Design Thinking: entenda o conceito que impulsiona a inovação

Já ouviu falar em Design Thinking? Essa abordagem está dando o que falar e chama a atenção pelos benefícios que proporciona às empresas.

Na era digital, não é exagero dizer que o valor de um empreendimento está associado à sua capacidade de inovar. No entanto, inovação é um processo e não apenas um clichê.

Continue a leitura para conhecer melhor o Design Thinking e entender como ele impulsiona a inovação!

O que é Design Thinking?

Design Thinking — ou “pensamento do design” — é uma abordagem que surgiu no design e remete à necessidade de enxergá-lo além da estética de um produto ou serviço, trabalhando para que ele faça a diferença na vida das pessoas.

No contexto empresarial, o termo tem tudo a ver com inovação. Isso porque busca encontrar soluções para todos os tipos de problemas, de forma criativa e focada nas necessidades do mercado.

Observe que não se trata de uma mera metodologia, mas de uma verdadeira abordagem. A solução de problemas é desenvolvida de forma colaborativa e as pessoas são o fundamento do processo.

A ideia central é adotar uma mentalidade de design, que tem como grande diferencial não focar no problema, mas sim na solução.

Para tanto, o Design Thinking usa lógica, imaginação, intuição e raciocínio sistêmico. Tudo isso para explorar melhor as possibilidades e chegar a resultados que beneficiam o cliente.

Quais são os pilares do Design Thinking?

Dentro do contexto de transformação digital, não há como ignorar o papel dessa abordagem. Afinal, ela contribui para a estruturação de um ambiente inovador e eficiente. Para isso, o Design Thinking observa 5 pilares. Conheça-os!

Empatia

A empatia está relacionada à capacidade de conhecer e entender as necessidades e os desejos do cliente. Portanto, é fundamental colocar-se em seu lugar, ouvir, ver e sentir como ele — o que demanda tempo, dedicação e observação.

Definição

A definição se concentra em avaliar e interpretar tudo o que foi colhido com o exercício da empatia. É nesse momento que a empresa identifica o real problema de seu público-alvo e começa a planejar a sua estratégia.

Idealização

A idealização nada mais é que encontrar uma solução. Mas, atenção! Não existe uma só resposta. Por isso, é preciso trabalhar com o maior número de hipóteses possíveis — desde que estejam de acordo com os problemas apresentados.

Protótipos

Os protótipos são um pilar importante para o Design Thinking, pois é quando as ideias saem do papel e são colocadas em prática. Para que a solução seja alcançada, é preciso partir de uma ideia e manter o foco durante todo o desenvolvimento.

Testes

Os testes fazem parte da busca pela solução adequada e têm o objetivo de entregar ao cliente o protótipo, para que ele apresente os seus feedbacks. As avaliações nem sempre serão positivas, mas servem para readequar o produto e conhecer mais sobre as necessidades do usuário final.

Quem pode utilizar essa abordagem?

Inovação é muito mais que um diferencial. Na fase de mercado em que nos encontramos, é uma necessidade de sobrevivência. Ainda assim, as empresas brasileiras não investem nesse aspecto como deveriam.

A pesquisa da PwC, intitulada de Global Inovation 1000, mostrou que das mil empresas mais inovadoras do mundo, apenas quatro são brasileiras: Petrobras, Vale, Embraer e TOTVS.

A conclusão é que o mercado nacional ainda não encontrou o caminho da inovação. Entretanto, a implementação do Design Thinking pode ser uma saída interessante para qualquer tipo de negócio.

Isso mesmo! Independentemente do porte ou segmento em que a sua empresa atua, é possível aproveitá-lo e inovar de maneira estratégica, isto é, capaz de trazer soluções úteis e importantes para o seu cliente.

Para isso, não é preciso ser um designer. Na verdade, basta ter a habilidade de ser empático e ouvir, observar com atenção e entender aquilo que as pessoas realmente precisam.

Quais são as etapas do Design Thinking?

Utilizar esse método dentro da empresa é muito mais fácil do que parece. Há uma estrutura básica que facilita o processo e proporciona bons resultados.

Essa organização ajuda a manter a equipe no caminho certo e evita a perda de tempo com questões secundárias e o abandono de soluções relevantes. Confira!

Entendimento

O entendimento é a fase em que a equipe se aproxima do problema. Aqui, é preciso utilizar toda a sua capacidade de empatia para visualizar e entender as dores do cliente. Alguns recursos podem ser úteis, como pesquisas de mercado.

Ideação

Agora é o momento de interpretar os dados coletados e começar a planejar o processo. Nessa etapa, a colaboração é essencial e exige um ambiente inspirador e aberto ao diálogo.

Elaboração

A elaboração é a fase em que o protótipo é desenvolvido. É importante cuidar para que apenas ideias válidas e coerentes com as necessidades do mercado sejam utilizadas nessa etapa. As demais já devem ter sido separadas.

Desenvolvimento

Após testar o protótipo, é realizado o monitoramento de indicadores de desempenho. A ideia é aprimorar ao máximo a ideia e entregar ao mercado uma solução inovadora e que faça a diferença na vida das pessoas.

Como diferenciar essa abordagem de outras semelhantes?

O Design Thinking costuma ser confundido com outros três conceitos: User Experience (UX), User Interface (UI) e Agile. Para que não restem dúvidas, é importante que você entenda melhor as diferenças existentes entre eles.

Conforme visto, o Design Thinking é uma abordagem que busca resolver, de maneira criativa e inovadora, as demandas do cliente, sempre levando em consideração as necessidades humanas.

O User Experience (UX) leva em consideração todas as interações entre o cliente e os produtos/serviços, além de suas ansiedades e seu padrão de comportamento. O objetivo é desenvolver produtos não só úteis, mas também muito desejados.

O User Interface (UI) é responsável pela parte visual do projeto. Ele é tudo o que o cliente vê e que o ajuda a ter uma interação positiva com o produto/serviço ofertado.

Agile, ou “metodologias ágeis”, é um conjunto de estratégias que tem como meta a construção de uma solução de forma rápida, interativa e colaborativa. Com isso, o processo consegue se adaptar rapidamente às mudanças de cenários existentes.

Como o Design Thinking favorece a inovação nas empresas?

Em um mercado competitivo, correr dos problemas não é uma boa estratégia. O Design Thinking é a técnica que o ajudará a desenvolver produtos que sejam úteis, diferentes e adequados às verdadeiras necessidades de seu cliente.

Quando colocado em prática, a equipe começa a olhar com mais critério para os feedbacks recebidos e aprende a pensar como o consumidor. Isso favorece a inovação e estimula o crescimento empresarial — tudo o que um bom gestor deseja, não é mesmo?

O que achou do Design Thinking? Conseguiu entender como ele pode ajudar o seu negócio a se tornar mais inovador e a conquistar o seu espaço no mercado? Lembre-se de que o cliente é a razão de a sua empresa existir. Por isso, foque em ajudá-lo a superar os seus problemas e cresça!

Se inovar é o caminho para o sucesso, a sua empresa precisa incorporar esse conceito. Confira as dicas de um especialista para gerar uma cultura de inovação em seu negócio!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *