Tecnologia Verde: O que é, objetivo, vantagens e certificações

Equipe TOTVS | GESTÃO AGRÍCOLA | 29 abril, 2021

A tecnologia verde é a saída para que as empresas da área possam reduzir os impactos que seu processo produtivo causa ao meio ambiente.

Veja bem: em todo seu ciclo de vida — da extração da matéria-prima até o descarte — os produtos de cunho tecnológico em geral não são sustentáveis.

Sua produção, de forma geral, exige altas quantidades de energia despendidas. Seu uso também, na maioria das vezes. E quando chega a hora de descartar, pouquíssimos componentes podem ser reaproveitados.

E se podem, sofrem por conta da falta de infraestrutura de reutilização e reciclagem.

A tecnologia verde é uma resposta a esse modelo que pouco agrega ao meio ambiente, colocando o setor tecnológico e TI no mapa da produção sustentável.

É por isso que produtos verdes são tão valorizados e serão ainda mais no futuro.

Quer entender mais sobre o assunto? Este conteúdo será o seu guia completo e definitivo sobre tecnologia verde.Entenda o que é, como surgiu, objetivos, benefícios, certificações relacionadas e exemplos de tecnologia verde!

O que é a tecnologia verde (TI Verde)

A tecnologia verde é um conceito que busca definir um processo produtivo sustentável, ou seja, aplicando boas técnicas de design circular. Trata-se de conduzir o ciclo de vida de um produto de forma a causar menos impactos possíveis ao meio ambiente.

E quando falamos de ciclo de vida, nos referimos a cada etapa:

Da extração de matérias-primas, passando pelo seu desenvolvimento, fabricação, distribuição, uso até o descarte.

Tudo isso considerando o curto, o médio e o longo prazo.

Antes de se aprofundar no assunto, vale uma menção aos termos: tecnologia verde e TI Verde.

São sinônimos, pois na prática tratam-se do mesmo tema e tem o mesmo objetivo: a promoção de um setor de tecnologia e informação verde.

Você pode encontrar diferenças sutis, como a TI Verde se tratar de forma mais específica ao setor de TI, mas neste conteúdo vamos considerá-los sinônimos.

Afinal, em inglês, o conceito é conhecido tanto como Green IT, mas também como green tech, environmental tech, etc.

Os produtos verdes são “environmental friendly“, um termo em inglês que define um produto “amigo” do meio ambiente.

Eles possuem um ciclo de produção menos oneroso ao meio ambiente, com utilização de matéria-prima proveniente de fontes mais sustentáveis.

Assim, são o produto de uma cadeia de processos que, em geral, gasta menos energia e não gera tantos resíduos.

Assim, a tecnologia verde busca promover melhorias na cadeia produtiva de uma mercadoria tecnológica, de forma a contar com:

  • Recursos renováveis;
  • Eficiência energética;
  • Preocupação com saúde e segurança dos operários envolvidos em toda supply chain;
  • Um processo definido de redução, reutilização e reciclagem.

E o que a tecnologia verde tem a agregar aos negócios em si?

Partindo dessa perspectiva, é possível pensar na tecnologia sustentável como uma forma de utilizar processos produtivos mais “limpos”. Mas vai muito além. É uma maneira de manter a preservação da natureza e também a saúde dos profissionais envolvidos. 

Assim, impulsiona o desempenho operacional enquanto corta custos, desperdícios e reduz o uso de recursos naturais.

Muito embora um dia esses objetivos tenham sido ignorados por muitos empreendedores por conta dos altos custos envolvidos, hoje a realidade é diferente.

Por isso, é possível ver uma movimentação evidente da indústria como um todo em direção à adoção da tecnologia verde.

Não à toa, de acordo com um estudo da Allied Market Research, o mercado global de tecnologia verde e sustentável já valia cerca de US$ 9 bilhões em 2019. 

Conforme previsão dos especialistas, essa cifra pode chegar a quase US$ 50 bilhões em 2027.

Como surgiu a tecnologia verde?

