Como importar produtos para sua loja? Veja 8 dicas para ter sucesso

Equipe TOTVS | 22 novembro, 2022

Começar um negócio nunca é simples. Mas, quando os produtos vêm de fora, este pode parecer um desafio ainda maior. Afinal, como funciona a importação? E como importar produtos da melhor forma?

Essas perguntas costumam pairar na mente de quem pensa em empreender por meio de fornecedores estrangeiros. E os cuidados realmente precisam ser maiores, afinal, estamos falando de compras internacionais.

No entanto, com um planejamento estratégico, um bom conhecimento das tributações e emissões fiscais e organização logística, essa pode ser uma opção bastante vantajosa.

Se você tem vontade de empreender dessa forma, nosso artigo será um grande guia sobre como importar produtos.

Vamos trazer 8 dicas essenciais para quem está começando e ainda tirar dúvidas sobre as declarações e precificação desses itens. Vamos nessa? Boa leitura!

Afinal, como funciona a importação de produtos?

A importação de produtos consiste na compra de mercadorias estrangeiras com o objetivo de revendê-las no Brasil. Ou seja, você compra um produto em outro país e traz para cá com a intenção de comercializá-lo.

Os produtos são enviados para o Brasil por meio de transportadoras e chegam após um tempo mais longo, podendo ser de mais de um mês.

Antes de chegar na sua loja, por exemplo, esses itens passam pelo desembaraço aduaneiro, que envolve o pagamento de taxas e impostos.

Nesse tipo de comércio é preciso fazer alguns trâmites com a alfândega, como o Registro de Empresa e a Declaração de Importação.

Além disso, também é necessário pagar os impostos devidos, de que vamos falar mais adiante. Somente após isso os produtos podem ser retirados ou enviados ao destino final dos revendedores, nesse caso, onde você vai estar.

É por isso que não se pode nunca esquecer de considerar que o valor final do produto deve ser maior que o custo da importação, para a geração de lucro ao seu negócio.

omni by moddo

Como importar produtos? 8 dicas para lojistas

Muitas pessoas têm vontade de empreender, mas ficam com medo, pois não sabem como fazê-lo. No entanto, com um bom planejamento e informação, dá para superar qualquer dificuldade — e, até mesmo, a burocracia.

A seguir, listamos as principais boas práticas que o lojista deve seguir se quiser comprar produtos de fora. Acompanha!

  1. Faça um planejamento estratégico;
  2. Escolha bons fornecedores;
  3. Pesquise sobre as normas, taxas e tributos;
  4. Avalie contratar empresas intermediadoras;
  5. Escolha uma forma de pagamento vantajosa;
  6. Faça a emissão adequada das notas fiscais;
  7. Atente-se à etapa de precificação;
  8. Analise a questão logística.

1. Faça um planejamento estratégico

O primeiro passo — para qualquer tipo de empreendedorismo — é fazer um bom planejamento.

Afinal, uma loja que se baseia em importação também precisa ter uma estratégia bem definida para conquistar os seus objetivos.

Nesse planejamento, é preciso considerar o público-alvo, os concorrentes e o tipo de produto que será comercializado.

Ou seja: como o produto vai se diferenciar dos outros? Quais as características que o tornam atrativo para o público? Qual é a demanda desse produto no mercado?

Para essas perguntas, a pesquisa de mercado vai trazer as respostas!

2. Escolha bons fornecedores

Depois de saber qual produto será vendido, é hora de escolher os fornecedores. Mas como fazer isso? Com uma pesquisa minuciosa para encontrar boas empresas para fechar parcerias.

Uma dica é sempre fazer uma busca pelo Google com a frase “fornecedor + produto”. Dessa forma, é possível encontrar diversas empresas que comercializam o tipo de item que você quer comprar.

Mas, dá para ir além disso. Procure em fóruns online, use sites de busca — como o Alibaba — e até mesmo faça contato com outros lojistas que já adquirem esses produtos.

Uma vez que você tenha a lista com alguns fornecedores, é hora de fazer uma pesquisa sobre a reputação desses vendedores. Só após isso, se deve entrar em contato com eles para saber mais sobre o negócio.

3. Pesquise sobre as normas, taxas e tributos

Quem quer saber como comprar produtos importados precisa entender bem sobre normas, taxas e tributos referentes a esse tipo de comércio.

O comércio internacional é regido por uma série de normas, como a NBR (Norma Brasileira), que regulamentam as especificações dos produtos e garantem a qualidade.

As taxas também são cruciais. Quando uma mercadoria vem de fora, ela precisa pagar ao governo o Imposto de Importação (II), que é de 60% do valor do produto.

Outro tributo que incide sobre esses itens é o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI). Ele se baseia no valor aduaneiro da mercadoria, que inclui o preço do produto mais as taxas de importação.

Para garantir que todos os tributos sejam pagos, é preciso fazer a Declaração de Importação (DI). Mais a frente, falaremos mais sobre como isso acontece!

4. Avalie contratar empresas intermediadoras

Comprar produtos no exterior pode ser uma tarefa burocrática e, por isso, é comum que algumas pessoas contratem uma empresa intermediária para fazer esse trabalho.

Contratar uma companhia focada nisso pode facilitar o processo, uma vez que elas têm mais experiência com o comércio internacional e podem fazer toda a tramitação da mercadoria.

No entanto, é preciso lembrar que esse tipo de serviço tem um custo. Por isso, é preciso avaliar se o valor que está sendo cobrado vale a pena para o seu negócio.

Uma alternativa para quem quer economizar com esse processo é fazer uma compra com parceiros. Assim, é possível dividir os custos e economizar.

5. Escolha uma forma de pagamento vantajosa

Bom, outro ponto interessante para quem quer saber como revender produtos importados é escolher uma forma de pagamento vantajosa.

Afinal, o comércio internacional envolve diversas moedas e, por isso, é preciso ficar atento às taxas de câmbio. Além disso, é comum que as empresas cobrem juros para quem paga com cartão de crédito.

Por isso, uma dica boa é fazer uma transferência bancária para o fornecedor. Dessa forma, você pode negociar com a empresa um valor com juros mais baixos e, assim, economizar com a compra.

Independente da forma de pagamento, é preciso fazer uma boa pesquisa para escolher a melhor opção para o seu negócio. É isso que vai fazer valer a pena!

6. Faça a emissão adequada das notas fiscais

A emissão das notas fiscais também é um ponto fundamental quando estamos falando de importação de produtos.

Ela é o documento que comprova a comercialização da mercadoria. E, como em qualquer comércio, a mercadoria precisa pagar impostos.

No caso de itens que vem de fora, isso não seria diferente. É preciso emitir as notas corretamente para garantir que todos os tributos sejam pagos.

Todas as compras feitas no exterior precisam ter nota fiscal, incluindo informações como o volume, peso, fatura e o nome da transportadora.

Apenas assim será possível fazer a Declaração de Importação, que, como já falamos, é um documento essencial para garantir o pagamento dos tributos.

7. Atente-se à etapa de precificação

Uma das etapas mais relevantes para quem quer saber como vender produtos que vem de fora é a precificação.

É nesse momento que você irá definir o preço de venda do produto, levando em consideração todos os custos com a importação.

Isso significa que é preciso considerar o valor do produto, as taxas cobradas, os custos com a intermediária e todos os outros gastos envolvidos no processo.

Você pode usar uma planilha de custos para fazer essa análise. Dessa forma, dá para se ter um controle maior sobre as despesas e, assim, precificar os produtos com mais precisão.

Depois de fazer a análise, é só definir o preço de venda e começar a vender essas mercadorias.

8. Analise a questão logística

Finalmente, é preciso analisar a questão logística. Isso significa que é preciso pensar em como você irá receber os produtos e fazer a entrega para o seu cliente.

Para isso, é preciso escolher uma transportadora de confiança. Além disso, é preciso fazer um estudo sobre o prazo de entrega e os custos com a logística.

Isso tudo irá influenciar diretamente no seu negócio e, por isso, é preciso fazer uma boa análise para escolher a melhor opção, ok?

Contar com sistema de gestão de loja também é uma ótima solução. Com ele, você pode acompanhar todo o processo de venda e entrega, além de ter um melhor controle sobre os estoques dos itens importados.

Como importar produtos dos EUA?

Para importar produtos dos Estados Unidos, é preciso seguir alguns passos específicos em relação ao país.

Em primeiro lugar, o comprador deve fazer um cadastro no site da Receita Federal do Brasil. Depois, é necessário solicitar a licença de importação, que é um documento obrigatório para todos os comércios internacionais.

Para fazer isso, você precisa acessar o site da Secretaria de Comércio Exterior e preencher o formulário online.

Após isso, desde que você conheça bem o mercado estadunidense, é só seguir os passos já mencionados de planejamento que falamos para conseguir comprar esses produtos. 

Quando se compra dos Estados Unidos, é preciso considerar o valor do dólar para fazer a conversão e, assim, definir o preço de venda. 

Grandes marcas mundiais que fabricam produtos de boa qualidade podem ser encontradas nesses países. 

Mas, vale uma observação essencial: você pode usar o site da Receita Federal para identificar se um produto que você deseja importar precisa de licença ou não.

Para isso, basta acessar o Simulador do Tratamento Tributário e Administrativo das Importações.

Como importar produtos da China?

A China também é um país com um comércio ativo com o Brasil. Por isso, importar produtos dessa região pode ser uma boa opção para o seu negócio.

Assim como falamos em relação aos EUA, é necessário fazer um cadastro no site da Receita Federal do Brasil. Depois, é preciso solicitar a licença junto à Secretaria de Comércio Exterior.

Para isso, basta acessar o site da secretaria e preencher o formulário online com as informações solicitadas.

O grande destaque aqui é que, como a China está em um continente distante, os custos podem ser maiores (mas os preços podem ser mais baixos pela mão de obra).

Além disso, pela distância, é normal que os itens demorem mais a chegar que os dos Estados Unidos também, por exemplo.

O cuidado com os fornecedores também deve ser maior. Busque sempre opções de empresas com certificados. Assim como nos EUA, é preciso conhecer o mercado chinês.

Há vários sites focados nisso e também é bem comum o uso da modalidade de dropshipping para esse tipo de importação. 

O que vale a pena importar para revender?

Como vimos, a importação de produtos pode ser uma boa estratégia para o seu negócio. Mas, como saber qual produto vale a pena revender?

Para isso, é bom avaliar alguns critérios como a demanda, o preço do produto no mercado e os custos desse formato de compra. Também é bom considerar o prazo de entrega e o estoque que terá disponível para revender.

Considerando esses pontos, alguns dos produtos para importar e vender podem ser:

  • itens de moda, como roupas, sapatos e acessórios;
  • produtos de beleza, como cosméticos;
  • utensílios domésticos, como panelas, talheres e outros;
  • brinquedos para crianças e mercadorias de lazer.

Como declarar produtos importados?

Mas, afinal, como declarar os produtos importados para a Receita Federal? Este é um passo fundamental para não ter problemas com o órgão e evitar multas.

Para fazer a Declaração de Importação (DI), é preciso seguir alguns passos. Você vai:

  • acessar o Siscomex, sistema da Receita Federal;
  • preencher a DI com as informações solicitadas;
  • gerar o DAE, documento que será usado para pagar a taxa;
  • pagar a taxa de importação com o DAE;
  • enviar a DI para a Alfândega.

Como calcular o valor de um produto importado?

Para calcular o valor de um produto de fora, é preciso considerar elementos como: custo do produto, frete internacional e logística de entrega, além de impostos e taxas alfandegárias.

Os impostos que recaem sobre essas mercadorias são:

  • Imposto de Importação (II);
  • Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI);
  • Programa de Integração Social (PIS);
  • Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins);
  • Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).

Depois de somar todos esses valores, de acordo com o produto, agora sim, você vai definir o preço de venda do item!

Para ter uma boa margem, sempre considere também a porcentagem de lucro que quer ter em cima de todos os gastos em relação ao valor vendido. 

Como saber o NCM de um produto importado?

O NCM de um produto importado é o seu código nacional, como o Código EAN. É um identificador usado para classificar a mercadoria no comércio exterior e fazer a cobrança dos tributos.

Para saber qual o NCM de um produto, basta acessar o site da Receita Federal com a lista completa dos códigos.

Você também pode solicitar essa informação diretamente ao fornecedor do produto que vai comprar.

Venda mais com o TOTVS Omni by Moddo!

A importação é uma tarefa que exige muito cuidado desde a escolha do fornecedor até a questão logística. É por isso que contar com um sistema de loja omnichannel é tão fundamental!

Neste sentido, o TOTVS Omni by Moddo é uma plataforma completa para seu negócio.

Não faz diferença se quer vender fisicamente, prefere apenas ter uma loja online ou, ainda, deseja integrar as duas modalidades. O software permite que todo seu estoque seja controlado e unificado.

Estamos falando de um OMS (Order Management System), que permite gerenciar produtos, pedidos e outras variáveis da sua operação varejista em múltiplos canais.

Além de criar uma sinergia na operação das lojas e prevenir rupturas, essa solução oferece conexões nativas com os ERPs da TOTVS e com outros sistemas de gestão disponíveis no mercado.

Aproveite para transformar sua loja com o TOTVS Omni by Moddo!

Conclusão

Neste artigo, você viu como funciona a importação de produtos e como fazer isso da maneira correta.

Falamos também sobre como declarar os produtos para a Receita Federal e como calcular o valor de um produto de fora.

Embora haja muito o que se atentar, o planejamento é o principal caminho para investir nesse formato de comércio.

É por isso que, nesse processo, você não pode deixar de se preocupar com a logística de estoque e entrega desses itens, certo?

Contar com um sistema de loja omnichannel, como o TOVS Omni by Moddo, vai ser a melhor maneira de facilitar sua operação do dia dia e vender mais.

E, se você quer saber mais sobre vender produtos no varejo, leia também sobre a modalidade de dark store!

Artigos Relacionados

Deixe aqui seu comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.


Usamos cookies para fornecer os recursos e serviços oferecidos em nosso site para melhorar a experência do usuário. Ao continuar navegando neste site, você concorda com o uso destes cookies. Leia nossa Política de Cookies para saber mais.