Benchmarking: o que é, tipos e como fazer na prática

Equipe TOTVS | 17 agosto, 2022

Para uma empresa, entender sua posição perante a concorrência é essencial para saber a relevância, percepção, valorização e confiança na sua marca. O benchmarking é a ferramenta que proporciona tamanha visibilidade e ajuda o negócio a encontrar o caminho para o crescimento.

Seu empreendimento já fez um estudo de benchmark para entender seu nível de performance diante dos concorrentes ou descobrir gaps produtivos?

Saiba que uma das melhores maneiras de compreender qual o melhor caminho estratégico a seguir é, justamente, olhar para o que outras empresas fazem.

O benchmarking é o estudo de desempenho dos seus competidores, de modo a mapear oportunidades internas para melhorar seus resultados e fazer sua organização crescer.

Que tal entender mais? Neste guia completo, você vai conferir tudo sobre benchmarking: o que é, tipos, exemplos, ferramentas e mais!

Benchmarking: o que é?

Benchmarking é o processo de comparar o desempenho de uma empresa com seus concorrentes. A comparação em si pode levar diferentes indicadores em conta, como lucratividade, linhas de produtos, níveis de produtividade, taxas de satisfação do cliente ou qualquer outra métrica relevante para o negócio.

Se você já se perguntou qual o conceito de benchmarking, essa é uma resposta simples para sanar sua dúvida.

Seu objetivo é identificar áreas em que a companhia está atrás de seus concorrentes (ou em processo de perda de espaço) e desenvolver estratégias para cobrir este gap.

Em muitos casos, os dados para realizar o estudo de benchmark estão disponíveis publicamente. Mas eles também podem ser coletados por meio de pesquisas privadas ou companhias especializadas em pesquisas de mercado encomendadas.

No geral, ao estudar as empresas que dividem o mercado com a sua, você pode entender o que as faz tão boas no que fazem.

Trata-se de uma forma simples, muito embora demorada, de conquistar inteligência de mercado.

Quais são as vantagens do benchmarking?

A principal vantagem da análise de benchmark é a obtenção de insights valiosos que podem ser aplicados para melhorar o desempenho da sua organização.

Uma pesquisa aprofundada pode ajudá-lo a identificar áreas em que sua organização está com desempenho abaixo da média.

Além disso, pode auxiliar na busca de conhecimento com os melhores profissionais do setor e evitar cometer os mesmos erros daqueles que estão com dificuldades.

Por fim, também pode ser uma ferramenta útil para a criação de parcerias e colaborações com outras companhias.

Ao compartilhar informações e ideias abertamente, as empresas, muitas vezes, podem encontrar novas maneiras de crescer juntas.

E, claro, essa ferramenta é de extrema importância na melhoria do processo de tomada de decisões estratégicas, uma vez que fornece uma base de comparação sólida para avaliar as diferentes opções disponíveis.

Dessa forma, pode-se afirmar que essa é uma ferramenta extremamente útil para quem deseja melhorar seu negócio de forma geral.

Nova call to action

Quais são os quatro tipos de benchmarking?

Existem diferentes tipos de análise de benchmark. O intuito, com isso, é obter resultados específicos a depender do seu objetivo com a pesquisa de mercado.

Porém, não se trata de uma simples análise da concorrência, mas uma comparação estruturada de processos e práticas que visam identificar oportunidades de melhoria.

A organização deve buscar referências em negócios que estejam no mesmo ramo de atividade ou que atuem em outros setores, com o objetivo de introduzir inovações e práticas diferenciadas.

Que tal conhecer mais? Vamos lá!

  1. Benchmarking competitivo;
  2. Benchmarking de cooperação;
  3. Benchmarking funcional;
  4. Benchmarking interno.

1. Benchmarking competitivo

O benchmarking competitivo baseia-se apenas na comparação com seus concorrentes, independente da métrica avaliada.

Normalmente, busca-se entender o posicionamento do produto da empresa em relação ao resto do mercado, com ajuda de dados públicos ou não.

Neste tipo, o objetivo é analisar o desempenho de seus produtos, serviços ou processos em relação aos líderes do setor.

Ele pode ser usado para comparar a eficiência, qualidade, tempo ou custo de um processo. Assim como para entender o desempenho de uma empresa com a média do setor ou com a melhor prática conhecida. 

2. Benchmarking de cooperação

Na pesquisa de cooperação, duas organizações firmam uma parceria e realizam um estudo aprofundado, com objetivo de trocar experiências e enriquecer seus processos e resultados.

Um exemplo hipotético seria uma análise de benchmark entre Tesla e Volkswagen:

A primeira se adequou ao mercado moderno e dominou a entrega de veículos elétricos e customizados. A segunda possui um supply chain global e extremamente resiliente, bem como uma forte base de clientes.

Ambas as organizações poderiam fazer um estudo de cases e estratégias da outra, garimpando inteligência de alto valor para seus processos.

3. Benchmarking funcional

O tipo funcional tem como objetivo identificar as melhores práticas, processos e estratégias de uma empresa e então implementá-las dentro da sua estrutura.

Existem várias maneiras diferentes pelas quais o benchmark funcional pode ser realizado.

Uma abordagem comum é identificar organizações que são líderes no campo e depois visitá-las para observar seus processos e aprender com eles.

Outra maneira é realizar um levantamento de várias organizações diferentes, a fim de identificar aquelas que possuem as melhores práticas.

Assim, você pode implementá-las dentro da organização.

Isso normalmente envolve fazer alterações nos processos e procedimentos e, muitas vezes, também requer treinamento para a equipe.

Quando bem-sucedido, pode levar a melhorias significativas no desempenho organizacional.

4. Benchmarking interno

Já o tipo interno visa analisar o desempenho de setores do negócio. O objetivo é comparar a performance com base em indicadores como produtividade, ROI, despesas, entre outros.

Conheça os pilares que sustentam o benchmarking

Independentemente do tipo escolhido, o estudo de benchmark só poderá trazer benefícios à organização se for feito de forma estruturada e metódica.

Estabeleça os objetivos da análise, bem como os critérios que serão usados para medir o desempenho.

Além disso, é crucial escolher bem as referências para garantir que os resultados sejam relevantes o suficiente para contribuir positivamente para a organização.

Entre os princípios norteadores, podemos mencionar:

  • Confidencialidade: a ideia não é prejudicar os concorrentes, mas aprender com seus resultados. Por isso, tornar os dados confidenciais é essencial.
  • Legalidade: os dados obtidos devem ser coletados de forma legal e transparente, sem uso de métodos de manipulação e com o intuito de buscar o benefício mútuo.
  • Troca de dados: ao solicitar informações, uma prática comum é oferecer seus dados (de valor equivalente) em troca, o que estimula a colaboratividade no mercado.

Quais são os estágios de implementação do benchmarking?

A implementação de benchmarking em seu negócio pode ser uma ótima maneira de melhorar o desempenho e comparar sua organização com outras do seu setor.

No entanto, esse não é um processo padronizado, e existem alguns estágios diferentes pelos quais você precisará passar para torná-lo bem-sucedido. Que tal conferir?

1° Estágio

A primeira etapa é identificar as áreas do seu negócio que você deseja avaliar.

Isso inclui mapear os principais indicadores de desempenho que você deseja medir e os concorrentes com os quais quer se comparar.

2° Estágio

A segunda etapa é a coleta de dados, ou seja, todo processo de correr atrás das informações e das métricas identificadas, bem como quaisquer outros dados relevantes que serão necessários para comparações.

3° Estágio

A terceira etapa é a análise dos dados.

É aqui que você identifica as lacunas entre o desempenho de sua operação e o de seus concorrentes.

4° Estágio

A quarta etapa é desenvolver planos de ação.

Envolve o desenvolvimento de planos para preencher as lacunas que você identificou e melhorar seu desempenho geral.

Ao seguir essas etapas, você pode garantir que esse seja um processo bem-sucedido para o seu negócio.

Como fazer benchmarking?

E, então, como fazer um estudo de benchmark bem-sucedido e que traga excelentes insights para sua operação? Antes de qualquer coisa, vale entender que esse é um processo que pode se tornar complexo e demorado.

Para tirar o máximo proveito dessa ferramenta, é preciso fazer tudo certo:

É necessário definir cuidadosamente o escopo do seu estudo e escolher os parceiros certos.

Depois, você pode começar a coletar dados e realizar comparações.

Com planejamento e execução cuidadosa, essa pode ser uma ferramenta valiosa para melhorar seu desempenho.

Que tal entender em detalhes? Confira o nosso passo a passo:

  1. Identifique pontos de melhoria em sua própria empresa;
  2. Selecione os indicadores de análise;
  3. Colete dados estratégicos;
  4. Colha feedbacks de seus clientes;
  5. Escolha empresas para monitorar;
  6. Vá a eventos corporativos;
  7. Conte com a ajuda de mentores;
  8. Analise as informações coletadas e implemente melhorias.

1. Identifique pontos de melhoria em sua própria empresa

Antes de poder comparar sua empresa com outras, primeiro você precisa identificar áreas de melhoria em seu próprio negócio.

Isso pode ser feito através da realização de uma análise SWOT, que o ajudará a avaliar os pontos fortes, fracos, oportunidades e ameaças do seu negócio.

Depois de identificar as áreas em que poderia ter um desempenho melhor, você pode começar a analisar outras organizações em seu setor e comparar suas práticas com as suas.

Ao reservar um tempo para comparar seu negócio com outras empresas, você pode garantir que sua organização esteja sempre na direção certa.

2. Selecione os indicadores de análise

No benchmarking, você seleciona os indicadores de desempenho que vão basear sua análise.

Em seguida, você compara o seu desempenho com o dos seus concorrentes e líderes do mercado.

Por meio dessa análise, você busca identificar as áreas em que precisa melhorar.

Mas quais indicadores escolher?

Essa é uma tarefa individual de cada negócio e de cada processo de estudo, já que o benchmark pode ser feito várias vezes e com diferentes objetivos em mente.

3. Colete dados estratégicos

Dados estratégicos de mercado podem fornecer uma boa base para comparações. 

Coletá-los pode envolver pesquisas de mercado, análises de concorrentes e consultas a especialistas do setor.

Assim, é possível ter uma ideia mais clara de sua posição no mercado e quais áreas precisam ser melhoradas.

Alguns dos dados necessários incluem informações sobre o mercado, os concorrentes, os clientes e os produtos, bem como dados financeiros e operacionais, como orçamento, receita, custo de produção e despesa.

4. Colha feedbacks de seus clientes

Ao fazer o estudo de benchmark, colete feedback de seus clientes.

Eles podem fornecer informações valiosas sobre o que gostam e não gostam em seus produtos ou serviços.

Além disso, eles podem dizer o que pensam de seus concorrentes.

Essas informações podem ser usadas para fazer alterações que vão melhorar o desempenho da sua empresa.

5. Escolha empresas para monitorar

Ao escolher quais empresas comparar, selecione aquelas que são semelhantes em tamanho e escopo ao seu próprio negócio.

Você também deve considerar as empresas que são líderes em seu campo, pois elas definirão os padrões que você deve procurar atender.

Além disso, escolha empresas que você possa monitorar regularmente, para que você possa acompanhar quaisquer mudanças ou melhorias em seu desempenho.

Ao comparar-se com esses negócios, você pode garantir que sua empresa permaneça competitiva e continue a prosperar.

6. Vá a eventos corporativos

No entanto, fazer análise de benchmark requer mais do que apenas olhar para as estatísticas das outras empresas. Compreenda as práticas que estão por trás desses números.

Felizmente, existem muitos eventos corporativos que podem ajudar.

Palestras e workshops oferecidos por especialistas oferecem uma maneira fácil de aprender sobre as melhores práticas e ferramentas disponíveis.

Além disso, esses eventos são uma ótima oportunidade para networking e conhecer outros profissionais referência na sua área.

7. Conte com a ajuda de mentores 

Trocar informações e aprender com a experiência de outras empresas sempre foi — e continua sendo — uma das formas mais inteligentes de se obter bons resultados para a sua.

Mas, é claro, esse estudo não é um bicho de sete cabeças. Na verdade, pode e deve ser feito por qualquer organização, basta saber como.

Bom, para ter um norte na hora de escolher as empresas com as quais você quer fazer a comparação, defina os objetivos da análise.

Só assim você poderá comparar o seu negócio com o mercado e tirar conclusões sólidas sobre o que precisa de mudanças ou melhorias.

Mas, veja bem: a análise de benchmark não é complexa, mas pode ser demorada.

Pesquisar, analisar e interpretar dados de outras empresas pode levar muito tempo e exige um bom conhecimento do mercado.

Por isso, conte com a ajuda de mentores experientes para poder tirar o melhor proveito do processo.

Com a ajuda certa, essa pode ser uma ótima ferramenta para melhorar os resultados da sua empresa.

8. Analise as informações coletadas e implemente melhorias

Por fim, saiba que o estudo de benchmark é um processo incrível para descobrir como a sua empresa está em relação à concorrência.

A aplicação pode variar, mas a ideia é quase sempre a mesma: comparar o seu desempenho contra o dos seus principais concorrentes.

Portanto, depois de coletar todas as informações, analise os dados e implemente as melhorias necessárias para que a sua empresa esteja no topo da concorrência.

Vale ressaltar que essa não é apenas uma ótima maneira de medir o seu desempenho, mas também pode ser uma boa ferramenta de motivação para a sua equipe.

Afinal, mostra a sua equipe onde ela precisa melhorar, e isso pode ser exatamente o que seus colaboradores precisam para se dedicar e alcançar os seus objetivos.

Exemplos de benchmarking 

Que tal conferir alguns exemplos de benchmarking realizados por toda indústria? Separamos alguns casos bastante conhecidos no mercado. Confira:

Gol

Ao realizar um estudo de mercado, a companhia de linhas aéreas entendeu que o público brasileiro estaria mais disposto a pagar por passagens de menor custo.

Isso ajudou a empresa a se destacar como uma opção mais acessível e remodelar seus pacotes de viagens mais econômicos.

Coca-Cola

Um excelente resultado de um estudo de benchmark veio da Coca-Cola, que descobriu que seus concorrentes indiretos estavam se saindo muito bem (no caso, fabricantes de picolés e de café).

Por isso, a empresa investiu em um branding mais adequado e reforçou a refrescância de suas bebidas, bem como o potencial de servir como energético para momentos do dia.

Ferramentas de benchmarking

As principais ferramentas para realizar o estudo de benchmark são facilmente encontradas online ou ensinadas em cursos sobre o assunto.

Como se trata de uma análise de informações concretas, normalmente, a simples pesquisa (que pode ser demorada) ou entrevistas de preferências com consumidores já funcionam.

Além disso, encontre fontes de dados online, em sites como: Datanyze, Builtwith e Mattermark.

Conte com os ERPs da TOTVS

Se você quer um benchmarking eficiente, precisa de dados de qualidade.

É aí que entram os ERPs da TOTVS!

Nossa tecnologia fornece um conjunto completo e consistente de dados para análise de benchmark, permitindo que você não apenas melhore sua operação, mas monitore todas as suas informações em tempo real.

Com os ERPs da TOTVS, você terá acesso aos mesmos dados que seus concorrentes, o que possibilita uma comparação justa e precisa.

Dessa forma, você poderá identificar onde estão as oportunidades para melhorias e tomar as medidas necessárias para alcançar o sucesso na sua indústria.

Que tal entender mais sobre os benefícios dos nossos sistemas de gestão em seu negócio? Conheça tudo sobre os ERPs da TOTVS!

New call-to-action

Conclusão

Não é de hoje que se fala que benchmarking é importante, não é?

O processo de comparar a sua performance com a dos seus concorrentes para ver onde você pode melhorar é essencial para que seu negócio cresça de forma sólida.

E veja bem: quanto mais estudos de benchmark você fizer, mais conhecimento terá sobre os seus processos e também da sua indústria.

Na prática, trata-se de uma ferramenta que revela problemas de processos que você não perceberia de outra forma.

Além disso, ajuda você a identificar áreas em que você pode ter vantagem competitiva.

Você pode usar esse estudo para medir qualquer coisa, desde o tempo que leva para realizar um determinado processo até o custo de produzir um produto.

Antes de finalizar, que tal seguir de olho em nossas novidades? É só assinar uma de nossas newsletters!Agora, indicamos que você aprenda tudo sobre planejamento de negócio e como estruturar os passos da sua organização é essencial para seu sucesso. Confira nosso guia!

Artigos Relacionados

Deixe aqui seu comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.


Usamos cookies para fornecer os recursos e serviços oferecidos em nosso site para melhorar a experência do usuário. Ao continuar navegando neste site, você concorda com o uso destes cookies. Leia nossa Política de Cookies para saber mais.