Pagamento por aproximação: tudo sobre o sistema

Equipe TOTVS | 15 julho, 2021

O pagamento por aproximação deixou de ser apenas uma tendência, mas uma exigência dos consumidores modernos. Em seu negócio, esse tipo de pagamento já foi implementado? Se a resposta for não, é melhor começar a considerar a ideia.

Para fomentar o mercado com soluções flexíveis, bancos, techfins e fintechs alcançaram um marco em serviços financeiros: o pagamento por aproximação.

Sem a necessidade de inserir o cartão na maquininha, digitar sua senha e passar por outras etapas de confirmação, o ato de pagar agora não teria atritos.

Podendo ser realizada tanto com um cartão de crédito, como sem ele!

Aos poucos, os negócios começaram a se adaptar à tecnologia. No entanto, com a pandemia de Covid-19 em 2020, tudo mudou.

E o pagamento por aproximação virou uma necessidade para negócios de todos os tipos.

Essa tecnologia, além de flexível, é sinônimo de segurança financeira e também higiênica para o lojista e para o consumidor.

Neste guia completo, você vai descobrir tudo sobre essa modalidade de pagamento: o que é, como funciona, sua adesão no Brasil, as vantagens e os sistemas que facilitam sua implantação.

O que é o pagamento por aproximação?

O pagamento por aproximação é uma modalidade que permite que as compras sejam feitas sem tocar em um dispositivo externo, seja uma maquininha ou seu dinheiro.

Assim como seu nome em inglês, “contactless payment“, o pagamento por aproximação evita que o consumidor tenha que tocar em um teclado de maquininha, entregar fisicamente seu cartão de crédito ou mesmo seu dinheiro físico.

Um dos grandes diferenciais do pagamento por aproximação é que ele é flexível em sua forma de ser realizado.

Ou seja, pode ser efetuado de várias maneiras, e todas elas têm a ver com a tecnologia sem contato NFC (Near Field Communication), ou RFID (falaremos de ambos daqui a pouco).

De acordo com um estudo da Visa, se todos os fatores fossem iguais (preço, seleção de produtos e localização), cerca de 63% dos consumidores trocariam de empresa preferencial por ela possuir a opção de pagamento por aproximação.

No caso dos tipos de pagamento por aproximação, temos:

  • Com cartão: aproximando seu cartão de crédito ou débito da maquininha com tecnologia sem contato (NFT);
  • Com celular ou wearables: aproximando seu smartphone ou smartwatch da maquininha, realizando o pagamento com sua carteira digital;
  • Com pulseira: ao aproximar uma pulseira específica para pagamento por aproximação da maquininha.

Existem ainda outras maneiras de realizar o pagamento por aproximação, como chaveiros e mesmo adesivos!

O método, nos Estados Unidos e em outros países, é conhecido também como “tap-to-pay” ou “toque para pagar”, em referência à praticidade desse meio.

Certamente, é uma tecnologia inovadora que apenas agora começa a ser explorada e amplamente difundida.

No campo do pagamento por aproximação, existem incontáveis oportunidades, que cada vez mais ajudam empreendedores a melhorarem a experiência do cliente.

Quando surgiu o pagamento por aproximação?

O nascimento e boom inicial dos pagamentos por aproximação (ou melhor, a tecnologia que possibilitou-os) aconteceu na década de 1990.

O primeiro exemplar foi o UPass, lançado na Coreia do Sul, pela Seoul Bus Transportation Association. Era um cartão para que os passageiros pudessem pagar mais rapidamente por viagens de ônibus.

Já em 1997, foi a vez do Speedpass, criado pela Mobil. Era um chaveiro que possibilitava aos motoristas o pagamento por aproximação de gasolina de seus carros.

E em 2001, outros grandes nomes começaram a se interessar pela tecnologia.

Um deles, e mais notoriamente, foi o McDonalds, que lançou a plataforma de pagamentos móveis FreedomPay.

O funcionamento era semelhante ao Speedpass: os consumidores aproximavam um chaveiro em frente à caixa registradora para pagar pelos lanches que comprassem na rede de fast-food.

Hoje, a tecnologia é um sucesso e uma necessidade.

Só em 2020 no Reino Unido, por exemplo, 9 de 10 pagamentos com cartões foram contactless.

Um dado impressionante que a Computer Weekly divulgou.

Os Estados Unidos também experimentaram movimentos semelhantes.

De acordo com um relatório da eMarketer, o uso de métodos de pagamentos móveis dentro das lojas cresceu 29% em 2020 no comércio americano.

A adesão do pagamento por aproximação no Brasil

No Brasil, o pagamento por aproximação já é uma realidade e cada vez mais cresce em aderência. Em meio à pandemia, por exemplo, houve alta de 374% no uso do contactless payment, via tecnologia NFC.

Os dados são da Abecs, associação que representa o setor de cartões no Brasil, mas foram divulgados em matéria da Valor Investe.

Ao todo, o pagamento sem contato foi realizado incríveis 587 milhões de vezes em 2020, em transações no mercado brasileiro.

O total movimentado chegou à soma de R$ 41 bilhões, um crescimento de 470% em relação a 2019.

Ainda segundo o Valor Investe, cerca de 88% dos consumidores brasileiros responderam, no início da pandemia, que achavam o pagamento por aproximação mais conveniente do que utilizar dinheiro vivo.

Além disso, 75% deles responderam que, após utilizar a primeira vez a tecnologia NFC e o contactless payment, decidiram incorporar em seus hábitos de pagamento.

Nova call to action

Como funciona o pagamento por aproximação?

Apesar de simples, o mundo do pagamento por aproximação conta com diferentes tecnologias que possibilitam sua realização. De uma vez, podemos citar NFC, RFID e MST.

Mas qual a diferença e a relação entre elas? Bom, calma que vamos explicar.

Hoje, pode-se dizer que a tecnologia por trás do pagamento por aproximação é uma combinação de dois métodos: o NFC e o RFID.

NFC significa Near Field Communication (Comunicação de Campo Próximo) e RFID é Radio Frequency Identification Technology (Identificação por Radiofrequência).

Explicar a relação de ambas pode ser um tanto técnico demais, mas vale resumir deste modo:

As duas tecnologias pertencem à mesma família. O NFC é considerado um subconjunto do RFID.

Mas vamos para o funcionamento:

Basicamente, um cartão de crédito habilitado para NFC emite dados de pagamento por meio de frequências RFID quando está próximo de uma maquininha ou terminal de vendas.

O RFID funciona com um chip localizado dentro do cartão, que emite ondas de rádio com informações financeiras.

Já as maquininhas e demais terminais são como “leitores”, que decodificam a mensagem passada pelo cartão ou outros dispositivos.

Já o MST tem uma dinâmica de funcionamento diferente, mas conceitos semelhantes ao NFC. São mais aplicados em dispositivos móveis Samsung habilitados para pagamentos por aproximação.

MST significa Magnetic Secure Transmission (Transmissão Magnética Segura).

Cada transação gera sinais magnéticos que estabelecem uma conexão entre o dispositivo móvel e a maquininha. É uma ação semelhante ao “passar” de um cartão dentro do próprio terminal de vendas.

Uma das boas notícias é que, normalmente, maquininhas e terminais de vendas habilitados para NFC, aceitam pagamentos via RFID e por MST (que ainda é uma tecnologia mais presente em dispositivos Samsung).

Outro tipo de pagamento por aproximação menos conhecido é o Sound wave-based (ou Sound-signal based), em que o dispositivo móvel emite uma onda sonora que contém dados criptografados de pagamento.

Pagamento com celular

No caso do pagamento por aproximação com celular, acontece uma comunicação unilateral entre dispositivos.

Ao aproximar o smartphone ou smart device do leitor de cartão ou um terminal de pagamento, a própria máquina “lê” as informações do cartão de crédito habilitado para NFC.

Assim, a operação (subtração do saldo ou crédito do saldo) acontece automaticamente.

Normalmente, há um passo adicional de segurança exigido pela própria fabricante do dispositivo.

No caso de iPhones mais novos, por exemplo, o usuário precisa realizar o reconhecimento facial ou de digital antes de iniciar a transação.

Vale lembrar que não são todos os celulares que possuem a função, vai depender da fabricante.

Além disso, nem todas as instituições financeiras possuem essa integração com as carteiras digitais — por isso, muita atenção!

Pagamento com cartão de crédito

Para pagar algo com um cartão de crédito de maneira contactless, basta segurar o cartão próximo a um terminal de pagamento (o leitor RFID).

Automaticamente, ele capta o sinal, se comunica com o cartão e processa o pagamento.

O terminal de pagamento vai dizer se o pagamento foi bem-sucedido ou não.

Dependendo de algumas condições, como limites de pagamento por aproximação, será necessário que o consumidor insira sua senha.

Vale dizer que cartões de crédito ou débito antigo talvez não contem com a tecnologia NFC habilitada. Normalmente, é possível conferir isso no próprio cartão. 

Se ele possui o sinal característico do contactless payment (três barrinhas curvas, semelhante ao do WiFi, mas horizontal), ele é habilitado para pagamento por aproximação.

Pagamento com pulseira 

O pagamento por pulseiras tem uma dinâmica um pouco diferente.

Existem opções de pulseiras para pagamento utilizadas no dia a dia, mas elas estão sendo mais aplicadas em eventos.

É o caso de grandes festivais de música, que utilizam a tecnologia como uma alternativa para o uso nada flexível do cartão ou dinheiro físico.

Nesses casos, normalmente registra-se o cartão de crédito na plataforma da desenvolvedora da pulseira ou no site do evento.

Assim, a fabricante configura uma pulseira específica para a pessoa, que está linkada ao seu cartão.

Seu uso é semelhante aos outros métodos acima: basta aproximar o pulso da maquininha para que a compra seja computada.

No entanto, há diferentes modelos de pulseiras, emitidas por bancos, como a Pulseira Ourocard, do Banco do Brasil.

Quais são as vantagens do pagamento por aproximação?

Existem vários benefícios de aderir ao pagamento por aproximação. Falamos de uma modalidade não apenas prática no mais puro sentido da palavra, mas também segura.

Em comparação com as gerações anteriores de pagamentos, como cartões de créditos, em que era mais simples o acesso aos fraudadores para roubar dados, os pagamentos por aproximação são seguros e protegidos.

A tecnologia que ativa os pagamentos contactless é semelhante à que alimenta os cartões com chip Europay, Mastercard e Visa.

Esses cartões, conhecidos como EMV, são menos vulneráveis a fraudes do que os cartões com a antiga tarja magnética.

A tokenização das carteiras digitais também aumenta a segurança.

Ao tentar fazer um pagamento por aproximação, a pessoa recebe um token único para verificar se é ela mesma quem está fazendo o pagamento.

Depois que a transação for concluída, o token não pode ser usado novamente.

Isso significa que, mesmo que um fraudador acesse seu token, ele não conseguirá clonar as informações.

Além disso, no caso de utilizar uma carteira digital para pagamentos por aproximação, há uma camada adicional de proteção para cada transação.

Essas carteiras têm uma etapa extra para verificar sua solicitação com uma senha, impressão digital, senha PIN ou reconhecimento facial antes de processar o pagamento.

Praticidade e comodidade

A conveniência e comodidade é provavelmente a maior vantagem de fazer pagamentos por aproximação.

Os usuários podem interagir com a ajuda de seus telefones, tablets e outros acessórios, como relógios e pulseiras.

O processo de pagamento é ainda mais rápido, pois o cliente não precisa remover o cartão de sua carteira e a transação pode ser realizada diretamente.

O pagamento por aproximação torna o processo mais fácil e conveniente do que nunca.

Ao utilizá-los em seu negócio, o empreendedor oferece mais facilidade e simplicidade, algo difícil de superar por outros meios de pagamento.

Consequentemente, isso melhora a experiência do cliente e permite que você atenda a mais consumidores do que seria possível.

Para o cliente, não há necessidade de se ocupar em pegar o cartão ou dinheiro da carteira, inserir na maquininha, digitar a senha e receber o recibo.

Tudo é feito de maneira móvel, ágil e rápida.

Assim, você oferece maior comodidade para o consumidor e maior praticidade também para os seus funcionários do ponto de vendas.

Redução das filas de espera

Aqui vai um benefício do pagamento por aproximação que ainda não nos aprofundamos: a rapidez do processo.

Com o contactless payment, é comum que as transações sejam efetuadas em questão de poucos segundos.

Assim, você reduz as filas nos caixas de atendimento, melhorando o fluxo de vendas.

Com tamanhos benefícios, você não apenas oferece uma melhor experiência do cliente, mas aumenta suas chances de converter leads em clientes pagantes!

Oferecer a seus clientes que paguem conforme sua conveniência, seja qual for o modo que eles considerem mais adequado, é provavelmente a maneira mais rápida de converter leads.

Rapidez

Tudo isso culmina em processos muito mais rápidos, especialmente na frente de caixa: a etapa mais importante na cadeia de suprimentos de um produto, quando o cliente realmente efetua a compra.

Ao oferecer uma experiência aperfeiçoada, rápida e flexível, você contribui não apenas para que o cliente tenha uma visão diferenciada do seu negócio.

Na verdade, você incorpora elementos ao customer experience que impactam na decisão de compra do consumidor.

Assim, o manuseio de dinheiro não é uma preocupação no check-out. O cliente não precisa parar para digitar sua senha e se preocupar em escondê-la.

Do ponto de vista da empresa e do cliente, todo o processo é fácil e rápido, economizando um tempo precioso para ambas as partes.

Desse modo, sem atritos, o cliente efetua a transação não apenas mais rapidamente, mas de maneira mais simples.

O sistema de pagamento por aproximação é seguro?

Não há dúvidas que o pagamento por aproximação cresceu em preferência nos últimos tempos.

Um dos motivos para isso é justamente por serem considerados uma forma mais segura de pagar.

Isso corresponde tanto a uma segurança financeira, quanto relacionada à saúde.

Com apenas uma pessoa lidando com o método de pagamento (smartphone, pulseira ou cartão contactless), evita-se o contato humano comumente envolvido na troca de dinheiro ou na entrega de um cartão de débito ou crédito normal ao caixa.

Ou seja, há um acréscimo na proteção contra doenças transmissíveis, como o Covid-19.

No entanto, não podemos esquecer da segurança financeira.

Uma preocupação comum é que fraudadores possam usar leitores de cartão NFC para roubar dados eletronicamente, chegando fisicamente perto da carteira de alguém.

No entanto, qualquer hacker precisaria estar extremamente perto (de 4 a 10 centímetros) e, graças à tokenização, ele ainda não seria capaz de roubar os dados do seu cartão.

É que, como explicamos, para que o contactless payment funcione, um token único é gerado a cada transação.

Esse token serve para registrar a operação, mas não os dados do cartão ou conta da pessoa.

Ou seja, para um fraudador, o token não tem serventia alguma.

Trata-se de uma camada adicional de proteção semelhante ao do sistema utilizado ao inserir o cartão na maquininha.

No entanto, com o pagamento por aproximação, o tempo do processo é muito menor.

E claro, vale relembrar das etapas de verificação que as carteiras digitais exigem, como reconhecimento facial, de impressão digital ou uso de uma senha no smartphone ou device.

Na verdade, existem muito poucas limitações associadas ao pagamento por aproximação.

Quais são os principais desafios do pagamento por aproximação?

Outro ponto que vale a pena mencionar é que, cada vez mais, soluções de pagamento por aproximação serão necessárias para experiências omnichannel.

Pensando ainda na evolução do conceito, a policanalidade, se torna tão importante quanto: neste cenário, a empresa integra os canais de vendas com os de pagamentos, como PIX, pagamentos móveis e pagamentos digitais.

Um exemplo é o QR Code que, apesar de não ser tecnicamente um meio por aproximação, é um pagamento móvel que se populariza cada vez mais.

No entanto, ainda falando sobre o PIX, ele pode ser considerado um tipo de pagamento por aproximação quando pensamos no PDV.

Afinal, já existem maquininhas compatíveis com o PIX para empresas.

Assim, apenas é necessário que o atendente escolha o método de pagamento como PIX, que um QR Code será gerado e o cliente poderá utilizá-lo, apontando a câmera do celular para o código.

Trata-se de uma solução que cada vez mais ganha espaço no futuro.

Falando nisso, vale ainda mencionar o papel que o pagamento por aproximação pode ter na continuidade do negócio.

Embora a segurança tenha sido o principal fator na adoção de pagamentos contactless em 2020, a conveniência e a simplicidade serão a razão para uma maior penetração no mercado em 2021.

Em escala global, num estudo conduzido pela Mastercard, identificou-se que quase metade das pessoas já trocou seus cartões convencionais por aqueles habilitados para pagamento por aproximação.

Esse é um movimento contínuo e crescente.

E as empresas que o adotam hoje, estarão tomando uma ação assertiva para ganhar a aceitação de mais clientes no futuro, encontrando um bom caminho para o crescimento.

Como aderir ao pagamento por aproximação em seu negócio?

Felizmente, aderir ao pagamento por aproximação não é um grande desafio para as empresas.

Basta solicitar à empresa preferida o modelo desejado — existem algumas no mercado brasileiro que desenvolvem terminais de pagamentos habilitados para NFC.

Vale dizer que é necessário ficar atento às condições do negócio: as taxas fixas e variáveis, se conta com um bom pacote de dados (no caso de um delivery de comida, por exemplo), se aceita várias bandeiras de cartões, etc.

É preciso fazer o cadastro da conta comercial no terminal de pagamentos, para que todas as entradas vão para o mesmo destino.

Após algumas burocracias, que podem variar de fabricante para fabricante, você já tem em mãos uma maquininha que aceita pagamento por aproximação!

TOTVS TEF Cloud

Agora, como gerenciar todos esses pagamentos? A conciliação de cartões é uma etapa muito importante da gestão financeira.

Ao aderir a uma tecnologia de pagamento por aproximação, você facilita para o cliente, mas lembre-se que ainda é preciso administrar as entradas por cartão, dividindo por bandeira e adquirente.

O TOTVS TEF Cloud é uma tecnologia integrada ao PDV do seu negócio  que coloca ordem na gestão financeira do seu ponto de venda, funcionando como um terminal de pagamentos simplificado.

A ferramenta torna mais seguro e prático o controle da entrada de pagamentos, facilitando a conciliação de cartões e integrando dados com a gestão de PDV de maneira automática.

O TOTVS TEF Cloud é integrado aos sistemas de  PDV da TOTVS e roda 100% na nuvem, possibilitando sua instalação em um terminal de computador e um pinpad com conexão à internet.

A solução TOTVS TEF Cloud integra seus meios de pagamento à gestão do seu ponto de vendas. Assim, torna mais transparente seu controle financeiro, permitindo que se trabalhe com múltiplos adquirentes e bandeiras.

Que tal começar a revolução com pagamento por aproximação em sua loja com ajuda do TOTVS TEF Cloud? Confira!

Nova call to action

Conclusão

Após ler este conteúdo, você aprendeu que uma coisa é certa: o pagamento por aproximação chegou para ficar.

Entender o que é, sua situação no Brasil e no mundo, como funciona em suas múltiplas variáveis, quais as vantagens e como implementá-lo em seu negócio torna-se, portanto, algo essencial.

Felizmente, após mergulhar neste guia completo, você aprendeu tudo isso.

Além disso, pôde conferir que não apenas necessita de um terminal de pagamento adequado, mas da tecnologia que lhe ajude a gerenciar as entradas, facilitando a conciliação de cartões.

Para isso, você descobriu todo potencial do TOTVS TEF Cloud!

E agora, que tal assinar nossa newsletter para receber em seu inbox os conteúdos da TOTVS, do assunto que você quer ler? Não perca a oportunidade!

Artigos Relacionados

Deixe aqui seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Usamos cookies para fornecer os recursos e serviços oferecidos em nosso site para melhorar a experência do usuário. Ao continuar navegando neste site, você concorda com o uso destes cookies. Leia nossa Política de Cookies para saber mais.