A tecnologia verde surgiu de forma gradual e variada de país para país, de região para região. 

O motivo é simples: cada país lidou diferentemente com a questão energética até, relativamente, pouco tempo atrás.

Ou seja, não faz mais do que 40 anos que vivemos em um cenário de indústria globalizada.

De forma geral, é possível apontar a aurora da tecnologia verde ainda no século XIX, quando o físico Edmond Becquerel descobriu o efeito fotovoltaico — então, uma alternativa diferente de energia.

A ascensão do movimento, porém, levou ainda cerca de 100 anos:

Foi na década de 1970 que países como Japão e Dinamarca investiram em diferentes formas de energia, como solar, eólica, bioenergia e biomassa.

Porém, foi justamente por volta dessa época, em 1980, que as indústrias se tornaram mais conectadas, competitivas e globalizadas.

Grandes conglomerados surgiram e a capacidade produtiva foi gradualmente expandida.

Desse modo, o consumo desenfreado e o uso de recursos naturais cresceu até um ponto preocupante.

Logo, esse movimento foi relacionado como a causa do aquecimento global — um fenômeno que, na época, apenas começava a se tornar uma preocupação.

Com o crescimento da indústria tecnológica nos últimos anos, e por conta de seu protagonismo de mercado, alguns empreendedores viram a necessidade de começar uma revolução de dentro para fora.

Assim, surgiu a tecnologia verde, um compromisso das indústrias de tecnologia e do setor de TI como um todo, buscando proteger o meio ambiente, conservar os recursos naturais e reparar ou reverter os danos ambientais do processo produtivo.

O uso de tecnologia verde no Brasil 

A tecnologia verde no Brasil ainda tem um bom caminho a ser percorrido para ser considerada desenvolvida, mas as iniciativas existem.

Uma delas é o Decreto nº 10.240, vinculada à Política Nacional de Resíduos Sólidos, aprovada em fevereiro de 2020.

Esse decreto regulamenta a dinâmica de logística reversa dos produtos eletroeletrônicos. De acordo com o documento, o objetivo dessa regulamentação é:

“…a estruturação, a implementação e a operacionalização de sistema de logística reversa de produtos eletroeletrônicos e seus componentes de uso doméstico existentes no mercado interno”. Art. 4º.

Com isso, busca-se ampliar a quantidade de postos de coleta de produtos eletroeletrônicos descartados, partindo dos atuais 173 postos para 5 mil em todo Brasil até 2025.

Desse modo, será possível suprir a demanda de processamento do lixo eletrônico de cerca de 60% da população brasileira.

No mais, depende muito das empresas e do seu comprometimento com o meio ambiente e com as ações sustentáveis. No entanto, ações de melhoria estão sempre em pauta.

Além de ser uma pauta muito importante para o meio ambiente, é uma forma da empresa melhorar o seu posicionamento quanto aos temas envolvendo a natureza, que nos últimos anos, tem se tornado uma grande cobrança por parte dos consumidores.

Afinal, se antes apenas o produto ou serviço oferecido por uma empresa precisava ser de qualidade, hoje os consumidores querem isso e também saber que a marca se preocupa com o meio ambiente e com seus colaboradores. 

É o caso da economia circular, uma filosofia produtiva que visa transformar a fabricação em uma cadeia cíclica de reaproveitamento, reutilização e reciclagem.

Essa é uma iniciativa bastante próxima da filosofia por trás da tecnologia verde e tem boa aceitação da indústria.

Prova disso é que 76% das indústrias brasileiras já aplicam conceitos de economia circular em seus processos, de acordo com dados divulgados pela Agência Brasil.

Qual é o objetivo da TI Verde?

O objetivo da tecnologia verde é ser um ponto de mudança para a indústria.

Assim, busca posicioná-la como parte ativa da redução dos impactos ambientais e climáticos através de um modelo renovado e sustentável de produção.

Veja bem: o mundo possui uma quantidade finita de recursos naturais.

Muitos deles são renováveis, mas esse processo leva tempo — e esse é um aspecto que o consumo moderno costuma ignorar.

Além disso, utilizam-se muitos componentes elétricos e eletroeletrônicos compostos de produtos nocivos ao meio ambiente, especialmente devido ao descarte incorreto.

É o caso das baterias, por exemplo.

Em contato com a água dos rios, lagoas, represas ou oceanos, elas podem eliminar substâncias químicas que intoxicam o ambiente, prejudicando a fauna e a flora presentes, leva a morte das espécies marinhas, além de contaminar o solo.

No fim das contas, a não otimização desse ciclo produto, de uso e de coleta, ocasiona danos ao próprio ser humano e ao seu estilo de vida.

O objetivo da tecnologia verde é, portanto, evitar esse tipo de impacto, da mesma forma que torna a produção tecnológica mais sustentável e menos custosa.

Como funciona a tecnologia verde?

A tecnologia verde é um conceito que já afeta as indústrias em todo mundo.

São vários os desafios atrelados às suas atividades diárias, como a segregação de resíduos ou a necessidade de reduzir a emissão de CO2.

Na indústria automobilística, por exemplo, grandes montadoras passaram a substituir a carroceria de aço, por exemplares de alumínio, que são mais leves e possuem resistência similar. Com isso, é possível reduzir drasticamente o consumo de combustível. 

Analisando o exemplo, podemos chegar a conclusão de que  transformar seu processo produtivo em algo sustentável não é simples, não há um manual a se seguir.

Como as empresas podem criar esse estilo de fabricação e de negócios mais verde?

A primeira coisa a se considerar é que essa é uma transformação sincera e realmente contínua.

Os pilares para essa mudança já foram descritos, mas vale a pena reproduzir:

  1. reduzir a poluição;
  2. conservar energia e recursos;
  3. minimizar o consumo de resíduos.

São as bases para uma operação renovável e sustentável, que mira os seguintes objetivos:

  • A taxa de uso de recursos renováveis ​​não deve ser mais rápida do que a taxa de regeneração.
  • A taxa de esgotamento dos recursos não renováveis ​​não deve ser mais rápida do que a taxa de produção ou regeneração de suas contrapartes renováveis.
  • A capacidade de regeneração dos recursos naturais (e do meio ambiente como um todo) não deve ser excedida pelo consumo/uso humano.

Desse modo, é possível estruturar toda cadeia produtiva, de modo que a tecnologia verde não seja apenas uma meta social, mas que beneficie a empresa financeiramente.

Qual  a importância da tecnologia verde para as organizações? 

A TI Verde tem uma importância fundamental para que a indústria siga uma cartilha mais sustentável, de acordo com as necessidades de agora (e do futuro) do nosso meio ambiente.

Ou seja, é um movimento que ocupa um papel de protagonismo na mudança de mindset corporativa — e também do consumidor — sobre a forma que o mercado lida com a demanda atual.

É necessário repensar processos de maneira mais sustentável, menos onerosa ao meio ambiente e menos custosa em relação aos recursos naturais.

De outra perspectiva, a tecnologia verde também é um esforço que visa compensar financeiramente no médio e longo prazo.

De forma realista, não há como ignorar a necessidade do uso de recursos renováveis e não renováveis. Trata-se de uma demanda de mercado.

O importante é aderir à consciência ecológica que o conceito de tecnologia verde traz.

É uma forma de contribuir com um estilo de vida e produção sustentável, que (com a ajuda de imposições de mercado e também governamentais) torna as demais empresas mais cautelosas.

A tecnologia verde e a sustentabilidade

A tecnologia verde é um conceito diretamente relacionado com a sustentabilidade, termo que se popularizou na década de 90 e ainda hoje é relevante.

De forma ampla, a sustentabilidade trata do todo: a criação de um ecossistema social, corporativo e público que contribua para a preservação do meio ambiente.

Esse resultado se dá através de múltiplas ações, como a redução da emissão de carbono na atmosfera.

A tecnologia verde é como uma das aplicações dos conceitos sustentáveis, mas em um setor da indústria que hoje é extremamente relevante: a área de tecnologia.

Assim, a TI Verde busca repensar a utilização de recursos computacionais, de modo a reduzir o consumo de energia, reaproveitar as matérias-primas, estruturar uma dinâmica de processamento de lixo eletrônico, entre outras ações.

Principais certificações de tecnologia verde

A adequação da tecnologia verde é um processo único, sem um manual definido. No entanto, para empresas interessadas, há sim um caminho a ser seguido.

No caso, trata-se da adoção de algumas certificações que podem pavimentar o caminho para a criação de um sistema produtivo mais sustentável. Confira!

ISO 14001

A certificação ISO 14001 regulamenta a implantação de um Sistema de Gestão Ambiental na empresa.

Desse modo, a empresa pode responder rapidamente às mudanças ambientais, de forma que seu processo produtivo não ocasione danos.

O mais interessante é que essa avaliação de riscos e do plano de ações é baseado no dia a dia específico da organização.

Essa certificação notoriamente pode reduzir os custos da empresa, pois busca redefinir a forma que consome e utiliza recursos.

ISO 14004

A ISO 14004 busca implementar uma melhoria à certificação apresentada acima.

Seu foco é reforçar a responsabilidade socioambiental da empresa em sua gestão ambiental, através de um conjunto de diretrizes, sistemas e técnicas de apoio.

Selo Verde

O Selo Verde é uma gratificação dada pelo governo municipal ou estadual às empresas que se destacam na preservação ambiental, de modo que suas atividades causem o menor impacto possível no meio ambiente.

Para conquistá-lo, as empresas devem apresentar:

  • Responsabilidade ambiental e sustentabilidade;
  • Uso consciente dos recursos naturais;
  • Uso de práticas e técnicas adequadas.

O Selo pode ter diferentes graus de importância.

No caso de Alagoas, por exemplo, a divisão é feita em Selo Verde Bronze, Selo Verde Prata e Selo Verde Ouro.

PROCEL

Se você já comprou um eletrodoméstico, provavelmente já se deparou com o selo PROCEL, que representa a eficácia energética do produto.

Ele possui diferentes níveis que mostram seu gasto de energia (se é econômico ou não), através de testes feitos em laboratório pelo Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica.

RoHS

O RoHS é uma certificação com origem europeia, que significa “Restrição de (uso de certas) Substâncias Perigosas em Equipamentos Elétricos e Eletrônicos”.

Busca atestar que a empresa não utiliza em seus processos produtivos substâncias como mercúrio e chumbo, altamente perigosos para a saúde e para o meio ambiente.

TOTVS Agro bioenergia

Por que investir em tecnologia verde?

Agora, e no dia a dia da empresa, o que o investimento em tecnologia verde pode proporcionar?

Muito além do compromisso social, é necessário que a mudança reflita também nos resultados, algo que a TI Verde pode impactar positivamente.

Que tal conferir alguns dos benefícios de investir em tecnologia verde? Veja só:

Redução de custos

Com um processo produtivo mais verde e limpo, sua empresa reduz o valor da conta de energia elétrica e de água.

Além disso, a constante motivação pelo reuso, reaproveitamento e reciclagem pode potencializar a vida útil dos insumos, materiais e equipamentos utilizados, o que reduz custos operacionais.

Valorização da imagem da empresa

Adotar a filosofia da tecnologia verde pode trazer excelentes resultados para sua empresa em questão de valorização da imagem.

Com os selos e certificados, sua organização se torna uma verdadeira amiga do meio ambiente, o que se torna um diferencial competitivo que pode fazer a diferença na hora da escolha do cliente.

Melhora no desempenho 

A tecnologia verde permite que a empresa reveja e repense seus processos produtivos, de forma que contribui para uma rotina mais otimizada, calcada na redução do desperdício.

Ou seja, o resultado prático disso é uma melhoria significativa no desempenho da organização, em especial na utilização de recursos.

Aumento da produtividade

Tamanho impacto nos processos e na rotina da empresa faz da tecnologia verde uma alternativa para que as empresas otimizem sua produtividade empresarial.

O uso consciente, eficiente e assertivo dos recursos permite que a empresa controle sua cadeia produtiva de modo a focar no resultado.

Sem desperdícios e com um chão de fábrica otimizado, é perfeitamente possível aumentar os indicadores de produtividade.

Responsabilidade sustentável

Por fim, é natural que a adoção da filosofia de tecnologia verde também se reflita nos valores, princípios e missão da empresa.

É uma forma de complementar seus objetivos, de modo a apresentar também uma responsabilidade sustentável com o meio ambiente que está inserida e do qual retira parte de seus recursos.

Exemplos de tecnologia verde

Não se engane: apesar de ser um conceito relativamente novo, a tecnologia verde já é implementada em todo mundo, seja por empresas como por países inteiros.

Abaixo, vamos te mostrar alguns exemplos dessas iniciativas para tornar os processos mais limpos.

Conservação de energia

Cada vez mais, alternativas para dispositivos que usam muita eletricidade ou combustível estão sendo apresentadas ao público, como é o caso dos carros elétricos.

Outro exemplo são os dispositivos que oferecem uma nova fonte de energia, como os painéis solares.

Apesar dos custos de instalação, eles oferecem grandes benefícios na redução de custos com as contas de energia.

Reciclagem

A tecnologia verde ajuda a gerenciar e reciclar o material residual das empresas, de modo que seja reutilizado para fins benéficos.

Desse modo, é possível realizar o correto gerenciamento de resíduos, bem como sua incineração e muito mais.

É uma forma de promover uma nova utilização para muitos materiais, como fertilizantes para plantas, argamassa para esculturas, reutilização em combustíveis e mesmo construção de móveis.

Exemplo de tecnologia verde no Uruguai

Faz cerca de 10 anos que o Uruguai voltou seus esforços para a energia renovável.

Agora, o país atingiu um marco importante: toda a energia do país vem de fontes renováveis.

O esforço veio da união da iniciativa pública e também privada, que juntos investiram pesado no desenvolvimento de energia solar e eólica.

O que é preciso para implementar a tecnologia verde em seu negócio?

Se o seu interesse pela tecnologia verde cresceu durante esse conteúdo, você está na direção certa para um futuro promissor nos negócios e também no compromisso com o meio ambiente.

A grande dúvida é: por onde começar?

Afinal, não há um manual sobre adequação ambiental e nem um padrão que toda empresa deve seguir. Esse é um caminho próprio de cada organização.

Um dos primeiros passos, porém, é investir em tecnologia!

Um sistema de gestão ambiental pode ser a melhor escolha nesse momento.

Ele vai servir de base para sua estratégia de readequação, servindo como centralizador de informações para que sua administração possa controlar todos os indicadores envolvidos, como desperdício de insumos, gastos com energia e muitos outros.

É um verdadeiro potencializador da sua operação e uma ferramenta capaz de fundamentar a filosofia da tecnologia verde em sua empresa.

Conclusão

Este conteúdo serviu de guia definitivo sobre a tecnologia verde, TI Verde e todo esforço de tornar os processos produtivos de empresas de tecnologia mais sustentáveis.

Nele, você aprendeu tudo sobre o conceito, sua importância, os objetivos, o cenário da tecnologia verde no Brasil e no mundo, bem como os motivos para aderir ao movimento.

Agora que você aprendeu tudo, que tal começar a revolução em sua própria empresa?

Os benefícios podem ser incríveis, seja a curto, médio ou longo prazo!

Convidamos você a continuar lendo nosso blog para seguir nessa jornada de conhecimento!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Usamos cookies para fornecer os recursos e serviços oferecidos em nosso site para melhorar a experência do usuário. Ao continuar navegando neste site, você concorda com o uso destes cookies. Leia nossa Política de Cookies para saber mais.