodução

O primeiro grande desafio que a produção lean ajuda a enfrentar é a superprodução. É comum que alguns empresários e gestores não deem a devida atenção a esse ponto. No entanto, em pouco tempo, é possível notar que o detalhe se transforma em um empecilho para a lucratividade da empresa.

O desperdício relacionado à superprodução está diretamente ligado a práticas não sustentáveis ou sem planejamento adequado. Quando isso ocorre, a empresa enfrenta um cenário de excessos desnecessário — ou seja, produtos sendo descartados ou armazenados sem destino definido.

A produção lean parte de um mapeamento da cadeia de valor. Assim, é elaborado um planejamento que identifica as principais causas de superprodução e alinha os processos às demandas do cliente. Consequentemente, a produção é ajustada para reduzir os excessos gradativamente.

Transporte

Algumas falhas na logística, tanto interna quanto externa, podem gerar desperdícios significativos nos processos de produção. E isso não significa apenas a perda de materiais ou a superprodução — o desperdício de tempo de trabalho, por exemplo, gera impactos extremamente negativos na produtividade da organização.

Um planejamento adequado envolve até mesmo a remodelagem do layout da fábrica, se necessário. Afinal, a distribuição dos equipamentos nas linhas de produção cria uma cadeia de movimentação interna que pode fazer uma diferença enorme no tempo de deslocamento dos materiais.

Por isso, o uso do espaço deve ser inteligente, aproximando setores que se relacionam com maior frequência e agilizando o fluxo de abastecimento de materiais, do recebimento até a expedição.

Tempo de espera

Outros setores, além da logística, podem sofrer muito com a ociosidade — seja de produtos, seja de pessoas. Isso representa um desperdício inadequado para qualquer empresa que visa a produzir com eficiência. Por isso, o lean manufacturing adota métodos como a produção just in time.

A falta de treinamento, o excesso de burocracia e a ineficácia do dimensionamento de um projeto são fatores que podem resultar em tempo de espera excessivo. Na produção lean, a empresa identifica essa relação de causa e consequência, otimizando os processos constantemente para que os resultados sejam alcançados.

Excesso de processamento

Um problema ainda maior que a superprodução é o excesso de processamento. Na prática, estamos falando de etapas que executam um trabalho excedente na linha de produção e não adicionam valor algum ao produto final.

A produção lean permite remodelar essa cadeia produtiva para que ela seja mais enxuta. Os processos são reduzidos aos essenciais, sem abrir mão dos requisitos exigidos pelo cliente, como qualidade e prazo de entrega.

Defeitos

Um planejamento ineficiente gera defeitos na fabricação. Consequentemente, os gastos com retrabalho e materiais, por exemplo, são maiores. Em alguns casos, o excesso de defeitos sai de controle e chega até o cliente final, comprometendo totalmente o valor da empresa e a confiança que ela recebe dos parceiros.

Uma produção lean funciona com um mapeamento detalhado dos processos. Com isso, os profissionais atuam com padrões mais específicos de desempenho, sempre guiados pelas informações dadas em treinamentos e na documentação dos projetos. O resultado é um produto de maior qualidade com menor incidência de refação.

Estoque

Os erros mais comuns no estoque estão ligados ao acúmulo de materiais — em geral, por uma preocupação em evitar que alguma matéria-prima se esgote durante a produção, interrompendo o ciclo. No entanto, o excesso está diretamente relacionado à superprodução, sendo um dos grandes responsáveis por esse problema.

Produzir com base nas demandas específicas de cada cliente permite que a empresa seja mantida no ritmo adequado, tanto na produção quanto na cadeia de suprimentos. Outra medida importante que a manufatura enxuta propõe é o estabelecimento de parcerias.

Isso significa aproximar os fornecedores da cadeia produtiva. Algumas soluções tecnológicas permitem, por exemplo, que eles acessem certos dados do estoque e dos projetos, identificando novas demandas da empresa por conta própria, e providenciem o pedido com antecedência para agilizar a entrega.

Movimentação de pessoal

Da mesma forma que o deslocamento de material pode ser prejudicado pelo afastamento físico entre setores, a movimentação dos profissionais também está sujeita a esse impacto. Uma análise cuidadosa das funções de cada colaborador é fundamental para entender quais são os locais que ele deve ter acesso e de que forma isso interfere na eficiência operacional.

Um técnico da manutenção, por exemplo, deve ter acesso ao estoque e, na maioria dos casos, à fábrica como um todo. Se os carrinhos de ferramentas e outros equipamentos de uso desse profissional forem mantidos em locais muito afastados, o deslocamento tomará boa parte da sua rotina.

Computadores para acesso às ordens de serviço também devem estar acessíveis para consultas. Resumidamente, é um trabalho de mapeamento de processos com base em setores e indivíduos. Se feito com eficiência, ele pode aperfeiçoar o uso do capital humano da empresa — o que nos leva ao último ponto.

Habilidades subutilizadas

Assim como problemas com materiais podem ocorrer devido tanto à falta quanto ao excesso, os recursos humanos podem ser desperdiçados pela ociosidade ou pela subutilização das habilidades disponíveis. Muitas vezes, um colaborador é contratado para um cargo, mas adquire formação em outra área na qual ele pode render mais.

Da mesma forma, uma nova metodologia de trabalho pode exigir pessoal com um perfil diferenciado. Abrir processos de contratação e realocar profissionais internamente são estratégias que não podem ser ignoradas. O ideal é buscar um uso eficiente dos recursos disponíveis com base nas necessidades da empresa.

Adaptar-se é uma lei fundamental do mercado competitivo de hoje — e isso se aplica tanto a indivíduos quanto a empresas. Por isso, não tenha medo de realizar mudanças estruturais para alcançar um patamar de produção enxuta. Em pouco tempo, a realidade da empresa pode dar uma guinada e se manter muito mais perto dos seus objetivos!

A produção lean é uma tendência que organização nenhuma pode ignorar. Faça bom uso dessa estratégia e conquiste resultados ainda mais expressivos, aproximando a sua empresa dos padrões da Indústria 4.0!

Se gostou do post e quer saber mais sobre tecnologia e ERP, inscreva-se gratuitamente em nossa newsletter e receba mais conteúdos sobre o tema!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Usamos cookies para fornecer os recursos e serviços oferecidos em nosso site para melhorar a experência do usuário. Ao continuar navegando neste site, você concorda com o uso destes cookies. Leia nossa Política de Cookies para saber mais.