PIX para empresas: como o sistema de pagamentos pode ser útil

Equipe TOTVS | TECHFIN | 17 março, 2021

Em fevereiro de 2020, o Banco Central anunciou um novo meio de pagamentos e transferências: o PIX. No entanto, a divulgação teve amplo foco nos benefícios para pessoas físicas. E para empresas, o PIX tem alguma utilidade?

A boa notícia é que sim, o PIX pode ser utilizado por empresas em qualquer tipo de transação.

Trata-se de uma inovação que promete uma verdadeira revolução no que diz respeito às transações financeiras. Na prática, as pessoas e empresas começam agora a ver os resultados em suas finanças e facilidade na rotina.

Ainda assim, há muitas dúvidas sobre o assunto.

Afinal, há alguma diferença de funcionamento entre o PIX para PF e para empresa? Por ser empresa, há algum limite nos pagamentos e transferências? Qual o custo do PIX para uma organização?

Para responder essas perguntas sobre o uso do PIX no dia a dia de uma empresa, preparamos um conteúdo completo.

Entenda mais sobre o assunto continuando a leitura!

Afinal, o que é o PIX?

O PIX é um novo meio de pagamentos, que foi anunciado em fevereiro de 2020 e passou a ser válido em novembro do mesmo ano.

Com o PIX, você — pessoa física ou jurídica — pode transferir qualquer quantia para qualquer pessoa ou instituição, independente do dia ou da hora — seja em dias úteis, finais de semana e feriados.

De acordo com o Banco Central, as transferências vão ocorrer em cerca de dez segundos.

É uma opção a mais para competir e dar mais flexibilidade que outras alternativas atuais, como TED, DOC, boleto e cartão.

Portanto, para sanar a dúvida de forma rápida: o PIX pode ser utilizado por pessoas físicas ou por empresas de qualquer tipo.

Além disso, vale destacar: o PIX não é um aplicativo de pagamentos ou algo do tipo.

É um novo meio de transações financeiras chancelado pelo Banco Central e que vai ser oferecido pela maioria das instituições financeiras e bancos do Brasil, sem qualquer exclusividade de uma empresa.

Porém, essa nova opção no leque de meios de pagamento, será obrigatória para bancos ou instituições financeiras com mais de 500 mil clientes.

Para entender se o seu banco, instituição ou fintech disponibiliza o PIX, recomendamos que dê uma olhada na lista de participantes organizada pelo Banco Central.

E vale lembrar que o PIX deverá ser oferecido dentro dos canais de pagamento do banco, como aplicativo, internet banking e caixas eletrônicos.

Ou seja, não é necessário baixar um aplicativo à parte ou abrir uma nova conta para aproveitar o PIX. Ele é um recurso a mais que deve ser disponibilizado nos canais atuais da sua instituição.

Para que serve o PIX?

O PIX é um meio inovador para realização de pagamentos e transferências no Brasil, um tema que há muito tempo é pauta de reclamações.

A falta de flexibilidade e burocracia, por exemplo, sempre foram bastante comentados por quem costuma lidar com transações bancárias em sua rotina.

Sendo assim, o PIX chega como uma solução: agilizar e flexibilizar de vez os pagamentos e transferências.

Dessa forma, os pagamentos são realmente instantâneos — sem a necessidade da pessoa ou empresa esperar o outro dia, ou mesmo passar o final de semana, para receber.

Quais empresas podem usar o PIX?

E para as empresas, quais podem utilizar o PIX? A boa notícia é que todas as pessoas jurídicas terão acesso normal ao PIX, com uma condição única:

Possuir uma conta  transacional (conta corrente, conta poupança ou para pagamentos) ou carteira digital em um banco, instituição ou fintech que ofereça o novo meio de pagamento.

Então recapitulando, com o PIX, os pagamentos e transações financeiras poderão ser realizadas entre pessoas físicas (P2P), entre pessoas físicas e jurídicas (P2B/ B2P), entre empresas (B2B), entre pessoas físicas e governo (P2G/G2P) e entre empresas e governo (B2G/G2B).

Como funciona o PIX para empresas?

O PIX é um meio de pagamento com a proposta de ser instantâneo. Sendo assim, seu funcionamento se diferencia de outros meios, como TED e DOC, excepcionalmente por sua agilidade. Além disso, funciona igual para empresas e PFs, confira:

Para aproveitar toda facilidade do PIX, é recomendado que a pessoa (física ou jurídica) registre uma chave PIX na instituição preferida.

Tratam-se de “apelidos”, que vão identificar a sua conta em cada transação.

Assim, em vez de precisar fornecer todo um esquema de informações (número de conta, CPF ou CNPJ, agência, dígito verificador, etc), basta indicar a chave.

A chave PIX pode ser tanto um dígito aleatório, como um token gerado automaticamente pelo banco, como uma informação específica, como:

  • E-mail;
  • CPF ou CNPJ;
  • Número de telefone;

Aqui, vale destacar uma mudança do PIX para pessoas físicas e para empresas.

Uma pessoa física pode registrar cerca de 5 chaves PIX por conta da qual é titular. Já uma empresa pode registrar cerca de 20 chaves por conta da qual seja titular.

Lembrando que não será possível registrar uma mesma chave em mais de uma conta.

Portanto, por exemplo: se sua empresa utilizou o CNPJ como chave PIX em um banco A, a mesma sequência de dígitos não poderá ser utilizada como chave PIX em um banco B.

Além disso, vale mencionar que o PIX também admite outras formas de receber pagamentos:

Via NFC (tecnologia que habilita transações por aproximação) e QR Codes — tema que nos aprofundaremos mais além no conteúdo.

Agora, as chaves são obrigatórias? No momento, não são. Ou seja, é possível fazer um PIX utilizando as informações como em um TED ou DOC.

Mas é recomendado que as empresas já comecem a registrar suas chaves para aproveitar a flexibilidade que elas oferecem.

eBook Grátis - Guia Prático Para Uma Gestão Financeira Que Garanta o Lucro da Empresa

Quais são os impactos do PIX para as empresas? 

O PIX tem enorme potencial de descomplicar uma ação tão simples como a transação financeira.

Dessa forma, com sua utilização, as empresas recebem mais rapidamente e não precisam esperar o dia virar, ou mesmo um final de semana todo passar, antes de receber.

Qualquer transferência ou pagamento é feito com poucos cliques.

Ou seja, é uma forma de “fazer a roda girar” sem tantas burocracias como acontecia até pouco tempo atrás.

Assim, incentiva-se uma maior utilização dos recursos das instituições e bancos, bem como facilita o recebimento e pagamento de valores por parte das empresas.

Quais são as diferenças entre PIX, TED e DOC?

Muito se comenta sobre as funcionalidades e benefícios do PIX em relação aos meios de pagamento mais convencionais, como o TED e DOC.

Esse é um consenso que se criou rapidamente. Mas você sabe o que configura as diferenças entre o PIX com o TED e o DOC?

Abaixo, separamos algumas delas para você entender:

  • PIX: Pagamentos e transferências a qualquer dia ou hora; basta utilizar a chave ou ler o QR Code para realizar a transação; quantia transferida em segundos; sem limites de valores; uma notificação é enviada para quem paga e quem recebe.
  • TED: Somente em dias úteis, entre 6h e 17h (podendo variar); é preciso conhecer todos os dados do recebedor; quantia transferida no mesmo dia se feita dentro do horário (se após as 18h, por exemplo, só cai no dia útil seguinte); sem limite de valores; sem notificação ao pagador e ao recebedor.
  • DOC: Somente em dias úteis, entre 6h e 17h (podendo variar); é preciso conhecer todos os dados do recebedor; quantia transferida no mesmo dia se feita dentro do horário (se após as 18h, por exemplo, só cai no dia útil seguinte); limite de até R$ 4.999,99 por operação; sem notificação ao pagador e ao recebedor.

6 Vantagens do PIX para as empresas

O PIX tem todos os elementos para representar uma verdadeira revolução nos meios de pagamentos para empresas e pessoas físicas.

No entanto, na prática, o que o seu uso beneficia um negócio?

Redução de custos 

Os custos do PIX são bem menores que das outras alternativas.

O Banco Central deixou livre para que as instituições definissem as taxas próprias, mas com certeza elas serão menores que as atuais vistas em transações via DOC ou TED.

O motivo é que, com o PIX, não há intermediários entre os pagamentos feitos e recebidos, portanto, não há taxas que podem encarecer o processo.

Algumas instituições financeiras, inclusive, oferecem o PIX a custo zero.

Isso significa que o custo real é zero? Claro que não.

De acordo com o BC, o PIX pode custar cerca de R$ 0,01 por transação. No entanto, outros meios chegavam a custar R$ O,07.

Envio e recebimento de transferências instantâneo

Com o PIX, o dinheiro vai de uma conta para a outra — direto, sem intermediários como adquirentes, bandeiras e bancos emissores.

Dessa forma, além de reduzir os custos, também se torna muito mais rápido. Praticamente instantâneo, pois o dinheiro cai em 10 segundos na conta.

Ou seja, é uma forma de receber com mais segurança, o que facilita tanto o controle das entradas e saídas, como também o processo de cobrança.

Segurança

O PIX é tão inovador por vários motivos além da agilidade nas transações. É um meio de pagamento extremamente seguro.

De acordo com o Banco Central, são utilizadas tecnologias de assinatura digital, autenticação mútua e criptografia para proteger os dados — que são armazenados em um ambiente seguro, operado pelo próprio BC.

Sem limite mínimo

O PIX pode ser efetuado em qualquer quantia, sem definição de valores mínimos ou máximos.

Praticidade 

Ao utilizar o PIX, você pode realizar qualquer transação diretamente do app do banco ou do internet banking.

Em segundos, pode quitar qualquer dívida, independente do valor, simplesmente transferindo a quantia da sua conta para outra.

Isso permite total praticidade, visto que dependendo da quantia, muitas instituições exigiam que o valor fosse depositado pessoalmente em uma agência bancária.

Integração com o sistema da empresa

O PIX pode ser integrado ao sistema de gestão da empresa, tornando os pagamentos automáticos para fornecedores, recebimento dos clientes, entre outras funcionalidades que compõem o backoffice do seu negócio. 

PIX Empresas: Como fazer e receber transferências?

Como você aprendeu, o PIX pode ser feito direto do aplicativo, internet banking ou de um caixa eletrônico da instituição bancária de preferência.

No entanto, o novo meio de pagamento é flexível pois permite que as transações, seja de pagamento ou recebimento, sejam efetuadas de diferentes formas.

Assim, você e sua empresa podem adequar ao tipo que mais faz sentido para clientes e fornecedores. Veja quais são:

QR Code

O QR Code é um código de barras bidimensional, que pode ser escaneado por câmeras de smartphones e dispositivos móveis.

Ao lê-lo, seu aparelho executa alguma ação, como direcionar você à tela de pagamentos do aplicativo do banco.

No caso do PIX, é possível que a empresa gere QR Codes de cobrança (com valor predefinido) diretamente no aplicativo do banco ou instituição financeira.

Assim, basta compartilhar com o cliente para que ele efetue o pagamento através da leitura do código.

O mesmo pode acontecer no caso da sua empresa realizar pagamentos:

É necessário apenas pedir o QR Code do fornecedor, por exemplo, e realizar a transferência ao apontar a câmera do smartphone e seguir os passos para concluir a operação.

Outro fator que vale a pena comentar é que existem dois tipos de QR Code, o estático e o dinâmico. Entenda:

Estático 

O QR Code estático pode ser utilizado em mais de uma transação.

Assim, é possível cobrar o mesmo valor de várias empresas ou clientes. Funciona também no caso de cobrar pagamento de assinaturas.

É um código voltado para transações mais simples e diretas, como entre PFs, micro e pequenas empresas.

Dinâmico

Já o dinâmico é um QR Code único, com intuito de servir às transações mais complexas, sem possibilidade de reutilização.

Assim, tem mais funcionalidades que podem ser configuradas por quem vai receber o valor, como integração de sistemas ERP, por exemplo.

Dados bancários 

O PIX via dados bancários funciona como qualquer TED ou DOC, com a diferença que o valor transferido vai cair em segundos. No entanto, será necessário identificar o par da transação com os dados bancários completos.

Chaves 

O pagamento via chave é outro dos mais simples que a função oferece: basta informar a chave do recebedor (ou enviar a sua chave ao pagador), definir o valor e concluir a operação.

Como cadastrar a chave?

Lembrando que para cadastrar a sua chave PIX, basta acessar o aplicativo ou internet banking da instituição, entrar na funcionalidade PIX e encontrar a indicação de criação de chave. É um processo bem simples e intuitivo.

É possível uma empresa ter chave PIX em instituições diferentes?

É sim possível. Uma empresa pode ter até 20 chaves diferentes em cada banco, no entanto, não pode repetir chaves em instituições diferentes.

PIX Empresas: Dúvidas frequentes

Para sanar as principais dúvidas que possam surgir durante o estudo das funcionalidades e vantagens do PIX, separamos algumas respostas rápidas. Veja:

Qual o custo do PIX para pessoa jurídica?

O PIX para pessoa jurídica custa o valor que a instituição financeira define como taxa. Porém, esse valor é menor que TEDs e DOCs. Além disso, alguns bancos disponibilizam o PIX gratuitamente.

Como usar o PIX na maquininha?

Basta cadastrar uma chave na conta do banco ou instituição que recebe os pagamentos da maquininha. Além disso, faça questão de atualizar o sistema da maquininha para que a opção PIX ou PIX/QR Code apareça.

Assim, é possível receber pagamentos pela maquininha via PIX.

O procedimento é simples: basta selecionar a opção PIX na hora do pagamento que um QR Code será gerado.

Assim, basta que o cliente aponte a câmera do celular, conclua a operação e pronto!

E não se preocupe, uma notificação será exibida na maquininha informando sobre a transação.

Quantas chaves PIX posso ter?

Empresas podem ter até 20 chaves em cada conta que são titulares.

Conclusão

O PIX é uma mudança de ares muito bem-vinda no atual momento econômico brasileiro.

É uma funcionalidade que se alinha às novas tecnologias e à necessidade de comunicação ágil.

A cada dia, as empresas buscam por recursos que promovam um diferencial competitivo em seu dia a dia e que tornem a rotina financeira cada vez mais ágil. 

O TOTVS Pagamento Digital oferece a possibilidade de fazer a gestão unificada do PIX nas carteiras digitais e integra o sistema de pagamento ao ERP. 

O PIX surge como uma resposta geral a esse anseio, facilitando uma operação que, até poucos meses atrás, era terrivelmente burocrática e nada ágil.

E claro, nada melhor do que receber pelo seu trabalho na hora, certo?

Esperamos que o conteúdo ajude você e sua empresa no entendimento sobre o PIX e suas funcionalidades, bem como os diferenciais dessa inovação.

Para mais conteúdos que vão te ajudar na saúde e gestão financeira do negócio, basta continuar de olho em nosso blog!

Nova call to action

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Usamos cookies para fornecer os recursos e serviços oferecidos em nosso site para melhorar a experência do usuário. Ao continuar navegando neste site, você concorda com o uso destes cookies. Leia nossa Política de Cookies para saber mais.