O que a governança corporativa traz às empresas?

Equipe TOTVS | 22 junho, 2021

Será que os processos e as regras da sua empresa são claros o suficiente para resultar em bons frutos? Quem deseja atrair novos investidores, por exemplo, precisa ter “a casa” bem organizada sempre. Nesse ponto, a governança corporativa é fundamental.

O conceito dá as direções para que seja possível definir regras, valores, condutas, processos, atividades e outros pontos importantes que levam ao atingimento de metas e valorização da imagem da empresa. 

Assim, fica mais fácil crescer e atrair investidores. Com tantas vantagens, não poderíamos deixar esse assunto passar despercebido. 

Ao longo deste conteúdo, você vai descobrir tudo sobre governança corporativa, desde a definição do conceito até as vantagens. 

Continue a leitura e aproveite as informações!

O que é governança corporativa?

Ao pensarmos sobre o que é governança corporativa podemos voltar às suas bases estabelecidas na chamada Teoria da Agência, que diz respeito à relação entre “agentes” e “principais”.

O termo “principais” é atribuído aos donos da empresa. 

Já os “agentes”, por sua vez, são todos aqueles contratados pelos principais — sendo assim, tratam-se de CEO, gestores, diretores — com o objetivo de ajudar a gerenciar os processos e garantir que os interesses dos negócios sejam garantidos.

Empresas que levam a governança corporativa a sério e aplicam seus propósitos na prática geram mais valor para si e contam até com mais facilidade na captação de recursos, graças à boa reputação que é construída ao longo do tempo.

Os agentes geralmente possuem diversas demandas, internas e externas, o que pode acabar provocando erros, uma vez que o capital humano está em jogo. 

Mas, claro, as falhas podem ser superadas se a boa governança for colocada em prática.

Estar atento a esse assunto é sempre importante, ainda mais em tempos quando se estima a retomada da economia, aos poucos, após os impactos causados pela Covid-19

Para que serve a governança corporativa?

O objetivo principal da governança corporativa é alinhar os interesses dos donos do negócio com os dos agentes, assegurando que políticas internas, estratégias e demais processos sejam seguidos e que suas contas sejam devidamente prestadas.

Mas como essa ponte é feita de maneira eficiente? Essa ligação é realizada a partir de alguns princípios. Vamos conferir esses pilares a seguir:

  • regras: com regras estipuladas, é possível estruturar o negócio, guiando o comportamento dos colaboradores e aprimorando as decisões dos administradores.
  • auditorias: é a partir do processo de auditoria que as regras podem ser aplicadas e monitoradas, acompanhando o caminho traçado pelos agentes.
  • restrições de autonomia: o nível de autonomia deve ter seu limite, deixando claro até que ponto os administradores podem falar pela organização e tomar decisões de forma independente.

Como funciona a governança corporativa?

Além do do refinamento dos processos administrativos dentro da empresa, a governança corporativa oferece a possibilidade de chegar a consensos claros. 

Esses relacionados a assuntos mais burocráticos, como datas de reuniões, participantes de votações, responsáveis por aprovações, etc.

Para atingir esses níveis de organização e satisfação interna, a aplicação da governança deve ser introduzida seguindo algumas recomendações dedicadas a trazer confiança e fortalecer as relações. 

Confira a seguir quais são esses fundamentos.

Transparência

O princípio da transparência pede que informações, além das estipuladas pela legislação e outros regulamentos, sejam divulgadas.

Com isso, todas as pessoas envolvidas na administração do negócio podem ter acesso aos dados de seus interesses.

Aliás, essas informações não dizem respeito somente a critérios financeiros constantemente tratados com mais peso, mas, sim, a todos os fatores ligados à gestão da empresa, que visa sempre seu crescimento e criação de valor.

Equidade

Todos os participantes ativos de uma organização, como donos, sócios e investidores devem contar com tratamento igual, bem como suas devidas responsabilidades, necessidades e projeções internas.

O cuidado desse tipo é muito importante para evitar, por exemplo, o abuso de poder, que só gera desconfortos e desentendimentos entre as pessoas. 

Compromisso com o crescimento

A governança diz que seus agentes devem cuidar da saúde financeira do negócio, restringindo ao máximo impactos negativos e eventos imprevistos, como falta de materiais ou quebra de equipamentos.

Aumentar a produtividade e a receita também são compromissos dos administradores, que precisam ter sempre em mente os valores da organização, o modelo de negócio, e o prazo de cada investimento — a curto, médio e longo prazo.

Prestação de contas

Na governança corporativa, também existe a prática chamada de prestação de contas (conhecido também como accountability). 

Ao ler e ouvir isso, muitas pessoas pensam que se trata, “apenas” de dar satisfações dos custos, investimentos e despesas da instituição. Só que é importante deixar claro que o conceito de prestar contas vai além… 

Os agentes não só devem dar clareza sobre as finanças, como também mostrar quais são seus papéis e atividades e, claro, assumir as consequências de quaisquer que sejam suas ações. 

Nova call to action

Impactos da governança corporativa nos negócios

A ausência de regras e limites pode trazer grandes dores de cabeça a um negócio. O excesso de restrições também pode não ser uma boa ideia. Sendo assim, o equilíbrio é a chave de tudo.

Em uma governança muito severa, os agentes não têm as condições adequadas para implementar suas ideias e planejamentos, uma vez que sua voz ativa está constantemente presa a terceiros.

Em um formato brando demais, os administradores podem se sentir livres para tomarem decisões que não lhe cabem, colocando em risco a imagem e o capital da empresa e aumentando as chances de excesso de autoridade.

A falta de supervisão e a autonomia exacerbada dificultam a percepção de uma possível falha, baixa nos resultados e outros prejuízos. 

Nesse sentido, contar com um sistema de gestão pode ser uma boa alternativa no acompanhamento de dados e indicadores de desempenho.

Vamos tratar melhor sobre isso mais adiante. 

Como deve ser a estrutura da governança corporativa de uma empresa? 

A estrutura de uma governança corporativa, normalmente, é formada pelos seguintes profissionais da empresa: 

  • donos;
  • CEO;
  • sócios;
  • membros da diretoria;
  • conselheiros (administrativos e fiscais).   

É fundamental que as funções e as responsabilidades fiquem muito bem explicadas para cada parte para que tudo seja seguido devidamente. 

Quais são as vantagens da governança corporativa?

Agora que você já sabe o que é governança corporativa, como funciona e para que serve, vamos falar das vantagens do conceito. 

Aliás, já vale adiantar que não faltam bons motivos para apostar nesse tipo de organização. 

Confira:

Atrai investimentos

No Brasil, a governança corporativa entrou em discussão a partir dos anos 90. Isso por conta da aceleração dos processos de globalização, desregulamentação da economia e privatização — de acordo com o relatório Conflitos de Agência, Legitimidade e o discurso sobre Governança Corporativa: o caso Petrobras, da USP. . 

Tais mudanças, principalmente a respeito da globalização, fizeram com que muitas empresas brasileiras fossem vistas com bons olhos por investidores estrangeiros. 

E é exatamente aqui que se faz tão necessária a governança corporativa. Afinal, é válido lembrar que ela ajuda a “organizar a casa”, ou seja, a deixar as obrigações dos negócios muito bem definidas para o público interno e externo da empresa. 

A exatidão contribui para o entendimento e a disciplina de gestores, sócios, CEOs e donos. Assim, todos ficam acordados a pensar e a praticar estratégias de maneiras iguais. 

O resultado disso tudo é o seguinte: quem observa a empresa de fora passa a enxergar muito mais valor e importância nesse negócio. Logo, aparecem novos interessados em realizar investimentos na empresa. 

Esse ponto de ter mais recursos financeiros é de extrema importância, pois dá mais possibilidade dos empresários contratarem mais profissionais, lançarem novos produtos e/ou serviços, melhorarem a experiência dos clientes e outros fatores

Valorização da imagem da empresa 

Você já parou para pensar que a boa imagem de qualquer empresa é algo que se constrói de dentro para fora? Isso significa que empresas inovadoras precisam ter processos bem estruturados, funcionários satisfeitos para que isso reflita na qualidade de seus produtos e serviços e também no posicionamento para fora.

Isso mesmo, pois de nada adianta ter, por exemplo, um excelente time de marketing para a divulgação de produtos e serviços se, em suas equipes, há conflitos e discussões. 

Com a governança corporativa, é possível arrumar toda a casa, desde o estabelecimento das regras até o caixa da empresa. 

Tudo isso faz com que o dia a dia e todas as ações da empresa sejam alinhadas e que haja bons resultados . 

Então, tendo uma boa imagem, as chances de conseguir investimentos, parcerias e crescimentos é muito maior. 

Até porque ninguém quer apostar em uma instituição que, por exemplo, possui processos na justiça ou, ainda, que se envolveu em situações e assuntos polêmicos. 

Evita conflitos

Não dá para falar sobre empresas e negócios sem lembrar que tudo isso é feito por pessoas… E que em relações humanas, é comum que apareçam discordâncias e desentendimentos, de vez em quando. 

Mas, sem dúvidas, é fundamental evitar esses conflitos. Afinal, discussões e brigas constantes podem prejudicar a rotina de trabalho e o andamento dos negócios como todo. 

O melhor a se fazer é reunir todos os envolvidos nos negócios — agentes e principais — para explicar quais são as regras, os hábitos e os processos definidos na governança.

Assim, fica mais fácil alinhar pensamentos, necessidades, desejos e práticas de todos os profissionais rumo ao crescimento dos negócios.  

Dificilmente acontecerá de interesses particulares se sobreporem aos interesses da empresa. 

Previne erros

Quando as regras dos negócios ficam bem definidas, é possível evitar erros que possam atrapalhar o atingimento de metas e objetivos. 

Mas, afinal, quais tipos de equívocos seriam esses? 

Bom, pode ser a falta de clareza sobre processos, o que causa consequências em diversos fatores, desde os investimentos da empresa até a entrega de produtos e serviços aos clientes

Outro exemplo clássico é o de instituições familiares. Muitas vezes, as pessoas misturam a liberdade das relações pessoais com as responsabilidades do trabalho. 

Os pais e donos da empresa, por exemplo, podem não levar a sério os erros dos filhos. 

Ou, ainda, os conflitos familiares acabam por influenciar as tomadas de decisões que, consequentemente, acabam sendo ruins para a empresa. 

Mais um exemplo é o de donos que praticam abuso de poder sobre gestores e acionistas.

Enfim, há muitos erros possíveis de acontecer. A boa notícia é que eles podem ser evitados, desde que a empresa estabeleça suas regras, processos e atitudes necessárias por meio da governança corporativa. 

Como implementar a governança corporativa em sua empresa? 

Depois que vimos quais são as vantagens da governança corporativa, ficou mais evidente o quanto essa medida pode ajudar o desenvolvimento e expansão dos negócios, não é mesmo? 

Então é hora de entender como implementar esse modelo de gestão na sua empresa. 

Veja como fazer isso em cinco passos:

  1. Defina uma estrutura hierárquica 

A primeira medida é definir quais são os papéis dos profissionais dentro da empresa. Ao mesmo tempo, também estabelecer a ordem hierárquica, ou seja, quem deve responder a quem. 

Isso é muito importante até para deixar claro o fluxo de processos e tarefas, por exemplo: o profissional João só vai receber demandas do profissional Pedro, dessa forma, nenhum dos dois terá acúmulo de atividades. 

  1. Crie um conselho administrativo 

O segundo passo já é a criação do conselho administrativo, que é um grupo formado por todos aqueles responsáveis pelas estratégias da empresa. 

Sendo assim, precisam constantemente analisar se as decisões a serem tomadas vão de encontro aos valores e missão da instituição. 

Vale ressaltar que até chegar a um consenso, é normal que o grupo tenha opiniões diferentes. Mas, isso não é um problema, desde que, no final, haja um acordo. 

  1. Estabeleça políticas de conduta

As políticas de conduta são mais um cuidado para estabelecer a governança corporativa e, mais do que isso, comunicar claramente como os profissionais devem agir no dia a dia. 

Além disso, também é crucial pensar sobre como devem ser os processos de todas as áreas da empresa. Ou seja, como as atividades devem ser praticadas… Aqui a tarefa é de criar um modus operandi mesmo. 

Isso garante que tudo possa ser feito da maneira correta, independentemente dos profissionais envolvidos e da época de execução das tarefas. 

Mas lembre-se: todos os padrões devem ficar bem claros, por isso, é preciso sempre relembrá-los com todos os líderes e liderados. 

  1. Faça reuniões de alinhamento

Para saber se a estrutura hierárquica, os processos e as tarefas estão sendo seguidos corretamente, é importante fazer um acompanhamento, concorda? 

O indicado então é fazer reuniões semanais e mensais para analisar dados e relatórios a respeito dos negócios. 

Além disso, claro, para ouvir quais são os feedbacks dos demais profissionais, sejam eles principais ou agentes. 

  1. Acompanhe diariamente 

Se você realmente quer implantar o conceito em pauta vá mais além… 

Veja e analise a produtividade das equipes, os números de vendas, investimentos e outros pontos importantes, diariamente. 

Esse acompanhamento mais frequente ajuda a dar mais entendimento sobre o caminho que a empresa está seguindo. 

Assim, todo e qualquer desvio de padrão já pode ser corrigido quanto antes. 

Quais boas práticas devem ser aplicadas na governança corporativa? 

Você lembra que, no parágrafo sobre “como aplicar a governança corporativa”, citamos quatro pontos fundamentais? 

Todos eles também representam as boas práticas. Então são elas: transparência, equidade, compromisso com o crescimento e prestação de contas (accountability). 

Tudo isso deve ser feito sempre com o máximo de transparência, pois só assim é possível melhorar a gestão e aumentar o valor econômico da empresa com o passar do tempo. 

Esses cuidados não só mantêm “a casa em ordem”, como ainda atraem os interesses de investidores de fora. 

Mais uma vez, vamos lembrar que ter pessoas interessadas em aplicar dinheiro na empresa é essencial para se conseguir produzir e vender mais com qualidade. 

Governança corporativa e compliance: quais as diferenças?

É comum pensar que governança corporativa e compliance sejam a mesma coisa, mas não é bem assim. 

Enquanto a governança diz respeito à abordagem de administração de cada empresa — incluindo política interna, cultura e valores —, o compliance age para regulamentar a atuação das empresas.

É de dever do compliance, portanto, prezar pela ética e práticas legítimas na gestão das empresas, de acordo com as normas do mercado em vigor. 

E, por mais que existam diferenças entre seus conceitos, nada impede que compliance e governança trabalhem juntos, impactando no bem-estar e na consolidação da imagem de uma companhia.

ERP da TOTVS

O ERP da TOTVS é a melhor tecnologia para sua empresa. Sendo robusto e flexível, o software integra os processos da sua empresa sendo aliado no crescimento e na conquista por bons resultados.

O ERP fornece dados sobre todo o backoffice da sua empresa e é capaz de automatizar processos gerenciais para tornar a administração mais produtiva e ágil. 

Não restam dúvidas de que o ERP da TOTVS é ideal para ajudar a definir uma melhor governança corporativa para o seu negócio. 

Para saber mais, clique aqui para conhecer mais profundamente o ERP da TOTVS!

produtividade empresarial

Conclusão

Neste conteúdo, você viu o que significa governança corporativa. Além disso, para que serve, como funciona, quais são as vantagens e como aplicar o conceito. 

Vale ressaltar que o propósito é tornar a operação mais produtiva e ágil, já que alinha o trabalho entre donos, CEOs, sócios e diretores. Apesar de as pessoas serem normalmente diferentes, a governança facilita o acordo entre todas as partes.

Com isso, é possível seguir regras, padrões e valores pré-estabelecidos. Tamanha organização valoriza a imagem da empresa e, claro, atrai investidores. As suas chances de crescer serão muito maiores. 
Não perca mais tempo e comece a usar a governança corporativa com o auxílio dos sistemas TOTVS!

Artigos Relacionados

Deixe aqui seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Usamos cookies para fornecer os recursos e serviços oferecidos em nosso site para melhorar a experência do usuário. Ao continuar navegando neste site, você concorda com o uso destes cookies. Leia nossa Política de Cookies para saber mais.