Single Source of Truth: conheça o conceito fundamental para a transformação digital nas empresas

Equipe TOTVS | 13 outubro, 2021

Por Rodrigo Sartorio, Diretor de Produtos da TOTVS e
Adriano C. Martins, gerente de TI da Harley-Davidson Motor Company

Imagine se todo e qualquer tipo de informação que você precisa estivesse armazenada em um único lugar. Nem mesmo na nossa vida cotidiana, em que temos acesso a quase tudo por meio do nosso celular, isso é muito fácil de imaginar. E como saber se aquela informação que recebemos é mesmo verdadeira ou se trata de fake news?

Agora, imagine esse mesmo cenário em uma empresa, na qual há milhares de novos dados de tipos diferentes produzidos e armazenados diariamente. É possível encontrar uma única fonte de dados e garantir que informação resultante destes dados seja a informação correta?

Sim, é possível. Se pensarmos que isso não implica na existência de apenas uma origem para os dados, mas sim na definição de um processo que garanta que seu ERP seja o guardião dos dados oficiais para obtermos as informações mais corretas e atualizadas para os processos de negócio. É fundamental implantar uma cultura de utilização deste sistema como a fonte dos dados que geram as informações oficiais dentro da empresa. 

Essa prática, chamada de Single Source of Truth, resulta em um ganho significativo na integridade dos dados e no potencial de acerto das ações tomadas pelos colaboradores. Também impede que elementos sejam duplicados ou desatualizados e reduz os esforços do time para análises, consultas, criação de relatórios e tomadas de decisão. É um conceito que, quando corretamente implementado, torna-se primordial na transformação digital dos negócios.

Um exemplo prático de como isso funciona: quando uma empresa decide lançar um novo produto, como uma motocicleta, por exemplo, são criados milhares de novos códigos em um sistema para identificar cada peça e acessório que existem neste novo modelo. Quando uma das peças é cadastrada, seja para manufatura, revenda ou assistência técnica, deve ser garantido no sistema central que exista um único código para ela. Assim, é possível evitar duplicidades que atrapalhem processos de revenda, fabricação ou apuração de custos.

Ainda nesse sentido, cada item recebe novos dados constantemente, como código fiscal, impostos, certificações, que são enriquecidos na mesma base de dados. Assim, sempre que precisarmos ter uma fonte de dados completa e fidedigna para os processos de negócio gerenciados pelo ERP encontraremos este dado dentro do ERP e extraímos como informação através do ERP. Garantimos uma única fonte de informação confiável do início ao fim.

Hoje, já existem algumas formas de garantir que as pessoas não consigam coletar dados do local errado. Sabemos que boa parte do processo é humano e requer uma doutrinação de processos até que vire cultura nas empresas. Mas investir no armazenamento correto de dados e evangelizar os colaboradores a terem uma única fonte para consumir estes dados como informação são uma garantia de retorno e precisão em todas as operações cotidianas.

É comum termos vários sistemas conectados em uma empresa, não importa se é na loja física ou online, na produção ou na expedição. Saber lidar com fontes distintas é sim importante, porém, abastecer e respeitar o ERP como a central de dados – e aqui vale ressaltar que até os dados que não são transacionados pelo ERP podem ser retroalimentados e armazenados nele – é o que traz resultados mais positivos e o que impede que diversos dados incorretos transitem e prejudiquem o negócio.

Isso significa que o ERP sozinho resolve todos os problemas e necessidades de negócio na gestão de dados? Não existe um único remédio para todas as doenças, e o mesmo se aplica neste caso.

Ferramentas de gerenciamento de dados mestre, ou MDM em inglês (Master Data Management), costumam ser os parceiros ideais do ERP nas situações onde a coleta e complemento de dados é constante e descentralizado. A ferramenta de  MDM cria o famoso “golden record”, ou registro perfeito, com os dados completos e atualizados de uma determinada entidade. Retroalimentar os dados em toda cadeia de sistemas ligadas ao MDM (obviamente garantindo que o ERP seja o ponto principal desta cadeia) é a chave para o sucesso.

Artigos Relacionados

Deixe aqui seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Usamos cookies para fornecer os recursos e serviços oferecidos em nosso site para melhorar a experência do usuário. Ao continuar navegando neste site, você concorda com o uso destes cookies. Leia nossa Política de Cookies para saber mais.