Redução de custos operacionais: veja onde é possível otimizar os gastos

Redução de custos operacionais: veja onde é possível otimizar os gastos

Equipe TOTVS | GESTÃO INDUSTRIAL | 31 outubro, 2018

Entre os temas que constantemente fazem parte das pautas da indústria, a redução de custos operacionais certamente figura como um dos mais importantes e visados. O motivo disso é bastante lógico, já que o foco de qualquer empresa é operar de maneira eficiente, mantendo o equilíbrio máximo entre qualidade dos seus produtos/serviços e os custos envolvidos nisso.

A gestão de custos é, sem dúvida, um processo amplo, no qual se insere praticamente todos os setores e atividades da companhia. Nem sempre é fácil reduzir os gastos de maneira isenta, isto é, sem que haja algum tipo de prejuízo operacional, ainda que mínimo.

Porém, como veremos a seguir, sempre há algo que pode ser feito nesse sentido. Para provar essa afirmação, preparamos este post listando alguns pontos estratégicos em que é possível otimizar os gastos na indústria e garantir uma atuação ainda mais competitiva. Acompanhe!

Automatização de processos

Quando se fala em indústria, logo se pensa no processo produtivo, no beneficiamento de insumos e matérias-primas para a fabricação de produtos. Como se sabe, esse é um processo oneroso e, em muitos casos, envolve uma grande quantidade de recursos.

No entanto, o cenário tecnológico atual tem permitido à indústria mudar completamente a sua maneira de atuar. Conceitos como o da indústria 4.0 exemplificam a nova roupagem industrial, agora baseada no uso inteligente dos dados, aprendizado de máquina, IoT e todo um ideal de automação.

A automação, nesse contexto, tem transformado a indústria. A substituição de processos manuais e burocráticos por alternativas informatizadas, baseadas no uso de softwares e sistemas, por exemplo, tem ajudado a melhorar a produtividade e, principalmente, a reduzir os custos operacionais.

Linhas de produção automatizadas, informações sendo trocadas via softwares, máquinas respondendo autonomamente às variáveis presentes, funcionários sendo empregados em funções mais estratégicas e redução de erros e desperdício. Esses são alguns dos muitos pontos em que se percebe o diferencial da automação e que pode certamente ajudar gestores a minimizar custos.

Apesar disso, no Brasil, o cenário da indústria 4.0 ainda está dando os primeiros passos. Segundo dados da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), menos de 2% das empresas estão inseridas nesse conceito inovador, que tem capacidade para movimentar US$ 15 trilhões nos próximos 15 anos.

Por outro lado, a ABDI também afirma que a adesão à indústria 4.0 acontecerá de maneira gradual, de modo que, nos próximos 10 anos, estima-se que 15% das empresas do setor de manufatura já tenham aderido.

Terceirização de processos

A terceirização também desponta como uma estratégia altamente viável para a indústria quando o assunto é redução de custos — apesar de se aplicar bem a todos os setores.

A possibilidade de se retirar da responsabilidade da empresa tudo aquilo que não está diretamente ligado ao seu core business, além de ser mais produtivo, pode representar uma economia considerável nos custos operacionais da companhia.

Nesse contexto, por exemplo, pode-se citar a terceirização da distribuição/logística. Hoje, com o alto nível de sofisticação presente nas linhas de produção, grandes infraestruturas logísticas são necessárias para suprir as extensas cadeias de suprimentos.

Além disso, o setor de logística e distribuição é um dos que mais pesam no orçamento das companhias. Logo, a terceirização desses processos pode ser uma alternativa mais econômica e produtiva, já que diminui a necessidade da empresa de investir em recursos humanos e infraestrutura por conta própria, delegando essa tarefa a um parceiro.

Adoção de programas de sustentabilidade

Tema que vem ganhando ainda mais relevância nos últimos anos, a sustentabilidade é também um caminho promissor para que a indústria consiga otimizar gastos em suas operações.

A adoção de programas de sustentabilidade, no cenário atual, tem contribuído significativamente para a otimização das linhas de produção, focando no máximo aproveitamento dos recursos materiais e naturais para minimizar perdas com o desperdício de insumos.

Esses mesmos programas de sustentabilidade também têm contribuído para a redução dos riscos provenientes da própria atividade industrial. A consciência ambiental criada dentro da empresa, por exemplo, minimiza gastos com o pagamento de multas e sanções administrativas envolvendo violações ao meio-ambiente.

Além disso, vale mencionar ainda que a sustentabilidade é um fator bastante valorizado e estimulado pelas diferentes esferas de governo. Em razão disso, empresas que adotam programas de sustentabilidade e contribuem para o desenvolvimento social podem receber incentivos fiscais, condições benéficas de atuação, além de vantagens como a obtenção de linhas de crédito especiais junto à instituições financeiras.

Reavaliação de custos de transporte

No contexto da indústria, é inegável a importância da logística para a manutenção das atividades. Por outro lado, é indiscutível também que os processos envolvendo a cadeia de suprimentos consomem uma parcela significativa dos recursos e, por isso, precisam passar por otimizações constantes.

Nesse sentido, atividades como o transporte podem — e devem — ser aprimoradas. Para tanto, hoje, a tecnologia já oferece uma série de recursos capazes de minimizar os custos dos deslocamentos. Por exemplo, a roteirização ajuda a empresa a definir quais são as melhores rotas para entregar e receber os seus produtos, evitando deslocamentos desnecessários e gastos extras.

Do mesmo modo, a reavaliação dos custos dos transportes é uma medida necessária. Ter ciência sobre os gastos envolvidos nessa atividade pode ser a chave para avaliações mais produtivas, ajudando a compreender a viabilidade de investimentos, ou mesmo a adoção da terceirização também nos transportes.

Gestão de estoque

Como complemento do tópico anterior, vale também destacar o papel determinante da tecnologia no quesito gestão de estoque. Softwares de gestão especializados, além de oferecem o suporte para a cadeia produtiva, ajudam gestores a organizar o fluxo de produção, tornando os processos mais fluidos e contínuos, eliminando a necessidade de manter estoques elevados na indústria.

A lógica é bastante simples: se a companhia consegue sistematizar todos os seus processos logísticos e consegue controlar melhor a sua cadeia de suprimentos, certamente há um reforço na maneira como a produção se desenvolve.

Assim, por exemplo, é possível traçar estratégias com fornecedores, estabelecendo um cronograma de fornecimento mais alinhado às demandas da produção, de modo que se compre e estoque somente em quantidades necessárias à manutenção das atividades.

Como reflexo disso, há a redução da necessidade de gestão de grandes estoques, diminuição de capital imobilizado em insumos que não serão prontamente utilizados, além dos gastos com espaços físicos de armazéns para acomodar o excesso de produção e/ou de matéria-prima.

Também diminui-se a perda de matéria-prima ou de produtos que poderiam exceder o prazo de validade, caso não fosse feita uma boa gestão de estoque. Por fim, a redução dos custos operacionais na indústria passa por inúmeros setores e é fruto das mais diferentes ações internas.

Por isso, gestores, líderes e tomadores de decisão precisam ter um conhecimento profundo sobre o negócio, além de contar com as ferramentas adequadas (como um sistema ERP) para gerenciar o grande volume de informações necessárias às avaliações. Assim, os gastos poderão ser otimizados nos pontos certos, sem que prejuízos sejam ocasionados.

Agora que já está mais bem informado sobre como promover a redução de custos operacionais, não pare por aqui. Continue aprendendo mais com os nossos conteúdos. Assine a nossa newsletter e receba atualizações em primeira mão!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *