Gestão fiscal: 7 boas práticas para garantir o cumprimento das leis

Gestão fiscal: 7 boas práticas para garantir o cumprimento das leis

Equipe TOTVS | FISCAL | novembro 06, 2018

Fazer a gestão fiscal é uma tarefa importante para que a sua empresa esteja alinhada aos processos tributários. No entanto, muitas organizações ainda se atrapalham com esses aspectos e acabam sofrendo sanções e pagando multas estipuladas pelo Fisco.

Os principais problemas são os relacionados à falta de soluções alinhadas ao segmento que fazem parte, aos erros de declaração e escrituração, além de não fazerem o armazenamento correto de dados. Essas falhas são tão graves que, em casos extremos, podem levar as empresas a enormes prejuízos e, até mesmo, à falência.

No varejo, em que as transações financeiras são em maior volume e as regras mudam com frequência, é primordial fazer uma gestão cuidadosa para atender corretamente às legislações federais, estaduais e municipais e evitar qualquer transtorno relacionado a impostos e tributos.

Existem boas práticas que podem ser adotadas para que a sua empresa possa alavancar resultados sem deixar de cumprir com as obrigações fiscais. Listamos aqui 7 importantes passos para que você implemente o quanto antes!

1. Contrate bons profissionais para a sua equipe

É preciso lembrar que a saúde financeira do seu comércio depende de uma boa gestão fiscal. Se ainda não conhece muito sobre os processos fundamentais da área, o ideal é que sejam contratados bons profissionais para ajudar você nessa tarefa.

Caso a sua equipe já esteja formada, invista em cursos e capacitações que possam facilitar o dia a dia de todos que estão com você.

2. Fique atento às obrigações fiscais

Além de ser complexa, a legislação fiscal brasileira muda com muita frequência. Por isso, é imprescindível estar sempre por dentro de todas as suas obrigações fiscais. No varejo, algumas das exigências são:

Webinars Gratuitos TOTVS - Conferência de Obrigações Fiscais

  • estar em dia no e-Social, que controla aspectos fiscais e os dados referentes aos contribuintes que contratam mão de obra remunerada e aos trabalhadores;
  • fazer a Escrituração Contábil Fiscal (ECF), que substitui a Declaração de Informações Econômico-Fiscais da Pessoa Jurídica (DIPJ) e apresenta os dados referentes ao ano-calendário anterior e demonstra a apuração do Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ) e Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) durante o período;
  • registrar informações no Bloco K, ou Livro Registro de Controle de Produção e do Estoque, em que a empresa deve escriturar todas as notas fiscais, tanto de entrada quanto de uso interno;
  • emitir todas as notas fiscais, sem se esquecer de recolher e registrar todos os impostos e tributos sobre as operações da sua empresa. Deixar de calcular todos os valores que passam pelo seu negócio é uma irregularidade e punições podem ser dadas pela Receita Federal.

3. Escolha um regime tributário adequado

De acordo com o seu tipo de negócio e faturamento, é necessário fazer a escolha de um dos conjuntos de normas e leis que definirão como será a forma de tributação da empresa. Atualmente, existem três tipos no Brasil: Simples Nacional, Lucro Real e Lucro Presumido.

Cada regime tributário tem as suas especificidades. Você precisa ficar atento a todos os números da organização, além de realizar planejamentos tributários para conseguir escolher o regime mais adequado para o seu contexto.

4. Entenda sobre benefícios fiscais

Para incentivar o crescimento de determinados setores ou atividades, a administração pública oferece benefícios fiscais para as organizações. Eles podem ser oferecidos como uma redução da base de cálculo do imposto, a compensação de um determinado tributo ou, até mesmo, uma isenção total.

Esses benefícios vão variar de acordo com o seu setor e a região em que a empresa está localizada. Para saber se a organização que você administra pode usufruir desses incentivos, basta consultar a Secretaria da Fazenda, para impostos municipais ou estaduais, e o Ministério da Fazenda, para as vantagens concedidas pelo governo federal.

5. Armazene todos os seus documentos fiscais

Essa importante etapa é exigida por lei, mas muitas empresas ainda esquecem do quanto é fundamental ter cada detalhe guardado. São os documentos fiscais que vão comprovar suas transações para os órgãos públicos responsáveis pela fiscalização. Por isso, você precisa aprender a fazer essa gestão de forma eficiente.

Atualmente, os negócios contam com a facilidade de poder guardar os seus documentos de forma digital. Contudo, é importante lembrar que isso não exclui a necessidade de arquivar também, com cuidado, todos os arquivos físicos.

6. Mantenha o seu fluxo de caixa em dia

Você sabe bem qual é a margem de lucro, os tributos que você paga e quais são os seus gastos? É fundamental que você faça o registro de todas as receitas e despesas da sua empresa. Para isso, você pode usar sistemas de gestão digitais.

Mantendo o seu controle financeiro de forma organizada, você terá uma visão mais clara e ampla da saúde dos seus negócios. Também será mais fácil planejar e elaborar estratégias para o futuro.

7. Escolha um sistema de gestão digital

Para quem acredita que controlar todos os processos fiscais ainda é um grande desafio, a boa notícia é que existem sistemas e ferramentas que podem facilitar a rotina. A era digital trouxe consigo a automatização de diversas atividades, a diminuição do uso do papel e permitiu que gestores possam ter muito mais controle e organização das atividades.

Existem no mercado soluções 100% adequadas à complexa realidade brasileira, oferecendo um acompanhamento legislativo constante, assegurando o compliance fiscal e dando mais agilidade e segurança tributária para as empresas. Com esse sistema, a gestão fiscal da sua empresa será feita em uma plataforma integrada a todos os órgãos de fiscalização e a outros processos do seu negócio.

As 6 Principais Obrigações Fiscais em 1 Minuto

Procure por empresas que oferecem essas soluções e que já atendam outras organizações no mesmo segmento que o seu. A experiência com as especificidades de cada setor podem ser úteis no momento de solucionar as suas dúvidas. Portanto, pesquise com os seus parceiros e busque referências na hora de fazer a escolha.

Com processos digitais e automatizados, você e a sua equipe ganharão mais tempo para se dedicarem a outras atividades, como o foco no cliente, nas vendas e na organização das suas lojas.

 5 segredos que ninguém contou para você sobre uma boa gestão fiscal

Se as informações deste infográfico foram úteis para você, compartilhe nas redes sociais!

Agora que você sabe que é possível fazer a sua gestão fiscal de forma mais eficiente, continue no nosso blog e saiba como escolher os melhores sistemas digitais integrados para a sua empresa!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *