Como aplicar o conhecimento de gestão de estoque na cadeia de suprimentos?

Equipe TOTVS | GESTÃO INDUSTRIAL | 24 agosto, 2018

A cadeia de suprimentos impacta diretamente os resultados de qualquer negócio. Alguns estudiosos tratam do conceito usando uma analogia relacionada às veias sanguíneas de um organismo: um fluxo muito baixo compromete o funcionamento dos órgãos (outros setores), enquanto o excesso pode sobrecarregar o sistema como um todo. Nesse sentido, o coração da cadeia de suprimentos é o estoque.

Seu desempenho dá o ritmo dessa complexa relação. Consequentemente, a gestão de estoques na cadeia de suprimentos deve ser tratada como uma questão estratégica da empresa. Ainda assim, é natural ter algumas dúvidas sobre como aplicar o conhecimento de gestão nesses processos.

Pensando nisso, criamos este artigo com tudo o que você deve saber sobre o tema. Confira!

O que é a gestão da cadeia de suprimentos?

A gestão da cadeia de suprimentos — ou Supply Chain Management (SCM) — engloba práticas que permitem gerenciar os fluxos de materiais, serviços, finanças e informações em um determinado conjunto de processos. Para isso, ela inclui alguns participantes fundamentais, como a empresa, os fornecedores e os clientes finais.

É importante ter em mente que o conceito não abrange apenas uma ideia e os participantes, mas visa a estabelecer um mapeamento de processos. Ou seja, ele integra todos os elementos responsáveis pela cadeia de suprimentos e, a partir disso, estabelece um conjunto de técnicas que otimizam a utilização desses recursos.

O objetivo é integrar todas as etapas da cadeia de suprimentos — transporte, estoque, custo etc. —, promovendo a melhoria contínua em cada uma e nas relações entre elas.

Por que é tão importante para os negócios?

Quanto maior a eficiência de uma gestão da cadeia de suprimentos, melhor a qualidade dos produtos, do serviço ao cliente e do custo-benefício. Em outras palavras, um bom trabalho nesse processo resulta em diferencial competitivo perante a concorrência. Por isso, inúmeras empresas têm investido em um software ERP.

Atualmente, a jornada digital tem potencializado as ações das organizações, ampliando as opções no mercado e dando ao consumidor um poder de escolha maior. Consequentemente, é preciso otimizar cada processo, cada setor, para que seja possível se manter competitivo.

O estoque tem um funcionamento muito volátil: o fluxo de entrada e saída tem variações constantes, assim como os seus custos. O armazenamento influencia diretamente no valor dos produtos, a relação com os fornecedores também. Toda a sua dinâmica deve ser pensada de forma que esteja alinhada aos objetivos estratégicos da empresa.

E isso começa pelo processo de gestão. Afinal, é nele que são adotadas ações que interferem diretamente em um ponto-chave: o custo. Gerir efetivamente o estoque resulta em uma redução importante nos gastos do próprio setor, além de refletir nos setores subsequentes.

O estoque se encontra, ao mesmo tempo, em conexão direta com a produção, a logística e a qualidade. Para entender o que isso implica, devemos começar pela dinâmica atual do mercado. Hoje, não basta entregar um produto barato e de qualidade: é preciso personalizar, entregar algo sob demanda, ideal para cada cliente.

Por isso, ao coletar essas informações, a empresa acaba tendo necessidades específicas para o fluxo de produção. O estoque, por sua vez, deve regular o andamento desse processo. A gestão adapta os pedidos, faz previsões e cria um cronograma que permite que a cadeia de suprimentos não seja afetada por uma falta de materiais, ao mesmo tempo em que evita o excesso de itens (que causa desperdício e alto custo).

Resumidamente, a gestão de estoques na cadeia de suprimentos está diretamente ligada à redução de custos. Para executá-la com eficiência, mostraremos a seguir algumas práticas essenciais e os benefícios que elas trazem.

Como otimizar a gestão de estoques na cadeia de suprimentos?

Uma cadeia de suprimentos eficiente começa pela otimização do nível de estoque. É necessário adotar um processo de gestão que promova um estudo constante das demandas do mercado, para que os itens armazenados sejam mantidos dentro de uma margem adequada. Por isso, é fundamental contar com um software de gestão que gere gráficos e relatórios.

A análise desse material permitirá identificar as variações com antecedência. O planejamento do mês ou semestre seguinte nem sempre deve se basear no período atual. Em alguns setores, como o varejo de eletrônicos, as vendas crescem no final do ano, e é preciso que o estoque esteja precavido.

Avaliar as flutuações do ano anterior e as previsões econômicas para o atual são bons exemplos a serem adotados. Para complementar, é preciso buscar a integração de setores. Uma gestão eficiente, como destacamos acima, impacta diversas áreas da empresa. Por isso, é preciso envolvê-las no processo.

Estar em constante comunicação com os setores de marketing e vendas, por exemplo, ajuda a ter mais previsibilidade para o planejamento. Entretanto, não basta manter o hábito de se reunir para trocar informações. É crucial automatizar esse processo — mais um ponto que nos leva à necessidade de uma solução tecnológica para gestão.

Com acesso direto às informações do estoque, o setor de vendas pode verificar se é preciso solicitar uma compra maior com o fornecedor para atender os clientes no prazo certo. Esse tipo de ação deve funcionar em tempo real, pois não cabe ao gestor realizar esse meio de campo o tempo todo — ele deve focar na otimização dos processos.

Com a jornada digital, a integração de setores é uma tendência crescente. Quanto mais as informações forem compartilhadas, melhor o desempenho da empresa. Um software de gestão (ERP) promove a automação desse processo, remodelando a dinâmica interna dos setores.

Se o controlador do estoque identifica um excesso de materiais, ele gera um relatório e a equipe de marketing pode promover uma campanha para liquidar esses itens. Mesmo que seja necessário baixar o preço de saída, pode ser mais viável do que gastar com o armazenamento do excesso. Mais uma vez, a redução de custos é o resultado final.

São ações simples, mas que elevam significativamente a performance de toda a empresa. Por isso, faça uma análise da sua rotina e transforme a gestão de estoques na cadeia de suprimentos em uma ferramenta que gera valor para os negócios!

Gostou do post? Então, comente aqui embaixo e conte para nós as suas estratégias para otimizar o fluxo de materiais na sua empresa!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *