Cross border: o que é, como fazer e vantagens

Equipe TOTVS | 12 janeiro, 2022

Transações cross border são aquelas cujo produto necessita de transporte entre diferentes países. Com a transformação digital e a evolução do e-commerce, esse tipo de transação tornou-se mais comum. Para uma empresa, entender sobre o cross border e como ele funciona é essencial para expandir sua operação.

Você já pensou em vender seus produtos para outros países? Com uma loja virtual ou marketplace, essa realidade ficou muito mais palpável para todos os tipos de empresa.

No entanto, é claro, quando o assunto é o envio de itens, o frete é sempre uma questão delicada.

Por isso, compreender tudo sobre as transações cross border é muito importante para o seu negócio.

Neste conteúdo, vamos explicar o que é uma operação cross border, os diferentes tipos, como fazê-lo e quais as vantagens. Confira!

O que é uma operação cross border?

Uma operação cross border é aquela que envolve o transporte de um produto de um país para o outro, ultrapassando fronteiras — como a tradução do termo sugere. Em português, a operação é conhecida como “comércio transfronteiriço”.

Nesse tipo de operação, clientes e vendedores estão localizados em diferentes países.

Tal operação ocorre por vários motivos, como a falta do produto ou serviço em questão no país do cliente, a preferência por uma marca estrangeira ou algum benefício extra que a oferta estrangeira ofereça.

Uma operação cross border pode parecer simples, mas na prática depende de uma série de fatores para poder acontecer. Afinal, não basta simplesmente empacotar o item e despachá-lo.

Muitas vezes, existem questões políticas, legais e até mesmo sanitárias a serem levadas em conta.

Por isso, dependendo do item a ser enviado, pode ser tanto um processo simples, quanto complexo e repleto de entraves que devem ser considerados.

Quais as formas de exportação?

Quando falamos de operações cross border, deve-se compreender que nem todas são iguais. Na verdade, existem dois tipos de exportação que devem ser levadas em conta.

As diferenças entre ambas são bem importantes: vão impactar na sua capacidade infraestrutural, nos custos logísticos e na capacidade de frete do seu negócio (mais rápido, mais conveniente etc).

Que tal conferir um pouco mais sobre esses diferentes tipos? Confira:

Direta 

Na exportação direta, a empresa fica responsável por todas as atividades referentes à entrega transfronteiriça. Ou seja, não há intermediário no processo de entrega.

Na prática, falamos do nome de uma única empresa nas notas fiscais de fabricante, exportação e despacho dos itens.

Para uma empresa poder exportar diretamente, é necessário ter muito conhecimento sobre o transporte cross border.

Além disso, é preciso know-how de gestão logística acima da média, bem como conhecimento aprofundado sobre questões legais e de segurança, bem como quanto aos direitos do consumidor.

Uma das grandes vantagens da exportação direta é que a empresa não conta com a incidência de ICMS (Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação) e o IPI (Imposto sobre Produto Industrializados).

Entre as principais vantagens da exportação direta, podemos mencionar:

  • Sua empresa reduz gastos com terceiros;
  • Possui maior potencial de aumentar sua margem de lucros;
  • Você amplia seu controle das demandas, pedidos e das vendas.

E já em relação às desvantagens, podemos citar:

  • Você vai precisar investir mais em marketing internacional;
  • Sua empresa vai precisar de uma equipe (ou ao menos um profissional de alto nível) para gerenciar os processos de Comércio Exterior.

Indireta 

A exportação indireta, ao contrário da anterior, necessita de um ou mais intermediários especializados em negociar e enviar produtos a outros países.

Em termos legais, normalmente a operação é a seguinte: a empresa A (brasileira) vende produtos com fim específico de exportação à empresa B (também brasileira), mas que atua na exportação a outros países para a revenda.

Desse modo, a empresa fabricante comumente não têm acesso aos dados de desempenho de seus produtos em relação ao público-alvo do outro país, nem sobre como é a relação do consumidor com suas ofertas.

Assim, a relação com o mercado externo se limita à venda dos produtos para a empresa de exportação.

Essa relação pode trazer alguns benefícios, confira os principais:

  • As vendas são feitas de maneira mais rápida;
  • Você não precisa gastar com marketing, mão de obra especializada ou pesquisa de mercado;
  • O faturamento costuma ser mais rápido, já que os riscos são absorvidos pelos intermediários na operação.

Porém, existem algumas desvantagens, como:

  • A margem de lucro pode ser menor, já que sua marca não é 100% internacionalizada;
  • A pouca transparência que normalmente se mantém com o importador, bem como a dependência que se gera com o exportador.

Como fazer cross border?

Mas afinal, como adotar corretamente uma estratégia cross border que seja bem-sucedida? Existem vários benefícios atrelados a esse tipo de operação, mas é necessário garantir que a sua empresa está seguindo os passos corretos.

Separamos alguns dos principais pontos que você deve se atentar antes de se aventurar e investir no cross border, vamos lá? Confira!

Mercado

O primeiro ponto é avaliar o mercado externo que você pretende atuar. E aqui, vale a pena dizer que já é necessário iniciar os estudos acerca do tipo de exportação a adotar.

De acordo com dados da Forrester, a tendência é que as operações cross border tomem conta do mercado, ocupando cerca de 20% de todas as transações de e-commerce até 2022 — com valor de até US$ 627 bilhões.

Mas é claro, vale dizer: esses números são muito influenciados pelos gigantes do comércio virtual, como Amazon e eBay.

Na verdade, esses dois, ainda de acordo com a Forrester, são os dois marketplaces mais populares do mundo em operações cross border.

E o motivo é simples: ambos, com destaque para a Amazon, possuem uma forte operação logística multinacional.

No entanto, vale dizer que outros players se destacam e influenciam o mercado cross border, com destaque para os atacarejos virtuais chineses, como a Aliexpress.

Por isso, busque entender a fundo: qual a possibilidade do seu produto fazer sucesso ou, ao menos, possuir demanda no outro país?

É claro, esse é um esforço muito maior em empresas que decidem fazer a exportação direta.

No entanto, mesmo para aquelas que optem pela exportação indireta, vale realizar uma pesquisa para compreender, ao menos superficialmente.

Produto

Por que a pesquisa de mercado é importante? Porque você precisa ter certeza que o seu produto está adequado à realidade, demanda e necessidades de um mercado externo.

Ou seja, é um produto que possui compatibilidade com pessoas de outro país, que falam outra língua e possuem outra cultura?

Esse produto é compatível com questões como o clima local e as estações do ano?

Se o país de destino for em outro hemisfério, é necessário ter esse ponto em mente antes de fechar um contrato.

Além disso, avalie qual a concorrência que sua marca vai enfrentar. Existem outros players externos? E qual a força das marcas locais?

E já que falamos de frete: seu produto vai realmente aguentar a viagem ou não? Se negativo, procure entender se o processo de fabricação pode ser descentralizado entre os países.

Existem vários pontos que devem ser discutidos.

Plataforma

Caso você opte pela exportação direta, é bem possível que necessite de uma plataforma robusta para realizar as vendas, capaz de processar pedidos em vários idiomas e com diferentes moedas.

É por isso que players como o eBay e a Amazon se destacam: seu marketplace é extremamente robusto e internacionalizado.

Recomendamos o uso deles? Essa é uma decisão que deixamos para você e seu time estratégico, já que a nossa missão é ensinar sobre a operação.

Verifique questões como a estabilidade dos servidores, a popularidade das plataformas, seu suporte e, claro, os preços e taxas que cobram.

Legislação

Enviar produtos a outro país pode configurar-se em uma complicação para o seu negócio. Por isso, faça questão de entender exatamente como é a legislação do Brasil para sua categoria de produtos — e claro, do país de origem.

Essa é uma necessidade em ambos os tipos de exportação (direta e indireta, já que é preciso assegurar a proteção da sua marca em qualquer caso), mas é claro que a exportação direta necessita de um estudo muito mais aprofundado no assunto.

Precificação

Esse é um ponto muito importante. Digamos que você vá vender um produto brasileiro nos Estados Unidos. A precificação será totalmente diferente da que você aplica em terras brasileiras.

Afinal, além da fabricação, falamos de custos logísticos, de marketing, de impostos e de operação ligados à exportação — no caso dela ser direta.

Por isso, o cálculo deve levar em conta esses pontos e, muitas vezes, pode significar que o seu produto será mais caro que os concorrentes locais.

No entanto, vale um estudo das leis para entender se o seu tipo de produto não pode se aproveitar de isenções, por exemplo.

São questões pontuais que podem impactar na precificação e melhorar seus diferenciais competitivos.

Parcerias

Ao estabelecer sua marca em outro país, muito mais do que qualidade na sua atividade-fim, é essencial prezar pelos outros serviços paralelos, como a entrega ao consumidor.

Por isso, busque fechar parcerias com empresas comprometidas com sua causa e capazes de surpreender os seus clientes.

Já deu para perceber que é um processo longo e repleto de estudos, correto?

Mas compensa: com parceiros competentes, você tem o poder de transformar a sua marca, bem como criar no mercado externo um dos pilares para aumentar suas vendas e receitas.

Quais as vantagens do cross border?

Mas afinal, independente do tipo de exportação cross border, quais as vantagens de realizar transações para outros países? Citamos os principais abaixo, confira!

Logística 

Seja com a exportação direta ou indireta, a iniciativa de operar com cross border é essencial para a empresa construir uma rede logística robusta, ampla e madura — algo que vai diferenciá-lo da concorrência, com certeza.

Desse modo, é possível expandir a atuação da sua empresa e, com a expertise logística obtida, melhorar a entrega dos produtos e sua cobertura em outros países e também no Brasil.

Vale dizer, ainda, que, com uma operação cross border, sua empresa provavelmente terá que melhorar as bases da gestão do supply chain.

Isso quer dizer que seus fornecedores terão que ser melhor qualificados, gerenciados e cobrados pelos pedidos.

Em uma operação cross border, é essencial que todos os atrasos sejam mitigados ao máximo, já que há vários fatores atrelados à chegada do seu produto em outro país.

Ampliação de mercado 

Com uma operação cross border, os seus produtos vão atingir novos consumidores, em novos mercados. Ou seja, falamos de oportunidades incríveis para aumentar seu brand awareness.

Essa é uma maneira de expandir suas ofertas a um novo mercado (ou vários deles), aproveitando uma tendência de mercado que cada vez mais se torna realidade para os consumidores de todo mundo.

Incentivos Fiscais 

Como mencionamos, existem alguns benefícios atrelados a específicas operações cross border. Por exemplo, para empresas que optam pela exportação direta, existe a isenção de ICMS ou IPI, dependendo do tipo de produto.

É uma forma que o governo encontrou de ampliar a competitividade dos produtos nacionais em mercados externos, fortalecendo o comércio exterior e as marcas brasileiras.

Tecnologias TOTVS para o segmento logístico

A TOTVS possui a mais completa suíte tecnológica para gestão e controle para otimizar a gestão logística do seu negócio, seja transportadoras, operadores logísticos, bem como portos e recintos alfandegados.

Com nossos sistemas, sua empresa garante total controle e eficiência das operações logísticas, melhorando os processos desde o recebimento e armazenagem até a gestão dos pátios e frotas.

Com os sistemas TOTVS para o segmento logístico, você pode potencializar a qualidade das suas operações logísticas — incluindo as relações cross border.

Que tal conferir mais sobre os diferenciais e vantagens das nossas tecnologias?

Nova call to action

Conclusão

As operações cross border são, cada vez mais, essenciais para a globalização do comércio e expansão das empresas ao redor do mundo.

Essa tática configura uma oportunidade de ouro para várias organizações — no entanto, é necessário entrar nesse processo da maneira correta!

A suíte logística da TOTVS pode ajudá-lo neste desafio, modernizando, automatizando e melhorando a gestão de processos na sua empresa.Gostou do conteúdo? Se quiser continuar entendendo mais sobre o assunto, recomendamos que leia e compreenda tudo sobre o que é YMS e as vantagens desse sistema para o seu negócio. Confira!

Artigos Relacionados

Deixe aqui seu comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Usamos cookies para fornecer os recursos e serviços oferecidos em nosso site para melhorar a experência do usuário. Ao continuar navegando neste site, você concorda com o uso destes cookies. Leia nossa Política de Cookies para saber mais.