Comunicação de risco: importância e como fazer na empresa

Equipe TOTVS | 24 maio, 2024

Uma comunicação de risco eficaz tornou-se um elemento crucial para o bem-estar e a resiliência das organizações no mundo empresarial contemporâneo. 

A capacidade de identificar, gerenciar e comunicar riscos de maneira proativa é uma faceta vital para garantir a sustentabilidade e o progresso contínuo das empresas. 

Empresários e gestores devem, portanto, compreender a essência dessa comunicação, assim como implementar estratégias adequadas que envolvem desde a detecção precoce até o planejamento de resposta. 

E em sua empresa? Você sabe como apresentar riscos? E qual a definição de SOCO e seu uso na comunicação de risco?

Vamos explicar essas e outras questões a partir de agora!

O que é comunicação de risco?

Comunicação de risco refere-se ao processo sistemático de informar e comunicar os potenciais perigos aos quais uma organização pode estar exposta. 

Tendo a segurança como prioridade, envolve a divulgação de informações sobre a probabilidade de eventos adversos e suas possíveis consequências para o bem-estar dos funcionários, clientes, gestão, e até mesmo para a integridade da marca. 

Qual a importância da comunicação de risco nas organizações?

A implementação de uma comunicação eficaz permite que todos os envolvidos compreendam os riscos atuais e potenciais, o que fortalece as tomadas de decisão com base em dados precisos e análises criteriosas. 

Além disso, a promoção do entendimento claro dos riscos faz com que a empresa não apenas proteja seus recursos, mas também realce seu compromisso com a transparência e a responsabilidade corporativa.

A comunicação de riscos nas organizações é, assim, um componente crítico de gestão empresarial que serve como um alicerce para a segurança operacional e a continuidade dos negócios. 

Ela é importante para:

  • Cumprir regulamentações legais e reduzir passivos;
  • Contribuir para criar um ambiente de trabalho seguro, onde os funcionários estão cientes dos perigos potenciais e sabem como agir em caso de emergência;
  • Potencializar o engajamento e a cultura de prevenção dentro da empresa, o que é determinante para uma gestão resiliente e proativa frente aos desafios do mercado;
  • Reforçar sua reputação e construir confiança, o que é é especialmente relevante em cenários de crise, onde a capacidade de comunicar prontamente e com clareza pode mitigar danos e acelerar a recuperação. 

O que fazer ao identificar um risco?

Ao identificar um risco, é importante seguir um processo estruturado para garantir uma gestão eficaz. Isso envolve:

  1. Documentar o risco identificado, incluindo sua natureza, potenciais impactos, e como foi identificado;
  2. Avaliar e classificar o risco (gravidade e probabilidade) por meio de ferramentas apropriadas para mensurar e priorizar os riscos;
  3. Desenvolver um plano de ação com estratégias para mitigar, transferir, aceitar ou evitar o risco, definindo responsabilidades claras e recursos necessários para a execução do plano;
  4. Comunicar e educar todas as partes interessadas sobre o risco e o plano de ação correspondente;
  5. Implementar o plano e acompanhar sua execução de perto;
  6. Monitorar continuamente o risco e a eficácia das medidas tomadas, ajustando o plano conforme necessário.

E como apresentar riscos?

Leia também: Risco operacional: o que é, tipos e como gerenciar

Como comunicar riscos para os funcionários?

Comunicar riscos para os funcionários requer clareza, concisão e a capacidade de engajar a equipe na cultura da prevenção

É neste contexto que devemos responder à pergunta: qual a definição de SOCO e seu uso na comunicação de risco?

SOCO, sigla para Single Overarching Communication Outcome, é um conceito de comunicação focado em definir um único resultado ou mensagem principal que se quer alcançar em uma campanha ou comunicação específica. 

Na comunicação de risco, o uso do SOCO envolve cristalizar a ideia central ou ação desejada que deve ser transmitida aos stakeholders para garantir clareza, reduzir mal-entendidos e impulsionar uma resposta coordenada e eficaz frente aos riscos identificados.

Além disso, na hora de comunicar riscos para os colaboradores, a empresa deve:

  • Garantir que todas as informações sejam comunicadas de maneira acessível e compreensível;
  • Utilizar múltiplos canais de comunicação, como reuniões, e-mails informativos e treinamentos especializados;
  • Reforçar a importância de seguir os protocolos estabelecidos e fornecer exemplos claros de comportamentos esperados;
  • Realizar uma comunicação bidirecional, que permita que os funcionários façam perguntas e compartilhem preocupações.

Erros que devem ser evitados na comunicação de risco

Aperfeiçoar a comunicação de risco nas organizações é essencial, mas mesmo as empresas  mais diligentes podem cometer erros que comprometem sua efetividade. 

E quais são os equívocos mais comuns que devem ser evitados? Confira:

  • Ignorar feedbacks, pois isso pode levar à desinformação;
  • Subestimar a importância do timing (comunicar um risco muito tarde);
  • Falta de envolvimento de todas as partes que podem ser impactadas pelo risco;
  • Não fornecer contexto suficiente, o que impede o público de perceber a seriedade do risco;
  • Usar linguagem técnica excessiva, que pode confundir a audiência e tornar a informação inacessível;
  • Falta de clareza na mensagem (informações ambíguas ou genéricas), o que pode resultar em má interpretação dos riscos e das ações necessárias.

Para que sua compreensão sobre o tema seja mais prática, que tal aprender algumas dicas para gerenciar um risco muito comum na era da informação? 

Dicas para fazer o gerenciamento de riscos cibernéticos

Os riscos cibernéticos estão em constante evolução, exigindo das organizações uma vigilância incessante e uma gestão robusta. Mas como aprimorar a gestão cibernética de sua empresa?

  • Realize auditorias regulares de segurança: assegure-se de que as defesas estão atualizadas e de que as vulnerabilidades são identificadas e corrigidas;
  • Treine sua equipe: eduque os colaboradores sobre práticas seguras de TI e conscientize-os sobre as maneiras de detectar e evitar ameaças cibernéticas;
  • Desenvolva um plano de resposta a incidentes: esteja preparado para responder rapidamente em caso de uma violação de segurança para minimizar o impacto.

Integrar soluções como o TOTVS Assinatura Eletrônica pode também contribuir significativamente para a segurança de seus processos.

Leia também: Cibersegurança: o que é, tipos, importância e carreira

Aumente a segurança de seus processos com a TOTVS!

Na era digital, a segurança dos processos empresariais é um diferencial competitivo imprescindível. O TOTVS Assinatura Eletrônica surge como a solução ideal para empresas que buscam robustez e confiabilidade em suas assinaturas eletrônicas. 

A assinatura eletrônica pode proteger seus documentos críticos e assegurar a integridade e o sigilo das informações corporativas, por exemplo.

Além disso, a confiabilidade da plataforma ajuda a consolidar a confiança em transações eletrônicas frente a seus parceiros de negócios. 

Conheça o TOTVS Assinatura Eletrônica e eleve a integridade dos seus processos a um novo patamar!

Nova call to action

Conclusão

A comunicação de risco nas organizações é parte integrante da estratégia prudente de qualquer empresa. 

Abraçar práticas eficazes e manter sua equipe informada são passos cruciais para garantir não apenas a segurança mas também a prosperidade do negócio. 

Lembre-se de que comunicar eficientemente e com clareza pode significar a diferença entre uma crise controlada e um desastre de proporções maiores. 

Que tal aprender mais sobre gerenciamento de riscos?

Artigos Relacionados

Deixe aqui seu comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Usamos cookies para fornecer os recursos e serviços oferecidos em nosso site para melhorar a experência do usuário. Ao continuar navegando neste site, você concorda com o uso destes cookies. Leia nossa Política de Cookies para saber mais.