Manter a rentabilidade com o passar dos anos: 5 formas para obter mais lucro

Manter a rentabilidade com o passar dos anos: 5 formas para obter mais lucro

Equipe TOTVS | GESTÃO DE NEGÓCIOS | 30 novembro, 2018

Ao começar um negócio, o gestor precisa oferecer um produto ou serviço valorizado pelo mercado, mostrar diferenciais, conquistar um nicho, prezar pela qualidade no atendimento e criar um ciclo de constante aperfeiçoamento. No entanto, mesmo depois de enfrentar esses desafios e alcançar o sucesso, é fundamental ficar de olho nos aspectos administrativos para aumentar o lucro e manter a rentabilidade da empresa.

Quer saber como fazer isso? Então, continue a leitura! Neste post, vamos explicar quais são as principais causas da baixa rentabilidade e as alternativas mais efetivas para solucionar esse problema e atingir a margem de lucro esperada. Confira!

Causas da baixa rentabilidade

À medida que um negócio cresce e se solidifica, o gestor precisa ficar atento aos fatores internos e externos que ameaçam a empresa. Quem está inserido no mercado sabe que sempre surgem concorrentes, que abordarão o seu público-alvo com soluções inovadoras ou propondo vantagens, sejam elas reais ou projetadas.

No entanto, não são apenas essas ameaças externas que colocam os negócios em risco. Muitas vezes, a raiz do problema está em equívocos na gestão. Ou seja, são fatores internos que podem ser resolvidos com mudanças nas práticas corporativas.

Por isso, selecionamos algumas das principais causas da baixa rentabilidade para que você consiga identificar quais delas podem estar prejudicando sua empresa agora mesmo. Afinal, solucionar um problema é como curar uma doença: em primeiro lugar, é preciso ter um diagnóstico correto.

Falta de planejamento

Infelizmente, muitos empreendimentos são iniciados sem um plano de negócios bem definido. Sem esse instrumento, a empresa tem grandes chances de sofrer as consequências da falta de uma visão precisa do mercado. Além disso, por não saber exatamente quanto dinheiro é necessário para implantar o projeto, é possível que ela se veja sem recursos para executar o que pretendia, comprometendo a própria sobrevivência da companhia.

No entanto, não é apenas no início de um negócio que o planejamento é essencial. Conforme a empresa cresce, é necessário rever esse documento para traçar novas metas, que devem estar em sintonia tanto com a situação interna (número de clientes, lucratividade, possibilidades de expansão) quanto externa (cenário político e econômico, tendências de mercado).

Esse planejamento é fundamental para administrar a renda, as despesas e determinar os investimentos necessários para a empresa chegar aonde deseja.

Falhas na gestão financeira

Um grande número de negócios vai à falência por falhas na gestão financeira. Ocorrem desde erros muito básicos, como usar o caixa da empresa para o pagamento de contas pessoais até a falta de instrumentos de controle adequados, como um fluxo de caixa bem-feito.

Gastos desnecessários, perdas no estoque, despesas altas com a folha de pagamento são alguns exemplos de problemas que minam a rentabilidade e dificultam o sucesso do empreendimento em médio e longo prazo.

Acúmulo de dívidas

Uma das principais consequências da falta de planejamento e das falhas na gestão financeira é o acúmulo de dívidas. Em algum momento, o gestor percebe que não tem recursos para executar o que é necessário, para cumprir os seus compromissos financeiros ou fazer investimentos essenciais para o crescimento da empresa. Ao recorrer aos bancos para conseguir esse dinheiro, ele pode ver boa parte da rentabilidade consumida pelos juros.

É possível que, em diversas situações, o empréstimo seja realmente imprescindível. Porém, o ideal é utilizá-lo apenas para realizar investimentos com um retorno previsível. Caso seja feito para salvar a empresa, precisa ser analisado cuidadosamente e acompanhado de medidas para o saneamento das contas e a redução de custos.

Insucesso nas vendas

Outro motivo que causa a baixa rentabilidade é o insucesso nas vendas. Afinal, quando o volume de compras não é suficiente para cobrir as despesas decorrentes da fabricação ou aquisição de produtos, bem como garantir uma margem de lucro, o negócio corre risco.

É necessário analisar as causas desse problema, que podem ser variadas. Elas vão desde estratégias de marketing equivocadas até uma rejeição por esgotamento do mercado.

Estratégias para manter a rentabilidade

Feito o diagnóstico, o próximo passo é buscar estratégias para solucionar esses problemas e manter ou preferencialmente aumentar a rentabilidade do negócio. Conheça as principais!

1. Encontre o melhor regime tributário

O empresário pode recorrer a diferentes sistemas de tributação. Ele pode escolher entre os regimes de Lucro Real, Lucro Presumido ou Simples Nacional, desde que o seu negócio seja adequado às normas estabelecidas para cada um deles.

Consultar um especialista da área de contabilidade é importante, pois ele apontará a melhor alternativa legal para economizar pagando menos impostos.

2. Automatize o que for possível

No Brasil, a mão de obra representa um custo importante para as empresas. Por isso, sempre que possível, contrate pessoas para funções essenciais de atendimento ao cliente, mas utilize a automação para otimizar tarefas burocráticas, como controle de estoque, gestão financeira e contábil, entre outras.

Um software de planejamento empresarial (ERP) contribui para essa redução de despesas, além de evitar erros e retrabalho. Portanto, ele é um aliado indispensável para quem planeja aumentar a rentabilidade.

3. Controle as despesas

Além de otimizar as tarefas e reduzir as despesas, um software o ajudará a ter um controle maior sobre os gastos. Será possível separá-los por centro de custos e obter relatórios precisos, o que possibilitará identificar aonde vai o dinheiro que parece desaparecer do orçamento.

Você descobrirá que, ao controlar essas pequenas saídas de caixa do dia a dia, a empresa se torna muito mais lucrativa. Esses são apenas alguns dos benefícios que mostram o que um ERP pode fazer para aumentar a rentabilidade do seu negócio.

4. Impulsione a produtividade

Se os seus colaboradores conseguirem produzir mais em um tempo menor, mas sem perder a qualidade, a empresa se torna bastante rentável. Para isso, há várias alternativas. Investir em treinamento é uma delas. Rever processos e eliminar gargalos também é importante.

Aliás, os próprios funcionários podem contribuir com ideias que facilitem o seu fluxo de atividades e impulsionem a produtividade. Vale a pena abrir os canais de comunicação e testar essas possibilidades.

5. Redefina os preços

Por muito tempo, pode ser que a política de diferenciação da empresa tenha sido oferecer os menores preços do mercado. No entanto, em vários casos, essa estratégia se mostra insustentável em longo prazo. Se não cobre os custos de produção e não prevê a manutenção de uma margem de lucro, isso coloca a sobrevivência do negócio em risco.

Faça uma pesquisa de mercado e descubra quais são os valores praticados pelos seus concorrentes. Encontre outras formas de diferenciar os seus produtos para captar clientes sem entrar em uma guerra de preços. Destaque a qualidade do produto ou atendimento, exclusividade ou outros atributos que a sua empresa possa usar em seu favor.

Finalmente, com alguns ajustes, o gestor pode manter a rentabilidade do negócio. É preciso rever as despesas e definir se o caminho para obter o melhor resultado é ter menos custos ou, ao contrário disso, realizar investimentos que levem a empresa a um novo patamar de performance e eficiência. Cada caso é único, mas essa análise pode salvar a organização.

Gostou do post? Quer ter acesso a outros conteúdos como este? Assine a nossa newsletter e receba sugestões de leitura diretamente em seu e-mail. Inscreva-se agora mesmo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *