Tecnologia no varejo: reunimos as 9 maiores tendências para os próximos anos

A jornada digital vem causando uma verdadeira revolução no mercado de varejo. Além dos impactos já sentidos, estudos mostram que muita coisa ainda está por vir. Consequentemente, organizações que não se adaptarem correm o risco de ver os seus processos de vendas se tornarem obsoletos.

Entretanto, não há motivo para se desesperar! Criamos este artigo para mostrar as principais tendências da tecnologia no varejo, os seus benefícios e o que fazer para incorporar essas ferramentas em sua empresa. Confira!

A evolução acelerada da tecnologia no varejo

A base fundamental do varejo está passando por uma intensa fase de mudanças. As possibilidades criadas pelas novas tecnologias causaram impactos profundos na maneira de pensar os processos de venda. Afinal, não foram simplesmente as estratégias dos lojistas que mudaram, mas o próprio comportamento dos clientes.

Com a popularização dos smartphones e do acesso à internet, por exemplo, o consumidor se tornou mais exigente. Não basta entregar um produto de qualidade com preço baixo — é preciso oferecer um diferencial, um atendimento personalizado, uma boa experiência de compra. Isso faz com que a tecnologia se torne uma ferramenta capaz de gerar valor para os negócios.

Nos pontos de venda (PDV), ferramentas de mobilidade estão ajudando a otimizar o atendimento e o fechamento das compras. A integração de sistemas potencializou também a gestão de estoque e a reposição das gôndolas, enquanto o Backoffice disponibiliza informações em tempo real para que os vendedores atuem como verdadeiros consultores de venda.

O que podemos notar é que, com a jornada digital, soluções ainda mais inovadoras estão por vir.
Nova call to action

As principais tendências para os próximos anos

1. Internet das Coisas (IoT)

O termo Internet of Things faz referência à capacidade dos novos equipamentos de trocarem dados por meio de uma conexão sem fio. O avanço dessa tecnologia é acelerado em diversos setores — da indústria ao uso doméstico. No varejo, as possibilidades também só tendem a aumentar.

Um bom exemplo é o BemaGo (da TOTVS), uma plataforma que identifica a circulação de pessoas e faz análises para gerar dados que auxiliem nas vendas. É possível identificar o sexo, a idade, o humor da pessoa etc. Trata-se de um conjunto valioso de informações que, combinadas, podem favorecer a execução eficaz de campanhas direcionadas.

2. Atendimento omnichannel

Promover um atendimento omnichannel significa integrar os diferentes canais de relacionamento com o cliente em um único ambiente. O melhor dos mundos físico e digital são unificados em uma plataforma que oferece uma experiência de compras única.

O VR-Commerce, anunciado em agosto de 2018 no LATAM Retail Show, utiliza a tecnologia de Realidade Virtual para criar um ambiente de compras totalmente diferente de qualquer outro. Um sistema de inteligência artificial aliado a plataforma de e-commerce une os dados coletados dos clientes a técnicas de gamificação que tornam o processo mais lúdico.

O resultado é um aumento extraordinário no volume de vendas, algo que já vem gerando impactos no mercado de lojas físicas.

3. Blockchain

O Blockchain é uma tecnologia que está revolucionando a comunicação entre dispositivos. Com um sistema descentralizado de registro de trocas de dados, ele representa uma alternativa mais segura para transações online.

No varejo, ele deve ser amplamente adotado para geração de Tickets ou Vouchers de compras, autenticação de produtos etc.

4. Análise preditiva

Com dados coletados em tempo real pelas novas tecnologias (IoT, Big Data etc.), é possível tornar as análises de mercado mais eficazes. Isso significa levantar dados e agir de forma preditiva — ou seja, antecipando as tendências do consumidor.

5. Automação

Um grande exemplo de aplicação da automação é a geladeira que identifica quando um produto está em falta e faz a solicitação de entrega em um supermercado cadastrado pelo proprietário. A mesma lógica, no entanto, traz benefícios para setores como o varejo.

Na logística, no estoque e no PDV, por exemplo, é possível automatizar o controle de itens armazenados e as compras de reposição — através de um ERP.

6. Cloud computing

A computação em nuvem ajuda a disponibilizar plataformas de gestão e de vendas em ambientes digitais, facilitando o acesso de qualquer dispositivo. Assim, os vendedores podem acessar o estoque em tempo real, comparar preços, consultar promoções etc. Atualmente, softwares como o ERP também já estão sendo disponibilizados na nuvem, o que facilita sua implantação.

7. Chatbots

O atendimento ao cliente é fundamental para uma boa experiência de compra. Por isso, os Chatbots vêm ganhando espaço. O consumidor não quer ficar esperando no telefone — ele quer atendimento imediato para tirar as suas dúvidas, realizar compras, solicitar trocas etc.

O Chatbot é um sistema automatizado com inteligência artificial que, entre outras coisas, responde automaticamente às dúvidas mais comuns e encaminha casos específicos para os canais de atendimento especializado.

8. Personalização

Levantar volumes gigantescos de dados (Big Data) por meio de diferentes ferramentas (IoT, Google Analytics, BemaGo etc.) permite que você trace o perfil específico de cada cliente e promova um atendimento personalizado. Assim, as suas preferências de compra são atendidas pontualmente e se tornam oportunidades mais tangíveis de negócio.

9. Segurança

Os avanços tecnológicos trazem sempre alguns riscos, como os ciberataques dos últimos anos nos mostraram. Por isso, o setor do varejo tende a investir em sistemas de segurança mais eficientes — algo em que o Blockchain pode ajudar muito.

A tendência é que o varejista invista em sistemas que garantam a segurança dos clientes que acessam o seu ambiente virtual (e-commerce).

Os primeiros passos para incorporar essas tendências

O ponto-chave está em implementar uma cultura da inovação em sua companhia. Para começar, adote ferramentas tecnológicas que otimizem os seus processos de vendas. Um sistema integrado de gestão de PDV, por exemplo, é um bom começo.

A tendência é que as tecnologias entrem em um processo de convergência para uma plataforma única. Com um sistema que centraliza a gestão de vendas, o financeiro, o estoque e as demais atividades do varejo, o primeiro passo já está dado.

Em seguida, faça uma análise interna e outra de mercado. Conheça o seu consumidor, a sua concorrência e as tecnologias que podem ajudar você a oferecer um diferencial competitivo. Estar presente na internet, por exemplo, é essencial. Estruturar um e-commerce, criar diferentes canais de atendimento e adotar ferramentas de mobilidade no PDV são alternativas interessantes.

O ideal é que a sua empresa não fique parada. É fundamental adotar um processo de inovação constante, no qual as novas tecnologias estejam, ao menos, em seus planos para o futuro. Assim, você alcança resultados cada vez melhores, criando uma experiência única para os seus clientes!

Se quer contar com o melhor em tecnologia no varejo, entre em contato com a TOTVS e fale com quem é referência no assunto!
Nova call to action

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *