Meios de Pagamentos: quais são, tipos, elementos e tendências

Equipe TOTVS | 03 novembro, 2021

À medida que as ferramentas e inovações gerais do mundo digital conectam pessoas a marcas por todos os cantos do globo, mais se discute, avalia e evolui o conceito sobre os meios de pagamentos. Essa transformação tem motivo: conforme o comportamento do consumidor muda, os negócios precisam acompanhá-lo.

Mas esse não é um fato novo. A transformação digital como um todo é um reflexo disso.

Aqui em nosso blog, já mencionamos vários outros exemplos em diferentes mercados: a Indústria 5.0, Inovação Aberta, etc.

Porém, independente do tipo de negócio — mas é claro, com especial atenção ao varejo, tanto físico como on-line — entender os meios de pagamento é uma necessidade.

Afinal, não falamos de um mero canal de pagamento, mas das diferentes maneiras que o seu negócio vai permitir que o cliente realize um pagamento.

Meios de pagamento têm tudo a ver com praticidade, flexibilidade e comportamento.

E o seu negócio, está do lado que oferece diferentes opções para o seu cliente ou do lado que resiste às inovações?

Talvez seja hora de analisar os benefícios de aderir a múltiplos meios de pagamento, não acha?

Mas calma, que o processo não é simplesmente dizer “sim” ou “não”. Como tudo que abordamos, queremos te contextualizar: afinal, o que são meios de pagamento, quais são os diferentes tipos, como funcionam e quais as vantagens?

Essas respostas e muitas outras você confere em nosso guia. Vamos lá?

O que são meios de pagamento?

Os meios de pagamento tratam-se das diferentes maneiras como seus clientes podem pagar por seus produtos ou serviços. O meio de pagamento mais comum é o dinheiro físico, mas hoje existem mais de 200 maneiras distintas de pagar por uma compra.

Por exemplo: é possível comprar em um e-commerce através de diferentes formas de pagamento digital, como por meio de uma carteira digital.

Já em um varejo físico — como por exemplo, a padaria do seu bairro — você provavelmente já consegue realizar pagamentos via PIX, um meio de pagamento instantâneo e digital criado pelo Banco Central.

Agora, e em um festival de música? É difícil (e às vezes até perigoso) levar dinheiro físico e a presença do cartão de débito ou crédito também configura um risco.

Nesses casos, o consumidor pode optar pelo pagamento por aproximação ou via QR Code, com uso de um dispositivo móvel como o smartphone ou smartwatch.

Ou seja, você já entendeu: a lista não para e, a cada dia que passa, parece ficar maior.

Aliás, quando falamos sobre meios de pagamento, é comum procurar entender a relação com o termo “formas de pagamento”. Afinal, são iguais?

Conceitualmente, sim! “Meios” e “formas” são sinônimos (que inclusive vamos utilizar ao longo deste guia).

A diferença entre termos existe quando analisamos “modalidades de pagamento“. Neste caso, falamos de pagamentos à vista, à prazo e recorrentes.

Quais são os tipos de meios de pagamentos?

É impossível listar todos os tipos de pagamento e se manter atualizado com o que, diariamente, surgem no mercado. No entanto, é possível apontar os principais — dos mais tradicionais aos mais inovadores!

Separamos uma lista completa para você conferir.

Se o seu negócio não utiliza algum deles, recomendamos avaliar de maneira mais aprofundada o encaixe dessa forma de pagamento em suas operações, bem como a aceitação em meio ao seu público-alvo.

Vamos lá?

Pix

O PIX é um meio de pagamento extremamente novo: inaugurado no fim de 2020, foi criado pelo Banco Central com intuito de ser uma forma instantânea de realizar transações financeiras.

Nesse caso, é um meio super flexível de realizar pagamentos e demais operações financeiras.

Inclusive, o PIX para empresas é cada vez mais adotado por negócios que visam facilitar o cumprimento das contas a pagar e a receber.

No PIX, a transação ocorre em alguns segundos e é necessário apenas que ambas as partes possuam uma conta em um banco licenciado para o PIX.

A transferência pode ser realizada por meio do app da instituição, utilizando uma chave (e-mail, CPF, CNPJ ou código gerado aleatoriamente) ou QR Code (apontando a câmera do seu smartphone).

QR Code

O QR Code é um código bidimensional que, quando escaneado por um dispositivo móvel, encaminha o usuário para um link, ligação telefônica, conversa de aplicativo ou mesmo para pagamentos.

Como mencionamos, é uma das alternativas de uso do PIX: apontar a câmera do seu celular para o QR Code da loja e realizar o pagamento pelo app, de maneira instantânea.

Hoje, praticamente todos os dispositivos móveis possuem câmeras capazes de ler um QR Code, então pode-se dizer que é um meio de pagamento bem democrático e acessível.

Boleto

O boleto bancário é um dos meios de pagamento mais utilizados por conta da sua praticidade e, principalmente, da acessibilidade.

Com o boleto, o cliente não necessita ter uma conta no banco: basta realizar o pagamento em uma lotérica ou agência bancária (muito embora seja perfeitamente possível pagar via app ou Internet Banking).

Aqui, vale um adendo importante: para um negócio, emitir boletos é excelente do ponto de vista de expansão da marca, mas ele possui alguns custos.

Por exemplo, para realizar a emissão, normalmente o banco cobra uma pequena taxa.

Além disso, existe toda dinâmica de conciliação bancária resultante da sua emissão, bem como uso de ferramentas mais específicas, tal qual o CNAB.

Cartão de débito e crédito

Um dos meios de pagamento mais queridinhos dos consumidores brasileiros (sejam PF ou PJ), os cartões de débito e crédito são versáteis para realizar pagamentos à vista ou a prazo.

Os cartões fazem parte da rotina das pessoas — tanto que são utilizados também para alguns benefícios trabalhistas, como o Vale Refeição e Alimentação.

Seu uso é super intuitivo e fácil — e, no quesito segurança, cada vez mais as operadoras aumentam suas barreiras de proteção aos dados e à integridade financeira dos clientes.

Além disso, alguns bancos oferecem a possibilidade do cliente emitir um “cartão virtual” via aplicativo ou Internet Banking.

Trata-se de uma versão digital do cartão do cliente — com dados diferentes, como número e código — que substitui o cartão convencional.

É uma excelente maneira de evitar golpes em transações on-line.

Débito automático 

O débito automático é um meio de pagamento também extremamente prático e muito utilizado no Brasil.

Nesse caso, a conta é programada para ser lançada em sua conta em determinado dia do mês, debitando automaticamente o valor do saldo já disponível na conta.

Transferência 

Por muito tempo, no Brasil, a transferência de dinheiro entre contas e bancos aconteceu de duas formas: com o TED ou DOC. Lembra deles?

O TED é a Transferência Eletrônica Disponível e possui alguns limites, como o horário.

Em qualquer TED efetuado após as 17h de um dia, o valor só vai cair na conta de destino no próximo dia útil. Porém, desde 2016, não possui valor mínimo.

Já o DOC é o Documento de Crédito e sua diferença para o TED é que, independente da hora que for realizado, o valor só cai na conta de destino no dia útil seguinte.

Hoje, existe um limite máximo de R$ 4.999,99 para transferências via DOC.

Além disso, ambos costumam ter taxas atreladas, custando de R$10,00 a R$22,00 nos principais bancos além do valor transacionado.

Hoje em dia, é possível considerar o PIX como uma maneira eficaz e gratuita de transferência, bem como boletos bancários.

Cheques

O cheque é, basicamente, um título de crédito. Trata-se de uma ordem de pagamento que uma pessoa emite em nome de um terceiro (seja empresa ou pessoa física), para que seja descontado de seus fundos em uma instituição bancária.

Para pagar com um cheque, a pessoa ou empresa necessitava de um talão de cheques físicos emitido pelo banco onde possui conta.

Note que falamos no passado.

É que, apesar de ainda não ser extinto, o cheque é um meio de pagamento há muito deixado de lado por boa parte das pessoas e empresas.

Links de pagamento

O link de pagamento não é um meio de pagamento em si, apenas uma forma de conectar o cliente à forma preferida.

Consiste no seguinte: digamos que você esteja cobrando via WhatsApp um cliente por um valor de uma compra que ele fechou, mas ainda não pagou.

Basta, então, gerar um link de pagamento para enviar junto com sua mensagem.

Quando o cliente clicar no link, ele será redirecionado para uma página com os diferentes meios de pagamento que sua empresa possui.

Nesse caso, como falamos do ambiente digital, a página pode emitir um QR Code para PIX, um botão para gerar um boleto ou a opção de parcelar em X vezes no cartão de crédito!

Elementos importantes nos meios de pagamentos

Quando falamos de meios de pagamento, como PIX, crédito, débito, pagamento por aproximação, nos referimos a um amplo ecossistema de players que compõem o simples processo de faturar um pedido ou fechar uma compra no ponto de venda.

Quando você paga no dinheiro físico, por exemplo, existem mais elementos além da sua empresa e da carteira do cliente, como o banco e a entidade emissora do dinheiro.

Porém, quando falamos de pagamentos com cartão ou em canais digitais, existem vários elementos relacionados ao ato de realizar um pagamento. Que tal descobrir quais?

Bandeiras

Quando um cartão é utilizado, a sua bandeira é a responsável por operacionalizar e servir de ponte entre o estabelecimento onde a compra é realizada e a operadora do cartão.

São as bandeiras que determinam como um cartão pode ser utilizado, o sistema e a tecnologia por trás de seu funcionamento.

As principais bandeiras do mercado brasileiro são a Mastercard, Visa, Hipercard, Elo e American Express.

Adquirente ou Credenciadora

São empresas que fazem a ponte entre o estabelecimento, as bandeiras (Visa, Mastercard, Elo, etc.) e os emissores de cartão.

É a etapa da transação responsável pela liquidação da operação.

Gateway 

O gateway de pagamento é a tecnologia de criptografia responsável por trafegar os dados de um cartão entre o estabelecimento e o adquirente. Ou seja, é envolvido na etapa de análise do pagamento.

Emissor 

É a instituição responsável pela emissão do cartão de crédito ou débito. Normalmente, são os bancos que o fazem.

Na etapa do pagamento, o emissor é quem recebe o pedido realizado pelo comprador ao estabelecimento, pelo adquirente, e é responsável por aprovar ou não a transação de acordo com suas políticas de limite da conta bancária.

Facilitador, subadquirente ou subcredenciador

O facilitador ou subadquirente são alternativas aos adquirentes ou mesmo bancos, substituindo-as no processo de aprovação de pagamentos.

É normalmente aplicada no ecossistema por meio de API, como um recurso terceirizado.

Um exemplo é o PayPal.

Há prós e contras em relação ao uso de subadquirentes, uma vez que reduzem burocracias, mas podem reprovar mais pedidos de pagamento por sair do padrão das transações efetuadas.

Portador

É o portador e titular do cartão, que realiza a compra no estabelecimento e dá início ao funcionamento de todo esse ecossistema que descrevemos.

Quais são os meios de pagamentos mais usados no Brasil?

Hoje, no Brasil, de acordo com levantamento da Distrito, os meios de pagamento mais utilizados são:

  • Dinheiro físico;
  • Cartão de débito;
  • Cartão de crédito;
  • Débito automático;
  • Transferência bancária.

No entanto, o cartão já supera o dinheiro físico em volume movimentado, com cerca de 41,5% do total da quantia transacionada em todo Brasil.

Afinal, qual é o melhor meio de pagamento? 

O melhor meio de pagamento para o seu negócio vai depender do tipo de solução que você vende. É claro que diversificar é uma boa estratégia hoje em dia, mas procure atender as necessidades do seu cliente.

Ou seja, qual o seu modelo de negócio e quais meios de pagamento seu cliente precisa para pagar pelas compras com maior comodidade possível?

Lembre-se que, além de uma questão financeira, investir em diferentes meios de pagamento é também uma forma de favorecer a experiência do cliente.

Ou seja, a comodidade, flexibilidade, acessibilidade.

Porém, não se engane: a questão financeira também entra nessa equação.

Ao analisar os meios de pagamento, procure entender quais taxas são cobradas por transação, quais as tecnologias antifraude são utilizadas, quantas bandeiras são aceitas ou, no caso dos boletos, qual o valor pela emissão desse documento.

Porém, acima de tudo, procure entender as necessidades do seu cliente.

Por exemplo, um varejista com uma operação composta de várias lojas vai certamente necessitar de um caixa para receber dinheiro físico.

Além disso, pensar em inovações como o pagamento por aproximação, também é super válido.

Porém, são meios que um e-commerce não vai necessitar.

Muitas vezes, ele terá que negociar tanto com um adquirente, como um subadquirente (no caso do PayPal para vendas internacionais, por exemplo), entre outros.

Por exemplo, de acordo com dados da Future Pay, cerca de 16% dos consumidores abandonam o carrinho se o meio de pagamento de sua preferência não estiver disponível.

Ou seja, não se trata de abraçar todas as formas de pagamento, mas trazer as opções certas para potencializar as chances de conversão.

Quais são as tendências de meios de pagamentos para os próximos anos?

Com a transformação digital, é natural que as principais tendências no campo dos meios de pagamento tenham relação com os canais digitais e nas formas inovadoras de concretizar uma operação financeira.

Ainda de acordo com o estudo do Distrito já mencionado, existem algumas tendências que lojistas e empresários devem ficar de olho. A principal é o contactless payment, ou seja, o pagamento sem contato.

Apenas na Europa, já representava cerca de 40% das transações — isso em uma realidade pré-pandemia!

Outro estudo, desta vez conduzido pela Global Payments, observou que 63% dos consumidores irão favorecer negócios com opção de pagamento sem contato.

E claro, não há como não mencionar o impacto da pandemia nos meios de pagamento.

Inclusive, em relação ao omnichannel, estratégia que muitas empresas passaram a adotar em um cenário de isolamento social — afinal, foi preciso maximizar os pontos de contato com o cliente, de modo a não perder sua receita.

Uma das soluções que se destacam, por exemplo, é o QR Code.

De acordo com a Juniper Research, os pagamentos com QR Code serão os mais utilizados pelos próximos cinco anos, responsável por 27% de todas as transações do e-commerce até 2024.

O uso de softwares como facilitador dos meios de pagamento  

E agora, na prática, como oferecer os principais e mais convenientes meios de pagamento em seu negócio, facilitando a conversão de clientes?

O uso de um software facilitador pode ajudar!

Trata-se de uma solução que unifica a gestão de formas de pagamentos, como carteiras digitais e PIX, reduzindo a burocracia e simplificando o recebimento do seu dinheiro.

Além disso, você pode aproveitar as funcionalidades de um sistema de gestão completo para realizar a conciliação de cartões, simplificando o controle do fluxo de caixa e mantendo a estabilidade da sua saúde financeira.

Outro ponto de um software facilitador é saber como equilibrar a agilidade nos recebimentos com a segurança dos dados em cada transação — especialmente no que diz respeito aos pagamentos digitais.

Como garantir máxima proteção e eficiência na realização dos pagamentos digitais?

É preciso optar por uma solução com arquitetura robusta e capaz de oferecer tudo que sua empresa busca, sem esquecer de pontos-críticos, como redução de custos administrativos e mais rapidez para liquidar pagamentos em diferentes canais, como o PIX.

Quais são as vantagens de investir em um sistema para meios de pagamento?

Na prática, contar com um sistema facilitador de meios de pagamento traz diversos benefícios ao dia a dia do negócio. Que tal conferir os principais?

Rapidez nas transações

Um software completo pode tornar as transações mais rápidas. Isso significa que cada pagamento pode ser confirmado em tempo real, em questão de poucos segundos, agilizando o fechamento de vendas.

É um ganho e tanto para todos os tipos de negócio, especialmente varejos que visam otimizar sua gestão de filas.

Além disso, maior rapidez nas transações significa maior liquidez para o negócio, permitindo mais flexibilidade no planejamento financeiro e na realização de investimentos.

Segurança 

Com um software facilitador de meios de pagamento, seu negócio aprimora o nível de segurança por trás das transações.

Por exemplo, para receber um pagamento via PIX, o software deve ser capaz de gerar um QR Code para cada transação.

Assim, você evita que o cliente caia em fraudes e aumenta a segurança das operações.

Disponibilidade 24 horas

Nos negócios de hoje, disponibilidade é essencial. Você não pode investir em um sistema limitado, que não esteja em sintonia com o seu próprio negócio.

Por isso, colocar seu dinheiro em um software com disponibilidade de 24 horas, permitindo que você execute e receba pagamentos a qualquer momento da semana, é essencial!

Redução de custos operacionais 

Além de tudo, um sistema facilitador de meios de pagamento deve contribuir para sua saúde financeira.

Muito além de gerenciar as formas de pagamento, é necessário escolher uma solução de redução de custos operacionais, com planos que sejam acessíveis e taxas administrativas menores do que soluções convencionais do mercado.

Fácil integração a outros sistemas 

Por fim, nenhum negócio hoje sobrevive sem um robusto stack de ferramentas e sistemas. Não é exagero falar que a gestão de uma empresa de sucesso hoje depende de um ecossistema de softwares.

Seu sistema facilitador de meios de pagamento deve, portanto, ser compatível e facilmente integrado a elas, unificando o controle de indicadores financeiros.

TOTVS Pagamento Digital

Que tal contar com o TOTVS Pagamento Digital para simplificar a gestão dos meios de pagamento digital em sua empresa, solucionando um problema com uma solução que lhe entrega vários recursos?

Todos esses benefícios que citamos acima, você ganha ao investir no TOTVS Pagamento Digital, um sistema TOTVS Techfin, braço de serviços financeiros da maior empresa de tecnologia do Brasil.

Com o TOTVS Pagamento Digital, você gerencia as transações via PIX de forma unificada, bem como os diferentes pagamentos via carteira digital. Tudo isso com integração completa à família de produtos TOTVS Varejo — a integração a outras linhas em breve será anunciada.

Com o TOTVS Pagamento Digital, seus clientes podem pagar por seus pedidos via PIX ou carteiras digitais e o dinheiro cai na hora!

Que tal aproveitar esses benefícios? Conheça mais sobre o TOTVS Pagamento Digital!

Conclusão 

Não há como diminuir a importância dos novos meios de pagamento no cenário corporativo atual — seja no varejo ou indústria, B2B ou B2C.

Neste guia, mergulhamos no tema para entender o que é, qual a importância, qual o cenário e quais as tendências por trás dos meios de pagamento atuais e futuros.

Além disso, apresentamos o TOTVS Pagamento Digital, uma ferramenta capaz de simplificar a gestão das transações via PIX e carteira digital.

Nova call to action

Antes de finalizar o conteúdo, queremos fazer um convite: assine nossa newsletter e receba, em seu inbox, outros conteúdos e guias completos como esse!

Artigos Relacionados

Deixe aqui seu comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Usamos cookies para fornecer os recursos e serviços oferecidos em nosso site para melhorar a experência do usuário. Ao continuar navegando neste site, você concorda com o uso destes cookies. Leia nossa Política de Cookies para saber mais.