Cadeia de suprimentos: o que é, tipos, etapas e benefícios

Saber gerenciar a sua cadeia de suprimentos (supply chain) é essencial para o sucesso do seu negócio. Isso porque envolve todas as fases de produção e entrega de mercadorias. Se essa área for deficiente, você poderá perder muito dinheiro. É preciso, por exemplo, minimizar o custo da logística empresarial — um dos principais fatores que …

Equipe TOTVS | 16 março, 2022

Saber gerenciar a sua cadeia de suprimentos (supply chain) é essencial para o sucesso do seu negócio. Isso porque envolve todas as fases de produção e entrega de mercadorias. Se essa área for deficiente, você poderá perder muito dinheiro.

É preciso, por exemplo, minimizar o custo da logística empresarial — um dos principais fatores que impactam na cadeia de suprimentos. Para otimizar esse número, é essencial incluir como prioridade a boa gestão da cadeia em seu planejamento anual.

Além disso, é importante buscar entender como funciona e como ela pode ser melhorada.

O principal desafio, no entanto, é compreender exatamente o que é a cadeia de suprimentos, como ela impacta o seu negócio e porque o esforço para otimizá-la é tão necessário para as empresas de hoje.

Para responder a essas e outras perguntas, preparamos um guia definitivo sobre gerenciamento de supply chain. Que tal seguir a leitura para aprender mais?

O que é a cadeia de suprimentos?

A cadeia de suprimentos (do inglês, supply chain) é um sistema que envolve pessoas, processos e tecnologias focados em um objetivo: na melhor entrega possível de valor a um cliente, envolvendo todas as etapas de fabricação e entrega de produtos.

Na prática, falamos não apenas de um processo ou um setor, mas um ecossistema de atores operacionais e estratégicos, que correspondem a:

  • Aquisição de matéria-prima;
  • Estocagem de mercadorias prontas, em fabricação ou de seus insumos;
  • Transporte de itens;
  • Entrega de produtos ao cliente.

Nessas fases, incluem-se processos ou fluxos de trabalho, recursos financeiros, mão de obra, entre outras variáveis que asseguram o funcionamento de toda a cadeia. 

Vale destacar que a cadeia de abastecimento parte dos fornecedores e segue até os clientes, envolvendo, às vezes, intermediários (revendas, representações) e outras instituições.

Para que serve a cadeia de suprimentos?

A cadeia de suprimentos serve para conectar os setores de uma empresa, tornando sua cadeia produtiva e estratégica mais funcional, capaz de alinhar (e melhorar) a forma que se relaciona com fornecedores e que realiza as entregas a clientes.

Nesse sentido, uma prática muito necessária é a gestão da cadeia de suprimentos (SCM) ou o gerenciamento de supply chain.

Essa disciplina visa estruturar boas práticas e formas de coordenar todo trabalho necessário para que produtos ou serviços sejam entregues ao cliente — de modo a seguir com os padrões de qualidade, superar expectativas e também ser lucrativo.

Para isso, é necessário gerenciar de forma bem-sucedida diferentes pessoas, processos, informações e tecnologias.

Tipos de cadeia de suprimentos

Dependendo do mercado que a sua empresa estiver inserida — bem como o perfil de seus clientes — a sua cadeia de suprimentos certamente não será igual à da organização ao lado. De fato, existem formas diferentes de conduzir esse sistema.

Afinal, o que é melhor? Uma cadeia de suprimentos eficiente x cadeia de suprimentos responsiva?

Quer um exemplo bastante ilustrativo dessa relação? Pense na indústria automobilística.

Enquanto uma empresa como a Volkswagen precisa pensar em seu supply chain como uma questão de abastecer um mercado inteiro — não apenas países, mas continentes inteiros — sua cadeia de suprimentos precisa ser acima de tudo eficiente.

As ações devem ser coordenadas ao máximo, de modo que os veículos sejam entregues de acordo com o calendário de lançamento.

Já em uma empresa como a Tesla, por exemplo, o objetivo é ter uma cadeia de suprimentos responsiva.

Por conta de vários aspectos, como a operação reduzida a alguns países e uma proposta diferenciada, seu supply chain é bem distinto.

É o que permite que a Tesla fabrique seus veículos “on demand“, por exemplo, permitindo que os clientes comprem carros elétricos com diferentes personalizações.

Em geral, podemos resumir os tipos de cadeias de suprimentos a 4, sendo:

  • Enxuta: utilizada em mercados competitivos, mas sem necessidade de uma corrida desenfreada pela competitividade. É baseada na metodologia lean, utilizando conceitos de Just-in-Time.
  • Ágil: aplicada em mercados onde o objetivo é responder rapidamente a demandas imprevisíveis, mesmo sem preços elevados. É o caso das indústrias de commodities.
  • Flexível: utilizada para dar conta da demanda flexível e variável, como na indústria de bens de consumo. O objetivo é compor um supply chain integrado, robusto e rápido.
  • Reabastecimento contínuo: muito necessário para alguns varejos ou negócios gastronômicos, por exemplo. O objetivo é fidelizar clientes e montar uma estrutura de entrega contínua e sem falhas.

Quais elementos compõem a cadeia de suprimentos?

A cadeia de suprimentos envolve todos os setores, processos, profissionais e tecnologias responsáveis pela entrega de valor ao cliente final.

Muitas vezes, há o entendimento errôneo de que a cadeia de suprimentos trata-se simplesmente da gestão logística.

Na verdade, este último aspecto faz parte do supply chain, mas não se resume a isso.

A cadeia de suprimentos é composta de diferentes elementos, sendo:

Tudo isso, é claro, ligado por diferentes sistemas e recursos tecnológicos que tornam as operações mais eficientes, conectadas e responsivas.

Quais as etapas da cadeia de suprimentos?

A cadeia de suprimentos é normalmente dividida em 4 etapas principais: escolha da matéria-prima, transformação da matéria-prima em produto, armazenagem do produto e envio do produto ao cliente.

Esses passos podem mudar em estrutura (e especialmente se falamos de organizações que prestam serviços), mas normalmente seguem a mesma dinâmica.

Primeiro, é necessário construir uma boa relação com fornecedores qualificados.

Segundo, é preciso otimizar os processos produtivos de modo a torná-los eficientes, rápidos e seguros.

Terceiro, a empresa deve pensar sua gestão de estoque de modo a contribuir com os objetivos do negócio e com o nível de demanda do seu consumidor.

E por fim, há a necessidade de pensar na logística final para o cliente: é um serviço interno ou terceirizado? Como entregar melhor e mais rapidamente, potencializando a cubagem, por exemplo?

Como funciona o gerenciamento da cadeia de suprimentos?

A gestão da cadeia de suprimentos é a administração e controle dos elementos que a constituem, como:

  • Fluxos de dados;
  • Produção de mercadorias;
  • Atividades e funções dos colaboradores;
  • Rotinas logísticas;
  • Custos;
  • Canais de distribuição,
  • Tempo de entregas.

Ela emprega técnicas, metodologias e soluções tecnológicas para acompanhar, integrar, controlar e organizar suas etapas.

Cada companhia conta com uma cadeia de suprimentos própria, de modo que tanto clientes empresariais quanto fornecedores têm as suas.

Por isso, uma gestão de suprimentos eficiente deve considerar, além de seus fluxos internos, os externos. Ou seja, aqueles que envolvem os seus parceiros, fornecedores e consumidores.

É importante que haja integração de processos entre esses agentes, com troca de informações para que as cadeias de ambos sejam otimizadas e se complementem. 

Dessa forma, o cliente saberá, por exemplo, quando o fornecedor tem matéria-prima e, a partir disso, poderá se preparar para fazer pedidos.

Em contrapartida, os seus próprios consumidores também receberão encomendas dentro dos prazos acordados. Nesse caso, como veremos adiante, é necessário contar com sistemas de gestão que simplifiquem o controle das rotinas e fluxos de trabalho na área.

Elas também entregam informações estratégicas.

Por exemplo, há sistemas que permitem que o cliente cheque o estoque do fornecedor para fazer as suas solicitações de insumo, além de saber quando eles chegarão.

Além disso, tecnologias que ajudam no controle do almoxarifado, no planejamento e na roteirização de rotas, no acompanhamento de produtos estocados ou em trânsito são essenciais, pois melhoram a integração, a operacionalização e o gerenciamento da cadeia de suprimentos.

Qual a importância da gestão de cadeia de suprimentos para a indústria?

Uma boa gestão de cadeia de suprimentos diminui custos ao longo da cadeia. Isso acontece principalmente ao otimizar o controle dos produtos de modo a prevenir perdas, extravios e quebras.

Também é essencial reduzir confusões que surgem devido a dados conflituosos nos estoques — como quantidades de itens estocados que não batem com os registros — e nas entregas.

Líderes que buscam bons resultados e redução de gargalos logísticos precisam focar no gerenciamento de suprimentos.

Isso deve ser feito tanto em curto quanto em médio e longo prazo. Assim, é possível que as atividades do setor se tornem mais simples, seguras e ágeis.

Principais benefícios da gestão do abastecimento

Assim como em outras áreas, a gestão eficiente traz muitos benefícios para a empresa. Entenda os principais deles no supply chain:

Transparência

Um dos principais benefícios de ter uma gestão eficiente é a transparência. Esse é um benefício para a organização, pois ela passa a acompanhar melhor o que ocorre em todo o processo.

Redução de custos

Uma gestão da cadeia de fornecimento eficaz reduz custos em diferentes setores. 

Exemplos disso são o estoque, compras, entregas e distribuição, entre outros. Com a integração de todas as etapas que compõem esse fluxo, a economia poderá ser ainda maior.

Contudo, para que isso seja possível, é fundamental contar com um bom sistema de gestão empresarial.

Otimização de espaço e recursos

É preciso se preocupar com a correta alocação de recursos e de espaço.

Por exemplo, em armazéns, realizam-se estudos sobre qual design é melhor para a alocação de prateleiras e estantes, além dos corredores entre elas.

Avalia-se até o movimento dos veículos nesses espaços, para encontrar as rotas mais rápidas e eficientes para o transporte e armazenamento de produtos.

Atendimento e entrega

O cliente também sai ganhando quando a empresa investe em Supply Chain Management.

Isso porque aumentam as chances de as compras serem entregues dentro do prazo devido à eficiência da cadeia de produção.

O atendimento ao consumidor é outro processo beneficiado, pois os vendedores conseguem saber, em tempo real, quais itens estão em estoque e quanto tempo demora para serem enviados ao cliente.

Logística e cadeia de suprimentos: qual a diferença?

Logística e cadeia de suprimentos não são a mesma coisa, mas uma faz parte da outra. Na logística, encontram-se os processos de recebimento, distribuição e armazenamento dos produtos. Já na cadeia de suprimentos, falamos de todo ciclo produtivo.

Ou seja, a gestão logística lida com toda parte de movimentação de materiais e produtos, enquanto a gestão do supply chain se encarrega da cadeia de valor como um todo.

Assim, preocupa-se desde a estratégia de compra de insumos até os processos produtivos e, por fim, a logística de entrega dos mesmos.

Boas práticas para fazer a gestão da cadeia de suprimentos de uma empresa

Há práticas que são reconhecidas como positivas na gestão da cadeia de suprimentos. Por exemplo, o uso de indicadores de desempenho para nortear as decisões ao longo das etapas.

Por quantificarem resultados de processos e a performance de equipes, eles constroem uma imagem da empresa mais facilmente analisável.

Desse modo, permite-se um aprimoramento das próprias avaliações sobre ela. Graças a essas métricas, a gestão se torna mais objetiva.

Além disso, confira outras boas práticas:

  • Adotar novas tecnologias que gerem oportunidades e otimizem a gestão da supply chain;
  • Investir em programas de capacitação para os colaboradores, especialmente os que tenham conteúdo que prepare para a indústria 4.0;
  • Integrar a cadeia da empresa com a de seu fornecedor (veremos mais sobre isso adiante);
  • Acompanhar periódicos e informativos, além de visitar feiras e eventos logísticos para identificar oportunidades,
  • Manter a transparência ao longo das etapas para que as equipes saibam o que ocorre nas fases não correspondentes às suas, porém que influenciam em suas atividades etc.

Problemas recorrentes ao lidar com a cadeia de suprimentos

Um dos principais assuntos nas pautas estratégias das empresas ao redor de todo o mundo é a fragilidade de algumas cadeias de suprimento.

Sistemas complexos de fornecimento normalmente exigem um grau de conformidade muito grande — se algo sair do “normal”, é comum que toda cadeia enfrente problemas.

Entre as principais situações que podem prejudicar seu supply chain, recomendamos ficar de olho em:

Crises

Crises humanitárias e sanitárias (entre outras) estão entre as principais causas de prejuízos às cadeias de suprimentos.

Mais recentemente, a pandemia de Covid-19 balançou as estruturas das cadeias estabelecidas ao redor do mundo, prejudicando negócios em praticamente todos os países.

Clima

Situações climáticas podem complicar as entregas e ocasionar disrupções em cadeias de suprimentos inteiras.

No Brasil, por exemplo, a seca prolongada pode ocasionar uma perda das safras de soja — o que afeta diretamente a economia do país e também em indústrias fundamentais, como as de commodities.

Economia

Por fim, países em desbalanço econômico podem ver o seu potencial de compra e também produtivo bastante afetado.

Com isso, é possível prever crises nas cadeias de suprimentos, ocasionando a falta de insumos para suprir com a demanda.

indústria 4.0

Indústria 4.0

Tecnologias como Inteligência Artificial, Big Data e Internet das Coisas, quando integradas entre si ou com outras, dão origem às chamadas “fábricas inteligentes”. 

Elas controlam os seus próprios processos de maneira descentralizada e autônoma, propiciando ambientes auto ajustáveis às buscas/demandas por mercadorias personalizadas.

A gestão logística também utiliza automação de processos, especialmente em atividades como armazenagem e distribuição de produtos nos armazéns, roteirização de rotas, controle de entradas e saídas de produtos, entre outras.

Sendo assim, é preciso otimizar o investimento nesse tipo de tecnologia.

Há também a digitalização da cadeia, que possibilita o atendimento a novas exigências dos consumidores, tornando a sua Supply Chain mais rápida.

Isso porque novas tecnologias e formas de distribuição de mercadorias são capazes de reduzir o tempo de entrega de itens para algumas horas.

Tal fato é possível por meio de abordagens avançadas de previsão de entregas, como a análise preditiva de dados internos (demanda de mercado, por exemplo) e de dados externos.

Nesse caso, pode-se avaliar clima, tendências de mercado e até mesmo as férias escolares para obter insights e otimizar as entregas.

Outro fator a se considerar é a busca cada vez maior por individualização nos produtos por parte dos clientes.

Por causa disso, a empresa deve gerenciar a demanda em níveis granulares.

Um exemplo é a automação de entrega feita por drones, que possibilitam enviar rapidamente produtos unitários e pequenos, mas de alto valor agregado.

Tecnologia na gestão de suprimentos

Existem soluções essenciais para Supply Chain Management responsáveis por diferentes etapas ou áreas dentro da cadeia de suprimento, fornecendo apoio e automatizações que auxiliam as equipes.

O sistema de gestão empresarial é uma solução ampla, que unifica vários processos e atividades dos departamentos que compõem a empresa em um só software.

Por meio dele, é mais simples gerenciar os processos de compras, de estocagem, de distribuição, entre outros.

O próprio gestor conseguirá ter uma visão mais abrangente de toda a cadeia nesse sistema.

Tecnologias TOTVS para o segmento logístico

E se você puder contar com uma suíte de tecnologias que otimizem toda a gestão da cadeia de suprimentos? Conheça as tecnologias TOTVS para logística!

Os sistemas da TOTVS, maior empresa de tecnologia do Brasil e com grande expertise em gestão de supply chain, ajudam sua operação a se transformar digitalmente.

A suíte de tecnologias da TOTVS possibilita melhor controle dos processos logísticos, permitindo que você administre cada tarefa de movimentação, armazenamento e transporte de produtos.

Que tal revolucionar a sua operação? Conte com as tecnologias TOTVS para o segmento logístico!

Conclusão

Ao longo deste guia, explicamos tudo sobre cadeia de suprimentos, do conceito até o funcionamento, os tipos e qual a importância da gestão correta para seu negócio!

Atentar-se ao supply chain — e como seus processos afetam não apenas seu negócio, mas também seu cliente — é essencial na hora de constituir uma experiência mais agradável e atraente para os consumidores.

E você, gostou do conteúdo? Esperamos que ajude você a entender mais sobre o assunto e fortalecer o gerenciamento da sua cadeia de suprimentos!

Entenda mais sobre as principais tendências de supply chain. Para não perder nenhuma novidade, continue acompanhando nosso blog e assine a newsletter!

Artigos Relacionados

Deixe aqui seu comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.


Comentários deste post

  1. Roberto Dias Santos diz:

    Uma beleza, Muito bom seu artigo, Tem um aplicativo chamado: Programa PCG, esse Software é um agregador de sites de anuncios, esse aplicativo tem mais de 340 sites de classificados onde você pode anunciar de graça, usando o programa você pode divulgar seu material de forma automática nesses 340 sites. Vale muito a pena usar, da pra anunciar qualquer coisa. Sempre uso esse programa para fazer divulgação. Fica ai a dica... Seu texto foi de grande valor. Bom dia pra vocês.

  2. Lucas henrique otero da silva diz:

    Atividade muito difícil

  3. Alan Amorim diz:

    Olá, Lucas. É, tem as suas dificuldades, mas creio que seja válido por tamanha importância. Se precisar de alguma ajuda, entre em contato conosco.

Usamos cookies para fornecer os recursos e serviços oferecidos em nosso site para melhorar a experência do usuário. Ao continuar navegando neste site, você concorda com o uso destes cookies. Leia nossa Política de Cookies para saber mais.