Evasão Escolar: o que é, como identificar e formas de prevenir

Equipe TOTVS | GESTÃO PARA INSTITUIÇÕES DE ENSINO | 22 fevereiro, 2021

Um dos grandes problemas das instituições de ensino é a evasão escolar. Seja devido à transferência para outras escolas ou por desistência, é preciso encontrar meios desse índice diminuir.

Essas medidas podem influenciar muito no desenvolvimento da instituição e na qualidade de todo o quadro de profissionais.

Entre as principais alternativas destaca-se o papel que as soluções tecnológicas podem ter.

Sua implementação pode melhorar a qualidade do ensino, introduzindo novos formatos de conteúdo à sala de aula (e fora dela) para engajar os alunos.

O Brasil é um país que, historicamente, possui uma série de fatores estruturais e sociais que contribuem para o cenário de evasão atual — e que devem ser contornados, para que isso mude.

Então, como realizar essa transformação de forma bem-sucedida? O desafio é grande, mas há como superá-lo.

Por isso, neste artigo falaremos mais sobre o que é evasão e as estratégias e tecnologias que podem ajudar a evitar esse problema na organização de ensino.

O que é evasão escolar?

Evasão escolar indica abandono das instituições de ensino por parte dos alunos, ou trancamento de matrícula, no caso do ensino superior.

É causado por incontáveis fatores, influenciado por inúmeras situações, tanto sociais como econômicas e psicológicas.

Falta de estrutura familiar, falta de tempo, falta de interesse são alguns dos motivos que inflacionam os índices de evasão escolar, especialmente no Brasil.

Para as instituições privadas de ensino, a evasão representa uma baixa nos lucros, já que o aluno ou os responsáveis deixam de pagar as mensalidades.

E é justamente por isso que é uma patologia a ser combatida.

É fundamental que essas organizações, como as IES privadas, tenham uma estratégia para evitar o problema e manter a qualidade no ensino.

Afinal, as consequências da evasão escolar podem afetar profundamente a organização.

Quais são os índices de evasão escolar no Brasil

De acordo com a Síntese dos Indicadores Sociais de 2019, divulgada pelo IBGE, os índices de evasão escolar no Brasil continuam preocupantes, mesmo hoje em dia.

No país, entre os jovens de 15 e 17 anos, a porcentagem que está fora da escola chega a 7,6%. Na zona rural, o número chega a 11,5% e a região nordeste concentra 9,2% dos casos totais.

Na mesma fonte, é possível encontrar outro dado que colabora para dar dimensão sobre uma das causas da  evasão escolar: o salário dos professores.

Segundo o relatório Education at a Glance, o Brasil oferece o menor salário inicial anual aos educadores do ensino fundamental e médio entre todos os países que participam da Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Esse é outro dado alarmante, visto que a qualidade de vida dos professores também influencia na sala de aula.

Muitas vezes, os docentes precisam se desdobrar para dar aula em algumas instituições, o que afeta no nível de entrega.

Qual a diferença entre evasão escolar e abandono escolar?

Embora pareçam sinônimos, abandono e evasão escolar não são exatamente a mesma coisa.

É importante entender as diferenças para contextualizar melhor — especialmente para quem trabalha em instituições de ensino.

Afinal, sua IES pode estar sofrendo com um desses problemas, mas não o outro. Ou até mesmo os dois.

Por isso, se informar é essencial.

Quando se fala em evasão escolar, o objetivo é retratar o estudante que concluiu um dos anos letivos, mas não retornou à escola no ano seguinte para dar continuidade no ensino. Ou seja, ele não efetuou a rematrícula.

Já o abandono é quando um estudante deixa a escola durante o ano letivo. Ou seja, ele não termina seu ano escolar, abandonando-o em seu decorrer.

Quais são as principais causas da evasão escolar no Brasil?

Existem algumas razões que fazem com que o aluno abandone os estudos, seja na educação básica ou no ensino superior. Veremos a seguir as principais delas:

Contexto social

Uma das causas da evasão escolar é o contexto social em que aquela pessoa está inserida, principalmente quando se trata de crianças, que dependem dos pais para permanecerem na escola.

Esse pode ser um fator determinante para o abandono.

Geralmente, o local onde vivem esses indivíduos também contribui para a desistência. 

Violência

Os índices de violência no Brasil são impactantes e tem uma influência na educação. Em grandes cidades, em médias ou pequenas, ela se alastra — especialmente em regiões periféricas.

Muitas vezes, essa é a fagulha para que os jovens larguem os estudos — em qualquer fase da sua educação.

Quando se fala em violência, aliás, é preciso pensar em vários cenários:

A violência doméstica que oprime e machuca os estudantes e faz com que eles fiquem desmotivados, com baixa performance ou mesmo obrigados a ficar em casa..

E a violência social, especialmente em regiões mais precárias, que podem servir de barreira para as idas à IES. E em casos mais extremos, servem como opção para esses jovens que acabam se tornando agentes violentos também.

Gravidez na adolescência

A maternidade precoce é um problema sério que afeta várias mulheres com pouca idade.

Por si só, a gravidez é uma condição que dificulta o acesso aos estudos, pela condição do corpo e os cuidados que exige. 

É considerada gravidez na adolescência jovens de 10 a 20 anos, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). No Brasil,  21 milhões de adolescentes com idade entre 12 e 17 anos são mães, sendo que cerca de 300 mil crianças nascem de mulheres nessa faixa etária.

A falta de conhecimento e acesso aos métodos contraceptivos entra como uma das principais razões.

Dessa forma, assim como na situação da violência, para diminuir o índice de gravidez precoce é preciso pensar em educação e no ensino sobre métodos contraceptivos.

Um direcionamento que guie e promova o amadurecimento dos estudantes, evitando casos como esse que podem redefinir toda a vida dos jovens.

Dificuldade de aprendizagem

A desmotivação com os estudos pode acontecer devido a um déficit de aprendizagem. Um transtorno que atinge várias pessoas, mas muitas vezes não é identificado.

Apenas encarado como uma falha do aluno, algo proposital.

Sem atenção a esse problema, é fácil que o aluno se desinteresse pela escola. Reprovações em sequência, que travam seu avanço, ocasionam situações do tipo.

Uma das soluções, que podem ser feitas dentro da IES, é o olhar atento e o diálogo aberto, além da educação inclusiva.

O ensino adaptativo ganha força para sanar esse problema, já que oferece uma solução mais personalizada de aprendizado de acordo com o perfil do aluno, com opções para que ele aprenda da melhor maneira possível. 

Esse entendimento pode ser essencial para melhorar a compreensão acerca do perfil do aluno e suas dificuldades, o que permite adaptações no método pedagógico.

Distância

Há pouco, você viu que a zona rural é uma das que mais sofre com a evasão escolar. 

Em muito, isso é causado pela distância das escolas e IES, algo que também atinge alunos em cidades mais metropolitanas.

Sem condições de ter um carro ou pagar por transporte privado, os alunos ficam na mão, pois muitas vezes a alternativa pública é ineficiente ou mesmo inexistente.

Isso sem falar nas regiões onde é necessário pegar um barco para ir à escola.

Com um longo caminho pela frente, os jovens acabam se desanimando e saindo dos estudos, focando em trabalhar, sem desenvolver seu lado acadêmico.

Falta de interesse

O desinteresse pode causar a evasão escolar especialmente no ensino médio, quando os alunos já são mais velhos.

Esse problema pode ser causado devido ao sistema ultrapassado de ensino da maioria das instituições.

A falta de participação ativa dos alunos nas aulas, apenas ouvindo o professor, pode dificultar esse quadro.

O modelo tradicional de ensino pode fazer com que os alunos comecem a se afastar cada vez mais da sala de aula para buscar atividades mais interessantes.

Primeiro são algumas faltas, que vão se tornando mais frequentes com o tempo, até chegar ao ponto da desistência completa.

Quais são as consequências da evasão escolar?

Para a IES, você já deve imaginar que as consequências da evasão escolar extrapolam a sala de aula.

Em escolas particulares, por exemplo, significa um impacto considerável em sua receita, o que prejudica a manutenção do quadro de professores e mesmo investimentos em materiais e inovações.

Mas e para o aluno?

Ter esse conhecimento é essencial caso você queira trabalhar em cima da questão em sua própria IES.

Um embasamento essencial, que lhe dá mais argumentos para combater o problema.

Nova call to action

Veja algumas das principais consequências da evasão escolar!

Dificuldade para entrar no mercado de trabalho

Pessoas sem estudo completo dificilmente têm facilidade para entrar no mercado de trabalho, especialmente os jovens.

As empresas, cada vez mais, buscam por perfis qualificados — e os estudos são a base para um ótimo currículo.

Por isso, seja em instituições de educação básica ou mesmo complementar e técnica, é preciso ressaltar que o estudo é essencial para se destacar no mercado de trabalho.

Trata-se de uma garantia de que a pessoa poderá iniciar a carreira que deseja, chegando no mercado (novo ou já veterano) com os conhecimentos corretos.

Aumento da desigualdade social

Sem estudos e com dificuldades de adentrar e crescer no mercado de trabalho, é comum que o caminho que essas pessoas sigam seja de instabilidade.

Em especial no quesito financeiro.

Isso amplia o abismo social, favorecendo a desigualdade e expandindo o número de pessoas nessas condições.

Comprometimento do desenvolvimento intelectual

Os estudos, mais do que qualquer coisa, servem como ponte para que a pessoa se desenvolva. Sem isso, ela pode comprometer sua capacidade intelectual, não adquirindo conhecimentos básicos para poder viver.

Aqui, falamos mais do que apenas matemática e o ensino de fórmulas “nunca utilizadas”.

A escola e a instituição de ensino ajudam as pessoas a crescerem psicológica e intelectualmente, as capacitando para situações diversas, como políticas ou pessoais.

Redução da autoestima

E claro, a evasão escolar é um golpe duro. Por mais que, na hora, a pessoa sinta certa “liberdade”, logo ela verá que a decisão foi errada.

Porém, dependendo da idade e das condições, não há mais volta.

Isso tem um peso enorme na autoestima, o que prejudica a condição psicológica das pessoas, especialmente jovens.

Dependência nos programas de renda governamentais

Por fim, uma das consequências para a pessoa que saiu da escola é não conseguir se manter sozinha.

Sem estudos e um bom currículo, nem conhecimentos específicos que a façam se destacar no mercado, ela precisa contar com programas de renda pública.

Apesar de úteis, são extremamente básicos e mal cobrem as necessidades diárias.

Ou seja, a evasão escolar é como um atestado para uma vida de dificuldades.

Como a tecnologia pode ser uma aliada na redução da evasão escolar?

A tecnologia pode ser um importante vetor na missão de reduzir a evasão escolar. 

Formas de utilizar a tecnologia não faltam. Basta pesquisar um pouco que você pode encontrar incontáveis soluções bacanas, que se encaixam no estilo da sua IES.

No entanto, como ela impacta no método pedagógico e, na prática, quais os seus benefícios?

É o que você vai descobrir mais abaixo. Continue a leitura!

Processo de aprendizagem mais atrativo

A tecnologia torna o processo de aprendizagem mais dinâmico, moderno e customizável. Dessa forma, nenhuma aula precisa ser igual a outra, da mesma forma que os exercícios e provas.

É algo que vai de encontro com novas gerações, que já nascem imersas em um mundo de inovações e digitalizadas!

Gamificação na educação

Um dos recursos mais incríveis que podem ser utilizados é a gamificação!

Trata-se do processo de tornar o aprendizado mais engajador, estimulando o aluno a ser um contribuidor ativo no processo de educação — em vez de um mero expectador passivo, como acontece na sala de aula tradicional.

A gamificação trabalha vários fatores, tendo uma margem maior para erros e possibilitando que eles sirvam de aprendizado (e não os condenando).

Envolvimento da família

A tecnologia é, antes de tudo, um canal.

Com ela, é possível trazer a família para perto da educação dos filhos, especialmente durante a fase de educação fundamental.

Notas, anotações, observações podem ser feitas e enviadas aos pais, que ficam por dentro do desenvolvimento dos filhos.

É inclusive uma forma de possibilitar que os pais entendam as facilidades e dificuldades dos filhos, algo que muitas vezes se perde na comunicação entre escola e família.

Maior interação entre alunos e professores

A tecnologia ajuda também na relação em sala de aula, dinamizando a comunicação entre alunos e professores.

Conteúdos, exercícios e provas podem ser feitos via plataforma online, com diversos recursos que aproximam e aprofundam a relação acadêmica entre as partes.

Personalização da aprendizagem

A tecnologia permite que os professores e a própria instituição trabalhem com conteúdos próprios, desenvolvidos sob medida.

Ou seja, há um alto potencial de personalização, que facilita na hora de oferecer materiais diferentes.

Isso pode ser muito bom para IES que buscam trabalhar conteúdos que focam em pontos específicos de algumas matérias, como escolas técnicas ou instituições focadas em concursos públicos e vestibulares.

Como implementar a tecnologia na educação?

O investimento em soluções como aplicativos que ajudam a manter uma boa comunicação entre instituição, responsáveis e alunos pode ajudar muito a evitar esse problema, além de proporcionar muito mais mobilidade de acesso às informações.

Isso porque, através de comunicados, os pais ficam a par do que acontece na vida escolar dos filhos, assim como tem a possibilidade de se comunicar diretamente com os profissionais de educação.

Isso é crucial para que todos estejam na mesma página e possam monitorar a frequência do aluno, além de saberem sua situação acadêmica.

Uma ferramenta que pode ajudar é o sistema de gestão escolar.

Nele fica armazenado todo o histórico do estudante, para que os professores tenham fácil acesso.

Entenda mais sobre o sistema de gestão escolar e quais são as principais vantagens em implementar esse tipo de solução na sua instituição de ensino!

TOTVS Educacional

A retenção de alunos é coisa séria. Por isso, o TOTVS Educacional, o melhor sistema de gestão para IES do mercado, possui toda uma arquitetura de indicadores que auxiliam na gestão de permanência.

A ferramenta faz o armazenamento na nuvem e oferece indicadores acadêmicos, financeiros e comportamentais, além de análise proativa de evasão e plataformas de suporte à empregabilidade dos estudantes.

Tudo para enriquecer a gestão da sua IES e, claro, contribuir com a continuidade e crescimento acadêmico dos alunos.

Que tal conhecer mais sobre as possibilidades e recursos do TOTVS Educacional?

tendencias educacionais

Conclusão

A evasão escolar é um problema que vai além da sala de aula e afeta muito mais do que o aluno. É uma questão social que deve ser encarada com seriedade.

E claro que, para as IES, é preciso considerar todas as alternativas possíveis.

Afinal, assim como a sociedade e seus comportamentos, o ensino também precisa evoluir. A transformação digital é um forte pilar para essa evolução acontecer.

Na sua IES, como a questão é encarada? A tecnologia já é discutida como meio para reduzir o problema e aumentar os índices de permanência?

Além de favorecer os alunos e os seus próprios resultados, é algo que impacta positivamente a sociedade.

Gostou do conteúdo? Esperamos que ele sirva para embasar boas decisões de negócio! Continue de olho em nosso blog!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Usamos cookies para fornecer os recursos e serviços oferecidos em nosso site para melhorar a experência do usuário. Ao continuar navegando neste site, você concorda com o uso destes cookies. Leia nossa Política de Cookies para saber mais.