Por que criar uma rotina de manutenção preventiva?

A manutenção preventiva deixou de ser um setor cujo trabalho se resume a “apagar incêndios”. Hoje, o seu desempenho na indústria faz toda a diferença para os resultados da produção. Por isso, é fundamental tornar a manutenção dos equipamentos uma ferramenta que gere valor para os negócios.

Nesse sentido, criar rotinas de manutenção preventiva se tornou uma forte tendência. Nem todo mundo sabe por onde começar ou se vale a pena investir nessa mudança de estratégia. Para tirar dúvidas sobre o tema, explicaremos aqui as vantagens da manutenção preventiva, dando dicas para a implementação.

O parque fabril brasileiro

A indústria brasileira passa por um momento de renovação. As últimas décadas trouxeram diversas inovações tecnológicas — o foco atual, por exemplo, é a digitalização de processos. No entanto, o parque fabril brasileiro não acompanhou de perto essa movimentação e ainda precisa ser atualizado.

A substituição de máquinas e métodos obsoletos por alternativas mais eficientes é uma demanda real. Os clientes querem atendimento personalizado, qualidade nos produtos, agilidade na entrega e preço acessível. Para isso, é fundamental produzir de forma enxuta (lean manufacturing), fazendo muito com poucos recursos.

O Governo Federal lançou projetos para o incentivo à inovação e ao uso de novas tecnologias, como a Internet das Coisas (IoT). Mas não basta adotar equipamentos sofisticados se os processos forem mantidos obsoletos. A manutenção é uma ferramenta indispensável para uma produção saudável.

Vantagens da manutenção preventiva

A manutenção preventiva pode ser compreendida como um sistema de automatização do monitoramento de equipamentos da produção. O objetivo é deixar de lado a atuação corretiva, na qual as ações são responsivas e têm como base a ideia de remediar danos. Na manutenção preventiva, o ideal é antecipar as falhas e evitar que elas aconteçam.

Os benefícios são muitos, a começar pelo aumento da eficiência operacional de toda a organização. Indicadores de desempenho como o Tempo Médio entre Falhas (MTBF) e o Tempo Médio para Reparo (MTTR) tendem a cair — o que significa máquinas funcionando por mais tempo e menor quantidade de quebras.

Outro ponto a ser destacado é a significativa redução de custos que a manutenção preventiva é capaz de promover. Para começar, o impacto das máquinas paradas é reduzido, já que os serviços são agendados para os intervalos de produção. Além disso, a reposição de suprimentos no estoque é mantida dentro do planejamento, ou seja, são menos peças compradas em situação de emergência.

Com a manutenção rodando no ritmo certo, as horas extras também tendem a cair, e a vida útil dos equipamentos e das máquinas é estendida, promovendo melhorias na saúde financeira da companhia.

New call-to-action

Dicas para realizar a manutenção preventiva

1. Conte com fornecedores de confiança

Fornecedores não podem ser simplesmente uma fonte de recursos — eles devem ser parceiros da sua empresa. Por mais eficaz que seja a sua equipe de manutenção de rotina, o atraso na entrega de peças, a variação dos preços e a má qualidade dos materiais podem quebrar totalmente o seu planejamento.

Por isso, encontre fornecedores de confiança, envolva-os nos processos de reposição de estoque e mantenha parcerias saudáveis. Uma boa relação representa o alicerce de uma manutenção preventiva eficiente.

2. Crie checklists

Cada empresa tem o seu foco de produção e, consequentemente, as suas demandas para a manutenção (mecânica, elétrica, de lubrificação, segurança, etc). Evitar que o serviço se baseie no feeling dos técnicos é algo que depende de planejamento.

Então, comece estabelecendo um checklist de manutenção — ou seja, lista de checagem dos itens a serem verificados nas inspeções. O controle desses documentos ditará o ritmo do trabalho no setor.

3. Elabore cronogramas e mapeie processos

Tão importante quanto os checklists são os cronogramas de manutenção. Afinal, não basta saber o que deve ser checado — é essencial definir prazos e reavaliar cada equipamento periodicamente. Desse modo, todas as linhas são mantidas dentro de um ciclo de inspeção monitorado.

Por mais experientes que os responsáveis sejam pelas inspeções, é importante garantir um nível padronizado de qualidade. Para tanto, faça um mapeamento de processos para cada checklist: defina cada item a ser verificado e crie documentos que detalham de que forma deve ser feita essa checagem.

Conte com um ERP na manutenção preventiva

A tecnologia é um diferencial que não pode ser ignorado. Na manutenção, o volume de informações a serem gerenciadas é grande demais para ser sustentado por documentos impressos ou planilhas. O papel do ERP é justamente centralizar esses dados, otimizando tanto a gestão quanto a execução das ordens de serviço.

Além disso, o sistema ERP integra os dados da manutenção com outros setores. Ou seja, o uso das peças será contabilizado pelo estoque e a reposição poderá ser planejada com mais precisão. Portanto, trata-se de uma solução tecnológica que facilita a rotina dos envolvidos com o processo.

Como você pôde ver, a manutenção preventiva já é uma realidade. Coloque a sua empresa no caminho da Indústria 4.0 e invista nessa estratégia que pode elevar o patamar de qualidade da sua produção. Em pouco tempo, os resultados serão evidentes!

Gostou do post? Então continue acompanhando nosso blog para saber mais sobre outros temas que podem ser úteis para sua empresa!

Inovação tecnológica na indústria

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *