jornada digital

Sua empresa já começou a jornada digital no cenário fiscal?

Equipe TOTVS | ERP | 18 janeiro, 2019

O Brasil ainda é um dos países em que mais se gasta tempo resolvendo burocracias fiscais. Segundo o Banco Mundial, as empresas brasileiras passam cerca de 1958 horas por ano apenas realizando as atividades referentes ao imposto de renda, ao imposto sobre o valor agregado e às contribuições de previdência social — o que impacta diretamente a facilidade de fazer negócios no país.

Para tentar otimizar o dia a dia tanto das empresas quanto do fisco, o governo brasileiro tem lançado algumas iniciativas para digitalizar as operações e tornar o envio de informações fiscais mais rápido. Além disso, já existem tecnologias que podem ajudar os seus funcionários a ter maior controle sobre os dados das organizações.

A sua empresa está preparada para a jornada digital no cenário fiscal? Os especialistas da TOTVS, Mauro Testoni e Luciana Freitas, explicam neste conteúdo um pouco mais sobre a importância e o impacto dessas inovações na área. Confira!

O cenário fiscal brasileiro

Atualmente, além da legislação fiscal federal, há uma série de leis e normas regidas pelos estados e municípios que são alteradas ou complementadas diariamente. “É quase uma guerra da arrecadação entre cada esfera. Esse cenário dificulta a adequação das empresas a tantas exigências diferentes e que, muitas vezes, até se contradizem” explica Mauro Testoni, Gerente Executivo da plataforma Protheus.

Segundo pesquisa do Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT), são editadas, diariamente, cerca de 31 normas tributárias. Com esse quadro, os setores fiscais das empresas são prejudicados: os funcionários precisam não apenas entender sobre cada norma e a aplicação, como também acompanhar cada uma das alterações.

Esse processo demanda uma equipe grande e gera um custo muito alto para as empresas, tanto para manter os colaboradores quanto para arcar com possíveis multas provenientes do não cumprimento das regras estabelecidas. De acordo com o IBPT, as empresas gastam, em média, R$ 65 bilhões por ano para manter toda uma estrutura que possa acompanhar a legislação.

INFOGRÁFICO GRÁTIS: 6 Dicas Para Atender ao SPED

 

Os benefícios das novas tecnologias

De forma gradual, o governo brasileiro e as secretarias de Fazenda estaduais e municipais têm desenvolvido novas soluções digitais para facilitar a comunicação com as empresas. “Softwares como o Harpia, da Receita Federal, cruzam informações entre todas as obrigações acessórias, permitindo a auditoria e o cruzamento de todos os dados de pessoas físicas com pessoas jurídicas”, conta Luciana Freitas, Consultora Tributária da TOTVS.

O Sistema Público de Escrituração Digital (SPED) é uma das iniciativas de digitalização de processos implantada pelo governo desde 2007, em que devem ser registrados os documentos contábeis, fiscais e a Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) — todos protegidos por um certificado digital.

O SPED conta com diversos módulos, cada um voltado para o cumprimento de determinado grupo de obrigações acessórias. A cada novo módulo lançado, o governo oferece alguns prazos para o cumprimento, de forma gradual, por parte das empresas. Um exemplo é o Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas (eSocial), que engloba algumas das obrigações referentes ao registro de funcionários.

As tecnologias mais recentes são webservices, ou seja, permitem que a organização se comunique de forma online e em tempo real com o governo, eliminando a necessidade de validadores”, completa Mauro Testoni. Mas, segundo o gerente executivo da TOTVS, ainda há um longo caminho a ser percorrido pelos governos na transformação digital. Como a quantidade de normas é alta, a maioria delas é antiga e ainda precisa de uma revisão para se adequar à realidade brasileira.

Webinars Gratuitos TOTVS - Conferência de Obrigações Fiscais

Existem, ainda, as tecnologias desenvolvidas para uso das empresas, como os sistemas de gestão, que permitem um controle interno mais fácil dos documentos e das informações da organização. Com um ERP, é possível integrar os dados, automatizar processos e fazer uma auditoria interna, reduzindo o risco de cometer erros e de ser multado pelo fisco.

Comece a sua transformação digital

Passar pela transformação digital ainda é um desafio, mas é cada vez mais necessário que as empresas se adaptem a essa nova realidade, não só para conseguir cumprir com todas as obrigações que já são digitais, como também para ganhar mais agilidade, reduzir os custos dos processos internos e manter uma boa gestão fiscal. Confira as dicas que separamos para que você comece essa jornada!

Capacite os seus funcionários

A sua equipe precisa ser frequentemente capacitada para conseguir usar, de forma adequada, cada um dos sistemas governamentais, além dos softwares da sua empresa. “São diferentes layouts e regras solicitadas pelo fisco. Então é preciso muita atenção e estudos para que você possa exercer as atividades da maneira correta e não receba autuações”, lembra Luciana Freitas.

Contrate um sistema de gestão

O ideal é que a sua empresa automatize processos para que a equipe tenha mais tempo disponível para concentrar esforços em outras demandas. “É importante realizar a contratação de soluções adequadas ao tamanho da empresa e que permitam ter em mãos dados muito mais completos, extrair informações novas e transformar em dados estratégicos para o setor fiscal”, ressalta Mauro Testoni.

Procure por sistemas de gestão integrados e que sejam aderentes à legislação brasileira. Além disso, é importante encontrar uma empresa que ofereça capacitações e consultorias tanto no período de implantação quanto depois de todo o processo, ajudando a sua equipe em momentos de grandes mudanças que afetem a rotina do seu setor.

Conheça as novidades

É importante que os gestores também conheçam de perto as novas tecnologias disponíveis para o setor e procurem se atualizar para entender quais ferramentas podem ajudar a ter mais tempo disponível que permita focar no core business da organização. Há a possibilidade de utilizar, por exemplo, a Inteligência Artificial para otimizar o processamento e a análise de dados.

Futuramente, tecnologias como o blockchain também poderão ser grandes aliadas para o armazenamento de documentos e dados com alta segurança e transparência, já que todas as operações são autenticadas e não há a possibilidade de violação sem que haja registros. Isso torna o processo de auditoria cada vez mais simples e diminui a possibilidade de fraudes.

As inovações trarão, a longo prazo, mais confiabilidade tanto para as empresas quanto para o governo. O importante é ficar atento para encontrar as melhores soluções, que permitam que a sua empresa mantenha a conformidade com o fisco. Para embarcar de vez nessa jornada digital no cenário fiscal, entre em contato com a TOTVS!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *