Saiba como acompanhar os custos de manutenção de equipamentos da sua indústria

Ao lado do capital humano, o inventário da indústria — isto é, seus equipamentos, suas máquinas, tecnologias, ferramentas etc. — desponta como um dos pontos que mais merece atenção e investimentos por parte da empresa.

Hoje, devido à modernização dos processos e à massiva utilização da tecnologia, é imprescindível gerenciar bem o parque tecnológico. Nesse contexto, é relevante também acompanhar os custos de manutenção de equipamentos na fábrica, já que essa medida, junto de outras, permite otimizar os custos e viabilizar novos investimentos.

Sabendo da importância desse assunto para uma operação eficiente na indústria, preparamos este artigo para pontuar melhor acerca da manutenção de equipamentos industriais, mostrando como a gestão desse quesito pode ser realizada no chão de fábrica.

Tem interesse em saber mais sobre o tema? Este post é para você!

Por que os custos de manutenção de equipamentos precisam de uma gestão eficiente?

No modelo empresarial atual, em que a tecnologia e as suas soluções estão cada dia mais inseridas no contexto dos negócios, é natural que as indústrias sigam um fluxo acelerado de modernização, atualizando os seus inventários, automatizando os seus processos e, consequentemente, dependendo mais das suas máquinas e dos seus equipamentos.

Nesse contexto, é natural também que os custos envolvendo não só a aquisição de equipamentos, mas também a manutenção deles apresente uma linha crescente. Daí, então, a importância de se estabelecer uma gestão eficiente.

Atualmente, a verdade é que produtividade e rentabilidade da indústria são diretamente proporcionais à forma como os seus custos são gerenciados. Por essa razão, negligenciar a manutenção de equipamentos é dar margem para gastos extras com reparos, substituições e, mais do que isso, é dar espaço para rupturas na produtividade em razão da interrupção de linhas de produção, o que pode ser ainda mais prejudicial.

Tais pontos reforçam a importância de uma gestão proativa, mais focada na prevenção de riscos e na conservação dos ativos físicos, garantindo uma maior durabilidade das máquinas e um menor custo na sua manutenção.

Qual é a relação entre custos e rentabilidade?

Como desdobramento do que foi dito no tópico anterior, temos que a manutenção de máquinas e equipamentos é um dos pontos que oneram bastante a empresa. Logo, qualquer desajuste nesse ponto pode comprometer a sua rentabilidade.

A lógica é bem simples: uma gestão deficiente da infraestrutura da indústria acaba ocasionando mais custos com manutenções corretivas — mais caras e prejudiciais. Assim, uma parcela dos rendimentos da companhia que poderia ser convertida em novos investimentos e ações estratégicas é empregada na correção de falhas e problemas evitáveis com medidas preventivas, por exemplo.

Percebe-se que, nesse ponto, custos e rentabilidade ocupam lados opostos em uma balança, em que sempre que um aumenta, o outro lado reduz. O ideal, então, é buscar o equilíbrio, acompanhando de perto os custos de manutenção e as condições de conservação de cada ativo do inventário da empresa.

Quais são os tipos de manutenção mais comuns na indústria?

Dentro de uma indústria, há diferentes modalidades de manutenção empregadas para manter a infraestrutura operante. No entanto, nem todas elas apresentam as mesmas características e, principalmente, as mesmas vantagens. Por isso, é importante conhecê-las. Confira!

Manutenção preventiva

De maneira resumida, a manutenção preventiva é aquela que foca na conservação do equipamento de forma antecipada e programada. Ou seja, são processos de inspeção periódicos que buscam identificar falhas e pontos de atenção antes que evoluam para algo mais grave e gerem mais custos para a empresa.

Manutenção preditiva

Com uma proposta bastante semelhante à manutenção preventiva, os cuidados preditivos seguem uma verdadeira cultura de conservação que consideram o estado do equipamento. Aqui, o que se faz é um acompanhamento periódico das máquinas, baseando-se na avaliação de dados coletados por meio de monitoramentos ou inspeções em campo.

O foco da manutenção preditiva está na verificação precisa dos ativos a fim de antecipar possíveis problemas, necessidades de reparos e outras situações que podem gerar custos maiores com manutenções corretivas.

Manutenção corretiva

A manutenção corretiva pode ser vista como o último estágio de manutenção. Nela, o que ocorre na maioria das vezes é a substituição de peças e componentes do equipamento, dada a impossibilidade de outras medidas.

Em suma, trata-se de um conjunto de procedimentos que buscam corrigir, restaurar e recuperar a capacidade de produção de um item do inventário e que, em regra, apresenta o maior custo para a empresa.

Como gerenciar os custos de manutenção de equipamentos?

Esse tipo de gestão, como veremos adiante, requer alguns cuidados básicos, isto é, ações que facilitarão o controle dos gastos e darão mais visibilidade aos gestores e líderes da empresa. Confira a seguir algumas medidas que podem ser aplicadas nessa tarefa!

Elabore um mapeamento de custos

Quando o assunto é custo, um dos atributos mais relevantes para otimizar a gestão é a visibilidade. Nesse ponto, o gestor precisa ter ciência de onde e como os recursos estão sendo utilizados na manutenção da infraestrutura da fábrica.

Para tanto, uma estratégia altamente recomendada é realizar o mapeamento dos custos. Aqui, o que se deve fazer é identificar em que pontos a empresa gasta mais com o seu inventário, quais são os custos recorrentes, e o que pode ser feito para minimizar despesas.

Prepare e mantenha um orçamento para isso

Outra ação recomendada é separar um orçamento para ser empregado apenas nas rotinas de manutenção. Essa postura fortalece as já citadas manutenções preventivas e preditivas, sendo muito mais benéficas e econômicas para a indústria.

Ter um orçamento próprio para custear a manutenção significa poder estabelecer uma política de recorrência nos cuidados, realizando checagens periódicas, reparos preditivos e investindo no reforço da qualidade e longevidade dos equipamentos.

Assim, ainda que se dedique uma parte do orçamento para isso, no longo prazo, o retorno é bastante satisfatório, visto que reduz os riscos de avarias em máquinas, interrupções na produção e outras inconsistências muito mais pesadas do ponto de vista financeiro.

Utilize um sistema de gestão ERP

Por último, mas de modo algum menos importante, a indústria precisa se apoiar em sistemas de gestão ERP para controlar de maneira mais abrangente e proativa o seu inventário. Esse tipo de solução não só fornece um repositório centralizado de informações sobre o parque tecnológico e os processos nele realizados, como também é um software integra os diferentes setores, garantindo mais visibilidade sobre os custos e as condições dos equipamentos, além de permitir acompanhar o histórico de ações já realizadas.

Por fim, como se viu, os custos de manutenção de equipamentos na sua indústria devem ser tratados como verdadeiras prioridades. O descompasso na balança entre os gastos com essa tarefa e a rentabilidade da empresa podem afetar a sua competitividade, inviabilizar investimentos e atrasar o crescimento geral do negócio. Por essa e outras muitas razões, é fundamental acompanhar de perto cada detalhe. Nesse ponto, a tecnologia é a melhor aliada da indústria!

Então, gostou deste post? Não pare por aqui. Assine a nossa newsletter e receba os melhores conteúdos direto no seu e-mail!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *