Entenda o que é PCP na indústria, sua importância e como implementar!

Equipe TOTVS | 15 agosto, 2022

PCP ou Planejamento e Controle da Produção é o processo de organizar, guiar e monitorar a operação industrial, otimizando a cadeia produtiva.

É uma das principais práticas aplicadas no chão de fábrica das indústrias e muito importante para alinhar boas práticas de segurança, conformidade e padronização em uma rotina produtiva.

Na prática, são dois processos em um só: planejamento e controle.

Por que é importante? Entre outras coisas, porque permite que a empresa reduza os desperdícios, aumente a produtividade, melhore a gestão de estoque e aumente o ROI.

Que tal entender mais? Preparamos um guia completo sobre o assunto. Siga a leitura!

O que é o PCP e qual a sua função?

PCP (Planejamento e Controle de Produção) é uma estratégia de gestão de atividades produtivas de bens. Sua prática alinha recursos, tempo, custos e força de trabalho com processos industriais bem estabelecidos.

Assim, no dia a dia, o Planejamento e Controle de Produção ajuda os líderes do chão de fábrica a entenderem exatamente todos os aspectos por trás de suas demandas:

  • o que produzir;
  • quanto produzir;
  • onde produzir;
  • como produzir;
  • quando produzir;
  • com o quê produzir;
  • para quê produzir.

Assim, é uma prática que permite que as atividades aconteçam exatamente conforme o planejado e, ao mesmo tempo, o líder possa monitorá-las de forma eficaz.

É possível relacionar o conceito com o de um roteiro, só que aplicado no chão de fábrica, como medidas de produção que devem ser seguidas para se alcançar o resultado ideal.

Como surgiu o PCP?

A história do PCP se enraíza com a própria evolução industrial do último século.

Para começar, vale falar do nome: em algumas empresas, o termo pode se referir a Programação e Controle da Produção, mas existem organizações que utilizam a nomenclatura PPCP (Planejamento, Programação e Controle da Produção) ou PCPM (Planejamento e Controle da Produção e Materiais). 

Voltando ao aspecto histórico, o conceito evoluiu diante dos próprios desafios que a indústria enfrentou desde a primeira Revolução Industrial, na Inglaterra.

Ou seja, há pouca literatura sobre o tema, mas é possível especular de acordo com o que se conhece do assunto.

Talvez o principal ponto a ser levado em conta é que a indústria foi, aos poucos, se tornando um setor extremamente competitivo.

Com novos players entrando no mercado, tanto grandes quanto pequenos, foi de essencial importância criar e conciliar métodos e boas práticas que tornassem a produção mais eficiente, reduzindo desperdícios.

Foi a partir deste entendimento que algumas disciplinas começaram a ganhar corpo, como a Engenharia de Produção, que se destina a ocupar uma posição de administradora da cadeia produtiva.

Nova call to action

Quais são os objetivos do PCP?

Agora, por que as indústrias devem investir nas melhores práticas de Planejamento e Controle de Produção? O principal objetivo é garantir um fluxo coordenado de trabalho.

Dessa maneira, é possível fabricar o número necessário de produtos, com a qualidade esperada, dentro do tempo certo e com a eficiência ideal.

É claro que é muito mais fácil falar do que fazer, por isso, na prática, o PCP se manifesta em:

  • Fluxo Contínuo de Produção: a busca por uma produção contínua, sem gargalos.
  • Planejamento de Recursos: garantir a disponibilidade de todos os insumos, ou seja, materiais, máquinas, ferramentas, equipamentos e mão de obra na quantidade necessária, na qualidade necessária e no tempo necessário para que as metas sejam alcançadas.
  • Coordenação de cronograma de trabalho: as atividades industriais devem seguir um cronograma mestre, que servirá como base para coordenar os cronogramas dos setores envolvidos.
  • Controle de estoque: aplicar métodos que visem à otimização do estoque, ocasionando no investimento apenas do que for necessário.
  • Produtividade: aumentar a produtividade e, ao mesmo tempo, aumentar a eficiência, de modo que a operação possa ser econômica.
  • Satisfação do cliente: satisfazer os requisitos dos clientes, produzindo os itens de acordo com as especificações ou desejos dos consumidores.

Qual a importância do PCP?

O PCP (Planejamento e Controle da Produção) é importante para garantir o fluxo adequado dos processos produtivos em uma empresa.

Isso é possível com auxílio da gestão, monitoramento e controle dos processos, pessoas, máquinas e tecnologias envolvidos.

Na prática, o Planejamento e Controle da Produção ajuda a lapidar uma cadeia industrial eficiente, adequada conforme as necessidades do seu consumidor.

Assim, influencia tanto nos aspectos internos do ciclo produtivo quanto nos externos, como a rotina do setor de compras e também do departamento logístico.

Além disso, trata-se de um conjunto de boas práticas que contribui em vários aspectos, como na redução do lead time — um indicador que mede a quantidade de tempo que se passa entre a realização de um pedido e a sua entrega.

Desse modo, ele garante que os recursos destinados à produção estejam prontos quando for necessário.

Materiais, equipamentos e mão de obra devem estar disponíveis no momento certo para manter a produção otimizada.

Conheça os pilares do PCP

O PCP é um sistema cuja implementação cria raízes em todo o negócio, por isso, defini-lo é algo que toma tanto tempo. 

Porém, para facilitar seu entendimento, podemos resumi-lo a alguns pilares, que são:

  • Planejamento: o entendimento sobre quais e quantos itens serão produzidos;
  • Programação: a definição sobre quais, quantos e como os recursos serão utilizados no processo produtivo;
  • Controle: o monitoramento do ciclo industrial, com intuito de mapear erros, identificar oportunidades de melhoria e otimizar o processo.

Esses três pilares são conceitualmente os mesmos para todas as empresas, mas a sua aplicação prática vai depender de pontos como:

  • o nível de demanda;
  • as etapas produtivas;
  • o layout do chão de fábrica;
  • o uso de tecnologias no ciclo produtivo.

Quais são os benefícios de um bom Planejamento e Controle da Produção?

As indústrias aproveitam de vários benefícios ao corretamente implementar o Planejamento e Controle de Produção em sua cadeia industrial, como:

  • Otimização da capacidade de fabricação: máquinas e funcionários cumprem exatamente a sua capacidade, aumentando a eficiência e proporcionando maior lucratividade. 
  • Menores custos com estoque: as empresas podem manter apenas o estoque necessário, sem excedentes que pesem no bolso, adequando seu ciclo produtivo à estratégias como o Just-in-Time.
  • Entregas dentro do prazo: com uma produção otimizada e processos assertivos, a entrega também melhora, tornando-se mais rápida e eficiente.
  • Aquisição correta de insumos: essa prática promove maior transparência no processo produtivo, indicando exatamente quando e quanto de insumos e matérias-primas precisam ser compradas.
  • Simplificação dos processos de produção: garante que os materiais e recursos internos para produção estejam prontos quando necessário, sem ocasionar interrupções.
  • Redução dos desperdícios: um ponto que já citamos, mas vale reforçar, já que a eficiência na cadeia produtiva elimina faltas ou excedentes de materiais.

Quais são as etapas do PCP?

Agora, como implementar o PCP na sua empresa? Depois de entender tudo sobre o conceito, importância, pilares e benefícios, é hora de compreender como ele funciona na prática.

Para isso, é importante compreender exatamente as etapas que compõem esse sistema — que, como mencionamos, mexe em toda estrutura corporativa. Vamos lá?

  1. Previsão de demanda
  2. Planejamento da capacidade de produção
  3. Planejamento agregado da produção
  4. Plano mestre da produção
  5. Programação detalhada da produção
  6. Controle da produção

1. Previsão de demanda

O primeiro passo é estabelecer uma rotina e processos que auxiliem na previsão de demanda.

Ou seja, quanto a empresa precisará produzir e para quando?

Essa projeção pode ser feita de diferentes maneiras, mas o objetivo é justamente ter em mãos um levantamento que aponte quantos itens devem ser produzidos.

Assim, entende-se exatamente o quanto de matéria-prima deve ser comprada, quantas horas-homem disponibilizadas, horas-máquina, entre outros.

2. Planejamento da capacidade de produção

Com os dados de previsão de demanda de médio e longo prazo, é possível conduzir a próxima etapa, que trata-se basicamente de entender se o seu chão de fábrica suportará a demanda em um futuro próximo.

Dessa forma, é possível planejar investimentos para ampliar e/ou modernizar o maquinário, bem como contratar e treinar colaboradores.

3. Planejamento agregado da produção

O planejamento agregado da produção, também conhecido como PAP, é uma estratégia anual que leva em conta a capacidade produtiva da empresa, bem como o nível de demanda.

Assim, com base no PAP, é possível tomar decisões mais estratégicas e holísticas, capazes de influenciar positivamente nos resultados e no alcance das metas.

4. Plano mestre da produção

Já o plano mestre de produção (PMP) é um planejamento que considera o curto prazo, melhor direcionando os recursos para que nenhuma ordem de produção urgente fique parada na fila.

5. Programação detalhada da produção

A programação detalhada de produção (PDP) descreve em detalhes como a empresa vai conduzir seus processos operacionais.

Ou seja, quais as sequências de cada ordem de produção emitida, como é feita a gestão de materiais e como os documentos são emitidos a medida que os pedidos ficam prontos.

Para isso, é essencial contar com auxílio da tecnologia, já que um sistema de produção possibilita controle mais simplificado dos esquemas produtivos, automatizando várias tarefas.

6. Controle da produção

Por fim, é necessário estabelecer uma estratégia eficiente, ampla e aprofundada de controle de produção, capaz de alimentar os principais indicadores de produtividade, desempenho e qualidade industrial.

Como fazer o PCP de uma empresa?

Uma vez que todas as principais etapas sejam compreendidas, é hora de implementar o sistema em sua indústria. Mas como?

Bom, é algo que muda de empresa para empresa — e vai depender muito de vários aspectos, como o layout do chão de fábrica e a política logística, de compras e de gestão de estoque, por exemplo.

Em geral, sua implementação depende de:

  • Seleção do processo produtivo mais eficiente e econômico;
  • Seleção dos materiais certos, que unem qualidade, estrutura e a composição certa para os produtos;
  • Seleção do maquinário correto para produzi-lo, bem como as ferramentas de corte e medidores que contribuam no controle;
  • Criação de um layout do processo produtivo, de modo a sequenciar o encaixe de cada etapa a ser realizada;
  • Definição de capacidade máxima e mínima, de modo que o chão de fábrica sempre produza de acordo com as metas;
  • Criação de práticas logísticas que influenciem positivamente na satisfação dos clientes, ajudando a realizar entregas mais rapidamente;
  • Utilização de tecnologias que simplifiquem a gestão do chão de fábrica, bem como possibilitem a centralização de ordens, requisições e demais documentos;
  • Definição do tempo de produção desejado para cada etapa, bem como os processos de gestão da qualidade.

As principais dificuldades para a implantação do PCP 

É claro que, uma vez que o PCP estiver implementado, dificuldades e desafios vão surgir. Mas quais são? Explicamos a seguir, confira!

Uma das grandes dificuldades é manter as relações com os fornecedores e parceiros comerciais, já que essa prática lida com informações de todos os elos da cadeia produtiva.

Para equilibrar as demandas crescentes de vendas, com a necessidade de uma produção mais estável do chão de fábrica, é essencial que o Planejamento e Controle de Produção atue estrategicamente — como um “meio de campo” entre as áreas.

Além disso, a gestão do supply chain, especialmente para grandes empresas, é um dos principais desafios do PCP.

Afinal, a falta de insumos e matérias-primas desestabiliza todo planejamento de produção e inviabiliza sua assertividade.

Ferramentas para auxiliar o seu PCP

Dependendo do tipo de Planejamento e Controle de Produção da sua empresa, é possível se aproveitar de várias ferramentas e métodos que auxiliam nos processos.

Os principais são:

  • Sistema ERP – Planejamento de Recursos Empresariais: tecnologia que permite a integração dos setores e principais processos em um único lugar, automatizando várias tarefas.
  • Sistema S & OP – Planejamento de Vendas e Operações: ajuda a alinhar de forma mais correta as demandas existentes com as capacidades produtivas da indústria.
  • Kanban: um sistema que simplifica a visualização do fluxo de produção, com utilização de post-its e colunas, indicando o avanço das tarefas.
  • Gráfico de Gantt: um diagrama que mostra as etapas de produção e o progresso que está sendo feito em diferentes processos.
  • Kaizen: uma metodologia que trabalha a gestão de pessoas, visando alinhar seus objetivos pessoais aos da organização.
  • Poka-yoke: um conjunto de boas práticas voltadas para reduzir as falhas e potencializar a gestão da qualidade.
  • Six Sigma: uma das principais ferramentas de controle de processos de produção, baseia-se na identificação de falhas e implementação de melhorias de forma contínua, bem como no uso suficiente de recursos, sem ocasionar desperdícios.

PCP: dúvidas frequentes

Antes de finalizar o nosso guia completo, convidamos você a conferir as respostas para perguntas frequentes sobre o assunto.

Esse é um tema muito amplo e popular no meio industrial. Por isso, é comum encontrar dúvidas de todos os tipos. 

Nosso time selecionou as principais para responder a seguir, veja só:

Quais são as funções de um analista de PCP?

O analista de PCP é quem contribui com a gestão do chão de fábrica e o alinhamento dos processos com as demandas.

Esse profissional analisa as previsões de venda, planeja a produção, gera necessidades e emite ordens de compra e de produção, utiliza o ERP para gerar relatórios e muito mais.

Qual o salário de um analista de PCP?

De acordo com levantamentos do mercado, o salário médio de um Analista de PCP gira em torno de R$3 mil por mês, começando em R$2,3 mil, alcançando até mesmo R$4 mil.

Existe algum curso de PCP?

Existem vários cursos teóricos e práticos sobre Planejamento e Controle de Produção, tanto para quem busca se aprofundar na função de analista, como para quem quer ser um gestor na área.

É possível encontrar cursos introdutórios, intermediários e avançados, capazes de habilitar os estudantes para as mais diversas atividades no chão de fábrica.

Qual o melhor livro de PCP?

No mercado, encontram-se diversos livros que ensinam mais sobre o Planejamento e Controle de Produção. Separamos os principais para você:

  • Planejamento e Controle da Produção – Teoria e Prática“, de Dalvio Tubino (Amazon).
  • Planejamento, Programação e Controle da Produção – MRP II / ERP – Exercícios com Planilha Simuladora de MRP II“, de henrique Luiz Corrêa e vários autores (Amazon).
  • Técnicas de planejamento, programação e controle da produção e introdução à programação linear”, de Cicero Bezerra (Amazon).

A planilha de PCP é uma boa opção?

Como em qualquer processo administrativo, a planilha pode ser uma alternativa embrionária de controle. Prática e de uso simples, é útil para gerenciar processos descomplicados.

No entanto, o Planejamento e Controle de Produção de uma indústria já estabelecida — independente do tamanho do negócio — é necessário contar com soluções completas, capazes de integrar dados de setores e automatizar diferentes processos.

Ou seja, é necessário contar com sistemas que ofereçam muito mais do que uma simples planilha, que não automatiza nenhuma função.

Tecnologias TOTVS para indústrias

Agora, como implementar o PCP na sua empresa e aproveitar de todas as vantagens de uma cadeia produtiva integrada? Conte com as tecnologias TOTVS para indústrias!

Uma suíte de soluções TOTVS Manufatura oferece todos os recursos para que as empresas automatizem operações e entrem de vez no mundo na próxima revolução industrial.

A TOTVS conta com tecnologias personalizáveis, que atendem a empresas pequenas, médias e grandes, contribuindo no Planejamento e Controle de Produção, bem como na gestão de estoque, logística, compras, finanças, segurança do trabalho e muito mais!

Que tal revolucionar a forma que sua empresa opera? Conheça as tecnologias TOTVS para indústria!

Conclusão

Aprender o que é Planejamento e Controle de Produção é essencial para todos que trabalham na gestão de uma indústria.

Esse sistema garante maior conformidade, qualidade e eficiência dos processos no chão de fábrica, reduzindo custos e potencializando a satisfação do cliente.

E, na sua empresa, como o Planejamento e Controle de Produção é implementado? Esperamos que esse guia completo ajude a aprimorar suas práticas, bem como tecnologias utilizadas!

Antes de finalizar, que tal seguir de olho em nossos outros conteúdos sobre gestão industrial? É só assinar a newsletter do blog!

Artigos Relacionados

Deixe aqui seu comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.


Usamos cookies para fornecer os recursos e serviços oferecidos em nosso site para melhorar a experência do usuário. Ao continuar navegando neste site, você concorda com o uso destes cookies. Leia nossa Política de Cookies para saber mais.