Manutenção Preditiva: o que é, como funciona, vantagens e dicas

A manutenção preditiva está associada às práticas de manutenção com caráter preventivo e antecipado de todo o aparato físico utilizado nas operações. Na prática, a manutenção preditiva é uma metodologia de manutenção que tem um maior apelo para a prevenção de danos e previsibilidade de falhas. A manutenção preditiva é uma necessidade na era da …

Equipe TOTVS | 15 março, 2021

A manutenção preditiva está associada às práticas de manutenção com caráter preventivo e antecipado de todo o aparato físico utilizado nas operações. Na prática, a manutenção preditiva é uma metodologia de manutenção que tem um maior apelo para a prevenção de danos e previsibilidade de falhas.

A manutenção preditiva é uma necessidade na era da indústria 4.0.

Afinal, em um contexto de intensa demanda por consumo de produtos e serviços, o setor industrial tem sido estimulado a se desenvolver cada vez mais. E as táticas de proteção e manutenção do maquinário são indispensáveis!

Na verdade, a manutenção preditiva contribui diretamente para a eficiência operacional do chão de fábrica, reduzindo custos, erros e atrasos no fluxo produtivo.

E, aos poucos, sua eficiência em detrimento de outras estratégias vem sendo notada.

Essa ascensão tem um motivo: a manutenção preditiva tem excelente aderência em fábricas modernizadas, porque é tecnicamente mais flexível que outros conceitos.

A manutenção preditiva atua de forma a implementar uma cultura de monitoramento constante dentro do chão de fábrica.

Assim, é possível controlar e remediar danos comuns da rotina fabril, reduzir custos e maximizar a produtividade.

Para deixar claro o impacto positivo que a manutenção preditiva tem no contexto da indústria, preparamos este material abordando o conceito, como ele se aplica na prática e suas vantagens.

O que é a manutenção preditiva?

Na indústria, a manutenção preditiva está associada às práticas de manutenção com caráter preventivo e antecipado de todo o aparato físico utilizado nas operações.

Na prática, estamos falando de uma metodologia de manutenção que tem um maior apelo para a prevenção de danos e previsibilidade de falhas.

Pode ser feita através de um monitoramento periódico por meio de análise de vibração, ultrassom, inspeção visual ou técnicas de análise não destrutivas.

Ou seja, não necessariamente precisa ser estabelecido um calendário fixo de inspeções.

A manutenção preditiva funciona através de uma cultura de monitoramento constante — adotada por funcionários, operadores do maquinário e técnicos em manutenção.

É flexível pois pode ser fruto do reflexo de um desses profissionais (como: notar ruídos anormais no motor de um torno mecânico e acionar os técnicos), ou mesmo estar incorporado em uma rotina de inspeções diárias, semanais ou mensais, tudo isso a depender do segmento, do equipamento e do modelo de negócio.

Nova call to action

Além disso, a manutenção preditiva pode estar intrinsecamente ligada com as tecnologias de monitoramento utilizadas na fábrica.

Afinal, além das inspeções, são os dados de cada máquina que informam seu estado.

Quer um exemplo?

Sensores inteligentes podem mapear os níveis de temperatura de certas máquinas, alertando automaticamente quando os números subirem de forma alarmante.

Assim, é possível gerenciar todo o ciclo de vida das máquinas e a sua operação, de modo a estabelecer um cronograma rígido e preciso de intervenções.

Como se viu, a manutenção preditiva tem um papel determinante na continuidade das operações de manufatura.

Na indústria 4.0 esse ponto é ainda mais vital, já que as fábricas tendem a trabalhar para atender a inúmeras demandas.

Precisam, por exemplo, cumprir cronogramas apertados de fornecimento.

Para isso, é necessário ser altamente eficaz em seus processos.

Qualquer falha em sua produção pode interferir na capacidade de atendimento das demandas, causando impactos em toda uma cadeia de fornecimento e no consumidor final.

As técnicas de manutenção preditiva são empregadas justamente para aumentar a eficiência da produção.

Com essa solução, os gestores podem identificar quaisquer riscos de ruptura na produção originados por falhas em máquinas, garantindo mais controle e performance.

Qual é o objetivo da manutenção preditiva?

A manutenção preditiva possui o objetivo principal de antecipar e encontrar a raiz de problemas em máquinas e equipamentos. Ou seja, mesmo antes de se tornarem problemas potenciais, agindo quando ainda somente se encontram sintomas.

Isso é possível graças ao seu modo de aplicação, por meio de monitoramento constante.

Por que, muito além do olhar, do tato e do olfato do operador da máquina ou do técnico, a manutenção preditiva leva muito em conta a coleta de dados.

Isso, além de trazer uma série de benefícios para a produtividade, também é uma forma de colocar os colaboradores como protagonistas, aumentando o engajamento dos mesmos.

Por isso, a tecnologia ocupa um espaço privilegiado em sua implementação e aplicação no chão de fábrica.

Além disso, de acordo com a McKinsey, a manutenção preditiva pode reduzir o tempo de inatividade da máquina de 30% a 50% e aumentar a vida útil da máquina de 20% a 40%.

Entre outros pontos importantes, a manutenção preditiva busca:

  • Evitar paradas forçadas;
  • Aumentar a confiabilidade no maquinário;
  • Eliminar a necessidade de manutenção corretiva;
  • Maximizar o tempo disponibilidade do maquinário;
  • Potencializar a vida útil de máquinas e equipamentos;
  • Evitar necessidade de reparos ou desmontagem de equipamentos;
  • Descobrir potenciais falhas que possam interromper a produção. 

Com isso, se a estratégia de manutenção preditiva for aplicada com sucesso e de maneira contínua, a chance de intervenções que prejudiquem a produtividade é muito baixa.

Como funciona uma manutenção preditiva?

A manutenção preditiva é uma estratégia baseada no monitoramento técnico do maquinário.

É feita toda uma análise sobre o equipamento, desde suas condições, seu nível de performance e os sinais perceptíveis (e às vezes imperceptíveis) que emite.

O objetivo, com isso, é coletar informações minuciosas sobre o estado da máquina.

Para tanto, realiza-se uma série de técnicas que vão servir de lupa para que operadores e responsáveis possam classificar as ameaças, sintomas e possíveis patologias do equipamento.

Abaixo, confira as principais formas de aplicar a manutenção preditiva no chão de fábrica:

Análise de vibração

A análise de vibração é uma técnica extremamente comum na aplicação da manutenção preditiva.

Com ela, busca-se analisar a taxa de vibração da máquina através do monitoramento de suas partes móveis.

Na indústria metal-mecânica, máquinas como fresadoras, tornos mecânicos, máquinas CNC e furadeiras podem passar por esse tipo de inspeção.

A análise é feita de diversas formas e busca entender a variação de forças dinâmicas.

Simplificando: é uma forma de detectar desníveis na máquina, como folgas, falta de lubrificação, desgastes de rolamentos ou engrenagens, desalinhamentos, etc.

Essa técnica pode ser aplicada sem precisar interromper o funcionamento do maquinário.

Ultrassom

O ultrassom serve, especialmente, para conferir a existência de vazamentos na máquina. É uma forma de detectar falhas invisíveis, realizada através da análise de frequências sonoras.

Essa técnica é muito aplicada em sistemas de ar-comprimido, transporte de gases e vapores.

Sua aplicação é um pouco mais complexa, mas ajuda a evitar custos desnecessários por conta de vazamentos potencialmente perigosos.

Termografia

A técnica que visa analisar o nível de temperatura emitido pelo maquinário.

Funciona através de um equipamento ou sensor inteligente que mede a taxa de radiação infravermelha emitida por cada corpo em seu campo de análise.

Quando a temperatura está acima do zero celsius, a radiação é irradiada em tons mais quentes, como vermelho, laranja e amarelo.

Dessa forma, é possível analisar distúrbios em máquinas ou partes delas que, rotineiramente, não seriam sequer notadas.

Análise de óleo

A análise de óleo normalmente não é efetuada sem um cronograma definido, pois é realizada em laboratório ou com uso de equipamentos específicos, como o teste de Cor ASTM.

No entanto, é muito importante na rotina da manutenção preditiva.

Através dessa técnica, é possível analisar se há oxidação ou mesmo microorganismos vivos que possam prejudicar as propriedades químicas do produto, como fungos.

Análise de trincas

Ao analisar as trincas de um sistema, como uma tubulação, é possível prever com muita antecedência as falhas, agindo em seu reparo.

Essa técnica é realizada com a magnetização do dispositivo ou parte do equipamento — isto é, precisa ser de metal.

Assim, basta despejar algumas aparas metálicas ou limalhas sobre o dispositivo. 

Com a magnetização do metal, quaisquer trincas ou fendas geram uma ruptura no campo magnético.

Com isso, as aparas costumam se acumular sobre as fendas, “desenhando” o defeito e possibilitando uma visualização clara.

Diferença entre manutenção preditiva e preventiva

Apesar de terem a mesma finalidade, a manutenção preditiva e preventiva são diferentes, mas compõem uma mesma leva de manutenção industrial.

A manutenção preventiva tem, sim, a finalidade de evitar falhas, porém ocorre em datas agendadas.

Já a manutenção preditiva possui acompanhamento periódico através da transmissão de dados coletados em inspeções.

Além disso, como você aprendeu, são técnicas diferentes usadas nas manutenções preditiva e preventiva.

A principal diferença entre as duas é que a preventiva ocorre em um período pré-determinado.

Na preditiva, o sistema se baseia no estado real do equipamento e na determinação de quando a manutenção deve acontecer. Isso ajuda a minimizar os custos.

Nova call to action

Quando a manutenção preventiva deve ser realizada?

A manutenção preventiva é realizada de forma planejada. Afinal, o intuito é evitar que uma falha aconteça.

Porém, sua aplicação não segue a mesma lógica da preditiva pois até mesmo o nível de inspeção é diferente e não é tão minucioso.

Assim, a manutenção preventiva não se apoia tanto em dados, mas em constatações específicas e pontuais sobre a máquina e suas partes mais críticas.

Isso acontece pois se trata de uma estratégia que conta com direcionamento da própria fabricante do equipamento.

Assim, através de instruções de manual, é possível estabelecer um cronograma fixo de inspeções — cuja avaliação é também muitas vezes guiada pela fabricante.

Ou seja, enquanto a manutenção preventiva é mais ampla e burocrática, a preditiva tem um caráter mais flexível e analítico.

Quais são as vantagens de realizar a manutenção preditiva?

Quando o assunto é manutenção preditiva, o que não faltam são exemplos claros de vantagens dessa prática.

Além de estar muito mais alinhada aos padrões da indústria moderna, que precisa ser ágil, econômica e eficiente, a prática em questão também traz outros benefícios estratégicos, como:

Aumenta a vida útil dos equipamentos 

Não é novidade que um dos principais benefícios dessa estratégia é sua capacidade de potencializar a vida útil de equipamentos.

Um estudo da PwC descobriu que, para máquinas envelhecidas, a rotina de manutenção preditiva pode estender a vida útil em até 20%.

Dessa forma, é possível otimizar o aproveitamento dos investimentos da indústria em infraestrutura.

Otimiza a produtividade

Ao implementar a manutenção preditiva, sua empresa aumenta a produtividade das linhas de produção ao melhorar as condições de funcionamento do maquinário.

De acordo com o mesmo relatório da PwC, o tempo de atividade de máquinas melhora em 9% em fábricas que aplicam a manutenção preditiva.

Isso acontece pois o tempo de reparo das máquinas é reduzido.

Afinal, as intervenções tendem a ser mais simples, voltadas apenas à preservação do equipamento e não ao reparo total e/ou substituição de peças.

Tudo isso permite uma melhor adaptação do inventário da indústria às suas necessidades. 

Dados de funcionamento, por exemplo, ajudam gestores a avaliar se um equipamento é de boa qualidade ou precisa ser substituído por um novo de outra fabricante.

Previne falhas

O potencial de analisar possíveis falhas já em sua raiz é o que torna a manutenção preditiva tão especial.

Muitas vezes, os sintomas são pequenos — mas servem de indícios para falhas graves no futuro.

Muitas vezes, sem técnicas de inspeção específicas ou uso de tecnologia para auxiliar no monitoramento e na integração das informações, essas falhas passam em branco.

E é aí que mora o perigo.

Com a manutenção preventiva, seu time age já nos primeiros indícios de qualquer problema.

Assim, mitigam-se falhas que poderiam escalonar de forma a afetar a produtividade e representar prejuízos para a organização.

Reduz custos 

Ao estabelecer uma política de prevenção de falhas, é possível reduzir consideravelmente os custos com manutenção.

Conforme a PwC, a taxa de redução pode atingir até 12%.

Outro ponto que vale destacar é que essa estratégia reduz efetivamente o tempo de inatividade de equipamentos.

Afinal, o trabalho é conduzido com foco na prevenção de falhas e rupturas na produção.

Garante segurança dos profissionais

Com a implementação de uma rotina de inspeções preditivas, a empresa aumenta a segurança das operações no chão de fábrica.

A postura de prevenção e previsibilidade de erros reduz os riscos de acidentes, preservando a integridade e a segurança dos profissionais.

Ainda de acordo com o estudo da PwC, a manutenção preditiva reduz riscos relacionados à segurança, saúde, qualidade e meio-ambiente em até 14%. 

Economia com consumo de energia

Algumas falhas invisíveis podem reduzir a efetividade do seu maquinário, ocasionando situações como o consumo exagerado de energia.

Uma máquina com superaquecimento, por exemplo, pode se enquadrar nessa categoria. O mesmo com um sistema de ar-comprimido que sofre com vazamentos por trincas na tubulação.

Ao analisar de forma minuciosa as condições específicas de um sistema, máquina ou equipamento, é possível identificar falhas e buscar soluções que evitem o desperdício.

Cumpre as exigências da ISO 9001

Ao implementar a certificação ISO 9001, sua empresa passa a depender de um planejamento estratégico que busque a melhoria contínua e a evolução dos processos.

Assim, a manutenção preditiva, por suas características, se torna uma prática natural dentro do negócio — cumprindo com as exigências da certificação.

4 passos para fazer manutenção preditiva com mais eficácia

Na prática, a implementação da manutenção preditiva faz parte de uma série de políticas de monitoramento e prevenção. Como você percebeu, é importante aderir ao conceito pensando nele como uma cultura dentro da empresa.

Dessa forma, seguir alguns passos pode ajudar a organização nesse processo.

A maioria deles faz parte de uma lógica padrão, mas queremos ressaltar que é importante também considerar a tecnologia como uma aliada da empresa e da estratégia de manutenção.

Uma boa cultura de manutenção preditiva se aproveita ao máximo dos dados para preservar a integridade do chão de fábrica.

Assim, não é à toa que seja uma tática tão próxima das diretrizes da Indústria 4.0.

E agora, que tal descobrir como aplicar a manutenção preditiva em sua empresa da melhor maneira? O passo a passo é simples, veja só:

Entenda as necessidades de sua empresa

Antes de qualquer coisa, busque entender as necessidades da empresa e do chão de fábrica (ou nos setores onde a estratégia será implementada).

Explicamos:

A manutenção é algo inerente à produção industrial. No entanto, sem um objetivo definido, sua aplicação pode se perder em meio às demandas do dia a dia.

Assim, entender as necessidades reais e definir metas palpáveis (como aumentar o tempo de atividade do maquinário) é o primeiro passo para uma boa estratégia.

Faça um planejamento

Apesar de, na prática, a manutenção preditiva não ser do tipo “planejada”, sua aplicação depende muito de um ótimo planejamento.

Isso porque a estratégia é atuante no seu planejamento de investimentos.

Afinal, graças aos dados coletados sobre as máquinas, é possível predizer necessidades futuras e programar compras, reparos ou atualizações sem prejudicar o bolso da empresa.

Portanto, de início, faça uma inspeção geral (e bastante específica, com várias técnicas) para delimitar o estado atual do maquinário.

É um ponto de partida que vai enriquecer o nível de conhecimento sobre o chão de fábrica, bem como definir ações emergenciais para reduzir o potencial de falhas.

Mapeie processos

Como sua empresa funciona no dia a dia produtivo? Responder a essas perguntas é vital para a manutenção preditiva.

Como é uma estratégia especialmente minuciosa, é necessário ter documentado toda dinâmica de processos produtivos — bem como sua hierarquia de prioridade e de riscos à segurança.

Dessa forma, é possível elencar os setores mais críticos do chão de fábrica e planejar métodos e técnicas de inspeções mais assertivas.

Utilize softwares confiáveis

E como você pensa em controlar as informações, alinhar inspeções e definir ordens de serviço, de forma a garantir que toda comunicação flua entre os setores?

Somente com o auxílio da tecnologia você conseguirá esse nível de interação.

Por isso, um sistema de gestão com recursos que auxiliem na administração dos recursos da empresa e do maquinário do chão de fábrica é a escolha ideal.

Opte por um software capaz de integrar toda empresa, servindo como um verdadeiro back-office produtivo industrial.

Assim, é possível controlar cada etapa da manutenção das máquinas, reunindo informações sobre as inspeções, definindo e documentando cada etapa do processo.

Transformação digital na manutenção preditiva

Em tempos de transformação digital e indústria 4.0, o conceito de manutenção preditiva tem se tornado cada vez mais presente e abrangente dentro da indústria. 

À medida que a tecnologia avança e novos recursos são criados e aprimorados, a manutenção preditiva se torna mais eficiente, precisa e econômica.

O uso de dados, algo tão característico do backoffice administrativo, começa aos poucos a ser visto no chão de fábrica.

Nesse ponto, a manutenção preditiva se destaca como uma das pioneiras no assunto, aproveitando do qualificado nível de informações coletadas para ajudar a empresa a manter a integridade do maquinário e da equipe.

Existem diferentes soluções tecnológicas e conceitos capazes de oferecer um suporte operacional e informativo altamente importante para a atuação de gestores e equipes de manutenção.

Veja algumas das tecnologias que mais contribuem para o cenário da manutenção preditiva na atualidade.

Internet das Coisas

A Internet das Coisas é, sem dúvida, uma das grandes aliadas da manutenção preditiva dentro das empresas.

Em um contexto de expansão e aprimoramento, essa tecnologia está cada vez mais presente no chão de fábrica.

Por intermédio de sensores, softwares e dispositivos, a indústria se mantém conectada.

Com um alto poder de integração, a IoT chegou com o objetivo de aumentar a capacidade de leitura sobre os parques industriais.

Isso é feito coletando e compartilhando dados em tempo real com gestores e profissionais.

Na prática, esses dados oferecem um subsídio informativo valioso a respeito das condições de funcionamento dos equipamentos.

Assim, quaisquer falhas são rapidamente identificadas e comunicadas, permitindo uma reação rápida e, em muitos casos, antecipada.

Machine Learning

O Machine Learning, junto da Inteligência Artificial, também desponta como um conceito elementar da indústria moderna.

Devido à sofisticação de equipamentos e maquinário, hoje é muito mais fácil aplicá-lo à realidade das fábricas.

Isso porque contam com recursos de computação e automação inseridos nas linhas de produção.

No contexto da manutenção preditiva, o Machine Learning exerce um papel ímpar ao tornar as operações da indústria mais autônomas e menos dependentes de intervenções humanas.

Com o apoio de algoritmos e sensores, os equipamentos são capazes de agir de forma autônoma e antecipada assim que identificam qualquer ponto de atenção.

Dessa forma, é possível gerenciar grandes parques industriais, programando análises de performance e organizando a rotina de técnicos na hora de realizar as manutenções.

Big Data

Os dados são certamente os ativos mais importantes da era digital.

Com tantos equipamentos, sistemas de gestão e metodologias de coleta e uso estratégico de dados, o Big Data na indústria 4.0 é importante para a manutenção preditiva.

A título de exemplo, o histórico de falhas, manutenções e reparos em máquinas pode fornecer um panorama da sua performance.

Esse tipo de informação pode ser crucial na hora de substituir um equipamento, buscando aquele mais confiável e menos suscetível a falhas.

No mesmo sentido, com o apoio de um software de gestão centralizando as informações do chão de fábrica e do inventário, equipes de manutenção têm mais visibilidade sobre toda a infraestrutura.

Isso é fundamental para que nenhum processo de manutenção seja negligenciado ou esquecido.

TOTVS Manutenção de ativos

Existe uma forma ideal de implementar a manutenção preditiva na sua empresa?

A resposta é sim: com uso do TOTVS Manutenção de Ativos.

O módulo, que faz parte do ERP próprio para a indústria, TOTVS Manufatura.

A proposta da plataforma é levar sua empresa para além dos limites da gestão. 

Com alta tecnologia, a solução desenvolvida pela principal empresa brasileira de tecnologia, vai transformar as atividades — do escritório ao chão de fábrica.

Assim, com o módulo de Manutenção de Ativos, você pode conectar e modernizar toda operação da sua manufatura.

Controle todas as informações sobre seus ativos, bem como a metrologia completa do maquinário.

Utilize os recursos mobile para tornar a ação dos técnicos mais flexível, sem depender de um computador para cadastrar informações e atualizar os dados.

Dinamize toda assistência técnica, ganhando tempo, poupando recursos e se aproximando dos pilares da verdadeira Indústria 4.0.

Que tal conferir mais sobre o TOTVS Manufatura e tudo que seus módulos, como o Manutenção de Ativos, pode fazer pela sua organização?

Contrate a Manutenção de Ativos da TOTVS

Conclusão

Por fim, como foi possível perceber, a manutenção preditiva é um conceito em total consonância com a indústria 4.0.

Em um mercado representado pela competitividade extrema e pelas altas demandas, estabelecer um fluxo operacional consistente na indústria pode ser o que determina a continuidade ou não de uma empresa.

Afinal, com isso sua empresa consegue seguir rigorosamente os prazos estipulados e garantir maior confiabilidade com seus clientes. 

E para se manter atualizado sobre as novidades em soluções tecnológicas, continue acompanhando nosso blog.

Artigos Relacionados

Deixe aqui seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentários deste post

  1. Domingos Guerra diz:

    Parabéns! Artigo sucinto e bastante abrangente.Esta parte conceitual precisa ser trabalhada no mercado. A pouco tempo fui visitar um grande cliente da área de cimento que está em fase de estudos para implantação de sistemas de monitoramento de vibração on line / industria 4.0. Este cliente me disse que antes iria instalar sistemas de proteção em grandes máquinas. Ora, se a indústria 4.0 busca exatamente evitar a parada da máquina, antecipar os defeitos da curva PF, como pode propor começar seu processo pela parada das grandes máquinas!? A meu ver isto acontece porque os conceitos não estão claros. Temos um longo caminho..

  2. Alan Amorim - Relacionamento TOTVS diz:

    Olá Domingos! Realmente ainda temos um longo caminho a ser percorrido para aplicar os conceitos da indústria 4.0. Obrigado por seu comentário e contribuição.

Usamos cookies para fornecer os recursos e serviços oferecidos em nosso site para melhorar a experência do usuário. Ao continuar navegando neste site, você concorda com o uso destes cookies. Leia nossa Política de Cookies para saber mais.