Custo de Capital: Descubra o que é, importância e como calcular

Equipe TOTVS | GESTÃO DE NEGÓCIOS | 23 junho, 2021

Há vários conceitos que a gestão financeira de uma empresa deve dominar. Um deles é o custo de capital, que define o tipo de política de financiamento e investimento praticada pela empresa.

Apesar de ser empregada em diferentes cenários, o custo de capital é um retorno sobre investimento mínimo que uma empresa deve gerar antes de possuir lucros.

Por isso que, para uma empresa, o custo de capital deve sempre ser mínimo. Desse modo, é possível administrar com sucesso suas finanças.

Além disso, o custo de capital é um indicador excelente para que a empresa possa medir a viabilidade de novos investimentos.

Para um gestor, entender o que é o custo de capital pode fazer toda diferença na hora de compreender a rentabilidade do seu negócio.

Neste artigo, discutimos o que é custo de capital, por que ele é importante e como você pode calculá-lo para beneficiar sua empresa.

O que é o custo de capital?

Custo de capital é a taxa mínima de retorno que uma empresa deve obter antes de gerar valor.

Antes que uma empresa possa ter lucro, ela deve gerar pelo menos receita suficiente para cobrir o custo do capital que usa para financiar suas operações.

Afinal, o próprio capital possui seus custos. O exemplo mais simples para explicar essa dinâmica é o empréstimo:

Ao solicitar um empréstimo de R$ 25 mil ao banco, sua empresa deverá também arcar com uma taxa de juros ao mês, que seria algo em torno de 3%.

Esses juros são o custo de capital.

Ou seja, o custo da dívida e o custo do patrimônio líquido utilizado para financiar um negócio, um projeto ou um investimento específico.

O custo de capital de uma empresa depende do tipo de financiamento e da sua estrutura de capital.

Neste caso, ela pode utilizar apenas patrimônio líquido (capital próprio) ou oriundo de dívidas (capital de terceiros). Em alguns casos, utiliza-se uma combinação de ambos.

Entender sua estrutura de capital é essencial pois vai lhe garantir o conhecimento mais adequado sobre o tipo de financiamento que acarretará em um menor custo de capital.

Para que serve o custo de capital?

O custo de capital é um importante componente da análise contábil e financeira de uma empresa.

Como métrica, o custo de capital é utilizado por empresas para julgar se um projeto (como a ampliação da sua fábrica ou a construção de uma filial em outro estado) vale os seus recursos exigidos.

Retomando o exemplo dado no tópico anterior, do empréstimo de R$ 25 mil com juros mensais de 3%, a interpretação do custo do capital seria:

  • se o retorno do seu projeto for superior aos 3% de juros exigidos pelo banco mensalmente, o valor do projeto/negócio tende a aumentar;
  • se o retorno do seu projeto for inferior aos 3% de juros, o valor do projeto/negócio tende a reduzir.

Além disso, os investidores usam o custo de capital como uma das métricas financeiras que consideram ao avaliar empresas como investimentos potenciais.

Ou seja, é um indicador utilizado para determinar se um investimento vale o risco em comparação com o retorno.

Como funciona o custo de capital?

Para entender como funciona o custo de capital, é necessário compreender que o conceito diz respeito aos custos de manter o capital dentro da empresa.

Esse capital é uma soma de recursos que tem origem tanto própria como de terceiros.

Essa exata composição, de capital próprio e de terceiros, é o que chamamos de “estrutura de capital”.

A estrutura de capital é composta pelas políticas de financiamento da empresa e pode impactar diretamente em um maior ou menor custo de capital.

Ainda sobre o assunto, vale a pena entender a fundo o que é o capital próprio e o capital de terceiros:

Custo de capital próprio

Os custos de capital próprio são entendidos como os recursos disponibilizados por sócios ou acionistas da empresa.

Em cálculo, correspondem ao retorno mínimo que os sócios ou acionistas esperam como remuneração.

Custo de capital de terceiros

Já o custo de capital de terceiros corresponde aos financiamentos e empréstimos de longo prazo.

Em cálculo, correspondem aos juros pagos pela empresa aos bancos, investidores e demais credores dos recursos captados.

eBook Grátis - Guia Prático Para Uma Gestão Financeira Que Garanta o Lucro da Empresa

A importância do custo de capital 

Em suma, o custo de capital é importante para questões como:

  • Ajudar investidores a avaliar suas opções;
  • É essencial para as empresas projetar a estrutura de capital ideal de sua empresa;
  • Também pode ser usado para avaliar o desempenho de certos projetos em comparação com o custo de capital;
  • Auxiliar nas decisões de gestão orçamentária, uma vez que as empresas devem decidir se um projeto vale a pena antes de operacionalizá-lo.

De certo modo, o custo de capital pode ser encarado como uma ferramenta que maximiza investimentos em potencial para as empresas, tornando mais clara a compreensão de sua rentabilidade.

Ou seja, é uma ferramenta que capacita gestores a um melhor processo de tomada de decisões.

Afinal, financiar um projeto ou realizar um investimento são ações importantes dentro do contexto empresarial.

Elas afetam, primordialmente, sua estrutura de capital.

O custo de capital ajuda as organizações a entender o quão rentável esse investimento ou projeto pode ser e quais os seus impactos no caixa da empresa.

Idealmente, as empresas buscam o ponto de equilíbrio justo neste cenário, com financiamento suficiente para realizar um projeto ou investimento, reduzindo ou limitando o custo de capital.

Afinal de contas, quanto menor o custo do capital, maior a capacidade da empresa de lucrar e gerar valor em cima desta ação.

Apesar de ter uma relação muito próxima ao papel de investidor — a pessoa ou entidade com recursos para aportar — o custo de capital pode também ser valioso para os negócios.

Em geral, as empresas utilizam essa métrica para entender para melhorar a taxa de retorno que obtém nos projetos de investimento relacionados aos negócios.

Desse modo, podem maximizar as oportunidades de atrair investidores e permanecer lucrativas e competitivas em seu mercado.

Capital próprio e de terceiros: Vantagens e desvantagens 

Agora que você já entende os conceitos de capital próprio e capital de terceiros, é hora de compreender as vantagens e desvantagens de cada modelo. Vamos lá:

Custo de capital próprio

Vantagens

  • Não sofre com risco de inadimplência;
  • Mais praticidade para levantar uma quantidade alta de capital, especialmente para empresas sem crédito disponível no mercado; 
  • Taxas mais competitivas.

Desvantagens

  • Perda de autonomia da empresa – especialmente se o recurso vier de acionistas;
  • Acionistas passam a tomar decisões na empresa;
  • Dificuldade na aprovação de projetos arriscados.

Custo de capital de terceiros

Vantagens

  • Opção mais barata para muitas empresas;
  • Uso de recursos externos que não interferem no capital próprio;
  • É uma medida que pode ser de curto prazo e, em breve, a empresa volta a utilizar o capital próprio para se reerguer de instabilidades envolvendo o capital de giro;
  • Maior controle sobre o planejamento financeiro.

Desvantagens

  • Perigo de acionar dívidas altas com terceiros – risco de inadimplência;
  • Se não organizado, pode aumentar o custo da dívida. 

Como o custo de capital é definido?

O custo de capital pode ser definido a partir de duas perspectivas: de quem cede o capital e de quem capta os recursos.

No primeiro caso, para quem cede o capital, o custo de capital mostra seu potencial de remuneração sobre um investimento. No entanto, esse retorno está atrelado a uma série de fatores, como o risco.

Quanto maior for o risco, maior sua remuneração — ou seja, os juros para as empresas na outra ponta da operação.

E justamente no caso de quem capta os recursos, o custo de capital diz respeito ao tanto que ela precisará pagar a mais para recompensar aqueles que acreditaram e apostaram no projeto, na ideia de negócio ou no investimento.

De forma geral, o custo de capital é muito importante para empresas que precisam de capital para expandir suas operações e financiar seus negócios, enquanto mantém as dívidas o mais baixas possível para satisfazer os acionistas.

Nova call to action

Como calcular o custo de capital de uma empresa?

Para a parte mais prática deste conteúdo, preparamos um pequeno guia ensinando a calcular o custo de capital. Existem alguns fatores relacionados a essa operação, portanto, atenção!

Em geral, a fórmula simplificada utilizada é a seguinte:

k = Kp + Kt

O Kp corresponde ao custo do capital próprio. Já o Kt corresponde ao custo do capital de terceiros.

Como calcular custo de capital próprio

A fórmula para descobrir o kp é a seguinte:

Kp = d / Cp

d = valor dos dividendos ou parcela de distribuição de lucros

Cp = patrimônio líquido da empresa

Como calcular custo de capital de terceiros

A fórmula para descobrir o kt é a seguinte:

Kt =  j / Ct

j = valor dos juros pagos aos credores para remunerar os recursos investidos

Ct = todo passível exigível da empresa (seu capital de terceiros, exceto o montante do passivo circulante)

Custo médio ponderado — CMPC ou WACC

Um modelo de cálculo bastante utilizado é o WACC, ou custo médio ponderado.

Ele considera tanto o custo do capital próprio como o de terceiros e suas taxas, bem como o nível de participação de cada custo no passivo da empresa.

A fórmula, segundo consta no livro “Princípios de administração financeira” de Ross, Westerfield e Jordan, é a seguinte:

WACC = (E/V x Kp) + [(D/V x Kt x (1 – Tc)]

As siglas correspondem a:

  • WACC = taxa de custo médio ponderado do capital;
  • Tc = alíquota do imposto de renda e da contribuição social da pessoa jurídica;
  • E = valor de mercado – capital próprio (empresa) ou patrimônio líquido (em R$);
  • D = valor de mercado do capital de terceiros da empresa (em R$);
  • V = E + D (valor de mercado do capital total, em R$);
  • E/V = proporção do capital próprio sobre o financiamento total da empresa (em
  • valores de mercado);
  • D/V = proporção do capital de terceiros sobre o financiamento total da empresa;
  • Kp = coeficiente ou taxa de custo do capital próprio (CAPM);
  • Kt = coeficiente ou taxa de custo do capital de terceiros.

Como um sistema financeiro auxilia na gestão do custo de capital?

Compreender o que é a qual a importância do custo de capital é uma parte da tarefa, pois a outra é efetivamente gerenciar esse aspecto do seu negócio.

Você percebeu que trabalhar com custo de capital para conseguir empréstimos ou financiamentos exige uma ótima gestão de custos e um fluxo financeiro transparente, certo?

Com um software de gestão financeira é possível contar com automatização dos serviços e garantir que todas as obrigações sejam cumpridas, seja com acionistas ou investidores externos.

O uso de um sistema financeiro é a melhor solução para uma empresa que busca amadurecer na gestão do custo de capital.

Assim, garante maior acesso a dados sensíveis e assertivos sobre o seu negócio, seus consumidores e seu nicho de mercado.

Com tantos insights em mãos, é possível tomar decisões assertivas sobre próximos passos para desenvolver sua organização, como a realização de investimentos ou a criação de projetos inovadores.

Para isso, empréstimos, financiamentos ou investimentos são necessários.

Mas como gerenciar suas obrigações da melhor forma, de modo que o capital de giro não seja prejudicado e você cumpra com todas as partes, sem operar no vermelho?

A resposta é: utilizando um sistema de gestão financeira!

TOTVS Backoffice

O TOTVS Backoffice é um sistema de gestão que apoia e suporta as rotinas financeiras. Moderna, flexível e robusto  para quem procura aparar todas as arestas do setor financeiro da empresa.

O ERP desenvolvido pela principal empresa de tecnologia do Brasil é o mais completo do mercado.

Isso quer dizer que as tecnologias TOTVS não apenas facilitam toda gestão do custo de capital, como automatizam seu backoffice de ponta a ponta.

Desse modo, você se preocupa em analisar os resultados do negócio – em dashboards intuitivos definindo KPIs para sua operação, e em desenvolver estratégias para crescer e ajudar a tomar decisões precisas.

Com o TOTVS Backoffice, você tem uma visão mais ampla de vários setores da sua empresa.

No aspecto financeiro, por exemplo, é possível automatizar tarefas relacionadas a uma ampla gama de atividades, como plano de contas, contas a pagar e receber, bem como aplicações e empréstimos!

Conheça todos os benefícios e as possibilidades do TOTVS Backoffice!

Veja como o sistema de gestão funciona com a nossa demo de 1 minuto:

Conclusão 

Durante este conteúdo, te explicamos tudo sobre o custo de capital e como esse conceito se encaixa na gestão financeira de uma empresa.

À medida que o negócio cresce, é imprescindível que ele encontre formas saudáveis de conquistar recursos do mercado ou de seus shareholders. No entanto, não basta apenas ser bom no pitch, é preciso ter estabilidade suficiente para honrar com os compromissos firmados.

Nesse ponto, compreender o custo de capital é essencial.

E possuir um sistema de gestão financeira? Bom, aí toda a tarefa de administração desses recursos se torna muito mais fácil!

Esperamos que tenha gostado do nosso conteúdo!

Para conferir ainda mais guias e dicas sobre gestão financeira, é só continuar lendo o nosso blog e assinar a nossa Newsletter – confira as edições anteriores!!

Nova call to action

Comentarios

  1. Pousada na Ilha Grande

    Bem informativo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Usamos cookies para fornecer os recursos e serviços oferecidos em nosso site para melhorar a experência do usuário. Ao continuar navegando neste site, você concorda com o uso destes cookies. Leia nossa Política de Cookies para saber mais.